FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Especial Região Sul, Leitaria Tirolesa: onde história e tecnologia formam uma receita de sucesso

POR MAYSA SERPA

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 16/12/2019

4 MIN DE LEITURA

2
11

O Especial Região Sul de hoje é para aqueles que gostam de história! Vamos contar a saga de uma propriedade tradicional de Santa Catarina, localizada no município de Treze Tílias. Mas não se enganem, ter história não é sinônimo de ser arcaico. Essa propriedade, apesar de antiga, não “dormiu no tempo” e vem apostando muito em inovação e tecnologia. Fiquem, então, com a história da Leitaria Tirolesa, contada pela Júlia Thaler, futura proprietária da fazenda e estudante de Medicina Veterinária.

Tudo começou na Áustria, em meados dos anos 30, quando a Segunda Guerra Mundial era eminente. Diante desta triste realidade, Andreas Thaler, Ministro da Agricultura da Áustria naquela época, organizou uma missão colonizadora e emigrou para o Brasil, onde fundou a cidade de Treze Tílias/SC.


Fonte: cedida pela Família Thaler

“Por ser filho de agricultores e intimamente ligado a este setor, já no ano de 1937, ele adquiriu um lote de gado Holandês e repassou aos agricultores da recém-formada colônia Dreizehnlinden”, contou Júlia. O filho mais velho do fundador da cidade, Andrä Thaler, ganhou uma área de terra no ano seguinte, casou-se, comprou a sua primeira vaca e firmou-se na agricultura.

Contudo, não permaneceu à frente da atividade por muito tempo, preferindo dedicar-se às artes: pintura e escultura em madeira. Assim, seu primogênito, André Jacob, assumiu a propriedade ainda muito jovem. Este casou-se com Elizabeth, em 1963, e foi se desenvolvendo na atividade agropecuária.

Em 1965 surgiu uma lei no estado de Santa Catarina que obrigava todas as propriedades rurais a terem um nome. Eis que surge, então, a Granja Tirolesa. André Jacob tocou a atividade leiteira por 30 anos, porém, em 1995, já com a ajuda de seu filho Arno, optaram por trabalhar apenas com a venda de novilhas.

Catorze anos mais tarde, em 2009, a atividade leiteira foi retomada, surgindo a Leitaria Tirolesa. “Neste momento a propriedade contava com apenas 15 animais da raça Holandesa e sistema a pasto. Com a aquisição de alguns planteis de propriedades pequenas que estavam parando com a atividade, o rebanho aumentou consideravelmente em um curto espaço de tempo”, disse Júlia. Já em 2014, decidiram construir um galpão free stall com capacidade para 110 animais.


Galpão com free stall. Fonte: cedida pela Família Thaler.

Mas as mudanças na Leitaria não paravam por aí. “O ano de 2017 foi um ano de significativas mudanças na propriedade. Decidimos dar ênfase na gestão e administração, bem como fazer uma nova ampliação no barracão”, contou Júlia. Segundo ela, um dos principais problemas enfrentados pela propriedade era o estresse térmico, que levava à grande variação nos índices de produção e reprodução conforme a estação climática.

Pensando nisso, construíram um galpão compost barn para as vacas em transição. O free stall foi ampliado, agora com capacidade para 200 animais, e investiram no modelo túnel de vento, sendo a primeira propriedade do estado de Santa Catarina a possuir esse modelo de climatização. “Com essa mudança, em pouco tempo, já se pôde observar grande melhora tanto na parte produtiva quanto reprodutiva. A propriedade teve um incremento de produção: o que antes girava em torno de 27 litros/vaca/dia (verão) a 33 litros/vaca/dia (inverno), alcançou uma produção atual de 38 litros/vaca/dia, com estabilidade anual”, disse a proprietária.


Pista de alimentação. Fonte: cedida pela Família Thaler.

As melhoras também foram observadas nos índices reprodutivos. Segundo Júlia, a taxa de concepção média de 2018 ficou em 41%, sem variação considerável durante o ano. Além disso, observaram que com o DEL (dias em lactação), a produção de leite e a concentração de partos ficaram muito mais estáveis.

Mas o uso de tecnologia não parou por aí! Além do investimento em climatização, os animais da propriedade utilizam colares para detecção de cio, monitoramento de saúde e identificação na sala de ordenha - que também é informatizada. 

A aposta mais recente foi no diagnóstico da mastite na fazenda, implementando um laboratório. Por meio das análises realizadas, os patógenos são identificados em menos de 24h, otimizando a tomada de decisão. Para isso, contam com a assessoria de uma das proprietárias da empresa Vida Vet/Innovate Science, Carla Vasconcelos, e utilizam as placas coloridas Accumast para diagnóstico. “Fizemos um treinamento em Botucatu/SP, adquirimos as placas e temos acesso a um aplicativo que nos auxilia nas dúvidas dos resultados. Também temos assistência dos profissionais da empresa para quaisquer dúvidas, via telefone ou Whatsapp. Após a implementação desta metodologia, o tratamento passou a ser muito mais ágil e personalizado”, disse Júlia.

Quanto aos parâmetros de qualidade do leite, a Contagem Bacteriana Total tem se mantido abaixo de 15 UFC/mL, enquanto a Contagem de Células Somáticas gira em torno de 250 células/mL de leite.


Família Thaler, da esquerda para a direita, Janete, Arno, Júlia e Murilo. Fonte: cedida pela Família Thaler

A Leitaria Tirolesa é marcada pela sucessão familiar e, pelo visto, a história vai se repetir. Júlia tem grande interesse na propriedade e já aplica muita coisa aprendida nos dois anos cursando Medicina Veterinária. Os demais membros da família também estão bastante envolvidos nas atividades. Sua mãe, Janete, cuida da parte administrativa e do laboratório. Seu pai, Arno, é o responsável pelos animais e pela estrutura da propriedade. Segundo Júlia, ele é um verdadeiro “Professor Pardal” e já construiu um encostador de comida para o free stall, um brete para casqueamento e um scrapper para remoção de desejos. Além disso, seu irmão Murilo pretende cursar Engenharia Mecânica e a expectativa é que trabalhe com o pai desenvolvendo equipamentos que simplifiquem o trabalho diário.

Por fim, Júlia fez um apanhado dos últimos dois anos, desde a implementação do novo sistema e chegou a seguinte conclusão: “todas as alterações realizadas foram altamente positivas, tanto na saúde e bem-estar animal, como do ponto de vista econômico, visto que obtivemos aumento e constância na produção.”

MAYSA SERPA

Médica Veterinária e mestranda em Sanidade Animal pela UFLA, Editora Assistente de Conteúdo MilkPoint.

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

VILSONGHIDORSI@BRTUBO.COM.BR

ÁGUA DOCE - SANTA CATARINA

EM 17/12/2019

Parabéns aos proprietários pelo sucesso alcançado. A Sentinela Agronegócios tem muito orgulho de vocês!!!!
MARCELO ROBERTO ANRAIN

TREZE TÍLIAS - SANTA CATARINA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 16/12/2019

Parabéns Arno, Janete, Júlia e Murilo....
MilkPoint AgriPoint