ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Ambiência não é Bem-Estar Animal

POR FERNANDA VIEIRA

E IRAN JOSÉ OLIVEIRA DA SILVA

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 28/03/2013

3 MIN DE LEITURA

6
1
Como citado em artigo aqui publicado em 2012 (O sistema de produção de leite não define o nível de bem-estar animal), ambiência animal não é sinônimo de bem-estar animal (BEA; Figura 1). Parece simples, uma vez que se conhece o conceito de ambos os termos, mas existem muitos que ainda não sabem diferenciá-los e, consequentemente, implantá-los de forma adequada nas propriedades leiteiras.

Figura 1. Esquema explicativo da complementariedade dos conceitos de conforto térmico, ambiência e BEA (Silva, 2012).

Bem-estar é um conceito amplo que considera, dentre diversos aspectos, a qualidade de vida física e mental do animal. Para favorecê-lo, deve-se fornecer água e alimento em quantidade e qualidade adequadas, ambiente confortável para o animal deitar e se movimentar sem dor, favorecer trocas sociais saudáveis entre os animais e o ser humano (Milkpoint, 2012). Conforto térmico é um dos diversos fatores aqui citados, que deve ser fornecido aos animais, influenciando positivamente no BEA.

Não é novidade que as fazendas leiteiras no Brasil passam por uma série de dificuldades em relação à ambiência de seus animais. Ambiência, na concepção da palavra, define-se pelo “meio em que vive um animal”, ou seja, tudo aquilo que faz parte de seu meio. Segundo o dicionário Aurélio, ambiência representa “o meio físico estético ou psicológico especialmente preparado para as atividades humanas” e/ou animais.

Quando o assunto em pauta é ambiência de vacas leiteiras, um dos pontos mais importantes e desafiadores é o conforto térmico. Muito tem se discutido sobre o assunto, principalmente por influenciar diretamente aspectos produtivos e reprodutivos e, assim, o bolso do produtor.

Vacas devem estar em conforto térmico para serem mais eficientes, isto é, não precisam dispor de mecanismos termorreguladores para estarem em sua zona termoneutra, e consequentemente, não estarão gastando energia para alcançar isto. Desta forma, esta energia será direcionada à produção de leite.

Sabe-se que, sob condições de estresse térmico, as vacas reduzem o consumo de alimento, na tentativa de diminuir a taxa metabólica e a produção de calor endógeno. Neste cenário, minimizar o estresse térmico evita, por exemplo, estas mudanças de consumo, o que influenciaria negativamente na produção de leite.

É importante enfatizar que quanto mais a vaca deixa de gastar energia tentando manter-se na zona termoneutra, mais ela disponibiliza esta energia para se alimentar e reverter isto em leite.

Pode-se citar a adoção de um manejo simples e extremamente eficiente. Collier (1985) já observava sobre o efeito positivo do sombreamento na produção de leite. Mesmo para vacas em transição, a sombra é eficiente em diminuir a carga térmica radiante e beneficiar a produção de leite subsequente (Tabela 1).



Em conforto térmico, as vacas descansam e aproveitam melhor os recursos oferecidos. Segundo Matzke (2003), vacas que produziram mais, também descansaram mais (Tabela 2). Em zona termoneutra, poderão usufruir mais e melhor de outros aspectos, que também são essenciais para a otimização da produção: adequada nutrição, saúde, área de descanso, temperatura, ambiente favorável para demonstrar comportamento natural.



Deve-se considerar que a ambiência, o conforto térmico e o BEA estão intimamente relacionados, entretanto, cada um tem sua própria definição e contribuição no sistema de produção. Entendê-los é de extrema importância para que as decisões sejam tomadas de acordo com a possibilidade e realidade de cada propriedade leiteira.

O que deve ser deixado bem claro nesse texto é que não se produz leite de qualidade sem considerar a importância dos aspectos citados. Cabe ao produtor adequar as ações positivas que deverão ser implantadas em seu processo produtivo, de forma que o planejamento seja a curto, médio e longo prazos, agregando consequentemente nos resultados finais esperados. É necessário que o primeiro passo seja dado.

Referências Bibliográficas

COLLIER, 1985. Citado por CAMPOS, E.F. (2009). Manejo e cuidados necessários durante o período de transição – Pré-parto. 
MATZKE, W. C. 2003. Behavior of large groups of lactating dairy cattle housed in a free stall barn. M.S. Thesis. Univ. of Nebraska, Lincoln.
SILVA, I.J.O. Ambiência Pré e Pós Porteira: novos conceitos da ambiência aninal. SIMCRA - Simpósio de Construções Rurais e Ambiência. Palestra - Cd-Rom -. UFV, Viçosa, 2012.
[Milkpoint]. 2012. O sistema de produção de leite não define o nível de bem-estar animal. 

IRAN JOSÉ OLIVEIRA DA SILVA

Engenheiro Agrícola, Professor Livre-Docente ESALQ/USP. Coordenador e Pesquisador responsável pelo NUPEA - Núcleo de Pesquisas em Ambiência. Especialista em Ambiência e bem-estar de animais de produção.

6

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

VINÍCIUS ALVES

MARINGÁ - PARANÁ - TRADER

EM 08/10/2014

Parabéns pelo artigo, minha pergunta é: Como proporcionar um maior conforto termico para vacada em lactação com sistema de produção a pasto?
EDSON APARECIDO DOS SANTOS

CERQUEIRA CÉSAR - SÃO PAULO - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 25/09/2013

Num país onde a maior parte dos produtores de leite ainda utiliza o sistema de balde ao pé, ler um artigo desses soa como música aos ouvidos! Parabéns à autora e ao Milkpoint pela feliz escolha do tema. Por outro lado, pergunto: Existe estatística a respeito da parcela de produtores de leite no Brasil que conhecem o assunto, têm preocupação com seus efeitos e adotam práticas relacionadas com o BEA em caráter permanente em suas propriedades?
ROCCO ANSANTE

CAMPINAS - SÃO PAULO

EM 25/09/2013

O conforto termico deveria ser obrigatorio em toda cadeia produtiva do leite,pois o bem estar animal,BEA,é muito mais importante,do que se imagina.
JOSE ARIMATEIA DA SILVA

NATAL - RIO GRANDE DO NORTE - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 08/04/2013

É indiscutivel a necessidade de prover ambiencia e o Bem Estar Animal-BEA para a produção de leite, afinal as vacas em lactação precisam de um estado de completo relaxamento para "soltar" o leite. Se possivel deve ser oferecido uma ambiente com musica e da melhor qualidade...
IRAN JOSÉ OLIVEIRA DA SILVA

PIRACICABA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 02/04/2013

Prezado Márcio.

Toda a discussão relacionada ao sombreamento e o barro formado nas regiões de manejo, estão relacionados com o dimensionamento das áreas de sombra. è importante que essas áreas não seja únicas ( ou melhor, grandes áreas). É importante  que seja distribuídas de modo a oferecer opções de escolha aos animais, sem ocorra uma grande frequência de uso.  É melhor que se tenha menores áreas sombreadas em maior numero espalhadas no pasto, do que uma grande área  de sombra. Acredito que essa é uma das medidas a serem providenciadas. Outro fato é a discrepância existente inclusive na literatura, com relação as  áreas ideais para a categoria animal. Perceba que a faixa indicada é muito variável. É importante um dimensionamento eficaz, considerando o conforto térmico e a relação custo benefício. Caso tenha interesse poderei enviar via e-mail, alguns trabalhos desenvolvidos nessa área. Segue o meu e-mail para maiores informações: iranoliveira@usp.br

Espero poder ajudá-lo.

Abraço, Iran
MÁRCIO F. TEIXEIRA

ITAPURANGA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 02/04/2013

Iran, bom dia !!



Gostaria de saber a sua opinião sobre as consequencias do sombreamento, em sistemas de produção à pasto, com a maior presença de barro. Estou arborizando as minhas áreas de descanço visando o conforto térmico e fazendo o possível para amenizar os problemas com barro. Na minha opinião o fundamental é disponibilizar sombra principalmente (e lógico tudo q vc disse, água....), depois procuramos corrigir os outros problemas decorrentes, já que meu sistema é à pasto e confinado durante 7 meses, na época seca do ano.

Abraço

Márcio
MilkPoint AgriPoint