FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Como a ocorrência de doenças influencia na produtividade de vacas leiteiras?

EDUCAPOINT

EM 18/05/2020

5 MIN DE LEITURA

0
1
Um fator importante que influencia a produtividade do rebanho leiteiro é a quantidade e o tipo de doenças que acometem o rebanho. A base dos programas de controle de doenças inclui o conhecimento da frequência da doença, informações sobre o efeito biológico da doença e informações sobre a eficácia dos procedimentos de controle.
 
A maioria dos estudos relata taxas de incidência de apenas doenças clínicas comuns e facilmente diagnosticadas, como mastite, claudicação, febre do leite, retenção de placenta ou deslocamento de abomaso. A frequência de doenças subclínicas é muito mais difícil de discernir. O custo para obter informações sobre doenças subclínicas é aumentado pela necessidade de usar testes de triagem (por exemplo, cultura ou contagem de células somáticas [CCS] para mastite, cultura fecal ou ELISA para paratuberculose) para diagnóstico. A falta de testes repetidos leva ao relato de prevalência e não de incidência de muitas doenças subclínicas. 
 
As estimativas da frequência de doenças infecciosas esporádicas ou endêmicas (como listeriose, rinotraqueíte bovina infecciosa ou leptospirose) também são escassas. Não há tolerância para algumas doenças que têm sérias consequências para a saúde pública. O diagnóstico de até um caso de encefalopatia espongiforme bovina, brucelose, raiva ou tuberculose em áreas consideradas livres dessas condições é causa de ação imediata.

=> Aprenda mais acessando o conteúdo completo do curso Como controlar a mastite em 3 passos. O curso pode ser adquirido individualmente ou você pode optar por assinar a plataforma EducaPoint, tendo acesso a todos os cursos disponíveis (mais de 170!) por um preço único.
 
Influência de doenças na produtividade
 
Maior seleção, menor produção de leite ou proteína, maior mortalidade de vacas adultas e menor eficiência reprodutiva são todos resultados potenciais da ocorrência de doenças em vacas adultas. A produção de leite costuma ser profundamente reduzida em vacas com doença clínica. A duração das síndromes clínicas agudas é geralmente curta, mas os efeitos da doença podem persistir durante toda a lactação. O início da lactação é o período de maior risco para muitas doenças. 
 
A doença durante o início da lactação pode reduzir o pico de produção de leite e, portanto, contribuir para diminuir a produção total de leite. Através dos avanços nos programas de pecuária e gestão da saúde, muitas fazendas minimizaram as síndromes clínicas associadas a doenças infecciosas e metabólicas.
 
Embora ainda sejam observadas epidemias de síndromes clínicas, a natureza da doença mudou em muitas fazendas leiteiras. A tendência em direção a unidades maiores e a redução das margens de lucro incentivou uma mudança para otimizar a produtividade do rebanho ou grupo por meio da redução de doenças subclínicas, como cetose, mastite, acidose e laminite, que podem ter um grande impacto na produtividade.
 
As doenças infecciosas ainda representam uma importante fonte de perda para as indústrias de laticínios em todo o mundo. Na Grã-Bretanha, surtos de febre aftosa (bem como encefalopatia espongiforme bovina) são exemplos dramáticos dos efeitos desastrosos das doenças infecciosas na produtividade. Outras doenças infecciosas graves, como tuberculose, brucelose, febre catarral ovina e estomatite vesicular, continuam afetando o gado em todo o mundo. Na América do Norte, as doenças infecciosas mais comuns que devem ser ativamente controladas incluem os patógenos contagiosos da mastite Mycoplasma bovis, Staphylococcus aureus e Streptococcus agalactiae; diarréia viral bovina; salmonelose; paratuberculose; e pneumonia. Excelentes programas de controle foram desenvolvidos para a maioria dessas doenças, mas sua adoção é bastante variável.
 
Os efeitos da doença na produtividade podem ser diretos (como a mastite, causando uma profunda redução na produção de leite) ou indiretos (claudicação, levando à redução da ingestão de ração, causando redução na produção de leite). As doenças que ocorrem no início da lactação também podem causar efeitos em cascata que, em última análise, reduzem a produtividade. 
 
Por exemplo, os distúrbios periparturientes costumam ser vistos como um complexo, e as vacas diagnosticadas com paresia parturiente têm maior risco de retenção de placenta, cetose complicada e mastite. Vacas com distocia e retenção de placenta apresentam risco aumentado de metrite. A cetose subclínica leva ao aumento do risco de deslocamento de abomaso e à redução da produção de leite. 
 
O melhor efeito direto documentado é o efeito da mastite na produção de leite. Um único caso de mastite clínica pode resultar em uma perda de produção de leite de 300 a 400 kg por lactação, com variações oscilando de insignificantes a 1.050 kg. A mastite durante o início da lactação está associada a perdas maiores (450-550 kg) do que os casos observados posteriormente na lactação.
 
As perdas resultantes de doenças subclínicas são muitas vezes consideráveis. A melhor relação descrita entre doença subclínica e produtividade é o efeito da mastite subclínica na produção de leite. Cada aumento de 2 vezes na contagem de células somáticas > 50.000 células/mL causou uma perda de 0,4 kg de leite/dia em vacas primíparas e 0,6 kg de leite/dia em vacas multíparas. Estima-se que a produção total de leite em lactação seja reduzida em 80 kg para vacas primíparas e 120 kg para vacas multíparas a cada aumento de 2 vezes na média geométrica de CCS> 50.000 células/mL. Outras doenças subclínicas (por exemplo, paratuberculose) também foram relacionadas à produtividade reduzida.
 
As doenças que atrasam ou proíbem a concepção têm um efeito negativo na produtividade do rebanho, prolongando o tempo que as vacas gastam em estágios de lactação de menor produção, reduzindo o número de filhos para substituições ou para venda e aumentando a probabilidade de o animal ser abatido prematuramente. Várias doenças têm sido associadas a menores taxas de concepção. A probabilidade de concepção foi reduzida em 14%, 15% e 21% para vacas que sofreram retenção de placenta, metrite ou cistos ovarianos, respectivamente. Mastite, metrite e cistos ovarianos reduziram a probabilidade de a vaca emprenhar pela primeira vez. As doenças pós-parto que prolongam o balanço energético negativo no início da lactação também têm um efeito negativo no desempenho reprodutivo através de alterações nas atividades hormonais.
 
Com relação ao efeito de doenças na longevidade das vacas, uma grande proporção do abate de vacas é considerada involuntária (causada por doença, lesão ou morte), e não por motivos de baixa produção. A remoção prematura de uma vaca do rebanho reduz a produção de leite ao longo da vida. A falha reprodutiva e a mastite são consistentemente registradas como as duas principais razões para o abate.

* Baseado no artigo de Interactions Between Health and Production in Dairy Cattle, de R. Page Dinsmore , DVM, College of Veterinary Medicine and Biomedical Sciences, Colorado State University.
 
Mais informações:
contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082

Fonte consultada:

Interactions Between Health and Production in Dairy Cattle (https://www.merckvetmanual.com/management-and-nutrition/health-management-interaction-dairy-cattle/interactions-between-health-and-production-in-dairy-cattle)

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint