FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Gestão da rotina em empresas produtoras de leite - Sistema MDA

POR PAULO FERNANDO MACHADO

CLÍNICA DO LEITE

EM 25/09/2013

10
1
Paulo Fernando Machado
Professor Titular em Bovinocultura de Leite
Clínica do Leite – Departamento de Zootecnia
ESALQ/USP
 
Já distutimos em outros artigos publicados aqui no Milkpoint e também na Revista Leite Integral, os conceitos básicos sobre gestão do negócio de produção de leite. Vimos como organizar o negócio, como montar um sistema de informações e como gerenciar as pessoas. Neste artigo, discutiremos como fazer com que as tarefas sejam realizadas da maneira combinada e de forma consistente.

O objetivo da Gestão da Rotina é atingir metas. Como definido anteriormente, o responsável pelo atingimento das metas é o gerente da propriedade. Lembre-se, o proprietário, juntamente com seu consultor são os responsáveis por definir as metas, mas o atingimento delas é de responsabilidade do gerente. Assim, o gestor da rotina é o gerente. Para tanto, ele precisa seguir uma rotina diária e dispor de ferramentas que o auxiliem no processo.

No dia-a-dia de uma fazenda produtora de leite, uma série de atividades são realizadas como, por exemplo, ordenha, alimentação dos animais, limpeza, etc. Estas atividades são realizadas pelos operadores, seguindo os Protocolos Operacionais já estabelecidos. Se tudo correr normalmente, as pessoas não faltarão ao serviço, estarão motivadas, disporão dos meios, e não ocorrerão imprevistos. Como resultado, teremos o atingimento natural das metas. No entanto, isto não acontece sempre. Os imprevistos acontecem, as vacas ficam doentes, faltam materiais, os equipamentos se quebram e as pessoas não estão sempre motivadas. Dependendo do grau das não conformidades, as metas não serão atingidas e, mais importante, as pessoas passarão a achar que estas não conformidades são normais, que é impossível não tê-las, e se acomodam com os baixos resultados. Isto não pode acontecer.

Para tanto, o gerente precisa seguir uma rotina diária. Todos os dias, inicialmente, deve perambular pelos setores. Ele deve visitar cada um dos locais previamente estabelecidos e verificar, dentre outras coisas, se os empregados estão motivados. Deve avaliar o comportamento de cada colaborador e comparar com o padrão daquela mesma pessoa e se perguntar: alguma coisa está diferente? O empregado está feliz? Alguma coisa o preocupa? Falta alguma coisa para que ele realize adequadamente seu trabalho? Ele está fazendo alguma coisa que é diferente do que foi combinado nos protocolos operacionais? Se o gerente perceber alguma alteração deve adotar imediatamente as medidas necessárias para corrigir a situação. Por exemplo, se ele observa um empregado maltratando um animal, deve apontar a falha e lembrá-lo que no Manual de Conduta está escrito que este tipo de comportamento não é aceitável naquela fazenda. Se ele assim não proceder, este empregado e os demais, que observaram aquele comportamento, passarão a acreditar que as Normas de Conduta não devem ser seguidas, e instala-se o início do desengajamento das pessoas.

Outra tarefa importante do gerente nesta perambulação é observar as Anomalias anotadas (figura 1) desde a sua última visita àquele setor (para mim esta é a tarefa mais importante do gerente). As Anomalias são eventos que afetam o resultado do negócio. Por exemplo, a quebra do trator, a falta de medicamentos, a falta de energia, a comida molhada, se funcionários faltaram ou chegaram atrasados ao trabalho, etc. O supervisor do setor é o responsável por anotar a Anomalia que foi identificada pelo operador. O supervisor deve, também, tomar as medidas corretivas imediatas para que a produção seja minimamente afetada. O gerente deve analisar cada uma das Anomalias anotadas e verificar qual foi a medida corretiva adotada pelo supervisor. Isto dará a ele o entendimento necessário para que ele saiba se as metas serão atingidas no final do mês ou não.


Figura 1. Anomalias e contramedidas de correção.

Além das Anomalias, o gerente deve avaliar os Indicadores de Verificação. Lembrando, os Indicadores de Verificação são medidas que mostram se os produtos daquele processo serão obtidos como se espera. No caso da ordenha, um destes indicadores seria a sujidade dos quartos das vacas. Se as vacas estiverem chegando mais sujas do que o esperado existe grande chance da contagem bacteriana total ser superior à meta estipulada pelo proprietário. O gerente deve, então, em sua perambulação, checar cada um dos indicadores de verificação e, se observado problema, providenciar, de pronto, medidas corretivas.

