ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Dieta para novilhas pré-púberes: alta forragem ou alto concentrado?

POR CARLA MARIS MACHADO BITTAR

E LUCAS SILVEIRA FERREIRA

CARLA BITTAR

EM 20/11/2007

13 MIN DE LEITURA

3
0
A eficiência alimentar com a qual novilhas leiteiras são criadas é baixa, e embora este fato seja resultante de vários fatores, uma grande proporção desta ineficiência se deve à grande quantidade de alimento necessária para a mantença e ao ineficiente uso de alimento para crescimento. Isso pode ser exemplificado pelo fato de que a proporção de energia líquida consumida que é retida para crescimento é consideravelmente menor que a proporção utilizada com mantença.

Conforme mostra o NRC (2001), a quantidade absoluta de energia necessária para manutenção é superior àquela para crescimento, o que acontece para a maioria dos outros nutrientes. Adicionalmente, nenhum dos investimentos realizados durante a fase de crescimento de novilhas de reposição tem potencial de trazer retorno econômico até que este animal entre em produção.

Assim, a redução do período de crescimento através da redução da idade ao primeiro parto abaixo das recomendações atuais (22 a 24 meses) pode encurtar o tempo entre investimento e geração de renda, além de reduzir custos associados com o período não produtivo da vida destes animais. Esta redução pode ser conseguida através de maiores taxas de ganho de peso durante o período pré-púbere, o que resultaria em menor idade a inseminação e provavelmente menor idade ao primeiro parto. Embora esta estratégia possa levar a um mais rápido retorno econômico dos investimentos, o aumento no ganho de peso durante a fase pré-púbere tem apresentado impacto negativo no desenvolvimento da glândula mamária e produção de leite durante a primeira lactação.

A busca por uma estratégia capaz de aumentar as taxas de ganho de peso de novilhas de reposição sem no entanto reduzir seu potencial de produção de leite é de extrema importância para o estabelecimento de sistemas de produção mais eficientes. Mesmo que uma metodologia de aceleração de crescimento sem redução de potencial de produção seja implementada, a comparativa baixa eficiência de novilhas de reposição permanece, embora por um menor período de tempo.

Já é sabido há algum tempo que dietas contendo altas proporções de alimentos concentrados são utilizadas de forma mais eficiente do que aqueles com maior proporção de forragens. Vários experimentos têm fornecido dietas com alto teor de concentrado, a vontade, para novilhas de reposição, o que tem resultado em menor produção de leite à primeira lactação.

Por outro lado, outros experimentos têm demonstrado que se a dieta com alto teor de concentrado é fornecida de forma controlada, de forma que o ganho de peso é comparável ao observado com dietas com alta forragem, o desenvolvimento da glândula mamária e a produção a primeira lactação são similares. Apesar destes resultados, a maior parte das novilhas recebem dietas que consistem basicamente de forragens e não alimentos concentrados.

Dessa forma, Zanton & Heinrichs conduziram experimento com o objetivo de avaliar o crescimento e a produção de leite na primeira lactação de novilhas alimentadas com dietas com alto teor de concentrado ou alto teor de forragens formuladas para mesma taxa de crescimento.

Material e métodos

Foram utilizadas 42 novilhas, com peso inicial de 125kg e aproximadamente 3,8 meses de idade, as quais foram distribuídas nos dois tratamentos: 1) dieta com alto concentrado (AC); e 2) dieta com alta forragem (AF). Durante 35 dias os animais foram adaptados para os diferentes níveis de forragem da dieta, aumentando-se ou diminuindo-se a quantidade de forragem até se obter as dietas experimentais. Grupos de 6 a 9 novilhas, do mesmo tratamento, foram alojadas em piquetes com sistema de cocho com portão eletrônico, permitindo avaliação individual de consumo de alimento.

As dietas foram formuladas para atender ou exceder as recomendações do NRC (2001) para novilhas de 150 kg de peso vivo e ganho de peso de 800g/d, de forma que todos os nutrientes fossem semelhantes entre as dietas (Tabela 1). A dieta AF foi formulada para conter 75% de forragem e 25% de concentrado, enquanto a dieta AC teve a proporção inversa. A dieta foi fornecida duas vezes ao dia na forma de ração completa durante um período de 245 dias com o objetivo de abranger todo o período pré-púbere de crescimento.

Uma consideração importante neste experimento foi a manutenção de ganho de peso diário (GPD) semelhante durante a fase pré-púbere de forma que os efeitos dos diferentes níveis de concentrado ou forragem pudessem ser determinados. Embora a densidade energética das dietas fosse consideravelmente diferente, o GPD foi controlado através do controle da quantidade fornecida. As novilhas foram pesadas semanalmente, em 2 dias consecutivos, 2 h antes do fornecimento da manhã. A partir da média destes valores, a quantidade de alimento a ser fornecida na semana subseqüente foi ajustada para manter o GPD desejado.

Juntamente com a pesagem semanal, várias medidas estruturais foram tomadas, incluindo a altura na cernelha, o comprimento do corpo, o perímetro torácico e a largura do traseiro. Na conclusão do período experimental, as novilhas passaram a receber uma mesma dieta, contendo 86% de forragem até a o período de transição, ou seja, 30 a 60 dias antes do parto.

O início da puberdade foi monitorado a partir de 200 kg de peso vivo através de dosagem de progesterona em amostras de sangue colhidas em intervalos aproximados de 3,5 dias. As novilhas foram consideradas púberes quando apresentaram, em pelo menos 2 amostras consecutivas, concentração de progesterona >1 ng/mL. A observação de cio foi realizada durante 30 min/d também para identificação de puberdade.

As novilhas foram inseminadas a partir de 350 kg e 13 meses. Com o objetivo de reduzi a idade ao primeiro parto, as novilhas não inseminadas até 13,5 meses foram submetidas a programa de sincronização de cio. O número de serviços por concepção foi anotada para fins de comparação, e novilhas com mais de quatro serviços foram eliminadas do experimento (2 por tratamento).

Após a parição os animais foram mantidos em instalação do individual com contenção (tie-stall) até que o período de transição terminasse, sendo então transferidos para sistema de estabulação livre (free-stall). A dieta foi fornecida uma vez ao dia na forma de ração completa, sendo formulada para atender as exigências de acordo com o nível de produção, conforme recomendação do NRC (2001). As novilhas de primeira cria foram ordenhadas duas vezes ao dia, sendo a produção individual mensurada diariamente. Amostras de leite foram colhidas mensalmente para análise dos teores de gordura e proteína. A produção de leite durante 305d foi estimada a partir da produção mensurada durante 154 dias utilizando-se métodos matemáticos.

Resultados e discussão

De maneira geral, as novilhas foram saudáveis durante todo o período de avaliação do crescimento e todos os animais completaram esta fase do trabalho com exceção de um animal que foi removido. Dos 42 animais, 8 não completaram s 150 dias de lactação por diversos motivos não relacionados aos tratamentos aplicados, resultando em 21 animal para o tratamento AF e 20 para o tratamento AC.

O crescimento das novilhas foi monitorado semanalmente para determinar potenciais diferenças entre tratamentos, sendo os resultados da avaliação inicial apresentados na Tabela 1. Estes resultados indicam que a manutenção das taxas de ganho de peso através do controle da quantidade de alimento fornecido foi eficiente, uma vez que não houve diferença significativa entre os tratamentos. O consumo de matéria seca (CMS) necessário para obter estas taxas de ganho foi de 5,96 e de 5,32 para animais nos tratamentos AF e AC, respectivamente, de forma que a eficiência alimentar (kg de GPD/ kg de CMS) foi de 0,142 para AF e 0,156 para AC durante o período de avaliação do crescimento.

Embora somente o GPD pudesse ser controlado, o crescimento de todas as características estruturais não foi afetado pelo tipo de dieta, expresso como ganho diário (cm/d) ou como medida alométrica (Tabela 1 e 2, e Figura 1). A pouca alteração no tamanho estrutural e nos ganhos indica que, neste experimento, o peso vivo foi o principal fator influenciando estas variáveis que diferenças no crescimento atribuídas às dietas foram mínimas.

Tabela 1. Respostas de crescimento de novilhas leiteiras alimentadas com alta forragem (AF) ou alto concentrado (AC) para ganho diário similar antes da puberdade.


1EP = erro padrão

Resultados relacionados à puberdade são apresentados na Tabela 3. Novilhas recebendo a dieta AC se tornaram púberes mais jovens e com peso mais leve que aquelas alimentadas com a dieta AF, embora estes resultados não tenha sido significativos.

