FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Atualidades na suplementação com aminoácidos protegidos para vacas leiteiras - Parte 1

POR GRUPO APOIAR

GRUPO APOIAR

EM 03/08/2017

0
1
Neste artigo iremos discutir alguns conceitos introdutórios sobre o uso de aminoácidos para vacas leiteiras, bem como as principais evidências científicas da suplementação com lisina (Lis), metionina (Met) e histidina (His) em diferentes estratégias de formulação de dietas, bem como estratégias de suplementação durante o período de transição.

Para facilitar a leitura e o entendimento dos conceitos, decidimos dividir este texto em duas partes (Parte 1 e 2). Na primeira parte iremos discutir os conceitos introdutórios, e na segunda serão apresentados os principais resultados científicos das pesquisas mais recentes e alguns pontos importantes que podemos considerar para tentar implantar algumas destas estratégias no Brasil.

Antes de iniciar a parte 1, segue um resumo dos principais pontos que revisamos na literatura e que serão discutidos mais claramente ao longo dos dois textos que exibiremos aqui:

Resumo e pontos chaves

- Os resultados científicos não demonstram evidências de que a suplementação com Lis pode apresentar algum ganho no desempenho produtivo de vacas leiteiras, desde que a dieta “basal” atenda as exigências de proteína metabolizável.

- Os efeitos da suplementação com Met protegida sobre o desempenho produtivo das vacas são modestos ou inexistentes quando a dieta basal atende a exigência de proteína metabolizável durante o terço médio de lactação. Porém, a suplementação com Met neste período apresenta potencial para aumento dos sólidos do leite (gordura e proteína). Os efeitos da Met sobre a produção e composição do leite podem depender do nível produtivo das vacas e das fontes e qualidade dos alimentos utilizados na dieta.

- Os efeitos positivos da suplementação com Met protegida sobre o desempenho produtivo das vacas são mais evidentes durante o período de transição, uma vez que estudos mostraram que a suplementação com Met durante este período pode aumentar a produção de leite em até 4 litros/vaca/dia. Adicionalmente, a suplementação com Met durante o período de transição apresentou evidências de que pode reduzir as perdas embrionárias, contribuindo para a manutenção da gestação e eficiência reprodutiva do rebanho.

- Em dietas deficientes em proteína metabolizável, a suplementação com os aminoácidos protegidos Lis, Met e His, sobretudo estes dois últimos, aumenta a produção de leite e os teores de gordura e proteína do leite. Portanto, reduzir o teor de proteína da dieta e utilizar suplementação com aminoácidos pode ser uma estratégia de aumentar a eficiência de uso do nitrogênio da dieta e reduzir custos, mas esta estratégia deve ser avaliada em cada condição de manejo e custos de cada sistema.

- Estudos mostraram que a His é um dos principais limitantes para o desempenho produtivo de vacas leiteiras, e em determinadas condições pode até ser limitante antes mesmo do que a Met. Estes estudos comprovaram que a suplementação com His protegida pode aumentar o consumo e o desempenho produtivo das vacas.

Parte 1

Apesar do tema balanceamento de proteína em dietas de vacas leiteiras não ser um tema “novo” na formulação de rações, ainda é o foco de muitas pesquisas que objetivam propor sistemas de formulação proteica mais eficientes no uso do nitrogênio (N) dietético, bem como atender à exigência adicional de alguns aminoácidos específicos para vacas de alta produção.

Os aminoácidos são os componentes básicos da proteína que são utilizados pelos animais para seu desenvolvimento, produção e demais necessidades. Estima-se que 20 aminoácidos compõem as proteínas no organismo animal, porém, apenas uma parte deles é considerada essencial, ou seja, o metabolismo do animal não consegue produzi-la (precisa ser ingerida pela alimentação).

Desta forma, quando o fornecimento de algum destes aminoácidos é insuficiente na dieta basal para atender à exigência, o mesmo torna-se limitante para os processos produtivos dos animais. Este conceito é conhecido como teoria do “barril” cheio de água, em que a água (representando a produção do animal) será mantida no nível em que se encontrar a “tábua” mais curta (aminoácido limitante).

