ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Danone incorpora custo de emissões em seus resultados financeiros

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 03/11/2020

3 MIN DE LEITURA

0
0

Em um contexto de pandemia, vivemos um momento em que os investidores mostram cada vez mais interesse por empresas que respeitem os princípios ambientais, sociais e de governança.

A empresa francesa deu um passo revolucionário ao incluir as emissões em seus resultados financeiros, marcando assim um caminho em que certamente entrarão outras empresas que não querem ficar para trás em um tema tão sensível como o cuidado com o meio ambiente. Mathias Vicherat, secretário-geral da Danone, disse que houve mudanças relevantes no consumidor, que não busca apenas preço e qualidade, mas também maior comprometimento comercial. Além disso, você pode ver essa mudança nos investidores porque eles querem que as empresas tenham um bom impacto ambiental. “Acho que há uma mudança sistêmica e, em última instância, durante a crise da Covid, ela também se acelerou”, refletiu.

A Danone, gigante multinacional de origem francesa e com sede em Paris que atua no setor de alimentos, afirmou ser a primeira empresa a incluir o custo de suas emissões de carbono nas métricas financeiras.

A rede norte-americana CNBC informou nesta quarta-feira que a medida já havia sido anunciada no final de fevereiro e que visa expor o custo financeiro das emissões de carbono em toda a sua cadeia de valor e ajudar os investidores a entender melhor o impacto ambiental do companhia.

Em um contexto de pandemia, estamos em um momento em que os investidores estão demonstrando interesse crescente por empresas que respeitam os princípios ambientais, sociais e de governança (ESG).

A métrica aplicada pela Danone é calculada sobre o custo teórico por ação das emissões de gases de efeito estufa da empresa, que é subtraído de seu lucro normal por ação.

Em 2019, a empresa gerou mais de 27 milhões de toneladas de emissões de carbono, um total semelhante, mas superior aos 26,3 milhões de toneladas de 2018. Em qualquer caso, anunciou sua crença de que as emissões de gases de efeito estufa que gera em níveis absolutos diminuirão nos próximos anos. Como resultado, a Danone disse que seu lucro por ação ajustado pelo carbono aumentará a uma taxa mais rápida do que seu lucro por ação recorrente.

Mathias Vicherat, secretário-geral da Danone, disse à CNBC que a inclusão da nova métrica financeira é "um passo realmente muito importante" e sugeriu que em breve poderia se tornar uma referência para investidores que avaliam a produtividade de carbono das empresas internacionais.

Ele também apreciou a ousadia da medida tomada pela empresa. “São ousados”, definiu. “Agora estamos sozinhos (na publicação dos dados), mas sabemos que existem outras empresas, principalmente (dentro) da coalizão OP2B (One Planet for Biodiversity) (1) que compõe a Danone junto com outras 20 empresas.

Um objetivo antigo

Já em 2015, a Danone disse que sua meta é alcançar a neutralidade de carbono em toda a sua cadeia de valor até 2050, afirmando ser uma das primeiras multinacionais a fazer tal promessa. A medida que agora está colocando em prática vai nessa direção e conta com o apoio de 99% dos acionistas.

Com esse apoio, a Danone se tornaria uma empresa orientada para um propósito, ou a chamada “Missão da empresa". O status legal exige que a Danone gere lucros para seus acionistas de uma forma que diga que isso beneficiará a saúde de seus clientes e o planeta, observou a CNBC.

Sobre a importância da sustentabilidade, Vicherat disse que “a primeira coisa é se ater ao DNA da empresa e à história da empresa”; mas o primeiro CEO da Danone a se referir ao impacto social e econômico como "crítico" foi Antoine Riboud, em 1972.

Há uma mudança no consumidor que antes só queria preços baixos e bons produtos, agora “há mais comprometimento e conscientização, por isso pedem, principalmente as grandes empresas, que cumpram seu papel” de forma mais abrangente, acrescentou.

“E por último, mas não menos importante, acho que, mesmo do ponto de vista do investidor, há uma mudança. Há claramente uma mudança. E eles querem que as empresas tenham um bom impacto ambiental. Acho que há uma mudança sistêmica e, em última análise, durante a crise da Covid, ela também se acelerou”, disse Vicherat à rede dos Estados Unidos.

NOTAS. (1) OP2B (One Planet for Biodiversity) é uma coalizão de negócios voltada para a ação internacional única sobre biodiversidade com um foco específico na agricultura, iniciada no âmbito do One Planet Lab do presidente francês Emmanuel Macron, lançada na Cúpula de Ação Climática das Nações Unidas em Nova York em 23 de setembro de 2019. Mais informações na web www.op2b.org.

As informações são do Portal Lechero, traduzidas pela Equipe MilkPoint.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint