ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Índice de Confiança na Indústria alcançou o maior nível desde janeiro de 2013

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 29/09/2020

2 MIN DE LEITURA

0
0

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) da Fundação Getulio Vargas avançou 8,0 pontos em setembro, alcançando 106,7 pontos, o maior nível desde janeiro de 2013 (106,7 pontos). Esse resultado deixa a média do terceiro trimestre (98,4 pontos) 32,7 pontos acima da média do segundo trimestre (65,7 pontos).

“A sondagem de setembro mostra o setor industrial satisfeito com o momento presente e moderadamente otimista em relação aos próximos três meses. Na opinião dos empresários, a demanda estaria satisfatória, o nível de estoques está confortável e haveria expectativa de aumento de produção e do quadro de pessoal no curtíssimo prazo. Esse resultado sugere que o pior da crise já foi superado e que o setor teria fôlego para continuar a apresentar resultados positivos no próximo trimestre. O nível mais baixo do indicador que mede o otimismo com a evolução do ambiente dos negócios nos seis meses seguintes, no entanto, evidencia a preocupação do setor com o ambiente de negócios a partir de 2021, uma cautela possivelmente motivada pela incerteza com relação aos rumos da economia após a retirada dos programas emergenciais do governo”, comenta Renata de Mello Franco, economista da FGV-IBRE.

Em setembro, 18 dos 19 segmentos industriais pesquisados registraram aumento da confiança. O resultado do mês reflete avaliações positivas em relação ao momento presente e em relação aos próximos três meses. O Índice de Situação Atual (ISA) subiu 9,5 pontos, para 107,3 pontos, o maior valor desde janeiro de 2013 (107,6 pontos). Por sua vez, o Índice de Expectativas (IE) cresceu 6,3 pontos, para 105,9 pontos, o maior desde abril de 2013 (107,2 pontos).

O indicador que mede o grau de satisfação com o nível atual de demanda avançou 10,5 pontos, para 106,2 pontos, exercendo a maior influência positiva para o resultado do ISA. A parcela de empresas que o avaliam como forte aumentou de 19,0% para 20,6% e a proporção das que avaliam a demanda como fraca caiu de 30,4% para 18,8% do total. No mesmo sentido, os indicadores de estoques e situação atual dos negócios apresentaram melhora, com altas de 9,1 pontos e 7,9 pontos, para 108,1 pontos e 107,0 pontos, respectivamente.

O indicador que mede o otimismo dos empresários com a evolução do ambiente de negócios nos seis meses seguintes apresentou a maior variação positiva entre os componentes do IE, passando de 88,8 pontos para 96,5 pontos, mas ainda abaixo do nível pré pandemia. Neste mês, a parcela de empresas que preveem melhora aumentou de 33,0% para 39,9%, enquanto a das que projetam piora caiu de 22,5% para 13,6%. Os indicadores de produção e emprego previstos para os próximos três meses também avançaram, com altas de 3,3 pontos e 7,5 pontos, para 111,1 pontos e 109,8 pontos, respectivamente.

O Nível de Utilização da Capacidade instalada teve acréscimo de 2,9 pontos percentuais, de 75,3% para 78,2%, maior valor desde março de 2015 (78,4%). Com esse resultado, a média do terceiro trimestre (75,3%) ficou 13,9 p.p. acima da média do segundo trimestre (61,4%).

As informações são do FGV/IBRE.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint