ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Amontoamento de resíduos orgânicos

JULIO CESAR PASCALE PALHARES

EM 03/02/2022

4 MIN DE LEITURA

1
6

Atualizado em 03/02/2022

O amontoamento dos resíduos orgânicos é um manejo passivo (uma vez amontoado o resíduo, não são realizadas atividades para movimentar o monte) onde o material é acumulado de forma gradual, sob cobertura ou exposto ao tempo. É uma técnica simples, de fácil manejo e baixo custo.

O material permanece amontoado até que seja retirado para o uso como fertilizante. O amontoamento pode ser utilizado para resíduos na fase sólida ou semi-sólida. O recomendável é, no mínimo, 80% a 85% de umidade.

Definições importantes:

  • Monte: resíduo em estado sólido ou semi-sólido que é amontoado no terreno a céu aberto ou em instalação coberta apropriada.
     
  • Cobertura do monte: barreira impermeável à precipitação que é utilizada para proteger o monte da chuva.
     

O amontoamento é indicado para:

  • A – Propriedades com reduzido número de vacas em lactação (1- 20 Unidades Animais, uma Unidade Animal = 1 animal de 500 kg de peso);
  • B – Propriedades em que é feita a raspagem do esterco antes da lavagem;
  • C – Propriedades nas quais se pratica a ordenha seca e não há lavagem do curral de ordenha.

Nas situações B e C pode haver uma grande quantidade de esterco para ser amontoado, o que vai demandar maior área para que o amontoamento seja feito de forma que não haja risco ambiental.

O amontoamento pode ser feito em estrutura permanente ou de curto prazo.

No permanente, o esterco é colocado em uma estrutura construída, geralmente feita em alvenaria (Figura 2). Sugere-se que fique perto das instalações onde o esterco é coletado. Esse tipo de amontoamento demanda maiores investimentos financeiros, devido à necessidade da estrutura. É mais recomendável para propriedades que:

  • A geração de resíduos sólidos e/ou semi-sólidos por dia é elevada, o que exige a elaboração de vários montes e a, consequente, maior complexidade logística para utilizá-los como fertilizante;
     
  • Não há frequente disponibilidade de mão-de-obra para distribuição dos montes nas áreas agrícolas;
     
  • A demanda de nutrientes das áreas agrícolas está próxima aos nutrientes ofertados pelo resíduo, portanto a aplicação do resíduo em excesso causará impactos ambientais negativos no solo, águas e ar.

No amontoamento de curto prazo, até seis meses, deve-se selecionar áreas aptas para receberem os montes. A escolha da área é importante para que o amontoamento não signifique contaminação das fontes de água superficiais ou subterrâneas e do solo. O solo da área de amontoamento tende a ficar mais saturado em nutrientes devido ao líquido que naturalmente escorre do monte.

Na escolha da área para o amontoamento de curto prazo, deve-se considerar:

  • Que tenha um solo profundo, não devendo ser áreas de solo de rápida permeabilidade. A permeabilidade mede a rapidez com que a água penetra no solo. Solos arenosos têm alta permeabilidade, o que pode facilitar a penetração dos poluentes pelas camadas do solo e atingir as águas subterrâneas. Solos argilosos evitam a rápida penetração, mantendo o líquido por mais tempo no monte. Locais não recomendados: pedreiras, terreno cascalhado e poços de areia;
     
  • Espessura do solo e da rocha. A espessura de solo acima do lençol freático é um aspecto na seleção do local. Solos profundos darão mais segurança, pois possuem maior capacidade de retenção do que solos rasos;
     
  • É importante fazer a drenagem do terreno para que a área do monte não seja de acúmulo de águas de escorrimento superficial e/ou de chuva. Não utilizar áreas que ocasionalmente ou frequentemente inundam ou alagam;
     
  • A declividade não deve ser superior a 3%, a menos que boas práticas contenham o potencial escorrimento superficial de líquidos como a colocação de palhada ou terra ao redor do monte. Mesmo com o uso destas práticas, a área não deve ter mais do que 6% de declividade.

 

Algumas práticas de manejo do amontoamento:

  • O monte deve ser alto em vez de largo e com superfície inclinada para facilitar o escorrimento da água da chuva. O movimento da água da chuva no interior do monte pode significar arraste de nutrientes para o solo abaixo da massa de resido. O amontoamento dentro de galpões ou a cobertura do monte são formas de evitar a potencial perda de nutrientes por arrasto;
     
  • Recomenda-se no amontoamento de curto prazo que o esterco seja coberto com uma lona plástica (do tipo usada para silagem);
     
  • Após eventos de forte chuva, o monte deve ser inspecionado para verificar se há escoamento de líquido. Caso isso ocorra, pode-se colocar terra ou palhada sobre o líquido para absorvê-lo;
     
  • É aconselhável o monitoramento de moscas, besouros e outras pragas. Uma forma de evitar a presença destes organismos é pela cobertura do monte;
     
  • A área ou estrutura de amontoamento deve permitir o trânsito de máquinas e caminhões;
     
  • A área ou estrutura de amontoamento não deve ser acessível a humanos e animais;
     
  • A área ou estrutura de amontoamento deve ter uma distância mínima de 50m de fontes de água (nascentes, poços, lagoas, açudes, etc.) e de residências e instalações dos animais;
     
  • A área ou estrutura de amontoamento não deve estar localizada em área onde há predomínio da passagem de correntes de vento;
     
  • Aconselha-se fazer um rodízio da área utilizada para o amontoamento de curto prazo para evitar saturação do solo por nutrientes e aumento do risco ambiental (contaminação de fontes de água superficiais e subterrâneas). Um ciclo de crescimento de uma cobertura vegetal pode ser estabelecido na área que recebeu os montes para haver uma extração dos possíveis nutrientes do solo, tornando a área apta para o recebimento de novos montes;
     
  • Devem ser mantidos registros de cada amontoamento, incluindo: mapa da localização, data e volume aproximado, além de informações da área em que o material foi aplicado como fertilizante.

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário, isso nos ajuda a saber que conteúdos são mais interessantes para você. Quer escrever para nós? Clique aqui e veja como!

Leia também: 

JULIO CESAR PASCALE PALHARES

Pesquisador da Embrapa Pecuária Sudeste

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

SERGIO YOSHIOKA

SÃO CARLOS - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 03/02/2022

Instala um biodigestor pequeno ou médio que terá biogás e biofertilizante de graça....
MilkPoint AgriPoint