ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Medicina láctea: resíduos da produção de lácteos podem ajudar no tratamento de doenças crônicas

POR NATASHA PADUA

INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 29/04/2024

3 MIN DE LEITURA

0
6

Focada em alimentos medicinais, uma start-up israelense descobriu bioativos de interesse em nanopartículas encontradas nos resíduos da produção de queijo.

O soro de leite é um dos maiores resíduos da produção de lácteos. No Brasil, o principal destino do leite cru é a produção de queijos, gerando uma enorme quantidade de soro, que pode ser incluído em aplicações feed e food, mas apenas metade dele é utilizada enquanto a outra metade ainda é descartada.

E se fosse possível processá-lo para o segmento farma com maior valor agregado?

soro de leite
 Imagem: Exosomm

A foodtech Israelense Exosomm, investiu em upcycling ao desenvolver um novo método para isolar exossomas, partículas nanométricas encontradas no leite de mamíferos. A criadora do método é a co-fundadora e CTO da Exosomm, Regina Golan-Gerst.

O intuito é criar um novo ingrediente bioativo a partir desses exossomas, com o objetivo de contribuir para o controle de distúrbios metabólicos crônicos.

Para alcançar esse objetivo, a empresa estabeleceu uma parceria estratégica com a Ba'emek Tech, uma produtora de ingredientes lácteos. Por meio dessa colaboração, a Exosomm extrai exossomas a partir dos resíduos reciclados do processo tradicional de fabricação de queijo e evita o descarte inadequado desses materiais.

Retirada do soro do leite
Imagem: WebMeta

Utilidade de nanopartículas

As pesquisas lideradas pelo co-fundador da Exosomm, o professor Shimon Reif, resultou na descoberta do potencial terapêutico dos exossomas. Essas pesquisas revelaram que as nanopartículas têm a capacidade de modular distúrbios imunológicos, como a doença inflamatória intestinal e a diabetes em adultos.  Além disso, as nanopartículas podem ser integradas como ingredientes funcionais em uma ampla variedade de aplicações de alimentos e bebidas.

Investimento sustentável e medicinal

No entanto, o impacto da Exosomm vai além do desenvolvimento de produtos alimentícios inovadores. A empresa está comprometida com práticas de investimento sustentável e medicinal. 

Desde sua fundação em 2021, a start-up já arrecadou $1 milhão em investimentos e seus fundadores continuam a buscar avanços e descobertas inovadoras na área da medicina a partir de alimentos

Por exemplo, a empresa está atualmente conduzindo pesquisas clínicas sobre o papel dos exossomas no tratamento de condições inflamatórias intestinais, como a colite e a doença de Crohn, sendo que esta atinge mais de 100 pessoas a cada 100 mil habitantes e cuja incidência cresce 12% ao ano no Brasil.

Os exossomas no leite materno

Estudos mostraram que os exossomas presentes no leite materno contêm microRNAs benéficos, que têm um impacto significativo no desenvolvimento e na saúde infantil.

alimentação leite materno 
Imagem: KJK Hospital

Outra descoberta feita pela equipe da Exosomm é a semelhança na composição de exossomas do leite humano e de outros mamíferos. Esse achado levanta a possibilidade de utilizar exossomas derivados de outras fontes, como o leite de vaca até resíduos da produção de lácteos, como o soro do leite, que naturalmente contém altas concentrações dessas nanopartículas, estimulando a empresa a pesquisar uma forma eficiente e escalável de derivar essas nanopartículas.

Um dos desafios que a empresa enfrentou foi o de transformar a tecnologia desenvolvida em um processo viável comercialmente, por isso o upcycling dos resíduos da produção de queijo foi essencial para vencer essa barreira. Essas descobertas são promissoras para o desenvolvimento de novos produtos e tecnologias na área da nutrição especializada e para torná-las acessíveis a mais pessoas. 

A Exosomm continua continua a explorar o potencial dos exossomas e outras nanopartículas na criação de alimentos medicinais e fórmulas alimentares que possam beneficiar milhões de pessoas em todo o mundo.

 

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário, isso nos ajuda a saber que conteúdos são mais interessantes para você.

 

Referências: Milk Point, Dairy Reporter, Jornal USP, Agência Brasil

 

NATASHA PADUA

Especialista em Inovação e coordenadora do Blog Eat Innovation. Possui experiência em pesquisa e desenvolvimento de novos produtos, operações de varejo, serviços de alimentação e projetos de consultoria de inovação.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

Assine nossa newsletter

E fique por dentro de todas as novidades do MilkPoint diretamente no seu e-mail

Obrigado! agora só falta confirmar seu e-mail.
Você receberá uma mensagem no e-mail indicado, com as instruções a serem seguidas.

Você já está logado com o e-mail informado.
Caso deseje alterar as opções de recebimento das newsletter, acesse o seu painel de controle.

MilkPoint Logo MilkPoint Ventures