FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Enzimas psicrotróficas e seu impacto na qualidade dos derivados lácteos

POR ELSA HELENA WALTER DE SANTANA

INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 10/08/2017

3 MIN DE LEITURA

1
1
A refrigeração do leite na propriedade e o transporte a granel foram implementados com o objetivo de melhorar a qualidade do leite cru e consequentemente dos seus derivados. Com esta mudança, acreditou-se aumentar o tempo da vida de prateleira de queijos, iogurtes, leites fermentados, leite UHT e demais produtos lácteos, além da melhoria sensorial. Porém, a baixa qualidade microbiológica da matéria-prima que é armazenada sob refrigeração contribuiu para aumentar a contagem de micro-organismos psicrotróficos.

Sabe-se que a partir de uma população, que varia na literatura entre 105 e 107 UFC/mL, os psicrotróficos produzem enzimas extracelulares termorresistentes que promovem alterações nos derivados lácteos como rancidez, sabor amargo, geleificação em leite UHT, redução da capacidade térmica do leite em pó e aumento da capacidade de formar espuma em leite reconstituído. Ainda pode-se ter resultado falso-positivo na pesquisa por fraude de leite com soro por meio da dosagem do ácido siálico e redução no rendimento na fabricação de queijos.

As enzimas bacterianas podem ser proteases, lipases e fosfolipases (lecitinase) e sua síntese está relacionada à temperatura de estocagem do alimento, fase de crescimento do micro-organismo, disponibilidade de oxigênio e composição do meio. Sua atividade é dependente de temperatura, pH e concentração do substrato.

É importante lembrar que a atividade e a frequência enzimática podem variar com o tipo de micro-organismo psicrotrófico presente no leite. A produção enzimática por Pseudomonas spp., por exemplo, ocorre sob refrigeração principalmente no final da fase log de crescimento celular e na fase estacionária, sendo a sua síntese maior abaixo da temperatura ótima (20 a 30ºC) de crescimento do micro-organismo.

Enzimas psicrotróficas e seu impacto na qualidade dos derivados lácteos

Proteases, lipases e fosfolipase

A proteólise em leite pode ser causada por proteases naturais chamada plasmina ou por enzimas produzidas por micro-organismos psicrotróficos. A plasmina, derivada do plasminogênio, tem o aminoácido serina como sítio ativo e hidrolisa β-, αS1- e αS2-caseína. Assim, qualquer fator que converta plasminogênio a plasmina pode ter um impacto negativo sobre a proteína do leite. Altas contagens de células somáticas no leite por exemplo, é um fator que contribui para o aumento de plasmina no leite.

Já as proteases produzidas pelos psicrotróficos são geralmente metaloproteinases, isto é, precisam de um íon como o cálcio para atingir sua atividade ótima. Sua atividade é similar à da quimosina, empregada na coagulação do leite e que atua na κ-caseína, provocando a desestabilização das micelas de caseína. As proteases bacterianas estão relacionadas principalmente a processos de geleificação do leite UHT, mas podem ser associadas também a alterações na coagulação e sabor amargo dos queijos.

A lipase é uma glicoproteína e sua ação resulta na hidrólise enzimática dos lipídeos do leite, compostos em média por 98% de triglicerídeos. As lipases podem ser de origem endógena, que em sua maioria estão associadas às micelas de caseína e são termosensíveis a pasteurização, ou de origem exógena, termorresistentes e produzidas por bactérias psicrotróficas.

As lipases naturais podem causar lipólise espontânea e induzida. A primeira confere ao leite recém ordenhado aspecto rançoso e pode estar relacionada ao estágio de lactação (final), nutrição inadequada e aumento do número de ordenhas. Estas condições promovem o aumento de lipoproteína proveniente do sangue para o leite, favorecendo a ação das lipases endógenas. Na lipólise induzida ocorrem danos à membrana do glóbulo de gordura por meios físicos como a agitação, formação de espuma ou homogeneização. Estes processos favorecem a deterioração de produtos sem tratamento térmico pois permitem a ação da lipase endógena, principalmente da lipoprotéica (LLP), promovendo a hidrólise dos triglicerídeos.

Embora as enzimas naturais do leite possam afetar sua vida de prateleira e de seus derivados, as lipases oriundas de micro-organismos psicrotróficos são mais prejudiciais. Pode-se ter defeitos como sabor e odor de ranço e sabão, devido a hidrólise de ácidos graxos, e sabor metálico ou oxidado devido à ação de ácidos graxos insaturados oxidados sobre cetonas e aldeídos.

A lecitinase ou fosfolipase C é um tipo específico de lipase sintetizada por micro-organismos psicrotróficos, capaz de hidrolisar a membrana dos glóbulos de gordura do leite. O resultado são defeitos de sabor e textura conhecidos como leite/creme gorduroso. Além disso, a atividade da fosfolipase favorece a ação das outras lipases.

ELSA HELENA WALTER DE SANTANA

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MATILDES MAGESTE MENDES

MINAS GERAIS

EM 10/08/2017

Boa noite, obrigado pela oportunidade de novos conhecimentos, fabrico queijos artesanais.
MilkPoint AgriPoint