FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Tratamento homeopático de mastite clínica

POR MARCOS VEIGA SANTOS

E SUSANA NORI DE MACEDO

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 25/09/2014

37
1
Susana Nori de Macedo * e Marcos Veiga dos Santos

A mastite é um processo inflamatório da glândula mamária e é a principal responsável pela redução da quantidade e da qualidade do leite produzido. Além disso, a mastite é a principal causa da utilização de antimicrobianos em vacas em lactação. Nos casos clínicos, que correspondem a cerca de 10% dos casos observados nas primeiras semanas após o parto, o tratamento com antimicrobianos apresenta taxa de cura variável. No entanto, o uso inadequado de antimicrobianos para controle da mastite e o não respeito ao período de carência podem deixar resíduos destes produtos no leite, o que pode elevar nos seres humanos a resistência aos diversos antimicrobianos. A maior preocupação dos consumidores quanto à qualidade dos alimentos é crescente no mundo inteiro e, por este motivo, tem-se aumentado a busca por alternativas que diminuam os riscos de contaminação por resíduos de antimicrobianos no leite.



Para buscar alternativas ao uso dos antibióticos, nos últimos anos ocorreu aumento do interesse de uso da terapia homeopática, que consiste no uso de compostos em baixíssimas concentrações, mas que, em quantidades elevadas, provocariam os sinais de determinada doença em um animal sadio. Embora existam estudos sobre o uso de medicamentos homeopáticos, os resultados tem sido variáveis e insuficientes uma conclusão definitiva.

O uso da terapia homeopática para o controle da mastite é mais frequente nos sistemas de produção de leite orgânico, nos quais é proibida o uso de antibióticos e antimicrobianos, tanto de forma profilática quanto terapêutica. Em todo o mundo entre 30 e 50% das fazendas certificadas como produtoras de leite orgânico utilizam a terapia homeopática como principal forma de controle e tratamento das mastites. No entanto, a eficácia das substâncias utilizadas nesse tipo de tratamento é contestada principalmente pela ausência de grupo controle adequado, que é utilizado para comparação da efetividade da terapia homeopática.

Para avaliar a eficácia da terapia homeopática em casos de mastite clínica aguda leve ou moderada, um grupo de pesquisadores alemães realizou um experimento em 4 rebanhos comerciais, sendo um com sistema de produção de leite orgânico e três com sistema convencional. Os rebanhos tinham entre 75 e 300 vacas em lactação, que foram avaliadas mensalmente quanto à produção de leite e CCS, durante dois anos e meio. As vacas que apresentaram mastite clínica foram distribuídas aleatoriamente entre os tratamentos: homeopático (n = 58); com antimicrobiano (n = 46); ou controle (placebo) (n = 43). Para cada caso de mastite clínica foram coletadas amostras de leite para cultura microbiológica nos dias 0, 7, 14, 28 e 56, sendo o dia 0 o momento em que foi detectada a mastite.

Neste estudo, não houve diferença na produção de leite e na CCS entre os tratamentos e foi observado que dentre os 147 casos de mastite clínica nos rebanhos, em 62% deles a cultura microbiológica foi negativa. Nestas situações de ausência de crescimento na cultura, não é recomendado o uso de antimicrobiano, pois em geral o próprio sistema imune da vaca pode combater o patógeno. Nas amostras com cultura microbiológica positiva, todos os micro-organismos isolados foram patógenos ambientais.
Na primeira semana após a observação dos sinais clínicos da mastite, cerca de 83% das vacas que receberam antimicrobiano estavam curadas, enquanto que a taxa de cura das que receberam tratamento homeopático foi de 43,6% e de 56,5% para os animais do grupo placebo. No entanto, a taxa de cura aos 56 dias após o aparecimento dos sinais clínicos, foi de 36% para os animais que receberam a terapia homeopática, 24% para os tratados com antibiótico e 16% para os que receberam placebo.

Um outro estudo foi realizado na Nova Zelândia para avaliar a viabilidade do tratamento homeopático nos casos de mastite clínica em vacas no início da lactação. Para este experimento, foram utilizadas 227 vacas com no máximo 90 dias em lactação, oriundas de 7 rebanhos leiteiros comerciais. As vacas foram aleatoriamente distribuídas em dois grupos, sendo que um recebeu tratamento homeopático (n = 114) e o outro foi tratado com antimicrobiano (n = 113).

