FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Comportamento das chuvas no centro-oeste e sudeste é a variável-chave para definição do mercado

POR MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

E MARIA BEATRIZ TASSINARI ORTOLANI

PANORAMA DE MERCADO

EM 12/09/2012

4 MIN DE LEITURA

1
0
Depois de um primeiro semestre com preços de leite que pouco variaram e margens apertadas para indústrias e produtores, inicia-se a segunda parte do ano com a expectativa de mudanças de cenário. Mas ainda será preciso avaliar como o mercado irá se comportar no mês de setembro.

A forte seca que afeta os EUA têm impactado os preços dos grãos, alcançando valores altíssimos, chegando em muitos casos a ser o dobro do valor que os grãos possuíam há um ano atrás. Fato que acomete negativamente a produção de suínos, aves e bovicultura leiteira. Nesse último, parte considerável (40%) dos custos de produção é composto por alimentos concentrados.

Com isso, a rentabilidade do produtor de leite tem sido afetada, o que deve resultar em menor estímulo à produção, no adiamento de investimentos e, em casos extremos, no aumento do endividamento. O gráfico 1 foi feito a partir dos dados do ICPLeite/Embrapa e preços do leite em Minas Gerais apontados pelo Cepea/USP. No entanto, como o ICPLeite/Embrapa trabalha com os valores relativos apenas, o MilkPoint arbitrariamente colocou o valor de R$ 0,525/litro como custo em julho de 2007, corrigindo a partir daí pela inflação dos insumos utilizados pelo produtor. No mês de julho o lucro deflacionado foi negativo em 7,8%, apresentando um cenário nada animador para o produtor de leite, relembrando os números apertados de 2009.

Gráfico 1 - Estimativa de preços, custo e lucro de um produtor em Minas Gerais (deflacionado).



Essa situação é fruto de preços com tendência de queda nos últimos meses (gráfico 2), aliados ao custo elevado de produção.

Gráfico 2 - Preços pago ao produtor deflacionados.



Para os preços no campo, não parece que haverá grandes mudanças para o próximo pagamento, uma vez que a produção da safra da região sul veio um pouco atrasada pelo prolongamento das chuvas, mas veio em quantidade suficiente para abastecer as empresas localizadas na região. Conforme nos mostra o Índice de Captação de Leite do Cepea (ICAP-Leite) houve um avanço de 7% nos três estados. E nas regiões do centro-oeste e sudeste, uma entressafra moderada marcou o mês, não deixando muito excedente de oferta, lembrando que o último trimestre sempre é marcado por uma elevação na oferta de leite em função das chuvas no centro-oeste e sudeste.

Pensando em disponibilidade de leite no mercado, também leva-se em consideração as importações. Desde maio, é possível notar queda no volume internalizado de equivalente-leite (gráfico 3). Em julho tivemos o menor número do ano, com 61 milhões de litros de equivalente-leite importados, 18% a menos que julho de 2011. As suposições que poderiam explicar essa queda nas importações são: expectativa, por parte de importações e laticínios, de queda nos preços dos lácteos a partir de abril/maio, diminuindo assim o interesse pelas importações; oferta mais tímida do Uruguai e Argentina, maiores exportadores de leite em pó, que estariam em seu vazio sazonal e, por fim, as incertezas em relação ao câmbio, que fazem com que os investidores fiquem mais receosos e arrisquem menos em operações dessa natureza.

Gráfico 3 - Quantidade de equivalente-leite importada mensal (em milhões de litros de leite).



Em conversas com agentes do mercado, fica evidente que não se espera grandes mudanças na produção para os próximos meses, reforçando o planejamento de manutenção nos preços no campo.

Porém, é possível que ocorra um final de ano diferente. O sinal de alerta para a produção foi dado quando observa-se as previsões da Somar Metereologia, que notificou que a estiagem que já atinge as regiões sudeste e centro-oeste. As chuvas voltam apenas em meados de outubro, porém de forma fraca, atingindo níveis satisfatórios apenas em novembro. Se somarmos a esse quadro o fato que muitos produtores estão segurando a suplementação do gado por causa dos altos custos, pode ser que a produção desacelere nos próximos meses.

O mercado spot, o primeiro que reage, vem dando sinais positivos. Já se percebe elevação de 2 a 5 centavos nos preços do leite na virada da primeira quinzena de setembro, principalmente nas regiões centro-oeste e sudeste. O spot pode sinalizar recuperação de preços em uma época em que normalmente isso não ocorre.

No atacado, o mercado apresenta leve e contínuo aumento de preços, o que sustenta a informação a respeito do leite spot. No varejo, segundo o levantamento feito mensalmente pelo MilkPoint em Piracicaba - SP, o aumento também começou de forma branda (Gráfico 4). Em julho iniciou-se um aumento no leite longa vida - 5,3% em relação a junho; já em agosto o acréscimo foi de 3,2% quando comparado a julho, fechando a um valor médio de R$ 2,10/litro. Um outro ponto que vale a observação é que os dias de fabricação vêm diminuindo constantemente desde abril, mostrando um giro rápido dos estoques. De uma forma geral, outros produtos lácteos apresentaram pequena alta. O preço do leite em pó teve reajuste de 3,9% e para queijos (muçarela) o reajuste foi de 2%, ficando em média R$ 19,9/kg. Informações adquiridas no mercado afirmam que algumas indústrias estão iniciando o repasse de preços para as redes de supermercado, o que reforça esse movimento de alta. No entanto, ainda é necessário avaliar como e quando os varejistas farão o repasse aos consumidores.

Gráfico 4 - Preço do leite longa vida (UHT) e dias de fabricação no varejo de Piracicaba-SP.



Juntando-se as peças e considerando uma demanda constante, avalia-se ainda que de forma sutil, há algumas indicações de oferta lenta e preços ensaiando alta, e assim, revelando a perspectiva de um cenário altista para os próximos meses. A variável-chave nessa equação são as chuvas: se houver atraso, podemos ter uma situação pouco usual, de preços no final do ano maiores do que na entressafra.

MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

Engenheiro Agrônomo (ESALQ/USP), Mestre em Ciência Animal (ESALQ/USP), MBA Executivo Internacional (FIA/USP), diretor executivo da AgriPoint e coordenador do MilkPoint.

MARIA BEATRIZ TASSINARI ORTOLANI

Médica Veterinária (UEL), Mestre em Medicina Veterinária (UFV), e coordenadora de conteúdo e analista de mercado do MilkPoint.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ATALIBA F AGUILAR

RIBEIRÃO PRETO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE CAPRINOS DE CORTE

EM 13/09/2012

saudações, tenho lido varias reportagens, tem tido assuntos muito interessantes,abraços
MilkPoint AgriPoint