Estes resultados são semelhantes aos encontrados na literatura, sendo que o peso médio de 221 novilhas de trabalhos publicados foi de 291 kg enquanto o peso médio no presente experimento foi de 290 kg na puberdade. Não houve intenção de aplicar maiores taxas de crescimento no período pré-púbere do que aquelas observadas durante todo o período experimental para ambos tratamentos. Esta situação pode ser resultado da menor eficiência alimentar para ambos os grupos após a puberdade. A eficiência alimentar foi de 0,023 kg de GPD/kg CMS para AF e de 0,031 para AC.

Para determinar o ponto de alteração na eficiência alimentar que ocorreu próximo da puberdade realizou-se uma curva de regressão onde o peso vivo no qual ocorreu a alteração foi ajustado. Os resultados desta análise indicam que o peso em que ocorreu esta mudança na eficiência foi correlacionada com a puberdade em novilhas recebendo a dieta com alta forragem. Por outro lado, não se observou correlação entre estas duas variáveis em novilhas do grupo AC. Entretanto, não houve possibilidade de avaliar se as diferenças na força destas relações são resultado de diferenças fisiológicas entre novilhas alimentadas com diferentes dietas.





Figura 1. Relação entre medidas de altura da cernelha (A), perímetro torácico (B), comprimento (C) e largura do traseiro (D) e o peso vivo (PV) de novilhas leiteiras alimentadas com alta forragem (AF) ou alto concentrado (AC) para GPD similar antes da puberdade.

Tabela 2. Relação entre medidas de estrutura corporal com o PV (kg) de novilhas leiteiras alimentadas com alta forragem (AF) ou alto concentrado (AC) para GPD similar antes da puberdade.


1EP = erro padrão

Tabela 3. Medidas de reprodução durante período de criação de novilhas leiteiras alimentadas com alta forragem (AF) ou alto concentrado (AC) para GPD similar antes da puberdade.


1EP = erro padrão

O ganho de peso durante toda a fase de crescimento e durante a fase pré-púbere não diferiu entre os tratamentos. O período experimental se iniciou em um período onde alterações no manejo nutricional podem afetar o desenvolvimento da glândula mamária e as dietas foram fornecidas até a confirmação da puberdade. Assim, os tratamentos foram fornecidos durante o estágio fisiológico associado ao crescimento alométrico da glândula mamária (quando a glândula cresce em ritmo superior ao do resto corpo da novilha), sendo que o GPD não diferiu entre os tratamentos. Este resultado é consistente com o objetivo do trabalho de, não só manter o GPD similar entre os tratamentos, mas também manter uma taxa de ganho adequada para máxima produção futura conforme recomendado por Zanton e Heinrichs (2005).

Após o término do período de fornecimento das dietas experimentais, todas as novilhas foram manejadas da mesma forma. Embora o número de animais seja pequeno para avaliação de desempenho reprodutivo, as taxas de concepção não foram afetadas pelos tratamentos e ocorreram em uma idade que permitiu que as novilhas apresentassem idade ao primeiro parto de 23,4 meses (Tabela 4). O peso vivo (PV) médio à parição foi de 548 kg e não foi diferente entre os tratamentos (Tabela 5). Estas médias estão dentro do recomendado; no entanto, o PV à parição médio das novilhas alimentadas com AF estava abaixo do limite inferior do intervalo recomendado na literatura.

Embora não fossem estatisticamente diferentes, novilhas alimentadas com AF antes da puberdade foram 24 kg mais leves do que as novilhas alimentadas com AC. Uma vez que o PV ao final do experimento não foi diferente, novilhas alimentadas AC apresentaram GPD numericamente maior após a puberdade do que as alimentadas com AF. Com base em pesquisas anteriores, é possível inferir que o GPD no período pós-púbere não tem efeito sobre desenvolvimento da glândula mamária e a produção de leite.

Os resultados dos 150 dias da primeira lactação são apresentados na Tabelas 4 e 5. Para a maior parte dos dados de produção, novilhas alimentadas com a dieta de alto concentrado apresentaram vantagens, embora esta vantagem tenha sido observada somente para a produção de leite corrigida e produção de gordura.

A única covariável significante determinada por análise de regressão foi a mudança de peso vivo durante os 150 dias em lactação avaliados. A inclusão desta covariável reduziu o efeito significativo da produção de leite corrigida e da produção de gordura. Em todos os caso que a covariável foi incluída, as novilhas alimentadas com alto concentrado antes da puberdade mantiveram a vantagem numérica sobre as novilhas alimentadas com dietas com alta forragem, embora com menor significância estatística.

