FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

ONU: fome aumenta no mundo e, no Brasil, cresce a obesidade

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 12/09/2018

2 MIN DE LEITURA

0
0

A fome está aumentando no mundo, revela novo relatório de cinco agências das Nações Unidas. No Brasil, o número de subalimentados diminuiu, enquanto cresceu o número de pessoas obesas.

A insegurança alimentar crônica atingiu 821 milhões de pessoas em 2017, o que representa uma pessoa entre nove no mundo num retrocesso a níveis de quase dez anos atrás.

A estimativa é do relatório anual da Agência para Agricultura e Alimentação (FAO); o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (Ifad); o Programa Alimentar Mundial (PAM); a Agência da ONU para a Infância (Unicef) e a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Conflitos, desacelerações nas economias e a exposição a situações climáticas mais complexas figuram entre os principais fatores do recente recrudescimento da fome no mundo e são algumas das principais causas de graves crises alimentares. A subalimentação e a insegurança alimentar grave tiveram alta na Africa e na América do Sul, e é estável em outras regiões. A subalimentação varia de 1,4% da população dos Estados Unidos e na Europa a cerca de 30% na Africa. Na América Latina, o número de pessoas subnutridas aumentou na Venezuela, Jamaica, Guatemala e Honduras.

Na Venezuela, a prevalência de subalimentados passou de 10,5% da população total em 2004-2006 para 11,7% entre 2015-2017. Ou seja, aumentou de 2,8 milhões de pessoas para 3,7 mihões nesse período, numa alta de 32,1%.

Os países na América Latina com menor taxa de subnutridos são o Brasil, Uruguai e Cuba, cada um com menos de 2,5% da população total. No caso do Brasil, o relatório apontou que o número de pessoas subalimentadas caiu de 8,6 milhões em 2004-2006 para menos de 5,2 milhões em 2015- 2017.

Obesidade

A insegurança alimentar contribuiu ao excesso de peso, obesidade, desnutrição e taxas elevadas dessas formas de má nutrição coexistem em vários países.

No Brasil, o número de adultos obesos passou de 27,8 milhões para 33,1 milhões entre 2012 e 2016 ? alta de 19,1%. Assim, a prevalência de obesos pulou de 19,9% a 22,3% da população.

Na América Latina, essa taxa é maior em países como Argentina (28,5%), Chile (28,8%), Uruguai (28,9%) Suriname (26,5%) e Uruguai (25,2%).

Anemia

Também no Brasil, a prevalência de anemia entre mulheres em idade de procriar (15-49 anos) aumentou de 25,3% para 27,2% entre 2012-2016.

O retardamento do crescimento entre as criancas continua a diminuir em escala global, mas ainda tem uma taxa considerada inaceitável pela ONU. Em 2017, cerca de 151 milhões de crianças de menos de cinco anos (22%) apresentavam atrofia no crescimento.

Para a ONU, os países precisam agir rapidamente e numa escala bem maior para aumentar a resiliência e a capacidade de adptação dos sistemas alimentares, os meios de existência e da nutrição diante da instabilidade do clima, cujos efeitos acumulados têm sido prejudiciais a todas as dimensões da segurança alimentar (disponibilidade, acesso, utilização e estabilidade).

Para as agências da ONU, alcançar o objetivo de ''fome zero'' no mundo em 2030 está ameaçado.

As informações são do jornal Valor Econômico.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint