ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

A neve, o Sul e o preço do leite

POR CARLOS EDUARDO PULLIS VENTURINI

PANORAMA DE MERCADO

EM 25/07/2013

3 MIN DE LEITURA

5
0
Em 2013, os preços de leite têm atingido elevados patamares. A principal causa desta tendência é a escassez de oferta no mercado, resultante dos baixos índices de rentabilidade apresentados em 2012, devido aos altos preços dos grãos, utilizados na alimentação das vacas. A captação de leite no Brasil, segundo os últimos dados divulgados pelo IBGE foi 1,4% menor no primeiro trimestre de 2013, em comparação com o mesmo período do ano anterior.

As importações também estão em baixa: o volume importado em equivalente-leite (a quantidade de leite utilizada para produzir um quilo de determinado produto) no primeiro semestre de 2013 foi 23,3% menor do que na primeira metade de 2012. Esta redução na quantidade importada é reflexo da queda na oferta internacional de lácteos, que assim como no caso brasileiro, obteve margens de lucro reduzidas, o que desestimulou investimentos para 2013.

Com os altos preços de leite praticados no mercado, a expectativa era que nos meses de julho e agosto, quando ocorre o pico de safra da região Sul do país, a oferta voltasse a subir, fazendo com que as cotações reduzissem seu ritmo de alta, ou até mesmo atingissem a estabilidade/queda.

O gráfico abaixo, que apresenta a série de preços reais do CEPEA/ESALQ, ilustra esta informação. Todos os anos, a partir de julho/agosto, a maior oferta na região Sul faz com que os preços caiam, ou ao menos diminuam o ritmo de alta, como em 2011. Já em 2012, como houve o aumento nos custos de produção ocasionados pelo aumento no preço dos grãos já mencionado anteriormente, as cotações do leite apresentaram leve alta. 

Gráfico 1 – Preços de leite no Brasil – Deflacionados pelo IGP-DI

Fonte: CEPEA/ESALQ

No entanto, a situação que começa a se configurar neste final de julho é outra. Nos últimos dias, diversas cidades da região Sul apresentaram temperaturas abaixo de 0º C. Em algumas, inclusive chegou a nevar, fato atípico no Brasil. Tal panorama climático pode prejudicar a condição das pastagens, reduzindo a oferta de leite.

Para ilustrar o cenário, seguem algumas fotos recebidas pelo MilkPoint:



Vacas Jersey se alimentando em meio à neve na unidade didática de bovinocultura de leite da Unicentro, Campus Cedeteg em Guarapuava- PR. Foto tirada pelo estudante de veterinária Denis Vinícius Bonato



Foto enviada pelo Veterinário Mailson Poczynek de uma pastagem de aveia e azevém, após neve e geada. Foto tirada na unidade didática de bovinocultura de leite da Unicentro, Campus Cedeteg em Guarapuava-PR.


Agentes de mercado consultados pelo MilkPoint afirmaram que as condições climáticas apresentadas interferem apenas pontualmente na oferta. No curtíssimo prazo, haverá queda na quantidade ofertada. Entretanto, as pastagens utilizadas na região Sul são adaptadas ao inverno e, por isso, não haverá grandes danos caso o clima normalize, havendo apenas um atraso no crescimento das pastagens. Os produtores também podem amenizar as quedas de produtividade suplementando a alimentação das vacas com silagem de milho, ração e semelhantes. Tendo em vista os altos preços de leite praticados no mercado, tais alternativas apresentam-se viáveis, pois ainda garantem bom retorno à atividade, apesar de apresentarem custos maiores.
O clima da região Sul é uma das variáveis para o comportamento do preço do leite brasileiro neste início de segundo semestre. A previsão é que a onda de frio não dure tanto (a expectativa é subida das temperaturas nos próximos dias). Desta forma, sendo estes últimos acontecimentos pontuais, a oferta não deve ser afetada negativamente.
Independentemente dos efeitos na produção, o frio da região Sul já nos proporcionou belas e inusitadas imagens!


Foto enviada por Eduardo Pletz de pastagem de aveia coberta por gelo - Região de Guarapuava-PR


Foto enviada por Eduardo Pletz de um silo cobertao por gelo - Região de Guarapuava-PR
 

ARTIGO EXCLUSIVO | Este artigo é de uso exclusivo do MilkPoint, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

CARLOS EDUARDO PULLIS VENTURINI

Economista formado pela ESALQ/USP; Coordenador de Conteúdo do MilkPoint Mercado

5

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOSE MATEUS CAMARGO

TATUÍ - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 26/07/2013

concordo com o senhor hamilton nós somos o elo mais fraco, só ficamos com a sobra,parte do ano dá pra cobrir custo e noutra ficamos negativo porque não temos preços minimo que custeia as despesas
HOMILTON NARCIZO DA SILVA

GOIÂNIA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 26/07/2013

Infelismente para alegria de uns, tem que acontecer a desgraça para outros, eno caso especificamente do leite, na atualidade, nos produtores,não temos uma estabilidade na produção, devido oscilações de mercado, que neste caso somente quem paga as contas somos nós produtores, que somos o ele mais fraco, porque a industria tem sua margem de lucro, e não sede um centavo,mas isto faz e toda vida fez , pate do jogo. Nossos representantes e o governo,não estão nem ai. Temos que nos virar sozinhos.

Abraços Homilton
FERNANDO JOSÉ RIOS DE MELO

RIO DE JANEIRO - RIO DE JANEIRO

EM 26/07/2013

Prezado Eduardo, os preços no varejo chegaram a um patamar que leva o consumidor já endividado a diminuir o consumo, e a busca de opções como bebidas lácteas e embalagens de 1/2 litro passam a ser cogitadas. Não se vislumbra a curto prazo uma reversão deste viés, mesmo por que o dólar deve se manter mais forte, e uma certa estabilidade nos preços doravante pode ser obtida mediante uma demanda menor.
CARLOS EDUARDO PULLIS VENTURINI

PIRACICABA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 26/07/2013

Prezado Júnior,



A situação de frio intenso e chuva ocorre em várias cidades do Sul do país, não apenas em Guarapuava, que foi utilizada para ilustrar o artigo.



É possível que os boatos de entrada de maior quantidade de leite importado sejam verdadeiros, mas só é possível fazer alguma informação diante dos dados oficiais. Isto é reflexo da baixa disponibilidade do leite, o que fez com que UHT, pó e queijos tenham subido no atacado e varejo.
JUNIOR CATANDUVA

GOVERNADOR VALADARES - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 25/07/2013

Prezado Carlos Eduardo,

Você pode nos informar qual é a participação % da cidade de Guarapuava PR na produção de leite na região Sul do país ou no estado do PR?

Favor também nos atualizar com os dados de importação (em equivalentes litros de leite) do mês de Julho/2013, pois parece que houve uma forte entrada de leite nesses primeiros dias desse mês.
MilkPoint AgriPoint