Os pesquisadores observaram que 77% dos casos de mastite clínica ocorreram durante a primeira semana após o parto. Das 227 vacas estudadas, em 92% foram obtidas culturaa microbiológicas positivas. As principais espécies isoladas foram: Streptococcus uberis (67%), Staphylococcus aureus (7%), Streptococcus dysgalactiae (5%), Staphylococcus coagulase negativa (15%) e Escherichia coli (3%).

A taxa de cura das vacas tratadas com antimicrobiano foi de 74% enquanto que naquelas que receberam tratamento homeopático foi de 36%. No entanto, dentre as vacas que receberam tratamento com antimicrobiano logo após o aparecimento dos sinais clínicos, 95% retornaram à ordenha nos dias seguintes ao tratamento e não precisaram de tratamento adicional, enquanto que as vacas que receberam tratamento homeopático essa taxa foi de 63%. O número de casos observados e a taxas de cura (%) para cada um dos patógenos isolados neste experimento estão na Tabela 1.

Tabela 1 – Número de casos de mastite clínica e taxa de cura nas primeiras semanas pós-parto em vacas tratadas com antimicrobiano ou homeopatia na Nova Zelândia


Adaptado de Williamson e Lacy-Hulbert (2014).

Conforme apresentado na Tabela 1, a taxa de cura das vacas que receberam tratamento com antimicrobiano foi superior nos casos de mastite clínica causada por Streptococcus uberis e Staphylococcus coagulase negativa. As taxas de cura entre os tratamentos com antimicrobiano e homeopatia nas vacas com mastite clínica causada por Staphylococcus aureus foram similares. Nos casos em que foram isolados Streptococcus dysgalactiae e Escherichia coli os animais que receberam tratamento homeopático apresentaram maior taxa de cura em comparação aos que foram tratados com antimicrobiano.

O rápido retorno da vaca para a ordenha e a prevenção da doença sistêmica são os principais objetivos do tratamento dos casos clínicos de mastite. Como apresentado no primeiro experimento, o uso de tratamento homeopático apresenta menor taxa de cura e somente após longo tempo de tratamento. Dessa forma, não há evidência que apoie o uso de tratamento homeopático para vacas leiteiras como alternativa à terapia antimicrobiana para o tratamento da mastite clínica. A estratégia mais eficaz é o uso de antimicrobianos adequados pelo tempo recomendado, devendo, da mesma forma, ser respeitado o período de carência indicado.


Fontes: Williamson, J.H.; Lacy-Hulbert, S.J. New Zealand Veterinary Journal, v.62, n.1, p.8-14, 2014; Werner, C. et al. Journal of Dairy Research, v.77, n., p.460-467, 2010.

*Susana Nori de Macedo é zootecnista e estudante de doutorado em Qualidade e Produtividade Animal da FZEA-USP.
 

MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

37

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

LAÉRCIO BARBOSA MARQUES

CERES - GOIÁS - REVENDA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS

EM 01/02/2017

Parabéns professor, por divulgar uma pesquisa séria sobre um tema controverso.

O consumidor merece comprar um produto livre de resíduos!

Que a cada dia surjam mais pesquisas para que os técnicos aumentem suas ferramentas para controlar uma doença que causa tantos prejuízos à Pecuaria Leiteira.

Abraços

PEDRO AURELIO VILLANI

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 08/12/2016

Cansei de usar antibióticos para mastite no rebanho, utilizo de todos os recursos para a prevenção (higiene, pre e pos dipping, colocação das teteiras em solução de cloro), fiz exames laboratoriais com identificação de bactérias ambientais e dos antibióticos indicados para o tratamento, juntamente com acompanhamento de veterinários. O problema é que para alguns animais o antibiotico funcionou e para outras não, foram utilizados todos sem exceção existentes no mercado, inclusive importado caríssimo, sem prazo de carência e o agravante que para alguns animais curava a mamite e daí a 20 ou 30 dias dava reincidencia.Agora estou experimentado a homeopatia diante dos resultados negativos e do prejuizo, não aguento mais falar em gentamicina.
JORDANE OLIVEIRA DIAS QUINTÃO

SANTA MARIA DE ITABIRA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 20/11/2016

Gostaria de saber de fornecedores ou empresas especializadas
VALMIR

EM 23/08/2018

Boa noite Jordane,aqui em Santa Catarina a empresa Orgânica Homeopatia, é ótimo produto muito eficiente ...
MARCOS VEIGA SANTOS

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 17/08/2016

Udson,

O grupo controle, também chamado de placebo, é um grupo dentro do experimento que não recebe o tratamento em avaliação, mas recebe algum tipo de substância inócua (sem valor de tratamento).

