ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Importância do acompanhamento do crescimento de novilhas de reposição

POR CARLA MARIS MACHADO BITTAR

CARLA BITTAR

EM 20/09/2012

6 MIN DE LEITURA

21
2
A obtenção de novilhas de tamanho e idade adequada ao primeiro parto pode otimizar a produção de leite de maneira vantajosa. A obtenção dessas metas requer nutrição e manejo alimentar adequados. No entanto, na maior parte das fazendas leiteiras o manejo de bezerras e novilhas não é a atividade mais importante do dia-a-dia, principalmente por não ser uma atividade que traz retorno financeiro imediato como vacas em lactação. Esta visão da criação tem resultado na negligência de nutrição, manejo alimentar e cuidados com instalações e saúde destas, resultando em aumento na idade ao primeiro parto e menor produção de leite durante a vida produtiva do animal, quando comparado às novilhas que foram alimentadas adequadamente.

O sucesso do programa de criação de novilhas pode ser avaliado através do crescimento pelo monitoramento de peso e altura de bezerras e novilhas e sua comparação com a média da raça para cada grupo específico de idade. Medir e pesar novilhas permite a comparação do animal com o padrão da raça ou com animais da mesma raça em grupos contemporâneos, podendo indicar problemas no programa de criação. No caso de animais cruzados, embora não haja padronização de peso e tamanho corporal de acordo com o grau de sangue do animal, este monitoramento também funciona como ferramenta importante de avaliação do programa de criação.

O peso do animal é de fundamental importância no manejo uma vez que muitas das decisões de manejo são influenciadas por este parâmetro. O peso corporal (PC) do animal pode ser obtido por balanças mecânicas ou eletrônicas (Figura 1), ou estimado pelo uso de fita de pesagem (Figura 1), graduada em centímetros, que correlaciona o perímetro torácico com o PC, de acordo com o porte do animal, com acurácia de 5 a 7% do peso corporal. Para correta mensuração, deve-se certificar que o animal esteja em pé e com a cabeça voltada para frente, e a fita deve circundar o corpo do animal, logo atrás das pernas dianteiras, mas não muito apertada ao corpo do mesmo. A medida de altura na cernelha também deve ser realizada com o animal com a cabeça voltada para frente e para cima, sendo que este deve estar em pé numa superfície plana para que a medida não seja alterada. O animal deve ser medido no ponto mais alto da cernelha.



Figura 1. Pesagem e medidas de perímetro torácico de animais de reposição

A avaliação do crescimento de bezerras e novilhas é crucial para ajustes no manejo de criação. Os animais devem apresentar taxas de ganho de peso adequadas para cada fase de crescimento. O gráfico abaixo mostra taxas de ganho de peso tradicionalmente recomendadas para 3 fases de crescimento de animais de reposição. Estas taxas podem ser facilmente conseguidas nos sistemas de produção do Brasil, embora ainda seja um desafio para a maior parte dos produtores. De maneira geral, recomenda-se que bezerros em aleitamento tenham 100% de aumento em seu peso vivo no período de aleitamento. Isso quer dizer que os animais devem dobrar seu peso ao nascer até o desaleitamento. Com o manejo tradicionalmente recomendado de fornecimento de 4L de leite por dia, esta meta não é facilmente alcançada. Hoje, frente ao preço do leite, oferta de leite descarte ou ainda preço de sucedâneos de boa qualidade, e as vantagens da aceleração do crescimento de bezerras, muitos produtores vem aumentando os volumes de dieta líquida fornecida. Isso tem resultado em maiores taxas de ganho de peso, mas uma maior preocupação com o manejo ao desaleitamento uma vez que este depende do consumo de concentrado, o qual é reduzido com o aumento no fornecimento de dieta líquida.


Gráfico 1. Taxas de ganho de peso para as diferentes fases do crescimento de animais de reposição.

