FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Pareamento precoce: aumento no consumo de sólidos e ganho de peso em bezerros leiteiros

POR CARLA MARIS MACHADO BITTAR

E NATHÁLIA BRITO ROCHA

CARLA BITTAR

EM 23/02/2016

7 MIN DE LEITURA

16
0
O manejo pós-parto em propriedade leiteiras em geral segue a prática da separação do bezerro de sua mãe dentro de 24hs, seguido de alojamento individual. Em parte, devido ao potencial de redução do trabalho exigido animal, a prática do alojamento social (aos pares ou em grupos) para o fornecimento tanto da dieta sólida quanto da dieta líquida vem sendo cada vez mais crescente. Esta prática também oferece maior nível de bem-estar aos animais uma vez que favorece o desenvolvimento do comportamento social dos bezerros, podendo ainda oferecer uma maior disponibilidade de espaço.

O alojamento social de bezerros leiteiros tem também se mostrado eficaz na redução do estresse associado ao processo de desaleitamento. Esta prática também resulta no aumento do desempenho através da redução da neofobia alimentar, quando os animais que passaram pela experiência do alojamento social são inseridos em grupos maiores após o desaleitamento.

Pesquisas mostram que o alojamento de bezerros em grupos tem aumentado o peso ao desaleitamento quando comparado com alojamentos individualizados, o que provavelmente é devido ao aumento da ingestão de matéria seca durante o período de pré-desaleitamento. Este aumento tem sido atribuído a aprendizagem e socialização dos animais durante a alimentação. Os trabalhos mostram ainda que o agrupamento precoce pode ter uma importante influencia no desenvolvimento dos bezerros. Por exemplo, o alojamento social pode estar associado com benefícios cognitivos incluindo o desenvolvimento do desempenho na aprendizagem reversa e o desenvolvimento do reconhecimento de objetos.

Considerando que o baixo consumo de sólidos antes do desaleitamento está ligado a baixos índices de crescimento e ao prolongamento do período de estabilização do consumo de concentrado, o agrupamento de bezerros durante a fase que precede o desaleitamento pode ainda atuar no encorajamento da ingestão precoce de sólidos, sendo capaz de suavizar a transição alimentar entre a dieta líquida e a sólida. Apesar de ser uma prática utilizada em algumas fazendas, ainda não se conhece quando o contato com o seus pares é necessário para se alcançar o benefício do aumento no consumo precoce de sólidos.

O trabalho realizado por Costa e colaboradores (2015) na University of British Columbia’s Dairy Education and Research Centre teve como alvo de estudo os efeitos do pareamento precoce (6 ± 3 d) e tardio (43 ± 3d) no comportamento ingestivo e ganho de peso antes e após o desaleitamento. Este estudo é o primeiro a explorar o efeito do pareamento tardio na alimentação, em comparação com o pareamento precoce ou alojamento individual.

Foram utilizados bezerros holandeses previamente colostrados com uma quantidade mínima de 4L de colostro (>50g/L de IgG) dentro das primeiras 6hs após o nascimento com auxílio de mamadeira. Ao 6º dia de vida os animais foram distribuídos nos tratamentos: individualizados (8 animais), pareados precocemente (8 pares) e pareados tardiamente (8 pares). Os animais mantidos individualmente foram alojados em baias de 1,2 x 2m em cama de serragem, com contato visual com outros animais durante os 70 dias de período experimental.

Os animais que foram pareados precocemente foram mantidos aos pares, em baias duplas livres de divisão. Os animais pareados tardiamente foram mantidos em baias individuais até os 43 dias de vida, 14 dias antes do desaleitamento. Em ambos os pareamentos, os bezerros dispuseram de espaço com duas vezes a área de uma baia individual (Figura 1). Foram alimentados com leite integral, recebendo do dia 0 ao 28º dia de idade 8L divididos em duas refeições diárias. A partir do 29º até o 49º dia, a dieta líquida foi reduzida pra 6L, também fornecidos em duas refeições diárias. Do 50º ao 54º dia de idade, o leite foi reduzido em 20% por 5 dias até serem completamente desaleitados aos 55 dias de vida. Os animais tiveram acesso a água e a dieta sólida (dieta total - silagem de milho, silagem de capim, feno de alfafa e concentrado). Os animais foram pesados semanalmente.

Figura 1
. Baia com animais pareados. Foto cedida por João C.H. Costa.


 
Os resultados obtidos mostram que os bezerros pareados precocemente consumiram mais dieta sólida ao longo do período de desaleitamento, além de apresentarem maior ganho de peso corporal quando comparados a bezerros alojados individualmente ou pareados tardiamente.

A ingestão de dieta total foi similar para os três grupos (Figura 2), mas bezerros precocemente pareados consumiram mais concentrado inicial e consequentemente tiveram uma maior ingestão total de sólidos quando comparados a animais pareados tardiamente.

Figura 2. Média de consumo de dieta sólida por bezerros alojados individualmente e pareados precoce ou tardiamente.

1º gráfico: Consumo dieta total (kg/d) x Semanas de vida
2º gráfico: Consumo de concentrado (kg/d) x Semanas de vida
3º gráfico: Consumo total de sólidos (kg/d) x Semanas de vida


O consumo de sólidos é provavelmente um importante determinante do ganho, especialmente quando os bezerros tem o consumo de dieta líquida limitado. Na sexta semana o consumo da dieta total não foi diferente entre os grupos, enquanto o consumo de concentrado foi maior para animais pareados precocemente em relação aos outros dois grupos.

Após o desaleitamento o consumo aumentou em todos os grupos, mas foi maior para os animais pareados precocemente, os quais também ganharam mais peso (0,89 vs 0,76 e 0,73 kg/d) quando comparados com os outros dois tratamentos durante o período experimental (Figura 3). Este aumento no ganho de peso diário pode ser explicado pelo maior consumo de sólidos, fator que provavelmente se tornou o mais importante para o crescimento após a 4ª semana de idade, quando o fornecimento da dieta líquida foi reduzida de 8 para 6 L.

Figura 3.
Média de ganho e peso diário durante todo o período experimental (ganho de peso diário kg/dia x tipo de pareamento).


Estudos anteriores não mostraram diferenças no consumo de dieta sólida entre bezerros pareados ao nascer quando comparados com animais pareados na 3ª semana de vida. Os resultados obtidos deste estudo indicam que o agrupamento deve ser feito nas primeiras 6 semanas de vida para se garantir benefícios, com destaque para o período entre a 3ª e a 6ª semana como a fase crítica para o agrupamento, isto por não haver diferenças entre animais pareados na 3ª semana quando comparados com animais agrupados ao nascer. Uma vez baseados nestes resultados a recomendação é que seja feito o agrupamento dentro das primeiras 3 semanas de vida.

Embora todos os tratamentos tenham exibido crescimento durante o desaleitamento na 7ª semana de idade, este parâmetro foi mais pronunciado nos animais individualizados quando comparados com animais precoce ou tardiamente agrupados, indicando uma vantagem para se começar a agrupar durante a fase de desaleitamento.

Segundo o corrente estudo, se espera que os efeitos do alojamento social no consumo de sólidos sejam maiores para bezerros com alto consumo de leite. Sendo este parâmetro o mais variável para bezerros jovens, provavelmente por serem mais fáceis de serem detectados em bezerros os benefícios da criação social no consumo inicial de sólidos. Neste contexto, o consumo de concentrado foi consistentemente alto, assim como as diferenças no consumo de forragem, o que provavelmente ocorreu em função da socialização e aprendizagem social. Estes dados sugerem que quando alojados socialmente, os bezerros consomem mais sólidos, simplesmente porque sua atenção é atraída pelos seus parceiros sociais.

Em conclusão, bezerros leiteiros são beneficiados pelo agrupamento precoce, quanto ao consumo de sólidos e aumento de ganho, o que para ser alcançado precisa ser feito ainda dentro das primeiras 3 semanas de idade.

Referências bibliográficas

J. H. C. Costa, R. K. Meagher, M. A. G. von Keyserlingk, and D. M. Weary. 2015. Early pair housing increases solid feed intake and weight gains in dairy calves. J. Dairy Sci. 98:6381–6386.

Comentários

Trabalhos recentes têm demonstrado a importância do agrupamento de animais em aleitamento no seu bem estar e manifestação de comportamentos lúdicos, muitas vezes acompanhados de aumento no consumo de alimento e consequentemente nas taxas de crescimento. Sendo animais gregários, os bezerros se beneficiam seja do pareamento ou do agrupamento com maior número de animais em idades bem jovens, como demonstrado no trabalho. No entanto, o alojamento individual auxilia na redução da disseminação de doenças como as diarreias e as doenças respiratórias; além de auxiliar no controle individual de consumo. No que diz respeito ao alojamento aos pares, é provável que a disseminação de doenças não seja tão marcante quanto quando o alojamento é realizado em grupos de 8-10 animais. Assim, o pareamento precoce pode ser uma alternativa intermediária para atender dois pontos importantes na criação de bezerras em aleitamento: manter a saúde e aumentar a socialização. Estes dois aspectos associados resultarão em maior consumo de alimentos e consequente maior ganho de peso.

CARLA MARIS MACHADO BITTAR

Prof. Do Depto. de Zootecnia, ESALQ/USP

NATHÁLIA BRITO ROCHA

Engenheira Agrônoma - UFRB
Mestre em Ciência Animal e Pastagens - ESALQ/USP

16

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CARLA BITTAR

PIRACICABA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 07/04/2016

Ronaldo, nem tudo sempre funciona. Tem muitos fatores envolvidos e o seu relato não nos ermite uma avaliação crítica da situação. O fato é que a literatura tem mostrado grandes benefícios, mas claro que fatores como colostragem, manejo alimentar e da instalação devem ser considerados.

Abs., Carla
RONALDO MARCIANO GONTIJO

BOM DESPACHO - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 06/04/2016

Carla,



Recentemente tive a oportunidade de visitar uma fazenda que está criando as bezerras em dupla, o desenvolvimento é muito inferior comparado com as bezerras criadas individualmente. Mesmo com todo esforço e boas instalações a criação em dupla nesta propriedade é um desastre. As bezerras criadas individualmente nesta propriedade faz com que qualquer um tire suas próprias conclusões.
JOAO COSTA

SÃO JOÃO BATISTA - SANTA CATARINA - PESQUISA/ENSINO

EM 26/02/2016

Caro Maria,



Particularmente, eu acho mais trabalhoso separar os bezerros na hora de fornecer leite do que manejar as mamadeiras. O que recomendamos para agilizar o processo, é a utilização de um prendedor para as garrafas como esse:



http://www.littledairyontheprairie.com/wp-content/uploads/2014/07/Bottle-Holder.jpg



ou cortar o fundo da mamadeira, mas também hoje ja estão disponíveis esses baldes com uma teta embutida:



http://milkingmachineliners.ie/wp-content/themes/shopperpress/thumbs/feeding-bucket-eurofarm.ie_.jpg



O qual água pode ser fornecida após o leite e ajuda em muito com a mamada cruzada.



Outra coisa é que a ingestão de leite no balde, e principalmente de bezerros com a cabeça abaixada está associada com diversos problemas como diarréia e tosse em bezerros. Uma coisa que nos aconteceu ainda no Brasil foi com a falta de qualidade da borracha que as tetas eram feitas, e como isso elas acabavam rachando no bico muito rápido e vazando leite, e até engasgando os bezerros. Desde que começamos a comprar as tetas com melhor borracha isso nunca mais aconteceu.Algumas vezes o barato sai caro. Espero que tenha ajudado.



Atenciosamente, Joao
JOAO COSTA

SÃO JOÃO BATISTA - SANTA CATARINA - PESQUISA/ENSINO

EM 26/02/2016

Caro José,

o fornecimento de "alta" quantidades de leite (mais de 6 L por dia), pode ser alcançada sem maiores percalços. As fezes em alguns bezerros ficam mais claras, mais isso em nada afeta a sua saúde. Eu atentaria para duas coisas, uma é o incremento de leite nos primeiros dias de 4 L até a quantidade desejada, sempre sem forçar leite goela abaixo. Nós na nossa fazenda e muitas outras que trabalhamos, algumas até no Brasil, fornecemos 12 L de leite por dia em grupos sem maiores incidência de diarréia. Com um ganho de peso médio de 800 a 1 kg por dia. O outro ponto a se tomar cuidado é com a transição para  a comida sólida, ou o concentrado. A redução de leite, como o aumento, deve ser feito gradativamente, para dar tempo ao bezerro comer e se adaptar ao concentrado. Nós recomendamos e realizamos com sucesso a transição em duas etapas, começando aos 46 dias ou 6 semanas, cortando o leite em 50% (para 6 L), e depois de duas semanas aos 60 dias ou dois meses, para uma refeição ao dia ( 3 L) e cortamos o leite aos 67 dias. Com esse programa, conseguimos eliminar a perca de peso a zero na fazenda. Esse método é conhecido como step-down. Também um plano que está sendo utilizado com sucesso, é diminuir a quantidade de leite em 50% e controlar a ingestão de concentrado, assim quando o bezerro atingir o consumo de 1 kg de concentrado por dia, ele pode ser desmamado.
CARLA BITTAR

PIRACICABA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 26/02/2016

Ronaldo, ainda não testamos isso aqui no Brasil, mas devemos fazê-lo em breve colocando dois animais/casinha tropical ou duas casinhas juntas em comparação com animais individualizados (bezerro/casinha).
CARLA BITTAR

PIRACICABA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 26/02/2016

José Fernando,

os animais foram alimentados com leite integral, recebendo do dia 0 ao 28º dia de idade 8L divididos em duas refeições diárias. A partir do 29º até o 49º dia, a dieta líquida foi reduzida pra 6L, também fornecidos em duas refeições diárias. Do 50º ao 54º dia de idade, o leite foi reduzido em 20% por 5 dias até serem completamente desaleitados aos 55 dias de vida. O volume de leite fornecido não tem relação com a ocorrência de diarreia, o que está mais relacionado com colostragem inadequada e má higienização de utensílios para alimentação.
CARLA BITTAR

PIRACICABA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 26/02/2016

Bráulio,

acredito que no seu caso o melhor seja a utilização do canzil! Com certeza vai reduzir muito a mamada cruzada.

