FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Unilever vai acelerar o portfólio de produtos veganos

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 18/11/2020

2 MIN DE LEITURA

0
0

Nos próximos cinco a sete anos, a multinacional Unilever quer elevar em € 1 bilhão suas vendas de produtos veganos, feitos com carne à base de plantas ou alternativas aos laticínios. A nova meta global está sendo anunciada hoje pela companhia e faz parte de um conjunto de recentes compromissos relacionados a práticas mais sustentáveis.

O diretor da categoria de alimentos da Unilever no Brasil, Rodrigo Visentini, disse que a meta deve ser alcançada com a ampliação do portfólio dos produtos veganos. “O número de produtos deve dobrar até 2025.”

Recentemente a empresa lançou no Brasil a marca The Vegetarian Butcher, de hambúrgueres, almôndegas, nuggets e carne moída à base de proteína vegetal. O crescimento das vendas também deve ser ajudado pelas opções veganas nas marcas Hellmann’s, Magnum e Ben&Jerry’s.

O objetivo de vendas vem acompanhado de outros compromissos estabelecidos pela empresa no programa batizado de “Alimentos do futuro”. Entre as metas globais complementares estão: a redução pela metade o desperdício de alimentos desde a produção até o ponto de vendas, até 2025; dobrar o número de produtos com níveis positivos de nutrição (ricos em nutrientes e vitaminas); ter 85% do portfólio com menos sal até 2022; 95% dos sorvetes não terão mais do que 22 g de açúcar total, e 250 calorias por porção, até 2025. No Brasil, a meta de redução de desperdício de alimentos já foi alcançada, segundo o diretor.

O mercado “plant based”, como é chamado o segmento de produtos à base de proteína vegetal, deve crescer pouco mais de 7% ao ano até 2025, segundo a Mordor Intelligence, sendo a América do Sul o mercado de avanço mais acelerado. No Brasil, os últimos dois anos foram de muitos lançamentos, como os da Fazenda Futuro e de grandes frigoríficos como Marfrig e Seara, da JBS. “É uma agenda da indústria como um todo”, diz Visentini.

Esse tipo de produto ainda é de nicho e de preços elevados, mas o potencial de crescimento é exponencial. “Estamos tentando, por meio da capacidade de escala, tornar o produto mais acessível. O custo também cai com a conscientização do consumidor”, argumenta ele, citando as parcerias como parte da solução. A rede de fast-food Burger King, por exemplo, vende lanches com os hambúrgueres vegetais da Unilever.

Ainda sobre pressão de custos, em especial no Brasil, o diretor diz que a dificuldade não está na produção, mas, sim, na matéria-prima, que ainda depende, em grande parte, de importação.

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário, isso nos ajuda a saber que conteúdos são mais interessantes para você. Quer escrever para nós? Clique aqui e veja como!

As informações são do site do Valor Econômico.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint