ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Dólar mais valorizado diminui queda nos preços de leite ao produtor no mundo

POR CARLOS EDUARDO PULLIS VENTURINI

E VALTER GALAN

PANORAMA DE MERCADO

EM 16/09/2015

3 MIN DE LEITURA

0
0
O mercado internacional de lácteos, desde o meio de 2014, sofreu fortes quedas devido à diminuição da demanda de importantes países importadores (em especial, China e Rússia) e ao aumento da produção nos países exportadores. Os preços do leilão GDT saíram de mais de US$5.000/ton em fevereiro de 2014 para cerca de US$2.500/ton hoje (e já estiveram a US$1.590/ton recentemente). Tal variação teve impacto direto nos preços recebidos pelos produtores de leite, como pode ser visto no gráfico 1 abaixo, que mostra que, exceto a Argentina, todos os países apresentados tiveram queda nos preços pagos ao produtor em US$/litro.

Gráfico 1 – Preços pagos ao produtor de leite em diversos países (em US$/litro).


No entanto, é interessante analisar um ponto: o dólar se valorizou perante a maioria das moedas ao longo de 2015, o que faz com que a queda observada em valor nas moedas locais seja inferior à queda em dólar: ou seja, o desestímulo ao produtor pelas quedas nos preços de leite existe, mas se analisarmos os valores em moeda doméstica, vemos que esse desestímulo é menor do que aparenta ser.

Tabela 1 – Variação dos preços reais pagos ao produtor de leite em diversos países em dólar/litro x Variação em moeda local/litro (Média Jan a Jul – 2015 x 2014).


Devido a essa valorização do dólar frente a diversas moedas, as quedas no mercado internacional foram aliviadas, que fez com que os preços internos nos países caíssem menos do que os preços em dólar. Isso ajuda a explicar, em parte, a resiliência da oferta mundial: apesar de um ritmo menor, a produção de leite continua crescendo numa comparação ano x ano em diversos países. Outro fator importante nesse cenário foi o fim das cotas de produção de leite na Europa, que tem feito diversos países do continente crescerem a um ritmo considerável.

No gráfico 2 abaixo, vemos essa conjuntura: uma oferta mundial crescente, ainda que em ritmo menor que 2014 (quanto estava estimulada pelos preços acima de US$4.000/ton). Dos países selecionados, os únicos que tiveram quedas no último mês dos dados disponíveis foram Brasil e Argentina.

Gráfico 2
– Variação da oferta x mesmo mês do ano anterior em países selecionados (em milhões de litros).



O que está acontecendo com os preços do leilão GDT? O que esperar do mercado?

Expressivas altas de preços nos últimos 3 leilões GDT – o leite em pó integral subiu US$ 1.000/ton em 45 dias – aconteceram apesar das variáveis que foram responsáveis pela baixa dos preços no último ano e meio ainda estarem presentes no mercado:

- Como vimos anteriormente, neste mesmo artigo, a produção nos principais países produtores do mundo segue crescendo este ano (ainda que em ritmo menos acelerado que no ano passado);

- O nível de estoques (principalmente de leite em pó desnatado) nos Estados Unidos e na União Europeia, segue bastante elevado;

- Ainda não há sinais/informações de retorno significativo da China ao mercado comprador mundial;

- Preços do petróleo segue ainda abaixo de US$ 50/barril;

- Rússia ainda está embargando as importações lácteas de vários mercados, o que impacta na destinação de lácteos americanos e europeus, principalmente.

A limitação (proposital) da oferta de volumes nos recentes leilões GDT pode ter forçado as cotações para cima num primeiro momento e gerado movimentação dos compradores, que passaram a querer garantir posição a preços mais baixos, aumentando a procura e os preços nos leilões. Não é uma mudança estrutural que possa indicar que a curva de preços internacionais já começou a sua recuperação sustentável (estas variáveis somente tendem a alterar seu rumo num médio prazo, mais pro início do próximo ano), mas, também, não se pode ignorar o forte movimento de alta recente. De mais certo, temos que preços internacionais em recuperação junto com taxas de câmbio mais desvalorizadas alteram o viés da balança comercial brasileira: de importadores tendemos, no curto prazo, virar exportadores de leite, o que pode aliviar um pouco o efeito de nossa claudicante demanda interna e trazer um pouco mais de sustentação aos preços em nosso mercado interno.



 

CARLOS EDUARDO PULLIS VENTURINI

Economista formado pela ESALQ/USP; Coordenador de Conteúdo do MilkPoint Mercado

VALTER GALAN

MilkPoint Mercado

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint