FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

O transporte de leite no Brasil: desafios e gargalos

POR PEDRO HENRIQUE BAPTISTA DE OLIVEIRA

INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 27/05/2015

3 MIN DE LEITURA

1
0
Após analisarmos o problema que advém de uma (falta de) política para encorajamento à produtividade e à melhor qualidade do leite no país, vemos que os problemas não param por aí.

Com a instituição da IN 51/2006 – MAPA e atualmente IN 62/2012, as indústrias de laticínios foram pouco a pouco alterando sua estrutura de transporte e refrigeração do leite. O problema é que, excetuando-se algumas empresas, a maioria delas pouco ofereceu de treinamento aos caminhoneiros.

Isso é extremamente danoso, pois é ele o segundo elo (após o produtor de leite) da cadeia que interfere – direta ou indiretamente – na qualidade que esse leite possa possuir. No momento de sua chegada à propriedade, poucos verificam condições mínimas como, por exemplo: se o tanque está sob agitação contínua (ao longo da noite e/ou após ordenha matinal/vespertina); se o sistema de refrigeração está adequado e a temperatura é uniforme, constante e adequada. Além disso, quando coletam amostras para análises de CBT (Contagem Global de bactérias), CCS (Contagem de células somáticas) e/ou testes de antibióticos não o fazem de maneira correta, uma vez que muitos deles recolhem o leite cru sobrenadante (rico em gorduras), desconfigurando a contagem real dos índices.

Ao contrário do que deveria ser, o caminhoneiro é ainda o principal (ou único) elo entre o produtor e a indústria. Raro é ver um profissional desse devidamente capacitado, ciente da sua responsabilidade perante as coletas, apontamentos e transporte do leite. Muitos nem sabem o que representam os testes, não orientam o produtor pra (e como) melhorar esses índices, faltando a figura de um técnico da indústria no caminhão que pudesse estar presente para aproveitar aquele momento para auxiliá-los.

É talvez durante o transporte que ocorram os maiores “crimes” contra nosso valoroso alimento. Muitos caminhões rodam em rotas desconexas (sem qualquer pré-planejamento prévio), sob chuva constante, sol escaldante, em estradas precárias, sinuosas , montanhosas e com muitos buracos (rompimento dos glóbulos de gordura e pré-oxidação do leite cru) e muita lama/poeira. Resultado: níveis alarmantes de microorganismos no leite e uma dificuldade enorme pra avançarmos em políticas de produção e exportação de nossos produtos lácteos.

Isso é agravado porque o caminhão de leite possui um ponto crítico de controle pouco observado pela maior parte das indústrias lácteas: a mangueira de leite. Feita de material plástico, atóxico, transparente e resistente representa a possibilidade de grande contaminação inicial ao leite. Isso porque fica localizada externamente no caminhão, muitas vezes com resíduos de leite e é preenchida constantemente por aerossóis de poeira, asfalto e microorganismos. O problema, muitas vezes não é nem minimizado quando se chega na indústria, visto que os caminhões muitas vezes são mal lavados (e a mangueira também) e são rapidamente descarregados em silos e/ou pra dentro das fábricas. Uma solução possível é que cada produtor de leite tivesse sua própria mangueira vendida junto com o tanque de expansão e que ficasse responsável pela higienização adequada da mesma, sob supervisão da indústria em testes constantes de swab.

Outrossim, o caminhão, estruturado com um tanque inox (unipartido, bipartido ou tripartido) não pode ser visto como um depósito de leite gelado somente, mas como um equipamento importante para se tentar manter a qualidade original do leite coletado. Inaceitável é ver que muitas fábricas trabalham com tanques em péssimo estado, equipamentos de baixa qualidade e com problemas de solda, nos sistemas de vedação, bombas e válvulas.

É inclusive nessa área (transporte de leite) que temos visto no Brasil se iniciarem os constantes escândalos frutos de picaretagem de determinados profissionais que realizam transbordo clandestino de matéria-prima, além de adulterações com adição de soda cáustica, água oxigenada, água, uréia, amido e outros; antes mesmo da entrada dentro da fábrica.

Talvez falte realmente maior fiscalização, maior consciência, maior cidadania, maior regulamentação do setor. O que com certeza não falta é o potencial de melhora e avanço para regulamentação de uma política de transporte do leite no país, com melhor estrutura, profissionais mais qualificados e motivados e uma atuação governamental mais firme, com maior fiscalização e construção de melhores acessos e estradas.

Em visita recente ao maior laticínio da Argentina (La Serenisima) que efetuava transbordo de 5.5 milhões de litros por dia, o dono fez questão de levar à mesa o gerente de qualidade de leite cru,. Com um trabalho de 20 anos de treinamento no campo, conseguiram colocar no rótulo de todos os seus produtos os dizeres: “Menos que 10.000”, numa referência à contagem global de inicial de germes no leite cru, antes dos tratamentos da indústria, representando um ponto forte de marketing assertivo aos consumidores portenhos.

Restam-nos então as perguntas: haverá um dia alguma indústria do país que terá coragem de fazê-lo também? E mais: como teremos um bom produto final se sua matéria-prima já chega muitas vezes adulterada ou em péssimas condições sanitárias nas nossas fábricas? Vale a pena (re)pensar sobre tudo isso.

ARTIGO EXCLUSIVO | Este artigo é de uso exclusivo do MilkPoint, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

PEDRO HENRIQUE BAPTISTA DE OLIVEIRA

Engenheiro de Alimentos. Mestre em Ciência e Tecnologia em Leite e Derivados (UFJF/Embrapa Gado de Leite/EPAMIG).Pesquisador e professor em Projetos, instalações e equipamentos para laticínios - EPAMIG/Instituto de Laticínios Cândido Tostes.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

DORIS SALDANHA DOS SANTOS DE OLIVEIRA

CURITIBA - PARANÁ - PESQUISA/ENSINO

EM 16/09/2020

Atuo na indústria automobilística que tem como base a prática de transporte e boa gestão logística o conceito de Milk-Run. Treinamento, comunicação e investimento no transporte são as bases para diminuir os entraves dos gargalos nas estradas desde o fornecedor até a linha de montagem e profissionais bem treinados no acompanhamento do processo (tracking). Talvez a indústria do leite poderia fazer um benchmarking para aplicar as boas práticas da indústria automotiva, vale a pena investir nisso para melhor performance e colher bons resultados. Abraços
MilkPoint AgriPoint