Na fase que antecede a puberdade das novilhas é interessante que as taxas de crescimento sejam controladas, uma vez que altos ganhos de peso nesta fase podem comprometer a produção de leite futura destes animais. Vários trabalhos de pesquisa mostram efeitos negativos no desenvolvimento da glândula mamária e na produção de leite na primeira lactação, quando novilhas apresentam taxas de ganho de peso acima de 700-800 g/d. Alguns trabalhos já mostraram que ajustes na formulação de dietas para estes animais, aumentando a relação entre proteína e energia podem reduzir este efeito, mas as maiores produções de leite são sempre observadas quando os animais ganharam por volta de 800g/d durante este período. O aumento nas taxas de ganho nesta fase teria como objetivo a entrada na puberdade em idades mais jovens e, portanto, a entrada destes animais no sistema produtivo também mais precocemente. No entanto, além de poder resultar em prejuízos no potencial de produção, nem sempre o investimento em nutrição para isso é economicamente viável ou compensador. Já na fase seguinte, as taxas de ganho podem ser aumentadas sem grandes problemas, desde que o animal não chegue ao parto com condição de escore corporal acima de 3,5-3,75 (na escala de 1 a 5). É importante lembrar que a produção de leite está altamente correlacionada ao peso do animal ao parto, obviamente até um peso máximo, quando partos distócicos e distúrbios metabólicos passam a ser mais freqüentes.

O escore de condição corporal é uma ferramenta adicional que pode ser utilizada para avaliar o manejo e a nutrição do programa de avaliação de novilhas (Figura 2). O escore de condição corporal é uma maneira de avaliação de reservas subcutâneas de tecido adiposo e muscular de animais. Dentre as limitações na avaliação do escore corporal de novilhas inclui-se o fato de que é uma avaliação visual e, portanto subjetiva. Assim, é importante que o observador, ou observadores, sejam sempre os mesmos, reduzindo a probabilidade de erros de avaliação. Além disso, o comprimento dos pêlos do animal (mais problemáticos em região de clima frio) e a dificuldade na aproximação da novilha para melhor observação da gordura nas costelas e na inserção da cauda também podem ser considerados como fatores limitantes.

Bezerros jovens são naturalmente magros (2,0 a 2,5, numa escala de 1 a 5) mas sua condição de escore corporal deve aumentar para 3,0 por volta da idade de inseminação. O escore de condição corporal de 3,5 a 3,7 é considerado normal para novilhas parindo entre 22-24 meses. Esse escore permite a avaliação do armazenamento de moderada quantidade de gordura corporal, que será utilizada no início da lactação quando o animal estiver em balanço energético negativo.


Figura 2. Padrões de Escore de condição corporal (ECC) para novilhas de reposição da raça Holandesa.

A Tabela 1 traz algumas recomendações de peso de acordo com a idade de animais de diferentes portes.

Tabela 1. Sugestões de desenvolvimento ponderal para fêmeas de reposição de raças grandes, pequenas e de animais mestiços Holandês-Zebu.


Considerações Práticas

1. O acompanhamento do crescimento dos animais de reposição é importante para a avaliação do sucesso do manejo nutricional e sanitário.

2. O peso vivo dos animais é utilizado como ferramenta para decisões no manejo como, por exemplo, a inseminação.

3. As pesagens devem ser feitas freqüentemente. Se possível, os animais devem ser pesados mensalmente. O ganho de peso deve ser calculado de acordo com a diferença no peso no período, e os animais devem ser avaliados e remanejados de acordo com peso e altura em lotes de crescimento.

4. O peso ao desaleitamento, as taxas de ganho de peso durante o período pré-púbere e o peso ao parto são fatores importantes para avaliação do programa de crescimento.

5. Além do peso vivo, outras medidas auxiliam na avaliação do crescimento como o perímetro torácico, a altura na cernelha e o escore de condição corporal.

CARLA MARIS MACHADO BITTAR

Prof. Do Depto. de Zootecnia, ESALQ/USP

21

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

QUAL A IMPORTÂNCIA DE TER CONTROLE SOBRE A TAXA DE CRESCIMENTO DE NOVILHAS LEITEIRAS?

NARANDIBA - SÃO PAULO

EM 04/08/2020

QUAL A IMPORTÂNCIA DE TER CONTROLE SOBRE A TAXA DE CRESCIMENTO DE NOVILHAS LEITEIRAS?
MARINA MORTATI

EM 06/09/2016

Prezada Profa Carla,



Gostaria de saber até que idade o animal é considerado bezerro ?



Grata pela atenção
MICHEL KAZANOWSKI

QUEDAS DO IGUAÇU - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 24/09/2014

Carla,



Sobre o desenvolvimento de bezerras do pós desmame e a puberdade.

As bezerras são desmamadas com 90-100 kg aos 60-70 dias de idade e permanecem nas mesmas instalações por 2 a 3 semanas para reduzir o stress da desmama. Na sequencia vão para um sistema de pasto composto de azevem e trevo.

A taxa de ganho de peso fica na média de 1,100g/dia. Recebem 1,5kg de concentrado por dia. A dúvida que surge. Essa alta taxa de ganho de peso impactará negativamente na produção futura das vacas?

