FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Uso do refratômetro de Brix para estimar os sólidos totais no sucedâneo

POR CARLA MARIS MACHADO BITTAR

E FERNANDA LAVÍNIA MOURA SILVA

CARLA BITTAR

EM 27/07/2016

8 MIN DE LEITURA

1
0
A criação de bezerras tem efeitos futuros no desempenho e na economia do rebanho. A alimentação com sucedâneo é comumente utilizada devido a vários benefícios incluindo custo, biossegurança e consistência, quando comparado com leite de descarte. Embora a utilização de sucedâneo seja comum, debates continuam sobre a melhor forma de alimentar os animais.

Uma dificuldade para criar protocolos de alimentação com sucedâneo é que a formulação tem mudado muito desde o momento em que foi introduzido. Isso significa que pesquisas realizadas no início da utilização de sucedâneos podem não ser mais relevantes, embora as decisões de manejo possam ainda estar baseadas nestes resultados. Por exemplo, um estudo antigo mostrou que bezerros alimentados com maior quantidade ou concentração de sucedâneo tiveram maior probabilidade de apresentar diarreia (Jenny et al., 1982), o que conduziu a algumas práticas de quantidade e concentração utilizadas. Recentemente, não foi encontrada nenhuma relação entre o aumento de sólidos nas formulações mais modernas e ocorrência de diarreia (Bach et al., 2013).

Consistência na alimentação é importante especialmente para animais jovens, considerando-se volume e porcentagem de sólidos na dieta líquida fornecida. Estudos têm mostrado que mesmo quando alimentados com maiores níveis de nutrientes, comparados a um grupo controle, quantidades variáveis de sucedâneo resultaram em reduzido desempenho em bezerros sob condições de estresse. Alimentar animais com dietas líquidas consistentes permite maiores taxas de ganho antes do desaleitamento. Quando o sucedâneo foi fornecido sob condições iguais semanalmente, porém, com variações na ingestão diária, bezerros tiveram menores taxas de ganho em comparação a bezerros alimentados com quantidades diárias consistentes de sucedâneo. Inconsistência na preparação do sucedâneo, independente das instruções, também pode ocorrer, resultando em variações no teor de sólidos e consequentemente na quantidade de nutrientes consumida diariamente. Deste modo, ter protocolos que reduzam ao máximo variações diárias no volume e teor de sólidos do alimento fornecido pode ajudar a minimizar distúrbios digestivos.

Inconsistência no leite não comercializável (descarte) também pode ser observada. Um estudo mostrou que o leite descarte de fazendas diferentes tiveram quantidades variáveis e baixos de sólidos totais (alguns menos de 8% de sólidos totais), quando estimado pelo refratômetro de Brix.

Em algumas fazendas do EUA, bezerros em aleitamento são alimentados com 2L duas vezes por dia com níveis de sólidos entre 12,5 a 13%. Durante o frio, alguns proprietários aumentam a concentração de sucedâneo para fornecer maior energia, sem mudar o volume total da dieta. No entanto, aumentar a concentração de sucedâneo pode aumentar a osmolaridade da solução, o que pode afetar a saúde de bezerros.

Alguns sucedâneos podem ter ainda maior osmolaridade comparado ao leite. Uma consequência da osmolaridade acima dos níveis recomendados é a menor taxa de esvaziamento do abomaso, aumentando o risco de inchaço deste órgão devido à presença de carboidratos no sucedâneo que fermentam facilmente resultando em produção excessiva de gás. A lenta taxa de esvaziamento, causada por maior osmolaridade, também pode manter o pH abomasal mais elevado, permitindo que micro-organismos sobrevivam, potencializando o risco de diarreia. Em adição, maior osmolaridade pode ainda afetar a absorção intestinal.

A osmolaridade efetiva das vilosidades intestinais é de aproximadamente 600 mOsm/kg. Quando o sucedâneo ou outras soluções são fornecidas com mais de 600 mOsm/kg, o gradiente de concentração perde sua eficácia e a absorção é inibida, podendo levar a uma diarreia osmótica. Diarreia osmótica e desidratação foram consistentemente induzidas em bezerros de dois a sete dias de vida, com 600 mOsm/L de solução oral. Enquanto o estigma é aquele de que alimentar bezerros com sucedâneo mais concentrado pode causar diarreia, a melhor explicação seria a de que todos estes efeitos são causados, não pelo aumento de nutrientes, mas pelo aumento da osmolaridade da dieta líquida. Isso sugere que estas concentrações podem ser importantes para a saúde dos bezerros e cuidados devem ser tomados para não concentrar sucedâneos a um ponto que pode ser prejudicial.

Curiosamente, algumas propriedades têm usado o refratômetro de Brix para mensurar os sólidos totais de sucedâneos preparados, embora nenhuma evidência tenha sido encontrada para suportar que ele estime os sólidos totais do sucedâneo do mesmo modo que estima do leite. Uma vez que o refratômetro de Brix tem sido utilizado em algumas propriedades para mensurar a qualidade do colostro e estimar a concentração de imunoglobulinas, algumas propriedades vêm utilizando esta ferramenta para avaliar sucedâneo. Deste modo, o objetivo do estudo conduzido pela equipe da Washington State University (Floren et al., 2016) foi de estabelecer relação entre a leitura do refratômetro de Brix, osmolaridade e sólidos totais de sucedâneos, para auxiliar produtores a monitorar a consistência dos sucedâneos no que diz respeito a % de sólidos.

Para a pesquisa, foram utilizadas 5 amostras de diferentes sucedâneos em pó. Duas das amostras de sucedâneo continham 28% de proteína bruta e 25% de gordura, enquanto as outras 3 continham 22% de PB e 20% de gordura. Para as análises, foram utilizadas amostras secas, para realização dos cálculos com base na matéria seca. Para estabelecer a relação entre a leitura do refratômetro de Brix, osmolaridade e sólidos totais, uma grande variedade de concentrações de sucedâneo foram misturadas.

As amostras foram misturadas da seguinte forma: 0,45; 0,57 e 0,68 kg de pós para 3,78 L de água, de acordo com as proporções utilizadas nas propriedades, bem como em concentrações menores e maiores, como 0,06; 0,09; 0,12; 0,15; 0,18; e 0,22 kg/L, para proporcionar uma vasta gama de valores, acima e abaixo do que é normalmente misturado, permitindo uma análise de regressão. As amostras foram aquecidas e agitadas até que todo o pó foi dissolvido. Uma vez que as amostras foram misturadas, três alíquotas de 500 µl foram colhidas. Um refratômetro de Brix digital foi comparado com o refratômetro de Brix óptico, usando as mesmas amostras de sucedâneo e as mesmas concentrações.

Os sólidos calculados foram representados graficamente de acordo com as leituras de Brix para cada refratômetro (Figura 1). Ao utilizar o refratômetro digital, foi observada uma relação linear com a porcentagem de sólidos totais [Y = 0,96 (leitura de Brix) + 1,47]. Cerca de 95% das variações em porcentagem de sólidos totais podem ser explicadas pela leitura Brix (P< 0,001). Utilizando o refratômetro óptico, foi observada relação linear com a porcentagem de sólidos totais [Y = 0,96 (leitura de Brix) + 1,08]. Cerca de 94% das variações em porcentagem de sólidos podem ser explicadas pela leitura Brix (P< 0,001). Foi observada ainda, uma relação linear significativa entre as leituras provenientes do refratômetro digital e óptico [digital = 1,01 (óptico) – 0,42; R2 = 0,997; P < 0,001].

Figura 1
– a) Sólidos totais (%) das soluções de sucedâneo em comparação com a leitura determinada pelo refratômetro de Brix digital (%); b) Sólidos totais (%) das soluções de sucedâneo em comparação com a leitura determinada pelo refratômetro de Brix óptico (%).


A osmolaridade da mistura das amostras de sucedâneo variou de 121 a 664 mOsm/kg dentro de um alcance de 5,45 a 17,85% de sólidos totais. Dois dos sucedâneos, quando misturados com uma maior concentração (acima de 16% de sólidos totais) tiveram níveis de osmolaridade acima nos níveis sugeridos 600 mOsm/kg pela literatura. Os autores observaram relação linear entre a osmolaridade da mistura de sucedâneo e a porcentagem de sólidos totais desta solução, mas a relação diferiu, dependendo do sucedâneo utilizado (P < 0,01; Figura 2). O sucedâneo C (22% PB, 20% gordura) teve maior inclinação [Y = 44,8 (sólidos totais) – 129,1], enquanto o sucedâneo E teve menor inclinação (28% PB, 25% gordura).

