ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Como você avalia a saúde da sua fazenda?

* Prof. Dr. Paulo Machado



Ao decidir aperfeiçoar o sistema de gestão da fazenda, é comum o produtor ou o gerente se entusiasmarem com a implantação de diversas ferramentas que ajudam a organizar o fluxo de trabalho, engajar as pessoas e olhar para o negócio a mais longo prazo. Passada a empolgação inicial, no entanto, eles se deparam com um novo desafio: como avaliar se essas ferramentas estão contribuindo, de fato, para a melhoria dos resultados da fazenda?
 
Ao contrário do que muitos pensam, a resposta a essa pergunta não está apenas no saldo da conta bancária. Outros números são importantes para avaliar se o negócio está no caminho certo. Por isso, informação é um insumo fundamental ao trabalho de qualquer gestor. Imagine que a saúde da fazenda é bastante similar à do nosso organismo. Um bom médico dificilmente dá qualquer diagnóstico sem o auxílio de exames. E o que são os exames? Uma série de indicadores sobre a saúde humana, com base em padrões pré-estabelecidos.

O mesmo acontece com a fazenda. Precisamos de indicadores que apontem se estamos dentro ou fora do padrão esperado. E esse padrão pode ser definido a partir das exigências do seu cliente (é caso dos indicadores relacionados à qualidade do leite, por exemplo), e dos demais interessados no negócio, como os empregados, os acionistas e a sociedade.

A criação e o monitoramento de indicadores são parte importante do modelo de gestão desenvolvido pela Clínica do Leite para aplicação em fazendas produtoras de leite, o Sistema MDA. A nossa recomendação é que cada produtor mapeie todos os sistemas que compõem o sistema de produção (alimentação, ordenha etc.) e defina os indicadores que mostrem se os resultados de cada sistema estão sendo entregues. Além disso, deve-se mapear, também, o sistema de produção e o negócio como um todo. Para o sistema de produção teremos indicadores que refletem a entrega dos produtos do negócio, como é o caso da qualidade do leite e, para o negócio, os indicadores que expressam a saúde financeira da fazenda como, por exemplo, o caixa.

Definidos os indicadores, o próximo passo é compartilhar com a equipe, explicando sua importância para avaliar o desempenho do negócio. É essencial que os funcionários da fazenda compreendam que esse monitoramento não tem papel de fiscalização, mas sim de acompanhamento de questões cruciais para o sucesso na atividade - e, por consequência, para a manutenção dos empregos.

O registro dos indicadores pode ser feito diariamente pelo pessoal da área envolvida e deve ficar à vista de todos, sendo avaliados em reuniões semanais conduzidas pelo gerente ou proprietário. Com essa prática, em pouco tempo as pessoas passam a perceber problemas de forma quase imediata e colaborar mais para encontrar soluções. Ou seja, além de permitir avaliar resultados, o monitoramento de indicadores impulsiona o engajamento das pessoas.

Vale destacar, também, que uma fazenda com informações confiáveis consegue aproveitar muito mais o trabalho dos consultores externos. Assim como os médicos, eles precisam dos exames da fazenda, os indicadores, para identificar problemas e propor melhorias. Sem informação na mão, certamente haverá perda de tempo e de dinheiro!

Portanto, se você ainda não tem o hábito de monitorar indicadores na sua fazenda, é hora de repensar seu modelo de gestão. Só essas informações poderão dizer se o seu negócio tem saúde para seguir rumo ao sucesso.

CLÍNICA DO LEITE

Vinculada à ESALQ/USP, a Clínica do Leite é uma instituição sem fins lucrativos que atua em gestão da pecuária de leite, por meio da geração de conhecimento e da formação de pessoas.

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

VAGNER ALVES GUIMARÃES

VOTUPORANGA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 24/05/2017

Em primeiro lugar é preciso gostar da vaca, até o dono precisa de treinamento.
Ter visão empresarial.
Buscar pessoas com perfil adequado.
Acreditar no trabalho em equipe.
Ampliar conhecimentos técnicos a todos os colaboradores
Estabelecer metas de crescimentos, manutenção de diálogo ser participativo.
Atividade leiteira não permite falhas um fator depende do outro.
Para produzir leite com qualidade assegurada o gestor deve carregar consigo uma liderança proativa visando a saúde da atividade leiteira.


Vagner Alves Guimarães: Administrador de Empresas técnico Agrícola
Trabalhou para Nestlé durante 27 anos extensão rural
atua hoje como instrutor senar.
PAULO ROBERTO VIANA FRANCO

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 17/05/2017

o balde cheio tem uma planilha que mostra este indicadores.
Resumindo leite bem tirado é ótimo negocio.
Mal tirado é péssimo negocio
JOÃO LEONARDO PIRES CARVALHO FARIA

MONTES CLAROS - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 12/05/2017

Infelizmente, temos o péssimo hábito de nos negligenciarmos diante de qualquer anomalia e dessa forma, se torna confortável fingir que a mesma não existe e não nos afeta.
Mesmo que pequena, qualquer anomalia é imprescindível de ser conhecida, para ser combatida e evitada!
Excelente texto, mais uma vez!