Abs.,

Carla
CARLA BITTAR

PIRACICABA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 26/02/2016

Mario, realmente o uso de mamadeira é mais trabalhoso. Não só no preparo da alimentação, mas também para o consumo do animal. Enquanto a bezerra mama 2L em uns 30 segundos no balde, demora uns 2,5 minutos na mamadeira. E além disso, a lavagem é bem mais demorada.  
RONALDO MARCIANO GONTIJO

BOM DESPACHO - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 25/02/2016

Carla,



Qual o modelo de abrigo que você testou aqui no Brasil para criação em duplas? Houve redução na idade ao primeiro parto das bezerras criadas em dupla?
JOSE FERNANDO

JOÃO PINHEIRO - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 24/02/2016

duvida= no fornecimento de leite é 8 litros/dia por animal ?, se sim não teve nenhum caso de diarreia.estou querendo comprar 10 bezerras de 1 dia, que só mama o colostro e é separada e vendida, e quero trata-la com suscedaneo, será que da certo. abraços
BRÁULIO MAGALHÃES CARVALHO

FERROS - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 24/02/2016

Prezados João Henrique e Carla, muito obrigado pelo esclarecimento.

Quanto ao volume de leite acredito que não se encaixa no meu caso, sendo que forneço em média 6 litros por dia, divididos em 2 refeições (3 litros/refeição), podendo fornecer até mais dependendo do bezerro.

Mas realmente forneço o leite no balde.

Antes fornecia no bico, porém era muito comum os bezerros engasgarem com o leite e isso vinha causando grandes problemas respiratórios.

Vou estudar uma forma de voltar com os bicos na propriedade.



Muito obrigado.
MÁRIO SILVIO G. SILVA

GOIÂNIA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 24/02/2016

Sem dúvida, esta convivência traz benefícios, o que acho uma rotina pesada é quando nos estamos com bezerreiros com 24 animais e eu mudo a rotina de fornecer  no balde para a mamadeira, o tempo gasto em dar uma mamadeira para cada animal , o tempo de encher a mamadeira, a mão de obra tende a reclamar, qual a experiencia de vocês?
CARLA BITTAR

PIRACICABA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 24/02/2016

Mário e Braulio,

As técnicas apresentadas pelo João Henrique são sim eficientes! Mas, nem sempre é possível aumentar o fornecimento de leite. No caso dos bicos, o problema é que precisam ser bem higienizados para que não resultem e aumento na ocorrência de diarrieas. Além dessas duas técnicas, utilizar canzil e individualizar os animais durante o período de aleitamento e mante-los assim por até uns 30 minutos também é recomendado para evitar as mamadas cruzadas. Esse é o tempo que os animais precisam para perder o estímulo da mamada e muitos criadores tem utilizado com sucesso.

Abs.,

Carla  
JOAO COSTA

SÃO JOÃO BATISTA - SANTA CATARINA - PESQUISA/ENSINO

EM 23/02/2016

Caro Bráulio,

a mamada cruzada é algo comum em sistemas de alojamento social de bezerros. Diversas técnicas podem ser usadas para diminuir a prevalência desse comportamento.Dois fatores principais contribuem para a ocorrência de  mamada cruzada,

primeiramente o baixo fornecimento de leite (4 litros ou menos por dia) e o

fornecimento de leite no balde. A principal é a forma de fornecimento do leite, o qual é recomendado o uso de tetas artificiais ao invés do leite no balde. Os bezerros tem uma motivação inata de sugar, o qual o balde não satisfaz. A teta pode ser usada para fornecer água também durante o resto do dia, o que também reduz a "mania" de mamar outros bezerros. Outra técnica, é o fornecimento de mais leite por refeição, o qual além de diminuir a mamada cruzada esta associada a diversos outros benefícios, como maior ganho de peso e redução de doenças. Espero que isso ajude.
MÁRIO SILVIO G. SILVA

GOIÂNIA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 23/02/2016

tenho  também o mesmo problema, ainda ontem uma novilha pariu com 1 teto cego. Acredito ser devido a mamada cruzada.
BRÁULIO MAGALHÃES CARVALHO

FERROS - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 23/02/2016

Tenho uma dúvida quanto a esta técnica. Já realizo a algum tempo a prática do alojamento social em minha propriedade, devido ao menor custo em estruturas comparado com o alojamento individual. Porém os bezerros guando criados em grupos passam a adquirir uma "mania"  de mamar uns nos outros. Hoje amarro os bezerros antes de tratar com leite e deixo amarrado alguns minutos, porém isso aumenta muito o manejo e atrapalha o conforto do animal, e mesmo assim ainda crescem com esta "mania". O que fazer nesses casos?
MilkPoint AgriPoint