FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Levar internet ao campo é uma forma de estimular o avanço tecnológico para pequenos produtores

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 27/10/2020

2 MIN DE LEITURA

0
0

Nas pequenas e médias propriedades rurais onde a internet ainda não chega, o potencial de avanço é imenso. “Existe um falso sentimento de que propriedades maiores precisam mais de tecnologia que as demais, o que não é verdade”, diz Anselmo Arce, vice presidente da Associação ConectarAgro. “Um trator a 15 quilômetros por hora que erra a operação em uma linha de cultivo durante 1 minuto, gera 250 metros de trabalho mal feito. Temos aí um problema grande para o produtor que é pequeno”, argumenta.

Segundo ele, levar internet ao campo é uma forma de estimular o avanço tecnológico e reduzir custos produtivos, mas também de dar acesso à educação e até à saúde no interior do Brasil. “Na hora da entrevista, o empregado de hoje quer saber se tem internet na fazenda antes mesmo de perguntar o salário”, observa Arce. Ele realça que essa necessidade de conexão ficou patente na pandemia, quando quem não tinha acesso à mão ficou isolado. No Brasil, é obrigação das operadoras dar acesso à telefonia fixa, mas o mesmo não vale para o acesso à internet.

Integrante da ConectarAgro, - ao lado de AGCO, CNHi, Climate Fieldview, Jacto, Solinftec, Trimble e Nokia -, a TIM diz que está endereçando o tema da exclusão digital. Alexandre Dal Forno, líder de marketing e internet das coisas da tele, afirma que, ao atender com conexão móvel 4G de 700 MHz projetos de grandes produtores em 2019, a TIM estabeleceu uma área de cobertura sobre 5,1 milhões de hectares que beneficiou 50 mil fazendas, das quais 90% com menos de 100 hectares. A meta até 2021 é expandir a rede para outros 8 milhões de hectares e atingir o público dos pequenos e médios também por meio de cooperativas. “Uma torre cobre de 20 a 40 mil hectares e é um grande desafio juntar esses produtores”, diz.

Diego Aguiar, líder de IoT, big data e inovações da Vivo, afirma que a empresa estuda novos modelos de negócio para atender aos produtores menores, e está preocupada em levar também serviços que agreguem valor à produção como os dois que já possui, de monitoramento do clima e do maquinário. “A conectividade é o pilar de tudo, e isso poderia ser acelerado no campo com incentivos fiscais e direcionamento dos recursos do Fust à expansão da banda larga”, diz. No triênio 2018-2020, a Vivo investiu cerca de R$ 26,5 bilhões em conectividade nas zonas rural e urbana.

Representante de 14 mil pequenas companhias que atuam em 5 mil dos 5.570 municípios do país, a Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint) defende a criação de um fundo garantidor de crédito com recursos do Fust para ampliar a rede de fibra ótica dessas empresas, que já responde por quase 60% da cobertura nacional da tecnologia.

Sidnei Batistella, diretor da entidade, explica que os pequenos provedores têm dificuldade de conseguir crédito porque a rede de fibra em si não é aceita como garantia. Outra bandeira da Abrint é que a União arque temporariamente com os custos do aluguel dos postes por onde transita a rede, propriedade de empresas de energia. “O custo do aluguel é, em média, de R$ 8 por poste por mês, que são colocados a cada 100 metros. Uma rede de 200 quilômetros, comum no campo, nos custa R$ 16 mil por mês e, assim, numa área remota a arrecadação toda não cobre a instalação”, diz ele.

As informações são do Valor Econômico.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint