FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Governo paulista decide taxar leite pasteurizado

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 18/01/2021

1 MIN DE LEITURA

1
5

Na sexta-feira, o governo de São Paulo publicou decretos que revogaram o aumento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre hortifrutigranjeiros, insumos e energia elétrica. No entanto, o leite pasteurizado, um produto de vida útil mais curta — e até então isento —, passou a ser tributado em 4,14% nas vendas no varejo. A medida desagradou ao setor.

Roberto Jank Júnior, vice-presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Leite (Abraleite), diz que a cobrança vai pesar muito nas contas dos 6 mil pequenos pecuaristas e cooperativas do Vale do Paraíba que trabalham com o produto. O Estado consome 175 milhões de litros de leite pasteurizado por ano, dos quais 70 milhões vão para o programa Viva Leite, do governo de São Paulo — essa fatia segue desonerada.

A cobrança deve render R$ 15 milhões por ano aos cofres públicos, valor ínfimo perto do plano de arrecadação pretendida, o que reforça os argumentos pela isenção, opina Carlos Humberto de Carvalho, presidente do Sindicato das Indústrias de Laticínios e Produtos Derivados do Estado de São Paulo (Sindileite/SP). “É o único produto lácteo que sempre foi isento. Esse aumento de ICMS não vai refrescar as contas do Estado”, afirma.

Em nota, a Secretaria de Fazenda de São Paulo afirmou que “atendeu ao setor agropecuário com a manutenção dos benefícios de ICMS para insumos na produção de alimentos e energia elétrica para os produtores rurais de São Paulo, além do setor de hortifruti” e que para as cadeias de carnes e a compra de leite cru pela indústria de laticínios para a fabricação de derivados foi concedido, em dezembro, o benefício de crédito outorgado.

Roberto Jank, vice-presidente da Associação Brasileira de dos Produtores de leite (Abraleite), ressalta que ao contrário do que foi dito na imprensa por membros do governo, o leite pasteurizado não foi contemplado na revogação do ICMS.

Ele ainda salienta que SP tem 30 mil produtores de leite, sendo 6 mil exclusivamente de leite pasteurizado. Este leite é produzido por pequenos produtores e pequenas cooperativas.

No vídeo, Roberto diz que esta medida acarreta em perda de competitividade dos produtores de SP com os demais estados do país. Confira na íntegra o vídeo e seu posicionamento.

Assista aqui:

As informações são do Valor Econômico, adaptadas pela equipe MilkPoint.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOSÉ ROBERTO POIATTI

POÇOS DE CALDAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 24/01/2021

Parabéns Roberto, acredito que com esses argumentos tenho certeza que isso não vai adiante, não pode ir!!
MilkPoint AgriPoint