Finalmente, como parte desta perambulação diária, deve observar as Ocorrências. Ocorrências são anomalias com os animais. A mastite clínica, por exemplo, é uma ocorrência. A morte de um animal é outra ocorrência. As ocorrências devem ser anotadas em lousas como na figura 2. Esta forma engaja os funcionários, pois ela é bastante visual e passa a ser um fator motivador de melhoria.


Figura 2. Exemplo de anotação visual de ocorrências.

Ao final da perambulação diária, o gerente pode se dedicar às atividades do setor administrativo, como as dos projetos a serem desenvolvidos (plantio de milho, ensilagem, etc.).

Semanalmente, ele deve fazer a Auditoria dos procedimentos operacionais. Como visto no artigo sobre Organização do Negócio, há necessidade de se escrever o fluxograma dos processos mais importantes como o de ordenha, o de alimentação, o da maternidade e o da reprodução. Estes processos possuem atividades críticas como a ordenha propriamente dita, a mistura dos ingredientes da dieta no vagão forrageiro, o parto e a inseminação. Para cada uma destas atividades foi escrito um Procedimento Operacional. Assim, uma das preocupações do gerente é verificar se estes procedimentos estão sendo cumpridos por todos os funcionários. Para tanto, deve, semanalmente, auditá-los. Ele deve escrever um check list das tarefas de cada procedimento (conforme figura 3), avisar os funcionários sobre a data da realização da auditoria e mencionar o que vai ser avaliado. Nesta oportunidade, o gerente deve orientar novamente os empregados, aproveitando o momento para engajar ainda mais os mesmos. Normalmente, esta tarefa de auditoria demora cerca de 1 hora. Se houver quatro procedimentos, todo o trabalho poderá ser realizado em uma manhã.


Figura 3. Check list de auditoria do procedimento de ordenha


Outra tarefa de Auditoria, que deve ser realizada semanalmente, é a do 5S. O 5S é uma ferramenta de gestão que visa propiciar os melhores meios para a realização das tarefas. Com sua implantação, o ambiente fica arrumado, melhorando a autoestima dos empregados. Ela deve ser realizada sempre pelo gerente e, após sua realização, os resultados devem ser afixados para visualização geral. Um modelo é o mostrado na figura 4.


Figura 4. Gráfico de auditoria do 5S.


Também, semanalmente, o gerente deve controlar o caixa da fazenda. Para tanto, deve seguir o procedimento a seguir:




Se a fazenda utiliza o software Agenda 5.0, o gerente facilmente fará os lançamentos financeiros e poderá verificar se dispõe de recursos para fazer os pagamentos devidos.

Outra atividade semanal do gerente é a análise das anomalias crônicas. Toda sexta feira, após a perambulação diária e a digitação dos dados financeiros, ele deve coletar todas as anomalias anotadas e verificar se existem anomalias crônicas (com recorrência maior do que 2 vezes). Em seguida, das 11h00 até as 12h00, deve se reunir com seus supervisores e avaliar as pendências da semana anterior, as atividades executadas com os animais a partir das listas do Agenda 5.0, as anomalias crônicas e os indicadores de verificação. A comparação das atividades previstas com os animais (coberturas por exemplo) com as efetivamente realizadas já dará ao gerente uma boa perspectiva da eficiência dos processos produtivos. Se houver anomalias crônicas, ou ocorrências além do devido, o gerente deve estudar uma maneira de resolvê-las definitivamente juntamente com seus supervisores. Esta análise irá gerar Ações para diferentes pessoas. Para que as Ações sejam de fato executadas deve-se colocá-las em um quadro, como o mostrado na figura 5.


Figura 5. Lousa de acompanhamento de solicitações de tarefas.

Finalmente, como atividade de rotina, o gerente deve se reunir mensalmente com o proprietário e seu “Time de Qualidade” para uma avaliação da situação do negócio. Como membros do Time de Qualidade participarão os consultores. Deve-se iniciar a reunião lendo a Ata da reunião anterior, especialmente quanto às ações previstas a serem realizadas no mês. Visto a execução das mesmas, devem ser avaliados os Indicadores de Resultado na perspectiva dos clientes (composição do leite, CCS, CBT, volume), dos proprietários (caixa, custo de produção, lucratividade), dos processos (Produção: Produção média de leite do rebanho; Ordenha: Prevalência da mastite; Alimentação: Nitrogênio ureico do leite; Reprodução: Taxa de prenhez; Maternidade: Produção de leite 10 – 40 DEL); Empregados: Absenteísmo e rotatividade).

