FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Estratégias de agrupamento de bezerros por ocasião do desaleitamento

POR CARLA MARIS MACHADO BITTAR

E MARIANA POMPEO DE CAMARGO GALLO

CARLA BITTAR

EM 17/02/2012

5 MIN DE LEITURA

3
0
O período de desaleitamento é uma fase de grandes mudanças na vida do bezerro, que pode resultar em perdas dos ganhos obtidos na fase de aleitamento e ainda prejudicar o sistema imunológico do animal. Desta forma, estratégias que busquem minimizar os efeitos desta transição tem sido alvo de pesquisas. Uma destas estratégias é a redução gradual da quantidade de dieta líquida, de forma a estimular o consumo de concentrado, minimizando assim o estresse com a interrupção do fornecimento da dieta líquida. Além disso, outra mudança importante neste período é o sistema de alojamento, quando o animal que geralmente está mantido individualizado passa a ser agrupado em pequenos lotes, interagindo com outros animais.

Em geral recomenda-se que o bezerro permaneça alojado individualmente por algum período após o desaleitamento, com objetivo de reduzir ocorrência de doenças respiratórias que os acometem quando são introduzidos no lote. A freqüência de doenças respiratórias quando os animais são introduzidos no lote é aumentada, pois o sistema imunológico dos mesmos está prejudicado em decorrência do alto nível estresse.

Desta forma, um grupo de pesquisadores da Espanha realizou estudos com objetivo de avaliar estratégias de alojamento de forma a reduzir o estresse dos animais durante o desaleitamento.

O primeiro desses estudos teve como objetivo avaliar o efeito da manutenção de animais em sistema de alojamento individualizado por mais 6 dias após o desaleitamento. Todos os bezerros foram desaleitados aos 56 dias de vida, sendo que metade deles permaneceu nos alojamentos individuais 6 dias após o desaleitamento e, a outra metade foi alocada em grupos de 8 bezerros assim que desaleitados.

Os animais apresentaram desempenho semelhante durante o período de aleitamento (Tabela 1). No entanto, após o desaleitamento os animais mantidos individualizados por mais 6 dias apresentaram menor ganho de peso, resultando em maior número de dias para que atingissem o peso final (115kg). Este efeito após o desaleitamento fez com que o ganho de peso do período total de avaliação fosse menor para os animais mantidos individualizados.


Tabela 1. Efeito do período após o desaleitamento para o agrupamento no desempenho de bezerros



Além disso, contrariando as expectativas, as chances de apresentar problemas respiratórios foram duas vezes maiores em bezerros mantidos individualizados após o desaleitamento. Esses resultados contradizem a recomendação tradicional de que se deve manter os bezerros por 7 a 14 dias adicionais nos alojamentos individuais. Uma possível razão encontrada pelos autores para a maior incidência de doenças respiratórias dos bezerros mantidos individualmente, assim como o menor desempenho, é que os alojamentos utilizados não possuíam espaço para exercício, pois possuíam medidas espaço de 1,1 x 1,6 m, o que pode ter limitado a qualidade do ambiente conforme o aumento de tamanho do animal. Assim, avaliações destas práticas de manejo devem ser realizadas em outros tipos de abrigos individuais.

Seguindo a mesma linha de pesquisa, um segundo estudo avaliou a introdução de animais em grupos antes do desaleitamento. Os animais foram desaleitados aos 56 dias de vida, sendo que metade deles permaneceu em alojamentos individuais até o 56º dia e a outra metade foi movida para grupos de 8 bezerros aos 49 dias (7 dias antes de serem desaleitados). Também aos 49 dias todos os animais que estavam recebendo 4 L de leite por dia, passaram a receber apenas 2L.

Os bezerros agrupados aos 49 dias tiveram maior peso corporal e ganho de peso aos 56 dias de idade em relação aos que permaneceram nos alojamentos individuais (Tabela 2), o que se deve ao fato de que esses animais apresentaram também maior consumo de concentrado (Tabela 2; Figura 1). Algumas hipóteses foram levantadas para justificar este aumento de consumo: os alojamentos individuais não eram adequados e influenciavam negativamente o consumo; os grupos promoveram um maior bem estar nos animais, resultando no maior consumo. Dados da literatura indicam que mover os animais para grupos pequenos (8 a 16), promove uma maior interação social entre os animais, e favorece o aumento no consumo de concentrado.


Tabela 2. Desempenho e consumo em bezerros de acordo com o tempo de socialização





Figura 1. Consumo de concentrado de bezerros agrupados aos 49 dias (cinza), ou 56 dias (preto) dias de idade. ** (P <0,005) e * (P<0,10) dentro das faixas de idade.

Não foi observada ocorrência de mamada cruzada ou mamada não-nutritiva, o que é um problema comum quando do agrupamento de bezerros. Como retratado em outros Radares Técnicos, a mamada cruzada geralmente esta relacionada ao baixo consumo de concentrado, o que não ocorreu neste experimento, já que todos os animais desaleitados já possuíam um consumo de concentrado superior a 700g/dia.

Quando a dieta líquida foi reduzida de 4 para 2L por dia, o índice de doenças respiratórias foi de 34% nos animais agrupados aos 56 dias, enquanto nos animais agrupados aos 49 dias foi de apenas 20%. Esses resultados mostram que a saúde dos animais melhorou quando o agrupamento foi feito no momento de redução da quantidade de sucedâneo, aos 49 dias.