A meta da criação é ter novilhas parindo com 90% do peso adulto aos 24 meses.
MARIANA POMPEO DE CAMARGO GALLO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 14/04/2014

Gostaria de convida-los a participar do Curso Online  "Aleitamento de bezerras com sucedâneos lácteos".



O curso terá início em 29/04 e a instrutora Carla M. M. Bittar, irá esclarecer os principais aspectos relacionados ao uso de sucedâneo para aleitamento de bezerras, além de tirar dúvidas através do fórum de perguntas e conferência online.



Para mais informações ou realizar sua inscrição acesse nossa página de cursos: http://www.agripoint.com.br/curso/aleitamento-bezerras/



Ou mande um e-mail para: cursos@agripoint.com.br
LUCIANA MARQUES DE PAULA

SÃO PAULO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 09/03/2014

Na minha opinião um dos segredos para rentabilidade da atividade leiteira e justamente  no planejamento ,acompanhamento e crescimento de novilhas de reposição. O custo em relação a uma novilha pronta eh  baixo e vc consegue uma vaca leiteira de boa qualidade. Nós tivemos uma experiência de uma bezerra nascida na fazenda tornar- se a melhor produtora de leite .falo uma poque nossa atividade está completando  três anos agora. O pequeno produtor quer o resultado rápido, e não eh assim , dai o preconceito que atividade leiteira não lucrativa. . Parabéns pelo artigo e parabéns pela Milkpoint sempre trazer matérias sobre esse assunto.
SEBASTIÃO DA SILVA GONÇALVES

EM 17/02/2014

Boa tarde Profª Carla Maris Machado Bittar.



Gostaria de parabenizá-la pela matéria publicada, que é de suma importância para os produtores da atividade leiteira e para quem está pretendendo fazer parte da mesma. Quando eu começar, colocarei em pratica os seus ensinamentos.



Um grande abraço.



Sebastião  
JOÃO MARCOS SILVA LOBATO

PITANGUI - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 13/02/2014

Artigo trata do principal assunto na atividade leiteira, pois nossas bezerras serão nossas futuras vacas, e devemos sempre lembrarmos que quanto mais precoces mais economia e mais lucro a fazenda estará tendo. Parabéns pelo artigo .
LAUDEMIRO INÁCIO DA SILVA

VOLTA - SERGIPE - PESQUISA/ENSINO

EM 11/05/2013

estou cursando técnico agropecuária e esta matéria me deu uma visão maior do trabalho que estou fazendo sobre a importância da recria de novilhas leiteiras na propriedade......

PARABÉNS PELA MATÉRIA E MUITO OBRIGADO!!!!
CAIO GOMES

IPERÓ - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 25/01/2013

Carla, parabéns pelo artigo!


Roubei as duas Tabelas e as colocarei no mural de minha propriedade!rs


Grato pelo conhecimento.
CARLA MARIS MACHADO BITTAR

PIRACICABA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 29/09/2012

João Henrique,

avançamos um pouco nestes anos, não acha? Tanto em termos de conhecimento de nutrição animal, quanto no que diz respeito aos animais. As novilhas da década de 70 eram diferentes daquelas que temos hoje. O fato é que podemos deixar os animais ganharem mais peso se alguns ajustem forem feitos nas dietas, principalmente na relação proteína e energia da dieta. Quanto mais peso o animal ganha, maior a sua exigência em proteína. Se queremos deposição de tecido magro, de forma a não prejudicar o desenvolvimento da glândula mamária, quando o animal é desafiado a ganhar mais peso, sua dieta deve ter maior relação proteína bruta: energia metabolizável.

Abs.,

Carla
CARLA MARIS MACHADO BITTAR

PIRACICABA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 29/09/2012

Aluísio,

Alguns trabalhos mostram que em manejo alimentar convencional de 4 ou 6L/d de dieta líquida não há benefício no fornecimento de concentrado com mais de 22% de PB na matéria seca. No entanto, quando os animais estão em programas de aleitamento intensivo sua exigência em proteína é aumentada e aí os animais podem sim receber e se beneficiar de concentrado com maiores teores de proteína.  Com esses ingredientes você pode trabalhar com concentrado com 20% de PB, mas vai depender da qualidade desta forragem e pode ser que em algumas épocas do ano menores teores de PB no concentrado sejam suficientes.

Abs.,

Carla  
CARLA MARIS MACHADO BITTAR

PIRACICABA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 29/09/2012

Marcio,

Qualquer prática que resulte em aumento no consumo de concentrado é muito bem vinda!É claro que o animal vai preferir a dieta líquida do que o concentrado, mas se não houver consumo adequado não temos como desaleitar o animal e isso acaba resultando em aumento no custo da bezerra.

