FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Helena F. Karsburg, da Agrindus: "queremos criar uma cultura interna de geração de ideias"

A Agrindus iniciou as suas atividades em 1945 e desde então desenvolve a produção de leite e o melhoramento genético. A marca Letti surgiu em 2007 e foi pensada como uma estratégia para agregar valor à produção e gerar valor como marca. O projeto da Agrindus sempre esteve ligado à agroindústria e adicionar valor com a intensificação da produção, verticalização, venda de genética e uso eficiente dos efluentes sempre fez parte dos objetivos da empresa. 

Bezerreiro Agrindus 

novilhas Agrindus
Novilhas Agrindus

novilhas Agrindus
Novilhas Agrindus

Helena Fagundes KarsburgPara Helena Fagundes Karsburg, Gerente e Responsável Técnica do Laticínio da Agrindus S/A, a paixão em produzir a linha de lácteos Letti está na certeza de agregar valor à cadeia produtiva de maneira única e sustentável. “Temos na ‘porta do laticínio’ uma matéria-prima de alta qualidade e a utilizamos da melhor maneira para oferecer ao mercado produtos diferenciados". 

Atualmente são comercializados leites pasteurizados em três versões (integral, semidesnatado e desnatado), iogurtes líquidos (de beber) em vários sabores, creme de leite fresco, queijo minas frescal e o mais novo lançamento: iogurte grego líquido zero lactose – o primeiro grego líquido feito com leite tipo A, alto teor de proteína e zero lactose.

Agrindus_Marca Letti

Helena será uma das palestrantes do Interleite Brasil 2017, o evento que mais inova em conceito quando se fala de leite. A sua apresentação compõe o painel “Inovação e Futuro”. O evento deste ano terá apresentações de produtores e técnicos, divididas nos seguintes painéis temáticos:

-Por que investir no leite?;
-Começando do zero: desafios, aprendizados e expectativas;
-Inovação e futuro; Tecnologia aplicada;
-Conforto, reprodução e sanidade;
-Produtores em destaque: gestão para resultados consistentes. 

“Atuo como gerente desde 2007. Passei pelas áreas industriais e de suprimentos e hoje meu foco é mais estratégico e não tão diretamente ligado à operação fabril. Minha atuação está muito focada em pesquisa e desenvolvimento de novos produtos e monitoramento de mercado para novas tecnologias a fim de trazer para a empresa inovações tanto em processos como em produtos”, acrescentou Helena.

Ela acredita que um conjunto de medidas é que faz toda a diferença na qualidade do leite, iniciando pela alimentação dos animais - que precisa ser balanceada e uniforme ao longo do ano todo - passando pelo bem-estar, sanidade e finalizando com os cuidados na ordenha e na correta estocagem e transferência do leite para o laticínio.

coçador Agrindus
Coçador de animais da Agrindus 

“É difícil pontuar um cuidado em especial, mas do ponto de vista da qualidade microbiológica do leite e do laticínio (onde temos um parâmetro de medida na legislação) eu diria que os investimentos realizados em infraestrutura de ordenha, transporte e resfriamento do leite, associados ao correto manejo dos animais, fazem toda a diferença na qualidade final da matéria-prima”.

bezerreiro Agrindus
Bezerreiro Agrindus 

ordenha agrindus
Ordenha Agrindus

De acordo com a gerente, no laticínio, trabalhar com foco em inovação tende a ser mais fácil já que os processos estão definidos e, por se tratar de uma indústria, a inovação já se faz presente de alguma forma. Na fazenda, trabalhar o conceito de inovação é bem complexo e os resultados não aparecem de imediato. “No momento estamos trabalhando para institucionalizar os conceitos, com o intuito de criar a cultura interna de geração de ideias. Queremos que elas sejam continuas e espontâneas e esperamos que todos entendam que é possível alterar para melhor seus ecossistemas e gerar benefícios para o meio. Se atingirmos este objetivo, indiretamente estaremos identificando e retendo os melhores talentos - aqueles que realmente fazem a diferença para a empresa”. Para expor com mais detalhes esse assunto, o tema da palestra de Helena no evento será “Como inovar em uma fazenda de leite? A nova visão da Agrindus”.

No momento estamos trabalhando para institucionalizar os conceitos, com o intuito de criar a cultura interna de geração de ideias. Queremos que elas sejam continuas e espontâneas e esperamos que todos entendam que é possível alterar para melhor seus ecossistemas e gerar benefícios para o meio.Helena F. Karsburg

O maior desafio apontado por Karsburg é a manutenção de um rebanho sadio e em conforto. “Pensamos muito nas instalações e manejos buscando sempre a melhor condição de conforto aos animais em todas as suas fases de desenvolvimento. Animais em conforto significa que ficam menos doentes, não necessitam de manejos especiais e não precisam tomar antibióticos constantemente, o que diretamente reflete na qualidade do leite produzido”.

free stall Agrindus
Free stall Agrindus 

Atualmente a Agrindus processa em torno de 40% do volume de leite cru produzido pela fazenda. Este volume de processamento varia muito de acordo com a capacidade do laticínio de absorver a matéria-prima a preços competitivos frente ao mercado do leite cru refrigerado: “Estamos presentes em 57 cidades do estado de São Paulo e em algumas cidades nos estados de MG, PR, RJ, SC e RS. Por serem produtos refrigerados, que dependem totalmente da cadeia de frio, temos certas dificuldades com distâncias maiores, mas, aos poucos, estamos penetrando em outros estados e em mercados mais específicos, que possuem atendimento diferenciado”.

Para Helena, os processos fabris garantem a segurança do alimento e as boas práticas de fabricação garantem os padrões de qualidade exigidos para cada grupo de produtos de acordo com os regulamentos técnicos de cada um. “Trabalhamos com um sistema bem enxuto e o mais contínuo possível. Sempre buscamos aperfeiçoar processos para deixá-los mais seguros e automatizados”. 

iogurtes Agrindus
Processo fabril Agrindus 

A Agrindus possui uma bagagem genética de 72 anos de seleção sempre buscando aprimorar as principais características relacionadas à produção, conformação e adaptabilidade ao clima tropical. “Processar este leite no laticínio depois é fácil. A qualidade inerente ao leite cru – composição nutricional (teores de proteína e gordura), parâmetros microbiológicos (CBT), ausência de resíduos químicos e doenças infectocontagiosas garantem produtos finais de altíssima qualidade e muito seguros”.

animais Agrindus
Trato e vacas da Agrindus 

Conheça os palestrantes que compartilharão as suas experiências neste ano no Interleite Brasil 2017! Todo o corpo técnico foi selecionado ‘a dedo’ pela Equipe AgriPoint para palestrar no evento, que ocorrerá nos dias 02 e 03 de agosto. 

Confira a programação completa no site www.interleite.com.br, com condições especiais para os primeiros inscritos!

Para quaisquer informações ou dúvidas sobre o evento envie um e-mail para eventos@agripoint.com.br ou ligue para (19) 3432-2199

patrocinadores Interleite Brasil 2017

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.