Figura 2 - Osmolaridade das 5 diferentes soluções de sucedâneo (feitas em triplicado) em diferentes concentrações (sucedâneo A = 28% de PB, 25% de gordura; B = 22% de PB, 20% de gordura; C = 22% de PB, 20% de gordura; D = 22% de PB, 20% de gordura com oligossacarídeos; E = 28% de PB, 25% de gordura), em comparação com os sólidos totais.

Como conclusão, há uma alta correlação entre as leituras do refratômetro de Brix e sólidos totais reais dos sucedâneos avaliados. Embora o refratômetro digital tenha dado estimativas ligeiramente diferentes em comparação com o refratômetro óptico, as duas leituras de refratômetro foram altamente correlacionadas através de uma ampla gama de concentrações, desde muito baixo (0,06 kg /L) a muito alta (0,22 kg /L). Isto sugere que o refratômetro de Brix é útil para estimar os níveis de sólidos totais do sucedâneo preparado.

Ao utilizar o refratômetro digital para estimar a porcentagem sólidos totais, o valor de 1,5 pode ser adicionado a leitura de Brix (uma leitura de Brix de 12 indica sólidos totais de 13,5%). Utilizando o refratômetro óptico para estimar a porcentagem sólidos totais, o valor de 1,1 pode ser adicionado a leitura de Brix (uma leitura de Brix de 12 indica sólidos totais de 13,1%). Estas estimativas são diferentes comparadas a trabalhos prévios com leite integral, que mostraram que o refratômetro de Brix lê dois pontos menores do que os sólidos totais reais (uma leitura de Brix de 11 indica sólidos totais de 13%). A razão para esta diferença deve ser explorada, embora possa ser assumido que diferentes composições dos fluidos podem levar à discrepância.

A osmolaridade de cada tipo de sucedâneo foi relatada como linear para os sólidos totais. No entanto, foram observadas diferentes nos diferentes tipos de sucedâneo, no que diz respeito a relação entre a porcentagem de sólidos totais e a pressão osmótica. Apesar da pressão osmótica não poder ser medida na fazenda, a osmolaridade pode tornar-se uma preocupação quando fazendas misturam sucedâneo mais concentrado. A osmolaridade pode ser apenas mensurada efetivamente em laboratório.

Referências bibliográficas

H. K. Floren, W. M. Sischo, C. Crudo, and D. A. Moore. Technical note: Use of a digital and an optical Brix refractometer to estimate total solids in milk replacer solutions for calves. Journal of Dairy Science, v. 99. In press. 2016.

Comentários

Com novos protocolos para alimentação de bezerras sendo aplicados em diferentes sistemas de produção e com perspectiva de aumentos no potencial de produção destes animais na sua primeira lactação, muitos produtores tem aumentado o fornecimento de dieta líquida. Nos Estados Unidos o aumento no teor de sólidos tem sido utilizado como estratégia alimentar para fornecimento de maior quantidade de nutrientes no inverno, quando a exigência animal aumenta. No entanto, no Brasil o aumento do teor de sólidos tem sido utilizado em sistemas de aleitamento intensivo, principalmente quando animais são menores e não conseguem consumir voluntariamente grandes volumes, ou quando um maior número de refeições não é possível devido ao custo ou disponibilidade de mão de obra. Embora os sucedâneos estejam no mercado brasileiro de forma mais expressiva já há alguns anos, ainda é comum observamos problemas na sua diluição, levando a problemas no desempenho do animal esperado, seja por menor ou maior teor de sólidos fornecido. Assim, o refratômetro de Brix, o qual já é largamente utilizado para avaliar a qualidade do colostro e a transferência de imunidade passiva, se mostra como excelente ferramenta de manejo de forma a garantir consistência no teor de sólidos do sucedâneo fornecido as bezerras.


 

CARLA MARIS MACHADO BITTAR

Prof. Do Depto. de Zootecnia, ESALQ/USP

FERNANDA LAVÍNIA MOURA SILVA

Doutoranda em Ciência Animal e Pastagens, ESALQ/USP.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ODERMAN OLIVEIRA LIMA

ITAPETINGA - BAHIA - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 03/08/2016

Parabéns.

Excelente texto e muito importante o assunto abordado.
MilkPoint AgriPoint