Havendo problemas (metas não atingidas para qualquer dos indicadores mencionados), deve-se utilizar o método OPA (Olhe, Pense e Aja) de solução de problemas. No método OPA, inicialmente é feita uma análise mais aprofundada dos dados, procurando responder perguntas que expliquem o fenômeno. Em seguida, deve-se procurar as causas Olhando os fatos no campo. Em seguida deve-se Pensar em um Plano de Ação para os próximos 30 dias, detalhando o Que vai ser feito, por Quem e Quando. Ao final da reunião, é feita a Ata, dando destaque às ações, e os indicadores de resultado são afixados no Navegador do Painel de Controle, conforme figura 6.


Figura 6. Navegador dos indicadores de controle da Clínica do Leite.

Durante o mês, o gerente fica sendo o responsável pela implementação do Plano de Ação (Aja). No próximo mês, na reunião mensal, a execução das ações é verificada e, se as metas foram atingidas, fecha-se o Plano, se não, novas ações são definidas e assim sucessivamente até o atingimento final da meta.

Como se observa pelo texto, fazer com que as tarefas sejam executadas da maneira combinada e de forma consistente exige disciplina. No entanto, se a metodologia discutida for implementada, o volume de trabalho se reduz substancialmente e todos se sentem muito mais realizados e felizes. Na maior parte das fazendas produtoras de leite, o insucesso se deve à falta de rotina. Para facilitar os trabalhos, a Clínica do Leite desenvolveu softwares que compõem o Sistema de Informações do MDA, facilitando sobremaneira as tarefas do dia-a-dia que garantem o atingimento das metas.













 

10

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

PAULO FERNANDO MACHADO

PIRACICABA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 12/08/2014

Olá Hugo,

A pessoa de contato para usar o software é augusto@clinicadoleite.com.br
ISABELLA FERNANDES CAMARGO

CAMPOS NOVOS - SANTA CATARINA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 20/05/2019

isafc845@gmail.com
HUGO MARTINS

SALVADOR - BAHIA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 20/07/2014

Quero saber como posso adquirir este software do controle do leite
VANDER TONETTO

IBAITI - PARANÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 11/11/2013

obrigado Paulo pela atenção, quero muito fazer esse curso, eu já prestei serviços para o instituto AEQUITAS e o Augusto ministrou um treinamento de qualdiade de leite para gente, ele e gente boa vou entrar em contato com ele
grande abraço
PAULO FERNANDO MACHADO

PIRACICABA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 04/10/2013

Olá Vander,

Estamos ministrando, sim, o curso MDA. O contato é o seguinte Augusto@clinicadoleite.com.br.

Espero que de certo para você participar.

Abraço e obrigado pelo comentário sobre oa rtigo,
Paulo
PAULO FERNANDO MACHADO

PIRACICABA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 04/10/2013

Olá Cassio,

A Clínica do Leite oferece o curso MDA duas vezes ao ano. Estamos com uma turma em andamento. Para participar você deve entrar em contato com o Augusto (pesquisador da Clínica) através do e-mail augusto@clinicadoleite.com.br.

Abraço e obrigado pelo seu comentário,

Paulo
PAULO FERNANDO MACHADO

PIRACICABA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 04/10/2013

Olá Wanderson,

O Sistema Agenda de Informações do MDA é composto pelo Agenda 5.0 (é a nova versão do Agenda 3.0, porém é um novo programa), pelo Gerencial Zootécnico e Financeiro e pelo BechClínica. Os softwares são integrados de maneira que é possível não somente gerenciar a rotina da fazenda como fazer diagnóstico dos processos zootécnicos e financeiros além de comparar dados entre fazendas.

Para saber mais você poderia contatar o Augusto (augusto@clinicadoleite.com.br).

Grande abraço e obrigado pelo seu gentil comentário,

Paulo
VANDER TONETTO

IBAITI - PARANÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 03/10/2013

Parabéns pelo artigo muito bom mesmo !!
Gostaria de saber se a clinica ainda ministra o curso de MDA e o contato para informações sobre o curso.
grande abraço!!
WANDERSON OLIVEIRA

ARAÇATUBA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 01/10/2013

Boa noite a todos!

Gostaria de saber quais são e como ter acesso a esses softwares para gestão MDA. Já utilizo nas propriedades em que sou consultor o Agenda 3.0.

Em relação aos cursos, eles ainda são ministrados pela clínica do leite?

Desde já agradeço e parabenizo ao professor e sua equipe pelo artigo
CÁSSIO DE OLIVEIRA LEME

PARANAPANEMA - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 30/09/2013

Artigo muito bom Prof Paulo! Gostaria de saber se a Clínica do Leite ainda está ministrando o curso MDA na ESALQ e como fazer para participar.