FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Pastagens degradadas: recuperar, renovar ou reformar?

EDUCAPOINT

EM 24/09/2019

0
0
Dono do 2º maior rebanho bovino do mundo, com cerca de 215 milhões de cabeças, o Brasil tem um grande diferencial: a grande maioria dos animais é alimentada a pasto. Porém, o nível de degradação das pastagens preocupa. Estima-se que metade dos 173 milhões de hectares de pasto, apresente algum estágio de degradação.

De acordo com a zootecnista e instrutora credenciada do Senar-MT, Mariane Ferro, um dos motivos para este índice elevado, é que grande parte das pastagens brasileiras estão distribuídas em áreas marginais, onde normalmente o solo é menos fértil.

Um erro muito comum entre os pecuaristas é o baixo uso de insumos. Segundo a instrutora, muitas vezes é feita a implantação da pastagem sem que a seja realizada a manutenção dessas áreas, o que compromete os índices de produtividade. A baixa utilização de sistemas rotacionados e os erros no manejo do pasto também são fatores que tornam a pecuária bovina menos eficiente.

As baixas taxas de lotação também contribuem para a menor produtividade. Isso ocorre justamente devido à degradação das pastagens, que acabam acarretando essas baixas taxas de lotação. Somam-se a tudo isso, erros no manejo das pastagens.

A degradação das pastagens é definida como “um processo evolutivo da perda do vigor, de produtividade, da capacidade de recuperação natural das pastagens para sustentar os níveis de produção e a qualidade exigida pelos animais, bem como o de superar os efeitos nocivos das pragas, doenças e invasoras, culminando com a degradação avançada dos recursos naturais em razão de manejos inadequados.” (Macedo e Zimmer, 1993).

Etapas da degradação de pastagens

Fonte: Macedo, 1999.

Se o produtor implantou a pastagem de forma correta, ou seja, fez correção da fertilidade do solo, correção de pH, colocação adequada de sementes, etc, entra na fase de manutenção. Após isso, é provável que a pastagem precise de aplicação de fertilizantes em determinados períodos, pois, conforme ela cresce, extrai nutrientes do solo, principalmente nitrogênio e fósforo. Se não fizer a manutenção, pode-se exaurir esses nutrientes chegando ao primeiro estágio, de perda de vigor e produtividade. Com a redução da produção do pasto, há queda na taxa de lotação.

Também pode ocorrer do produtor manter muitos animais na área, mesmo que  essa não suporte, fazendo o super-pastejo. Isso levará ao desenvolvimento de plantas invasoras, aumentando ainda mais a degradação. Também leva a um processo de compactação, seguido pela erosão, que já é um estágio bem difícil de recuperar.

O pecuarista, então, precisa fazer uma gestão e ter um controle dos seus dados. A partir do momento que percebe uma redução na taxa de lotação, já é um sinal de que tem algo acontecendo na pastagem. Quanto antes ele agir para reverter esse processo, menor será seu custo.

Recuperar, renovar ou reformar?

Existem diferenças entre esses três termos:

Recuperação: consiste na aplicação de práticas culturais e/ou agronômicas, visando o restabelecimento da cobertura do solo e do vigor das plantas forrageiras existentes na pastagem, ou seja, mantém-se a espécie forrageira.

Renovação: é considerada como o restabelecimento de plantas forrageiras em uma área onde não é possível práticas a recuperação da vegetação existente. Dessa forma, a área degradada é utilizada para formação de uma nova pastagem, ou seja, há troca da espécie forrageira.

Reformar: são correções ou reparos após o estabelecimento da pastagem.

Para fazer o diagnóstico da área, deve-se levar alguns pontos em consideração:

- Avaliação da participação forrageira, ou seja, qual a porcentagem da vegetação da área que é de fato forrageira e qual é de plantas invasoras;
- Avaliação da cobertura do solo;
- Avaliação da quantidade de forragem (toneladas por hectare);
- Avaliação do nível da erosão do solo.

Após isso, produtor deve começar a identificar os níveis de degradação presentes no pasto.





Métodos de recuperação:


O método direto consiste em trabalhar somente seu pasto já implantado. O método indireto consiste na utilizacao de culturas anuais (milheto, milho, sorgo, arroz) ou lavoura (soja, milho). Com isso, há melhora no solo e é possível obter dinheiro com a venda dessas culturas.

Métodos de renovação:

Na renovação direta, é necessário entrar com tratamento químico e mecânico, pois entende-se que não há mais solução para essa área. Deve-se ter cuidado na escolha da espécie forrageira a ser utilizada. Já no método indireto, também pode-se utilizar os sistemas integrados, com culturas anuais ou lavoura.

Mesmo em estádios avançados de degradação, a recuperação será sempre mais desejável que a renovação. O melhor mesmo é recuperar nos estágios iniciais de degradação, fase em que o processo é mais fácil, envolverá menores custos, tempo e riscos. Ou seja, quanto antes a recuperação for feita, melhor.

Recuperando a pastagem antes da sua degradação total, o pecuarista evitará dois problemas: os altos custos da operação de renovação e também a necessidade de esvaziar totalmente as pastagens, já que a renovação implica fechamento total da antiga pastagem por mais tempo, o que significa perda de receitas que poderiam advir do manejo dos animais que ali poderiam estar, mesmo que em menor número.

Para decidir se irá reformar ou recuperar o pasto, o pecuarista deve se basear tanto em informações técnicas quanto na análise econômica do processo como um todo. Essa análise deve ser feita sempre que se for começar a trabalhar em uma nova área, pois tanto o preço dos insumos quanto as condições dos pastos (nível de infestação e tipo de planta daninha) podem ser alterados.

Como fica claro, o manejo das pastagens é essencial para o sucesso da pecuária a pasto. Para saber mais, acesse o conteúdo completo do curso Manejo de Pastagens.

Neste curso, os instrutores Adilson Aguiar e Mateus Caseta, especialistas no assunto, explicam o passo a passo da implementação da pastagem e montagem dos pastos, desde a escolha de espécies forrageiras, até a divisão de piquetes, áreas de lazer, estrutura de cercas e corredores, manejo do pastejo, além de uma abordagem aprofundada sobre como fazer a análise financeira da produção pecuária baseada em pastagens.
 
Você pode fazer a aquisição do curso individualmente ou optar pela assinatura e ter acesso a todos os cursos da plataforma , que hoje são cerca de 160 cursos! Clique aqui para saber mais informações sobre os planos de assinatura!
 
Mais informações:
contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082


* Artigo baseado no vídeo Programa Bom dia SENAR-MT - Recuperação e reforma de pastagens degradadas (https://www.youtube.com/watch?v=V7guGHmoIdE), com dados da zootecnista e instrutora credenciada do Senar-MT, Mariane Ferro.

Fontes consultadas:

Recuperação e reforma de pastagens degradadas (https://www.youtube.com/watch?v=V7guGHmoIdE)

Bom Dia Senar-MT: saiba como dar início à recuperação das pastagens degradadas (https://blogs.canalrural.uol.com.br/canalruralmatogrosso/2019/04/03/bom-dia-senar-mt-saiba-como-dar-inicio-a-recuperacao-das-pastagens-degradadas/)

É melhor recuperar ou reformar o pasto? (https://www.beefpoint.com.br/e-melhor-recuperar-ou-reformar-o-pasto-21745/)



https://www.youtube.com/watch?v=V7guGHmoIdE
 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.