FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Planejamento na produção leiteira: definindo objetivos, metas e planejando as ações

Como vimos no artigo anterior, o planejamento pode ser conceituado como um processo desenvolvido para o alcance de uma situação futura desejada, de um modo mais eficiente, eficaz e efetivo, com a melhor concentração de esforços e recursos pela empresa. O planejamento não diz respeito às decisões futuras, mas às implicações futuras de decisões presentes (Peter Drucker). Portanto, aparece como um processo sistemático e constante de tomada de decisões. Mas começar por onde? O primeiro passo é saber para onde se deseja ir, ou avaliar se é possível ir para onde se deseja.

O planejamento não é um ato isolado, e por isso deve ser visualizado como um processo composto de ações inter-relacionadas e interdependentes que visam o alcance de objetivos previamente estabelecidos. Deve-se, também, considerar a necessidade de que os objetivos sejam viáveis, compatíveis com a realidade da fazenda e sem dúvida, coerentes com os objetivos estratégicos do produtor.

Mas qual a diferença de objetivos e metas? Segundo a literatura, em algumas circunstâncias e dependendo do autor, encontramos a mesma definição para metas e objetivos, mas há uma diferença entre elas. Por isso, é interessante tratá-los de forma diferenciada, e para nivelarmos estes conceitos, neste artigo e no próximo quando formos aplicar o Ciclo PDCA em uma propriedade leiteira, vamos seguir essas definições:

Objetivos: são os alvos ou fins que o administrador deseja atingir; devem ser específicos, desafiadores e realísticos (BATEMAN; SNELL, 1998).

Meta: etapa que é realizada para o alcance do objetivo ou desafio. São fragmentos dos objetivos e desafios e sua utilização permite a melhor distribuição de responsabilidades, como também melhor controle dos resultados concretizados pelos diversos participantes da equipe de trabalho ( OLIVEIRA, 2013).

Planos: são as ações ou os meios de que o administrador dispõe par atingir os objetivos (BATEMAN; SNELL, 1998).

Resumidamente, podemos considerar que as etapas básicas do planejamento são:

• Definir claramente o OBJETIVO: onde se quer chegar, a direção;
• Definir a META: resultado a ser atingido e em quanto tempo;
• Definir quais os MEIOS para se atingir este objetivo, qual será o caminho (método) a ser seguido para se chegar lá.

Partindo para um exemplo prático, podemos estabelecer como objetivo "reduzir a Contagem Bacteriana Total - CBT". Na definição das metas, alguns cuidados devem ser tomados. Uma dica é seguir as iniciais da palavra METAS para avaliar se foi ou não uma boa meta elaborada:


*clique para ampliar. 

Utilizando o objetivo apresentado, como exemplo de meta, podemos definir: Reduzir a contagem bacteriana total (CBT) de 300 mil ufc/ml para 50 mil ufc/ml até abril de 2016.

Será que é uma boa meta? Vamos avaliar seguindo os critérios apresentados:

• é Mensurável? Sim. Trata-se da CBT que é numérica;
• é Específica? Sim. Embora associada a outros fatores, a meta refere-se apenas a CBT;
• é Temporal? Sim. Elaborada em out/15 o prazo para ser alcançada é abril/2016;
• é Alcançável? Sim. O prazo é suficiente para tomar medidas necessárias para reduzir este valor, já que normalmente a CBT está associada a higiene, e em alguns casos ao resfriamento. Ações relativamente simples, podem gerar resultados rápidos, gerando redução nos valores de CBT;
• é Significativa? Neste exemplo Não. Com apenas algumas ações, pode-se reduzir este valor facilmente e em um espaço de tempo menor, a não ser que não houvesse resfriador, ou que tivesse um problema grave na ordenha que exigisse investimentos, ou problemas no transporte e coleta, entre outros fatores, mas com resfriador, equipamento em dia, e transporte adequado, é possível reduzir este valor em menos de um mês.

Dependendo da situação, a CBT poderia até ser reduzida para menos que 50 mil ufc/ml, porém seriam necessárias outras medidas sanitárias para essa redução, e se pretendemos realizar a redução em um período mais curto, como por exemplo nov/15, a meta seria mais desafiadora. Desta forma, a redação mais adequada para a meta seria: Reduzir a contagem bacteriana total de 300 mil ufc/ml para 50 mil ufc/ml até novembro de 2015. Outro ponto a considerar, é que para um mesmo objetivo, posso definir mais de uma meta, mas neste exemplo, não seria o caso.

Com a definição dos objetivos e das metas, o próximo passo é planejar as ações. É preciso elaborar um plano de ação, isto é, definir o que deve ser feito, quem fará, como e onde fazer, estabelecendo um cronograma das atividades e dimensionando quanto será necessário para que a ação seja efetivada. Em outras palavras, é definir e colocar no papel o que é preciso fazer para alcançar os objetivos e metas estabelecidas.

Como ferramenta para este passo, sugere-se o uso do 4Q1POC ou 5W2H, ou planejamento por resultados. Independente do nome que se dá, é uma ferramenta utilizada para planejar a implementação de uma solução. O planejamento da solução deve ser elaborado em resposta às seguintes questões:


*clique para ampliar.

