FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Alta da arroba do boi pressiona produção de leite no país

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 17/01/2020

2 MIN DE LEITURA

0
1

A valorização da carne bovina no final do ano passado deve gerar impactos na pecuária leiteira no primeiro trimestre de 2020. Diante dos baixos preços do leite e seus derivados, muitos produtores aproveitaram o aquecimento do mercado de corte para abater matrizes, o que deve reduzir a oferta de leite nos próximos meses.

“Também deve-se levar em conta que, dada a alta nos preços dos bezerros, é possível que produtores de leite invistam na criação destes animais e passem a destinar maior parte da produção de leite para a sua alimentação”, explica o Cepea, em seu boletim mensal.

Em Mato Grosso, o Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea) destaca que, enquanto a arroba do boi gordo acumulava valorização de 34% em novembro do ano passado, o preço pago produtor de leite no mesmo período avançou apenas 4%.

“Com isso, parte dos produtores de leite está aproveitando o momento para descartar suas matrizes a fim de aproveitar os preços atrativos da pecuária de corte e obter receita extra. Isto é um sinal de alerta para a cadeia, visto que pode afetar a produção de leite no campo em 2020”, afirma a instituição.

Até mesmo as importações, que poderiam aliviar a oferta no país, diante da menor produção nacional, devem ficar comprometidas neste início de ano. Com o dólar valorizado, o Cepea destaca que as importações de leite em pó estão desestimuladas. Em novembro, elas somaram 11,23 mil toneladas, queda de 38,4% ante igual período do ano passado.

“Embora seja delicado projetar o potencial de oferta de uma atividade que se ajusta diariamente, como no caso do leite, 2020 pode continuar a ser um ano difícil para a recuperação da produção”, observa o Cepea ao ressaltar que, neste início de ano, a indústria tem enfrentado maiores dificuldades para abastecer seus estoques, o que tem impulsionado os preços da matéria prima (leite cru).

No Rio Grande do Sul, um dos principais estados produtores do país, a pecuária leiteira enfrenta ainda as dificuldades climáticas. O tempo quente e seco tem comprometido pastagens e provocado estresse calórico no rebanho local em plena entressafra. Além disso, os impactos nas lavouras de milho devem reduzir a oferta do grão para alimentação animal a partir de março.

Já a demanda, por outro lado, deve apresentar crescimento este ano caso se confirmem as previsões de recuperação da economia. "Como o consumo de lácteos está diretamente ligado ao aumento da renda, o crescimento econômico pode melhorar as margens da indústria (espremidas em 2019) e permitir que os preços ao produtor se mantenham em patamares elevados, mas mais alinhados ao padrão sazonal", explica o Cepea.

As informações são do Globo Rural.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint