ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

NRC 2021: carboidratos para vacas leiteiras

FAMÍLIA DO LEITE

EM 14/07/2022

3 MIN DE LEITURA

0
7

Atualizado em 28/06/2022

Os carboidratos compõem a maior parte da alimentação de vacas leiteiras, sendo responsáveis por 60 a 70% da energia da dieta.

No rúmen, os carboidratos têm funções essenciais, destacando-se:

  1. Produção de ácidos graxos de cadeia curta (principal fonte de energia para o ruminante); 
  2. Substrato para o crescimento de microrganismos, gerando proteína microbiana (excelente fonte de aminoácidos para a produção de proteína do leite); 
  3. Níveis adequados de fibra, com adequado tamanho de partícula são essenciais para garantir a saúde ruminal.

O NRC (2001) separava os carboidratos em insolúveis em detergente neutro (FDN; composta por celulose, hemicelulose e lignina), FDN de forragem, FDA (celulose e lignina) e carboidratos não fibrosos (CNF; compostos por amido, pectina e sacarose).

No entanto, o uso de CNF não é mais recomendado para a formulação de dietas, já que amido, pectina e sacarose possuem diferentes digestibilidades e padrões fermentativos. Sendo assim, o novo NRC (2021) apresenta uma grande evolução. Carboidratos fibrosos continuam caracterizados da mesma forma, mas a entidade nutricional CNF foi substituída por carboidratos solúveis em detergente neutro (NDSC), que são divididos em amido, carboidratos solúveis em água (CSA, sacarose por exemplo) e fibra solúvel em detergente neutro (FSDN, por exemplo pectina).

O conceito de matéria orgânica residual (MOR = matéria seca – cinzas – proteína bruta – FDN – ácidos graxos – amido – CSA – FSDN – ácidos orgânicos – glicerol), que representa compostos que dificilmente são analisados, foi criado. Adicionalmente, o comitê do novo modelo recomenda que a digestibilidade da FDN no trato total (alterável no modelo) seja medida em 48 horas in vitro.

A separação do amido como um nutriente isolado já é praticada há vários anos por nutricionistas, mas a grande quantidade de artigos que relataram o teor de amido da dieta e foram publicados na literatura permitiu que o comitê do NRC (2021) melhorasse diversas equações de predição do modelo (síntese de proteína microbiana, por exemplo).

É importante considerar também a digestibilidade do amido no trato total (alterável pelo usuário no software), uma vez que essa é afetada pelo tipo de grão, vitreosidade, endosperma e processamento. De modo geral, grãos mais farináceos e processados digerem mais, o que leva a uma maior eficiência alimentar dos animais.

A caracterização correta dos carboidratos é essencial para a formulação de dietas, porque cada carboidrato afetará de forma distinta o metabolismo ruminal e pós-absortivo da vaca.

Carboidratos solúveis em água e fibra solúvel em detergente neutro degradam muito rapidamente no rúmen, uma vez que são rapidamente utilizados pelos microrganismos. Por outro lado, a digestibilidade ruminal do amido é extremamente variável (30 a 90%), sendo afetada pelos mesmos fatores que alteram a digestibilidade no trato total mencionados acima. A baixa digestão de amido no rúmen, até um certo nível, pode ser compensada pela digestão de amido no intestino delgado, já que o animal possui enzimas pancreáticas e de mucosa intestinal específicas para a digestão deste carboidrato.

O mesmo não ocorre com os carboidratos fibrosos, que serão aproveitados somente se forem fermentados no rúmen (proteína microbiana também é aproveitada, já que ocorre antes do local de absorção) ou no intestino grosso (proteína microbiana é perdida nas fezes).

Em conclusão, as alterações adotadas pelo NRC (2021) darão suporte para as futuras pesquisas em carboidratos, além de melhorar a capacidade da formulação de dietas para vacas leiteiras em condições de fazenda utilizando o software, uma vez que caracterizam muito melhor os carboidratos e trazem várias equações de predição (que usam o fracionamento de carboidratos) melhoradas.

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário, isso nos ajuda a saber que conteúdos são mais interessantes para você.

Autores

Gleiciele Mendes de Souza - Universidade Federal de Lavras
João Pedro Andrade Rezende - Universidade Federal de Viçosa
Polyana Pizzi Rotta - Professora Adjunta na Universidade Federal de Viçosa

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint Logo MilkPoint Ventures