Voltando ao exemplo da meta para redução da CBT, é hora de definir o que fazer e que poderá impactar no processo reduzindo a CBT.


*clique para ampliar.

Outras ações para esta meta poderiam ser planejadas em uma situação real, mas como trata-se de um exemplo apenas, a ideia é apenas repassar o conceito e o como fazer. Na elaboração de objetivos e metas, e posteriormente planejamento de ações, estas definições precisam de uma razão, devem estar interligadas com outras iniciativas e não podem perder o foco dos resultados globais da fazenda. Mas a tarefa não termina por aí. Monitorar o plano é tão importante quanto sua elaboração. Planejamento que fica apenas na "gaveta", dificilmente gera resultados, por isso é interessante dar visibilidade para os planos colocando-os em "murais de comunicação", fazendo reuniões com os envolvidos e explicando passo a passo, entre outras formas.

No monitoramento, ou na definição de novos objetivos, por melhor que esteja a situação, sempre há algo para ser feito, sendo este o princípio da melhoria contínua, uma das razões de uso do Ciclo PDCA, tema que será abordado no próximo artigo. Sinta-se a vontade para comentar, opinar e sugerir, utilizando o espaço abaixo.

Referências bibliográficas

BATEMAN, Thomas S.; SNELL, Scott A. Administração – Construindo Vantagem Competitiva. São Paulo. Ed. Atlas SA. 1998.

CHIAVENATO, Idalberto. Teoria Geral da Administração. Vol. I, Editora Campus, 6ª. Ed., Rio de Janeiro/RJ, 2001.

CUNHA, L. F.P. da. O método PDCA como ferramenta de melhoria contínua dos processos e suporte para a elaboração do planejamento estratégico das empresas. Revista UNIABEU: V.6, n. 14, 2013. ISSN 2179-5037

LACERDA, Flávia A. B; SOPRANA, John C... et al. Gestão da Qualidade: Os Processos – Padronização e Melhoria Contínua. Manual do Participante. Brasília: Sebrae, 2005.

MARSHALL JUNIOR, I; CIERCO, A.A.; ROCHA, A.V. e MOTA, E.B.. Gestão da Qualidade. 2ª. ed. Ver. E atual. – Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

OLIVEIRA, DJALMA DE PINHO REBOUÇAS DE. Planejamento estratégico: conceitos, metodologia e práticas, 31ª edição. São Paulo: Atlas, 2013.

SANTOS, Marcos Veiga dos; FONSECA, Luís Fernando Laranja da. Estratégias para Controle de Mastite e Melhoria da Qualidade do Leite. Editora: Manole, 2007.

Autor do artigo:

Ricardo Ferreira Godinho é Zootecnista, Mestre em Produção Animal, e fez Especializações em Administração Rural, Consultoria Organizacional, Gestão Empresarial. Iniciou sua atividade profissional como técnico de campo da Casmil/Passos, onde atuou por 9 anos. Experiência como consultor por 16 anos pelo SEBRAE Minas e de outros estados em programas de capacitação em gestão empresarial, liderança, empreendedorismo, Programa de Gestão da Qualidade (urbana e rural), atuando na capacitação de consultores e desenvolvimento de metodologias. Já atuou também para o Centro CAPE, Rehagro e como autônomo. Experiência de 10 anos como Professor Universitário (UEMG Unidade de Passos) em cursos de graduação e pós graduação. Produtor Rural, sócio da Agropecuária Tucaninha, a qual destaca-se pelo Prêmio de Excelência Empresarial (2007) e participação no TOP 100 desde 2003.

RICARDO FERREIRA GODINHO

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MÁRIO SILVIO G. SILVA

GOIÂNIA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 04/12/2015

Parabéns Ricardo, muito bom.
MARIANA POMPEO DE CAMARGO GALLO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 19/11/2015

Olá pessoal,



Para quem quiser aprender como controlar os custos na pecuária leiteira, na próxima semana começará o Curso Online "Custos de produção na pecuária leiteira", com a instrutora Carina Barros.

Durante o curso, o aluno aprenderá como montar sua própria planilha para cálculo e, poderá tirar dúvidas diretamente com a instrutora.



Para participar acesse: http://www.agripoint.com.br/curso/custos-producao/



Ou entre em contato: cursos@agripoint.com.br / (19) 3432-2199
JULIA SILVEIRA PEREIRA

UBERLÂNDIA - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 09/11/2015

Excelente artigo Ricardo!!! A cada dia mais posso acompanhar a acertividade de propriedades que trabalham com planejamento e implantação de PCDA. Eu vejo que a alguns anos atrás alguns técnicos erram pouco valorizados por esta forma de atuação, pois o "bom" era o braçal. Hoje tenho o prazer de acompanhar alguns projetos que estão com este modelo de gestão, e o que me chama muito atenção é a organização das ações, motivação dos colaboradores e alinhamento dos objetivos por parte dos funcionários.

Em anos desafiadores, como o que estamos vivendo, eu acredito que os riscos sejam bem menores.

Parabéns pelo material e obrigada por incentivar a mudança de ações.