ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Enriquecimento ambiental para bezerros leiteiros

VÁRIOS AUTORES

CARLA BITTAR

EM 28/12/2016

5 MIN DE LEITURA

5
4
A resposta de qualquer animal a uma situação de estresse se divide em três principais fases: reconhecimento do agente estressor, resposta biológica contra o estressor e a consequência desta resposta. Uma das primeiras respostas de um animal diante de uma situação de estresse é a alteração do seu comportamento. O animal tentará evitar o agente estressor, ou minimizar os seus efeitos. Mas, quando o animal não consegue evitar o estresse, seu padrão de comportamento será alterado, sendo então uma importante evidência da ocorrência de distresse nos animais.

O estresse pode ocorrer por motivo físico, como fome, fadiga, lesão e temperatura ambiental extrema, ou por fatores psicológicos, como contenção, manejo ou novidade. A maioria destes fatores pode ocorrer durante a fase de desaleitamento de bezerros. Comportamentos como mamada não nutritiva, vocalização e agitação motora, tem sido identificados quando estes animais são submetidos a situações estressantes. A vocalização e outros sinais utilizados pelos animais para comunicação podem fornecer informações sobre experiências subjetivas. No entanto, poucos experimentos têm focado nestas experiências negativas e o quanto elas afetam o bem-estar e a fisiologia destes animais, especialmente nos sistemas de produção e nas condições de produção no Brasil.

No estudo realizado por Santos e Bittar (2015), caracterizando a criação de bezerras leiteiras no Brasil, é possível observar que o sistema de criação brasileiro sofre com problemas semelhantes aos observados em países como o Canadá e os Estados Unidos, quando se pensa em práticas de manejo que afetam o bem estar. Práticas que deveriam ser simples de serem executadas, como a cura do umbigo, ainda são negligenciadas, levando ao aparecimento de hérnias, onfalites e infecções ascendentes. Em ocasiões onde os nascimentos de bezerras acontecem à noite, apenas 12% das propriedades fornecem o colostro até as 4 primeiras horas de vida do recém nascido e 35% dos animais recebem o colostro direto das mães, sem haver o controle da quantidade ingerida ou da qualidade desse colostro, de forma a garantir a transferência de imunidade passiva às bezerras. A soma desses fatores além de prejudicar o bem-estar, contribuem para desempenho inadequado dos animais e muitas vezes aumentam o custo de produção devido ao gasto com tratamentos veterinários.

Por outro lado, o consumidor começa a manifestar uma preocupação cada vez maior com o estado emocional dos animais, além de questões de bem-estar associadas a produção de leite ou de carne. Essa preocupação não se refere somente as situações em que os animais sofrem de dor, injúrias, medos e estresse, mas também com situações associadas ao prazer do animal, como atividades lúdica ou de brincadeiras, tão comuns em filhotes de qualquer espécie.

Tendo em vista esta crescente preocupação em assegurar o bem-estar dos animais, estudos de métodos de desaleitamento que minimizem os impactos deste período são importantes para auxiliar no entendimento das mudanças que o animal passa durante este processo e de suas reações comportamentais. O estresse do bezerro ao desaleitamento não está associado somente à dor, doenças, desconforto ou experiências negativas, mas também envolve a habilidade dos mesmos em experimentar emoções positivas. O comportamento lúdico só é manifestado quando as necessidades básicas de alimento, abrigo e segurança são atingidas.

Estudos associados ao comportamento lúdico em bezerros indicam que o comportamento de fome, ganho de peso reduzido, aumento de frequência de visitas à mamadeira e posições fixas por longos períodos, estão associados a uma menor quantidade de leite que normalmente devam ingerir (Vieira et al., 2008; Borderas et al., 2009). Esta série de comportamentos tem como consequência uma redução no comportamento lúdico, principalmente pelo decréscimo de energia na dieta. Além de promover o bem-estar dos animais, o comportamento lúdico cria benefícios sociais e físicos, que podem se sobressair até mesmo do estresse ao desaleitamento.

O estresse relacionado ao período de desaleitamento se dá por uma série de mudanças às quais os animais são forçados no momento em que se interrompe o fornecimento da dieta líquida. A principal é a própria forma de nutrição do animal, que muda de líquida para sólida, também a redução da quantidade de matéria seca recebida com o não fornecimento do leite e ainda, a adaptação a digestão e fermentação de alimentos própria de ruminantes. Todos estes aspectos podem ser fator de estresse caso o animal ainda não esteja preparado para esta mudança. Além disso, neste período também ocorrem alterações no manejo e nas instalações dos animais, que passam muitas vezes de abrigos individuais para uma situação de agrupamento, devendo adaptar-se ao novo ambiente.

