ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Pessoas são solução

 Prof. Dr. Paulo Machado*

Com muita frequência, ouvimos produtores de leite afirmar que, entre todos os desafios enfrentados na fazenda, a gestão de pessoas é o mais difícil. A maioria, inclusive, se refere aos funcionários como “o grande problema”. E isso diz muito sobre o quanto o relacionamento entre gestores e empregados costuma ser conduzido de forma equivocada na pecuária leiteira. Afinal, as pessoas são a principal alavanca para o sucesso de qualquer negócio. De nada adianta termos instalações modernas, a melhor nutrição e genética de ponta, se não houver quem opere isso tudo de forma eficiente.

Os funcionários, portanto, devem ser vistos como solução e não como problema. Para tanto, precisamos criar um ambiente de trabalho que permita seu engajamento. No Sistema MDA, consideramos três condições essenciais para que isso aconteça: conexão, participação e criação. Primeiro, é preciso fazer com que as pessoas entendam o propósito do negócio em que estão inseridas e se conectem com ele. O próximo passo é envolvê-las nas decisões relacionadas ao trabalho. Como consequência, abre-se um espaço para os funcionários criarem, sugerindo ações que contribuam de forma efetiva para o crescimento do negócio.

Essas três condições, se implementadas, fazem com que as pessoas tenham o sentimento de autorrealização, uma das cinco necessidades identificadas por Maslow em sua famosa “pirâmide das necessidades humanas”. As demais necessidades — básicas ou fisiológicas, de segurança, sociais e de reconhecimento — são igualmente importantes para que o indivíduo possa expressar todo seu potencial produtivo. Porém, a autorrealização se mostra ainda mais relevante, pois está relacionada à motivação interna (intrínseca).

Portanto, mesmo que as demais necessidades não sejam atendidas, se essa for, a pessoa se engajará. Um exemplo muito comum, que ilustra a importância da autorrealização, é o dos funcionários que abandonam seus empregos, deixando para trás salário, segurança, convívio social e até reconhecimento, e se aventuram em um negócio próprio. Por um sonho, se lançam ao desconhecido. E passam a trabalhar 14 ou mais horas por dia, sem salário, mas dão tudo de si e de suas famílias para o sucesso da nova empreitada.

Deveríamos transformar nossas fazendas em negócios novos, capazes de encantar as pessoas. E isso exige que os empregados sejam tratados como sócios. Precisamos mostrar a eles que existe um sonho comum realizável. Esse sonho, obviamente, tem que ser materializado a partir de histórias, fatos e dados, e compartilhado com as pessoas por meio do convívio diário, da perambulação, das reuniões semanais e das celebrações.

Como consequência, o sonho será desdobrado em realizações palpáveis e de curto prazo, como, por exemplo, a implantação do 5S na ordenha. Desse modo, todos passam a ser envolvidos nas tarefas e, após o alcance do resultado, celebram juntos as conquistas. E assim, dia após dia, o negócio vai sendo organizado e melhorado. Compartilhado com todos, o sonho gera imensa alegria de trabalhar, pois o sucesso do negócio significa também o sucesso das pessoas.

Esse é o caminho para que os empregados da fazenda se sintam valorizados e, assim, desejem sempre melhorar o resultado do trabalho realizado no cotidiano. Se você ainda não conseguiu esse engajamento na sua propriedade, é hora de repensar o modelo de gestão. E lembre-se: para qualquer problema que se apresente, a solução passa pelas pessoas.

*Diretor da Clínica do Leite, é professor da Esalq/USP, professor titular em Bovinocultura de Leite, com 43 anos de experiência em gestão de fazendas.

CLÍNICA DO LEITE

Vinculada à ESALQ/USP, a Clínica do Leite é uma instituição sem fins lucrativos que atua em gestão da pecuária de leite, por meio da geração de conhecimento e da formação de pessoas.

10

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

LEONARDO DE ALMEIDA BRAGA

FORMIGA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 12/05/2017

Gestão de pessoas é pré requisito para qualquer atividade.
FRANCISCO BRITO LIMA

UMIRIM - CEARÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 12/05/2017

Professor!

Bom dia!

Trabalho coordenando pessoas ha 17 anos em produção de pecuária de leite,tive a oportunidade de trabalhar em seis projetos ,em tres regioes brasileiras e concordo plenamente com a sua opinião de que aprender a lidar com as pessoas é chave do sucesso neste negócio leite e acredito que na grande maioria dos negócios.
Obrigado por nos repassar um pouquinho de sua experiencia .
MARCELLO DE MOURA CAMPOS FILHO

CAMPINAS - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 12/05/2017

Prezado Paulo Machado

Considere uma fazenda produzindo uma média de 3.000 l/dia com 6 funcionários.