O grupo placebo serve para simular os efeitos da aplicação, mas sem o efeito do tratamento.

Atenciosamente, Marcos Veiga
UDSON SÉRGIO

BARRA MANSA - RIO DE JANEIRO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 17/08/2016

Prezado Marcos me ajude a sanar uma dúvida.
O que quer dizer quando se fala grupo controle (placebo)?
MARCOS VEIGA SANTOS

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 25/06/2016

Prezado Jarbas, sugiro que entre em contato com pesquisadores deste área, entre os quais eu destacaria os Professores Helio Langoni (Unesp Botucatu) e Nilson Benites (FMVZ-USP). Ambos professores têm experiência prévia com estudos sobre homeopatia e poderiam ajuda-lo a desenvolver estas avaliações. atenciosamente, Marcos Veiga
JARBAS CAETANO AMANCIO

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - TÉCNICO

EM 25/06/2016

Sou veterinário, e gostaria de saber o material e método da pesquisa, pois a Homeopatia tem formas variadas de ser usada. Trabalho a 9 anos com Homeopatia, qualquer fazenda que quiser eu retiro 100% de uso de antibiótico no dia da introdução do programa, o qual eu deu o nome de "ANTIBIÓTICO ZERO PARA MASTITE". Como qualquer veterinário sabe, mastite ambiental e de caráter agudo, ao tratar esta vaca com Homeopatia e em 1 dia ela não ter sintomas clínicos e não ter que descartar o leite devido a resíduo de antibiótico, isto não é cura espontânea. Pois bem, gostaria sim de fazer um bom trabalho científico com Homeopatia, não intendo a resistência do meio acadêmico se é para provar que não funciona, seria um grande feito da parte dos acadêmicos desvendar todo isto, não acha? Mas para isto tem que colocar os tratamentos alopáticos na sua forma de uso e a homeopatia também em sua forma preconizada. Me coloco a total disposição para isto, meu emali: Jarbas@pecnew.com.br ou no telefone 61 99655 4141.
MARCOS VEIGA SANTOS

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 20/11/2015

Prezado Itajibes,

Obrigado pelo seu comentário. Na minha opinião, a eficácia de qualquer tipo de ferramenta ou de práticas de controle e a escolha do uso dentro de um rebanho deve ser feito com base em fundamentação científica, por meio de estudos realizados por instituições idôneas. Este tipo de informação permite que o produtor e o técnico tome decisões mais acertadas. Por outro lado, eu respeito quem tem resultados e experiência pessoal dentro de uma fazenda, mas nem sempre com base nesta experiência individual, podemos extrapolar estes mesmos resultados para todos os rebanhos, principalmente porque a mastite é uma doença altamente variável e dependente do tipo de rebanho, ambiente, perfil de agentes causadores, entre outros.

Sendo assim, respeito a opinião de quem tem boas experiências, mas tenho como postura somente recomendar e usar medidas e procedimentos com resultados embasados com estudos científicos.

Atenciosamente,

Marcos Veiga dos Santos
ITAGIBES JUNIOR.

GOIÂNIA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 20/11/2015

Homopatia não demora, apenas respeita "ciclos biológicos".
Se alguém aqui duvide do uso eficaz de Homopatia animal, convido vocês a visitarem varias fazenda leiterias ou de corte por todo estado de Goiás. Trabalho alguns anos com uma empresa do ramo, e consegui como Medico Veterinário ótimos resultados. Caso alguém queria constatar esse uso, os levo em fazenda que coletam de 4 mil litros até 33 mil litros de leite dia, ou fazendas de corte com 45 mil animais usando produto hemopático a mais de 15 anos.
Quando eu não sei de um assunto, não expresso minhas opiniões. Logo tem muita gente aqui precisando estudar mais um pouco sobre Homeopatia e rever seus conceitos.
ATT. Itagibes Junior Info -> 062 8581-7772 / 9701 5967
CARLOS CORDOVES

PORTO ALEGRE - RIO GRANDE DO SUL - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 28/06/2015


Prezados colegas que participaram neste forum de forma oportuna e positiva por milkpoint e Prof Marcos veiga , quiero por estos resultados cumprimentar -os

Por outra comentar que gostaria escrever em milkpoint quando exista a oportunidade alguns resultado cientificos obtendo no estado de rio grande do sul desde 2012 em materia do uso homeopatico no controle de qualidade do leite e mastite clinica e subclinica e outros parasitas ( ex carrapatos )

Para os estudosos da homeopatia e segredo e novedoso conhecer que a farmacotecnica homeopatica de mas de 200 anos foi a escola que deo base a gener produzir o primer produto vacinal , isto é a elaboração de vacinas ,incorporando em seu basamento um dos principios fundamentais homeopatico na produccção de vacinas humanas e veterinarias , isto é o rpincipio da SEMELHANÇA o SIMILITUDE

Infelizmente varios colegas veterinarios, professores , pesquisadores sem conhecer estos principios. farmacotecnica, repertorização, materias medicas veterinarias etc nem muito menos haver trabalhado com produtos homeopaticos , nem conhecer sua farmacotecnica tomam posições radicais tipicas de tendencias galenicas o de contrarios (alopaticas) para defender so o que sabem o usam

Claro, isto se deve a contaminação que por seculos fazem algumas industrias farmaceuticas por que sabem que a produção de produtos homeopaticos em 10 a 15 anos sera incrementada em masi de 15 % e seu negocio e moloeculas que falando verdade todas VELHAS mais de 35 anos , a quimiorresistencia a levo a diminuição de eficacia e ascendente quimiorresistencia ate cruzada

Por isso o porque de algumas multinacionais e nacionais sem experiencia nem conhecimento da ciencia homeopatica tratam de bater para defender o uso de antibioticos, pesticidas, quimioterapeuticos , transgenicos etc
,
Estimo nos medicos veterinarios , professores de universidades , centros de pesquisas e autonomos, deveriamos para decir verdade aprofundizar e estudiar um pouco mais sobre homeopatia veterinaria e não deixarnos levar por costumes ,ventagens ou ganhos economicos estimulados por determinadas empresas de produtos farmaceuticos (alopaticos ) seja nacional o multinacional
Nos deveriamos por que a homeopatia precissa , pesquizar as dois tendencias cientificas do conecimento , pois homeopatia ( escola dos semelhantes) e Alopatia (escola dos contrarios) são CIENCIAS

Um grande Abraço para milkpoin, Prof Marcos Veiga e todos os partifcipantes , Dr Carlos O Cordoves Ph.D
Porto Alegre / RS
MARCELO FARIA

GUARATINGUETÁ - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 20/03/2015

Alguem tem alguma informação do uso da homeopatia MAMITE H da expressão animal?
MARCIO DE OLIVEIRA

GOIATUBA - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 09/01/2015

Parabéns a todos que se dispuseram a debater sobre o tema, mas infelizmente nunca se terá um consenso nesse assunto AlopatiaXHomeopatia. Pois tudo que se analisa é somente o que prega a Alopatia, tratamento da doença, enquanto a Homeopatia trata o ser doente. Devemos atentar aos ganhos adicionais quando se trata com Homeopatia, pois temos casos que tratamentos de mastite sub com homeopatia foi resolvido e o animal ainda teve resposta à outros problemas, tais como: Infecção de cascos, sistema imunologico melhorado, respondendo assim a vários estímulos.
Mas enquanto não abrirmos nossa mente e ter uma visão geral da nossa propriedade e aceitarmos que os maiores males são causados devido à manejos inadequados, dieta, sombreamento, oferta de água, dentre outras, estaremos fadados a manter produtos nocivos a saúde animal e humana. Agradeço á todos pelos comentários e rezo para que se levante sempre essas questões, pois independente de comprovação ou vivenciamento de um ou outro tratamento, estaremos aqui produzindo nosso leite e buscando sempre melhoras.
Obs: Para um comparativo de tratamentos justo, penso que se deveria entender que a Homeopatia tem em seu grande favor, a prevenção.
ROCCO ANSANTE

VALINHOS - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 13/10/2014

Essa discussão aberte e interativa é o melhor de tudo que poderia acontecer,pois veterinários dão o testemunho,comprovando a pesquisa cientifica,e os criadores fazendo também seus relatos das experiências.
Parabéns à todos.
LUIZ GOUVÊA LOPES JARDIM