Uma prática que vi alguns produtores fazer no Uruguai é reduzir o leite durante 2 dias e retornar ao fornecimento normal. Por exemplo, animais que recebem 6L/d, recebem 4L/d durante dois ou três dias e voltam a receber 6L/d. Essa prática tem sido eficiente em estimular o consumo que depois se mantém alto mesmo com o retorno dos 6L/d.

Abs.,

Carla
CARLA MARIS MACHADO BITTAR

PIRACICABA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 29/09/2012

Thiago,

No caso de animais da raça Holandes você deve inseminá-las com peso aproximado de 350kg de forma a não comprometer o crescimento do animais e muito menos o potencial de produção de leite.

Abs.,

Carla
IRINEU DONIZETE SILVA

MARIA DA FÉ - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 29/09/2012

gostei  muito texto que  fala  sobre  criação   de  bezerra e novilha  e muito importante  p/    futuro.
JOAO HENRIQUE CARDOSO COSTA

FLORIANÓPOLIS - SANTA CATARINA - ESTUDANTE

EM 28/09/2012

Carla,



Parabéns pelo texto, a criação de bezerras e novilhas é fundamental na produção de leite,



Gostaria que você comentasse esse passagem:

Vários trabalhos de pesquisa mostram efeitos negativos no desenvolvimento da glândula mamária e na produção de leite na primeira lactação, quando novilhas apresentam taxas de ganho de peso acima de 700-800 g/d. Alguns trabalhos já mostraram que ajustes na formulação de dietas para estes animais, aumentando a relação entre proteína e energia podem reduzir este efeito, mas as maiores produções de leite são sempre observadas quando os animais ganharam por volta de 800g/d durante este período.



Pq os artigos modernos, não concordam com essa afirmação feita por alguns pesquisadores de Wiscosin e Cornell na décade de 70!



Gostaria de saber quais os artigos vc cita!



Abraços
HERMENEGILDO DE ASSIS VILLAÇA

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 24/09/2012

      Congratulações, artigo muito bom e relevante.
PAULO ENILSON SOARES DE BRITO

NOVA CANAÃ - BAHIA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 23/09/2012

Muito interessante, é necessário cuidar bem das futuras vacas leiteiras.

Parabéns.
ALUÍZIO LINDENBERG THOMÉ

CARANGOLA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 23/09/2012

Prezada Professora Carla,



Considerando uma dieta baseada em concentrado, feno de tifton e piquetes de grama, quantos kg de concentrado+feno/cab/dia e com qual nível de proteína podemos trabalhar no concentrado?



Existem concentrados no mercado variando de 18 até 26% de PB, para gado jovem. O quanto isso vai influenciar no desenvolvimento da altura das bezerras?



E qual a tabela de altura concomitante com a tabela de peso preconizada em seu artigo?



Em tempo, 120kg aos seis meses para novilhas mestiças não temos dificuldade, o difícil é manter o ganho até os 15 meses sem enfiar a mão no bolso...



atenciosamente,



ALThomé

MÁRCIO TEIXEIRA

URUANA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 22/09/2012

Prezada Carla,



estou adotando a prática de aumentar a dieta líquida objetivando incrementar o ganho de peso, em especial, no primeiro mês de vida das bezerras. Como vc falou, isso ocasiona o pouco consumo de concentrado. Tenho adicionado leite em pó junto ao concentrado para estimular o consumo. Vc acha que isso tem validade?? Qual seria outra sugestão sua visando o incremento do consumo do concentrado.





Obrigado.
THIAGO ALEXANDRE SILVA

PINDORETAMA - CEARÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 21/09/2012

Carla, parabéns pelo artigo. É de suma importância o acompanhamento do crescimento das bezerras. Em minha propriedade, não tinhamos o costume de criar as nossas bezerras. No último ano, realizamos testes com cinco bezerras promissoras. Hoje, estão com idade média de 14 meses e acima dos 300 kg. Duas delas já estão próxima dos 350 kg. Todas já apresentaram o cio pelo menos duas vezes. Todas são da raça girolando, entre os graus 3/4, 5/8 e 7/8. Nesse caso, já posso inseminá-las? Em função da baixa idade das novilhas, não pode comprometer o crescimento delas?



--- Girolando TAS ---

Produzindo leite de forma simples e eficiente!
MilkPoint AgriPoint