Conclusão

O momento de mudança do manejo individual para os lotes pode alterar o desempenho após o desaleitamento dos animais. Mover animais de abrigos individuais para grupos, imediatamente após o desaleitamento, melhorou o desempenho e reduziu pela metade o risco dos bezerros apresentarem problemas respiratórios após o desaleitamento. Além disso, mover os animais para os lotes no momento em que é feita a redução do leite, aos 49 dias, aumentou o consumo de matéria seca, crescimento corporal e a saúde dos animais, quando comparado a redução do leite nos alojamentos individuais. O autor recomenda que os animais sejam introduzidos nos lotes antes de começar a redução do fornecimento de dieta liquida.


Referência

Bach, A.; Ahedo, J.; Ferrer, A. Optimizing weaning strategies of dairy replacement calves. J. Dairy Sci. V.93, p.413-419, 2010.


Comentários

Embora seja recomendação tradicional manter bezerros nas mesmas instalações no período logo após o desaleitamento de forma a reduzir o estresse, o presente trabalho não comprova este benefício. Entretanto, os próprios autores questionam a qualidade dos abrigos individuais no que diz respeito ao dimensionamento dos mesmos para bezerros mais velhos. Temos observado a campo benefícios desta prática de manejo, mas sempre em sistemas de produção que adotam abrigos do tipo casinha tropical. Vários trabalhos tem recomendado o agrupamento de bezerros ainda em aleitamento de forma a estimular o consumo de concentrado, exatamente como observado no estudo relatado. No entanto, outros trabalhos mostram que nem sempre se observa este benefício, principalmente devido a diferença na idade e, conseqüentemente, no tamanho dos animais no lote. Quando os lotes não são bastante homogêneos, em termos de peso e altura, é grande a competição dentro do lote, fazendo com que o consumo médio do lote seja adequado, mas o consumo individual seja bem variável. Assim, além de se preocupar com o dimensionamento de abrigos individuais para que também sejam adequados para animais mais velhos, o produtor deve sempre estar atento a homogeneidade dentro do lote.

CARLA MARIS MACHADO BITTAR

Prof. Do Depto. de Zootecnia, ESALQ/USP

MARIANA POMPEO DE CAMARGO GALLO

Engenheira Agrônoma (Esalq/USP), Mestre em Ciência Animal e Pastagens (Esalq/USP), Coordenadora de Cursos Online AgriPoint.

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ALEXANDRE FONSECA RIBEIRO

LAVRAS - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 21/03/2012

Boa noite Prof. Carla,

Considerando fazendas com rebanho pequeno , em que a quantidade de bezerras a serem desaleitadas por período é baixa, como devo proceder no agrupamento pós desaleitamento? Há um número mínimo de bezerras a serem agrupadas juntas? Qual o limite de diferença de peso entre elas? É melhor eu segurar um pouco mais bezerras que já atingiram o peso e idade para desaleitamento e esperar que mais bezerras tenham atingido o mesmo peso para fazer lotes maiores?

Desde já lhe agradeço pela atenção.

Att,
HERMENEGILDO DE ASSIS VILLAÇA

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 28/02/2012

Dra.Carla  e mestranda  Mariana.
      Primeiramente gostaria de parabeniza-las pelo excelente artigo;que além do mais é um assunto altamente relevante,e que em alguns pontos,é polêmico.
      Como  já vi o artigo em si, gostaria de  sumáriamente expor algo de minha experiência profissional, e sobretudo da particular, que considero ter sido razoavelmente bem sucedida.
     A  colostragem foi feita da seguinte maneira :
    Os bezerros ficaram com  as mães  no piquete maternidade < desde o parto>, durante  24 horas, e seguiram consumindo colostro  cêrca de 1 semana ; onde foram amarrados  em casinhas  individuais até uma semana após o desaleitamento,onde foram soltos nos piquetes em lotes homogeneos ;  sendo o pasto, constituido de capim estrela, com bebedouro ,e cochos cobertos para o fornecimento de concentrado.
   Na primeira semana pós colostro, receberam sucedâneo de leite, de boa qualidade, cuja quantidade foi aumentada gradualmente até  5 litros diários, e também sendo gradualmente diminuida quando o consumo de concentrado atingiu 900 gr. diarias.
   O concentrado  foi gradualmente aumentado até  atingir 1 kg diário,  sendo dobrado após o desaleitamento.
    No inicio ele foi aumentado gradualmente,evitando-se assim sobra de um dia para o outro.
   Desde a primeira semana, os animais tiveram à disposição feno de gramínea e água.
  Com este manejo e alimentação, durante quase duas décados as   morbidades foram muito baixas, bem como a taxa de mortalidade, menos de 5%.   
  O desenvolvimento dos animais  esteve dentre os padrões normais.
MARCOS GOULART PEREIRA (MARKITO.'.)

LAVRAS - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 20/02/2012

Profa. Carla e Dra. Mariana


Saudações


Interessante o trabalho, pois mostra a importancia da observação complexa dos fatores que influenciam na criação de bezerras. Confirmando que não há um manejo único para todas as propriedades.


Obrigado,

MilkPoint AgriPoint