SÃO PAULO - SÃO PAULO

EM 08/10/2014

Ilustre Professor,
Realmente o tema é o tratamento de mastite clínica. Salientamos em outras oportunidades de somos adeptos de tratamento homeopático em nossa família. De salientar quem nos assiste é um médico veterinário que também segue essa linha. Obtivemos bons resultados em tratamento homeopático contra a mastite clínica, bem como, em outras enfermidades com bastante eficácia.Se há resultados científicos, desconheço, no nosso caso é eficaz.
Não custa lembrar que, a homeopatia sempre sofreu preconceitos.Os princípios ativos âmbito dos bovinos é praticamente o mesmo dos seres humanos, claro, com dinamizações diversas.
Enfim, o debate sempre é interessante. Luiz
MARCOS VEIGA SANTOS

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 07/10/2014

Prezados, gostaria de ressaltar que o foco central do tema do artigo em questão é a eficácia do uso de alguns tratamentos homeopáticos para masite bovina. Um tema totalmente diferente é o uso de homeopatia em seres humanos, pois na minha opinião são temas bastante diferentes.

Atenciosamente, Marcos Veiga
LUIZ GOUVÊA LOPES JARDIM

SÃO PAULO - SÃO PAULO

EM 07/10/2014

Caro Valdinei,
A homeopatia pode-se dizer que o seu nascimento é de 1796, Em 1841 foi fundada a Escola Homeopática no RJ e em 1842 foi aberta a primeira farmácia homeopática. Em 1858 foram criadas alas de enfermagem homeopáticas em hospitais no Rio de Janeiro. Em 1966 foi decretada obrigatoriamente a inclusão da Farmacotécnica Homeopática em todas as faculdades de farmácia no Brasil.E 1980, o Conselho Federal de Medicina reconheceu oficialmente a homeopatia especialidade médica. Há na verdade, certo preconceito contra a homeopatia. Tudo na vida requer bom senso, ou seja, se enfermidade é urgente deve-se socorrer da medicina tradicional. Desconheço tratamento mais eficaz para a cura de bronquite, sinuzite, etc.. senão pela homeopatia. Utilizamos, também em nossa família a homeopatia. Não se discute a toxidade da medicina tradicional, ou melhor, sempre ocorrem efeitos colaterais.
ROBERTO MANGIÉRI JUNIOR

JUNDIAÍ - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 07/10/2014

Valdinei..entre na bibliorteca da escola de veterinaria da Univ. de São Paulo. Lá vc vai encontrar alguns trabalhos de um grupo muito sério. Vejo que tem havido um pouco de dificuldade no acesso à informação. Os trabalhos cientificos,são poucos sim, mas existem.
VALDINEI GRAPIGLIA

CONSTANTINA - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 06/10/2014

Se a homeopatia promove estes resultados que alguns leitores comentaram que obtêm a campo, onde estão os resultados científicos? Há quantos anos estes produtos já estão no mercado e não existem resultados científicos. Para mim não resta dúvida, estes produtos apenas aumentam as contas dos produtores.
RICARDO SOARES COELHO

CASCAVEL - PARANÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 04/10/2014

Presto assistência técnica na região de Cascavel-PR. Não recomendo o uso de homeopatias por carecer de resultados práticos e relação custo benefício no tratamento e na prevenção. Tenho inúmeros chamados de clientes com problemas de CCS e CBT que utilizam homeopatias regularmente e que pecam "no básico" - HIGIENE de ordenha e manejo do ambiente (homem, vaca, gestão, ambiente, microorganismos), ainda questiono: nutrição, mineralização e imunidade. Acredito que devamos dar atenção a todas as etapas do processo antes de procurar substitutos. Obtive melhores resultados com a suplementação de produtos a base de minerais, vitaminas e leveduras (Vitacom, Lactofarm, Ruminar). Atentem para a utilização de "backflush" (lavagem dos conjuntos entre vacas) obtive excelentes resultados, devido a redução de novas infecções originadas das vacas com mastites sub-clínicas.
ADRIANO REIS QUEIROZ COSTA

FRUTAL - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 03/10/2014

Tal qual receita de bolo , cada um com a sua. Já fui um que dizia não ter tido resultado, hoje porém estou usando um produto que me tem deixado satisfeito. Pode se dizer que o manejo ou a alimentação ou ainda o ambiente mudou, no meu caso não . Respeito por demais tais pesquisas, somente não quero que meus animais tomem conhecimento, pois meu gasto com antibióticos despencaram. Então no meu caso silenciemos.