Um dos problemas de grande parte dos produtores é superestimar a maturidade dos animais para viver este período de transição pós desaleitamento, já que este é o período de maior estresse na vida dos animais. Desta forma, medidas que minimizem o impacto deste período, e reduzam o estresse ao que o animal é imposto, devem fazer parte do manejo destes animais, de forma a manter o bom desempenho obtido na fase de aleitamento. Além dos programas de desaleitamento gradual, os quais devem ser mais longos, quanto maior o fornecimento de dieta líquida, o enriquecimento ambiental pode ser utilizado para reduzir o estresse dos animais, muitas vezes reduzindo o problema de mamadas cruzadas.

Em experimento na ESALQ/USP avaliou-se o enriquecimento ambiental para bezerros recém desaleitados e inseridos em um grupo pré-formado de forma individual ou em duplas. Para o enriquecimento ambiental foram utilizados uma bola grande, um espantalho, um cone e um pneu pendurado (Figura 1). O fator mais importante neste processo tenha sido a inserção de animais aos pares no piquete, de forma que não sofressem tanto com a realocação social (hierarquia dentro do lote). No entanto, os objetos incluídos como forma de enriquecimento auxiliaram na socialização dos animais, sendo o espantalho o elemento com o qual os animais mais interagiram. A bola e o pneu também foram bastante utilizados, sendo objetos mais simples para inclusão nos piquetes de animais desaleitados.


Figura 1. Objetos de enriquecimento ambiental para bezerros leiteiros

O bem-estar de bezerros deve ser avaliado como um todo dentro do processo de crescimento e não somente avaliado através de taxas de crescimento e de morbidade. Crianças gostam de ganhar brinquedos no Natal, será que seus bezerros também não gostariam?


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BITTAR, C.M.M.; FERREIRA, C.M.M.; GALLO, M.P.C.; PAULA, M.R. Manejo alimentar de bezerras em aleitamento. In:SIMPÓSIO SOBRE NUTRIÇÃO DE BOVINOS, 9., Fealq:Piracicaba. Anais… Fealq:Piracicaba, 2011. p. 9-92.
BORDERAS, T.F., de Passille´ , A.M.B., Rushen, J., 2009. Feeding behavior of calves fed small or large amounts of milk. J. Dairy Sci. 92, 2843– 2852.
VIEIRA, A., GUESDON, V., DE PASSILLE´ , A.M., VON KEYSERLINGK, M.A.G., WEARY, D.M., 2008. Behavioural indicators of hunger in dairy calves. Appl. Anim. Behav. Sci. 109, 180–189.
SANTOS, G.; BITTAR, C.M.M. A survey of dairy calf management practices in some producing regions in Brazil. R. Bras. Zootec., 44(10):361-370, 2015.

ARTIGO EXCLUSIVO | Este artigo é de uso exclusivo do MilkPoint, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

CARLA MARIS MACHADO BITTAR

Prof. Do Depto. de Zootecnia, ESALQ/USP

MARCOS DONIZETE SILVA

Mestrando em Ciência Animal e Pastagens, ESALQ/USP

5

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

FELIPE TADEU KODEL ROXO

SÃO JOÃO DEL REI - MINAS GERAIS - ZOOTECNISTA

EM 06/01/2017

Muito bom o texto, vale ressaltar que o desenvolvimento das bezerras após o desmame está intimamente ligado com o desenvolvimento da bezerra durante o aleitamento, não são apenas as doenças como "tristeza parasitária" ou pneumonia que prejudicam o desenvolvimento, manejo das bezerras com docilidade, frequência do contato do tratador com os animais, observações diárias, etc.



Abraços  
CARLA BITTAR

PIRACICABA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 05/01/2017

Sandra,

O melhor para os animais é que o leite seja reduzido gradativamente. desta forma o animal aumenta o consumo de alimento seco e não sofre tanto com o desaleitamento. O volume mínimo a ser fornecido aos animais é de 4L/d por pelo menos 8 semanas. Neste sistema de fornecimento a qualidade do concentrado é extremamente importante e este deve estar disponível já a partir da primeira semana. Mas, quanto mais leite você fornecer no início, maior será o ganho de peso dos animais e maior será o potencial de produção de leite quando esta bezerrinha se tornar uma vaca. Claro que nesta escolha temos que considerar o custo de produção e como isso se encaixa no sistema.

Boa sorte aí!

Abs.,

Carla.
EDMUNDO PEREIRA FURTADO

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 01/01/2017

Nunca vi em lugar algum o pneu e espantalho.Passarei a adotar a sujestão.
MARCELO ERTHAL PIRES

BOM JARDIM - RIO DE JANEIRO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 31/12/2016

...muito bem, os animais precisam passar seu tempo, são como crianças, o artigo trás 'luz' para enriquecer o conhecimento, conhecimento que levaria a animais mais doceis nas salas de ordenha e no trato diário.  Parabéns pela lucidez do tema.



            Um abraço, mas o tema é enorme !
SANDRA OKAZAKI AMORIM DOURADO

RONDONÓPOLIS - MATO GROSSO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 29/12/2016

Muito bom o texto, mas gostaria de sugestões de como desmamar as bezerras, quantos litros de leite é ideal para dar e depois como reduzir o leite no desmame .
MilkPoint AgriPoint