Os resultados deste trabalho corroboram experimentos anteriores comparando dietas com alto concentrado ou alta forragem quando fornecidas para ganho de peso controlado. Nestes trabalhos a produção de leite entre novilhas do tratamento AF ou AC não foi diferente, embora as novilhas no tratamento AC tenham apresentado uma produção de leite numericamente superior. Entretanto, o presente trabalho é o único onde foram observados efeitos significativos para maior produção de leite corrigido e tendências para maior produção de leite.

Tabela 4. Valores de produção de novilhas leiteiras alimentadas com alta forragem (AF) ou alto concentrado (AC) para GPD similar antes da puberdade.


1EP = erro padrão

Tabela 5. Produção projetada equivalente a 305 dias para novilhas leiteiras alimentadas com alta forragem (AF) ou alto concentrado (AC) para GPD similar antes da puberdade.


1EP = erro padrão

Conclusões

A partir dos resultados deste experimento é possível concluir que a alimentação de novilhas leiteiras com alto concentrado antes da puberdade não afetou a maioria das características de crescimento e o alcance da puberdade, e igualou ou aumentou a produção e a composição de leite em 150 dias de avaliação em comparação com as novilhas alimentadas com alta forragem para mesmo GPD. Para os parâmetros avaliados, parece haver pouca razão biológica contra a utilização de AC em rações para novilhas leiteiras, desde que o GPD seja controlado e sejam utilizados ingredientes que mantenham um ambiente ruminal saudável. A alimentação controlada de uma ração com AC durante o período de criação permite uma maior eficiência para novilhas leiteiras, mantendo o potencial de produção futura.

Referências:

NRC (National Research Council). 2001. Nutrient Requirements of Dairy Cattle. 7th ed. Natl. Acad. Sci., Washington, DC.

Zanton G. I.; Heinrichs A. J.. The Effects of Controlled Feeding of a High-Forage or High-Concentrate Ration on Heifer Growth and First-Lactation Milk Production. J. Dairy Sci. v. 90, p.3388-3396, 2007.

Zanton, G. I.; Heinrichs, A.J. Meta-analysis to assess effect of prepubertal average daily gain of Holstein heifers on first lactation production. J. Dairy Sci. v. 88, p.3860-3867, 2005.

Comentários

O artigo trata de uma questão de extrema importância para o manejo alimentar e formulação de dietas para novilhas leiteiras durante o período pré-púbere. Em radares anteriores discutimos os efeitos negativos de altos ganhos de peso durante o período que antecede a puberdade sobre o desenvolvimento da glândula mamária e a produção de leite futura das novilhas. Normalmente dietas com alta inclusão de concentrado são associadas à problemas decorrentes de altas taxas de crescimento em novilhas, como alto escore de condição corporal ao primeiro parto e menor produção de leite na primeira lactação.

Assim, são normalmente fornecidas dietas com menor densidade energética o que geralmente significa uma dieta com alta inclusão de forragens. No entanto, estas dietas acabam resultando em maior idade a puberdade e consequentemente ao primeiro parto, aumentando o período de criação e portanto aumento o custo da novilha de reposição. Frente a grande oferta de grãos e subprodutos da agroindústria a baixo custo, a formulação de dietas com alta inclusão de concentrado se torna mais vantajosa economicamente.

De acordo com o trabalho de Zanton & Heinrichs, desde que o ganho de peso diário seja controlado, não há problema em se fornecer dietas com alto concentrado para novilhas pré-púberes. Ao contrário do esperado, novilhas alimentadas com dietas com alto concentrado durante a fase pré-púbere apresentaram uma significativa maior produção de leite corrigido e uma tendência para maior produção de leite, quando comparadas às novilhas alimentadas com dietas com alta forragem. Embora alguns trabalhos mostrem a grande importância da relação proteína:energia da dieta, desde que o ganho de peso seja controlado, a formulação ou a densidade energética da dieta não afetarão a produção de leite futura das novilhas.

CARLA MARIS MACHADO BITTAR

Prof. Do Depto. de Zootecnia, ESALQ/USP

LUCAS SILVEIRA FERREIRA

Engenheiro agronômo formado pela UFSCar e Doutor em Ciência Animal e Pastagens pela ESALQ - USP na área de nutrição e avaliação de alimentos para bovinos. Atualmente exerce a função de Nutricionista de Ruminantes na Agroceres MMX Nutrição Animal

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CARLA MARIS MACHADO BITTAR

PIRACICABA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 16/09/2008

Caro Lucas,

Não existe problema algum em fornecer cana como fonte de volumoso para novilhas em crescimento, desde que a dieta seja bem formulada principalmente no que se refere a proteína uma vez que a cana apresenta teores bem baixos deste nutriente.
No trabalho de Zanton e Heinrichs foram utilizadas as silagens de milho e de capim em ambos tratamentos.
Recomendamos uma dieta que atenda as exigências dos animais, mantendo ganho de peso diário adequado sem que ocorra supercondicionamento das novilhas. Estes animais devem chegar ao parto com escore de condição corporal de no máximo 3,75 numa escala de 1 a 5.
Att.,
Carla.
LUCAS REICHELM COSTA

CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 03/09/2008

Muito bom artigo, parabens !!!

Gostaria de saber a respeito da utilização de cana como principal fonte de forragem na dieta desses animais, se é recomendavel ou tem adversidades?

Gostaria tambem de saber quais foram os principais alimentos utilizados nessa pesquisa e gostaria, se possivel, tambem qual o tipo de dieta vocês recomendam para o periodo após a cobrição?

Desde ja muito obrigado.
EDSON FELIX COSTA

ALTINHO - PERNAMBUCO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 21/11/2007

Carla e Lucas,

Parabéns pelo trabalho. Ele tem o mérito de nos alertar para essa questão da maior importância que é o custo da novilha de reposição.

No ambiente da fazenda de leite, entretanto, a manutenção de novilhas com dieta AC sem resultar em excesso de ganho de peso pode ser um tanto mais arriscado que no ambiente de pesquisa.

Peço que os amigos dêem sugestões de como ter velocidade no ganho de peso das bezerras e novilhas sem correr o risco de comprometer a produção.

Sucesso pra vocês mais uma vez parabéns.

<b>Resposta da autora:</b>

Edson,

Esta é exatamente a resposta que pesquisadores estão tentando encontrar. Como conseguir alto ganho de peso sem no entanto reduzir o petencial de produção? Trabalhos dos últimos 20 anos apontam que existe uma taxa de ganho máxima durante o período pré-púbere que pode ser mposta ao animal sem que o desenvolvimento da glândula mamária seja negativamente afetado reduzindo sua produção de leite futura. Basicamente existem duas linhas
quanto à recomendação de ganho máximo para estes animais.

Enquanto os americanos sugeriam ganho de peso máximo de aproximadamante 800g/d, os europeus sugerem uma taxa um pouco menor, de 700 g/d. Mais tarde, os trabalhos mostraram que estas diferenças estão relacionadas ao porte do animal e por isso o NRC (2001) atrelou todas as recomendações e exgências
de de energia e proteína para ganho de peso de acordo com o peso adulto dos animais. Também em trabalhos mais recentes foi demonstrado que taxas
taxas de ganho são possíveis sem prejuízos ao potencial de produção de leite quando a relação porteína:energia é alta, ou superior a recomendação
do NRC (1989). O NRC (2001) fez algumas alterações a este respeito também.

O que não sabemos é a taxa máxima de ganho de peso durante esta fase de crescimento para os nossos animais e essa dúvida aumentou ainda mais quando vários produtores começaram a explorar animais cruzados Holândes x Jersey, principalmente frente a grande variabilidade de fenótipo da 1a. geração (F1). Acho que ainda precisamos fazer muita pesquisa...

Outro ponto a ser considerado é que mesmo com taxas máximas durante o período pré-púbere, o ganho de peso na fase subsequente também não pode
ser excessivo. Recomenda-se que novilhas cheguem ao parto com escore de condição corporal de 3,75 (numa escala de 1 a 5) para evitar problemas metabólicos e maximizar a produção de leite.

Como deve ser a dieta das novilhas então? As dietas devem ser formuladas para custo mínimo mas também para ganho de peso satisfatório... A utilização de subprodutos da agroindústria nos permite esta associação de objetivos. Podemos ter dietas com alto concentrado sem estar utilizando alta porcentagem de grãos, o que normalmente aumento o custo com
alimentação.

Por outro lado, esta discussão as vezes fica vazia frente as baixas taxas de crescimento e alta idade a puberdade e ao primeiro parto observadas na maior parte dos sistemas de produção de leite no país. É importante que o produtor entenda que a redução da idade ao primeiro parto normalmente reduz o custo de criação da novilha de reposição e antecipa o retorno
financeiro investido.

Um abraço,
Carla Bittar.
MilkPoint AgriPoint