Quantas equipes você sugeria para execução do trabalho dentro do período normal e quais as tarefas atribuídas a cada equipe e como sugeriria a redistribuição destas tarefas no período de pico de parição.

Grande abraço

Marcello de Moura Campos Filho
PAULO FERNANDO MACHADO

PIRACICABA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 12/05/2017

Olá, Marcello! Obrigado pelo comentário. O número de funcionários em um fazenda produtora de leite varia muito em função do sistema de produção adotado. Por exemplo: numa fazenda bastante mecanizada e com animais confinados, de alta produtividade, poderemos ter uma produção de até 500.000 L por homem/ano. Já outra pouco mecanizada, com pequeno número de animais e de baixa produção, pode ter 100.000 L por homem/ano. Então, para dimensionar o tamanho da equipe, o importante é que a carga de trabalho esteja adequada (8 horas por dia) e bem distribuída entre as pessoas. Elas devem ter as folgas previstas por lei e tempo suficiente para executar as tarefas diárias de fluxo do trabalho e também as de melhoria, como a solução de problemas e a inovação. Vale lembrar, ainda, que o risco do negócio aumenta muito se tivermos somente uma pessoa dominando determinada tarefa. Por isso é importante termos, sempre, um "reserva" para todas as funções, ou seja, alguém que possa assumir a atividade na ausência do responsável por ela. Em momentos de pico de trabalho, pode-se lançar mão de horas extras ou de banco de horas, dependendo da legislação local. Não esqueça, no entanto, que as pessoas precisam estar treinadas para executar as tarefas. Bom trabalho!
ANTÔNIO CARLOS DE SOUZA LIMA JR.

GOIÂNIA - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 31/03/2017

Parabéns prof. Paulo pelo artigo.

Para promover uma boa gestão de equipes é preciso cada vez mais entender de pessoas
Sem as pessoas energizadas e comprometidas nada acontece nas empresas e organizações.
Tudo passa por elas. Vale para toda a cadeia produtiva os conceitos.
O sucesso dos técnicos de campo, por exemplo, precisam saber como lidar com conflitos, ter liderança integradora para conquistar a credibilidade dos seus clientes e dos colaboradores das propriedades com as quais eles se relacionam.
Abraços,
A. Carlos


EVANDRO

SÃO JOÃO DA URTIGA - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 31/03/2017

Parabéns pelas colocações. Com certeza esse é o caminho. Eu já fui funcionário e sei como isso é importante e estimula a fazer sempre melhor.
JOÃO LEONARDO PIRES CARVALHO FARIA

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 31/03/2017

Infelizmente, o modo arcaico e tradicionalista que as diversas propriedades leiteiras vem tendo seus processos de gestão conduzidos nos leva à imensa ausência de resultados e soluções.
Precisamos mudar, e as pessoas são e sempre foram fundamentais!
Excelente artigo Professor!
VAGNER ALVES GUIMARÃES

VOTUPORANGA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 31/03/2017

Este artigo elaborado pelo prof. Dr.Paulo Machado, chegou de vez para mostrar uma nova realidade em fazendas leiteiras, não importando seu tamanho que é a gestão de pessoas, pois o leite passa por transformações com novas exigências de mercados,
A mão - de - obra encontrada nem sempre atende a demanda pois é preciso de pessoas com habilidades e conhecimentos técnicos,pois o leite vem aumentando seu volume em propriedades e diminuindo o número de fazendas produtoras, onde se faz a necessidade de uma qualificação maior que já é uma realidade no Brasil
E necessário a implantação de uma liderança que tenha em sua bagagem a capacidade de gerir pessoas, criando um clima de respeito buscando valores e reduzindo erros.
Ouvir as pessoas é uma das habilidades mais importantes que um líder possa ter para uma administração transparente, abrindo caminho para a formação de equipes de trabalho, adotar reuniões periódicas, treinamentos,promovendo um programa de educação continuada, acredito que este tema ganhará proporções maiores no meio rural; '' Com boi a gente fere, tange e mata mas, com gente diferente'' Geraldo Vandre.

Vagner Alves Guimarães extensão rural administrador de empresas formação técnica.
JOSIEL JOSE

TERENOS - MATO GROSSO DO SUL - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 31/03/2017

Ótimo artigo, de fato lidar com pessoas é um desafio, mas motivando-as podemos vencer!
CHRISTIAN KLIEWER

PALMEIRA - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 31/03/2017

Parabéns ..excelente artigo