Considerando que a maior parte dos aminoácidos absorvidos no intestino dos ruminantes podem vir dos microrganismos do rúmen, a suplementação com aminoácidos para ruminantes de forma geral não se fez necessária, uma vez que a proteína microbiana é a fonte de aminoácidos com melhor valor biológico (que mais se assemelha a exigência do animal) para os ruminantes, entre os ingredientes disponíveis no Brasil.

As atuais formulações de rações para vacas leiteiras se baseiam na exigência e suprimento de proteína metabolizável, que é estimada pelo total de proteína microbiana digestível produzida, mais a proteína digestível da dieta que não foi degradada no rúmen (proteína não degradável no rúmen digestível –PDNRd), e uma pequena porção de proteínas “endógenas” do sistema digestório do animal. Portanto, para atender à exigência de todos aminoácidos pelo suprimento de proteína metabolizável, alguns aminoácidos irão exceder a exigência para que seja atendida um mínimo exigido para alguns outros aminoácidos em menor presença na dieta ou na proteína metabolizável, em relação a exigência do animal (Figura 1).

Figura 1 – Exemplo do suprimento de aminoácidos pela proteína metabolizável de acordo com a exigência nutricional de cada aminoácido.
 
 
aminoácidos na nutrição do gado leiteiro


Porém, alguns estudos mostraram que mesmo em dietas que atendem a exigência de proteína metabolizável de vacas leiteiras, a suplementação com alguns aminoácidos, Met e His, podem trazer alguns efeitos positivos sobre o desempenho produtivo, saúde e reprodução de vacas leiteiras, uma vez que estes aminoácidos ainda seriam limitantes nas tradicionais dietas utilizadas. O uso de aminoácidos protegidos, especialmente Met, já é bastante comum em outros países, e no Brasil recentemente temos observado que esta prática tem aumentado, com resultados bastante variados entre fazendas, o que nos motivou a escrever este texto.

Adicionalmente, com o objetivo de tornar o uso do nitrogênio dietético mais eficiente, de modo a reduzir o impacto ambiental das excreções e com potencial redução de custos do sistema, pesquisas também foram desenvolvidas nos últimos anos para reduzir o teor de proteína da dieta e suplementar apenas com alguns aminoácidos, como Met e His, que poderiam limitar a produção de leite com esta redução da proteína.

Para exemplificar, novamente podemos citar a teoria do barril, que poderíamos reduzir o tamanho das tábuas excedentes (aminoácidos excedentes a exigência), e suprir apenas os aminoácidos que estão sendo limitantes (aumentar o tamanho apenas das “tábuas” que estavam mais curta no barril), aumentando a eficiência do “barril” (Figura 2).

Figura 2 – Exemplo de adequação do suprimento de aminoácidos, pela redução do total de proteína metabolizável fornecida e suplementação com aminoácidos limitantes, Met e His.
aminoácidos na nutrição do gado leiteiro

Já existe uma série de pesquisas para vacas leiteiras com suplementação dos principais potenciais aminoácidos limitantes para vacas leiteiras, Lis, Met e His. Obviamente, estas suplementações na dieta ocorrem na forma protegida da degradação ruminal – “aminoácido protegido”. Os estudos com suplementação de aminoácidos protegidos foram conduzidos principalmente de três formas e cada uma delas e seus resultados encontrados serão discutidos na segunda parte deste texto:

1) Suplementação em estágio médio de lactação e com adequado fornecimento de proteína metabolizável (ou seja, além de atender à exigência de proteína metabolizável do animal estabelecida pelo NRC, 2001, também ocorre a suplementação com o aminoácido).

2) Suplementação em estágio médio de lactação, porém com redução no fornecimento de proteína metabolizável. O fornecimento de proteína metabolizável é menor do que a exigência estabelecida pelo NRC, 2001 (balanço negativo de proteína metabolizável).

3) Suplementação com aminoácidos durante o período de transição. O período de transição é conhecido principalmente pelas vacas que entraram em balanço negativo de energia e, também, de proteína. Neste último caso, poderiam ocorrer deficiências de alguns aminoácidos específicos.

GRUPO APOIAR

O "Grupo Apoiar" foi criado com o objetivo de auxiliar no desenvolvimento da pecuária leiteira, através de trabalhos de pesquisa e de consultoria em diversos segmentos da cadeia agroindustrial do leite.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.