FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

CEPEA: Produção segue em queda e preços ao produtor, em alta

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 28/03/2013

3 MIN DE LEITURA

6
0
A produção de leite em fevereiro perdeu força pelo segundo mês consecutivo, o que restringiu a oferta do produto para as indústrias. Paralelamente, a demanda por derivados se mantém firme, o que estimula a disputa pela matéria-prima entre as empresas e alavanca os preços pagos aos produtores, apontam pesquisas do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP.

Em março, o leite recebido pelo produtor valorizou mais 2,53% na “média Brasil”, que foi para R$ 0,8427/litro (preço líquido), ou seja, aumento de 2 centavos em relação ao mês anterior. Esta média apurada e calculada pelo Cepea é ponderada pelos volumes captados nos estados de GO, MG, PR, RS, SC, SP e BA. Por sua vez, o preço bruto, que inclui frete e impostos, teve média de R$ 0,9162/litro, mantendo-se 0,6% superior à de março de 2012, em termos reais – considerando-se a inflação (IPCA) do período.

Fevereiro/Março é um período de transição na produção de volumosos, a base da alimentação das vacas em lactação. Na região Sul, este é o momento em que as pastagens de verão estão perdendo vigor e as de inverno estão sendo semeadas. É nesta época também que as pastagens do Centro-Oeste e Sudeste começam a produzir menos e as vacas em lactação são secas, para que possam se preparar para a próxima parição.

Este quadro se refletiu no Índice de Captação de Leite do Cepea (ICAP-Leite) de fevereiro, que decresceu 3,29%, considerando-se os sete estados da “média nacional”. No estado de São Paulo, a captação caiu 7,5%, a maior queda entre os estados. Em Minas Gerais e Goiás, a redução foi mais branda, de 2,2% e 1,9%, respectivamente. Na média da região Sul, a produção diminuiu 4% e, na Bahia, ocorreu o inverso: aumento de 11% na captação, devido à recuperação das pastagens principalmente no sul baiano, onde as chuvas foram relativamente melhores.

Enquanto o segmento primário reduz a oferta, o consumo ganha força. Em março, os preços, tanto do leite UHT como do queijo muçarela, no atacado do estado de São Paulo, aumentaram em relação a fevereiro O leite UHT em março (cotação até o dia 27) teve média de R$ 1,96/litro e o queijo muçarela, de R$ 11,56/kg, aumentos de 3,3% e 1,4% em relação a fevereiro, respectivamente. Essa pesquisa do Cepea é feita diariamente com laticínios e atacadistas e tem o apoio financeiro da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e da Confederação Brasileira de Cooperativas de Laticínios (CBCL).

Entre os estados da pesquisa que compõem a “média Brasil”, os preços só não aumentaram no Paraná, onde a média permaneceu praticamente estável em março, com o preço bruto a R$ 0,8929/litro. O reajuste mais expressivo aconteceu em Goiás, onde os 5% de incremento fizeram o litro do leite alcançar R$ 0,9688. Em São Paulo e Minas Gerais, os aumentos foram de 2,6 e 2,5 centavos por litro em março, chegando a R$ 0,9299/litro e R$ 0,9301/litro, respectivamente. Apesar do aumento do volume captado na Bahia, a produção ainda é baixa por conta da seca e, com isso, o preço nesse estado também aumentou, 1,6%, com a média bruta a R$ 0,9062/litro. Os estados gaúcho e catarinense seguiram a tendência geral, fechando o mês de março com valorização de 1,3% e 0,6%: o litro do leite teve média de R$ 0,8477 e R$ 0,8825, respectivamente.

Entre os estados que não compõem a “média nacional Cepea”, Mato Grosso do Sul e Rio de Janeiro obtiveram os maiores aumentos. O primeiro teve acréscimo de 4,7% e o segundo, de 4,1%, com o preço bruto a R$ 0,8419/litro e a R$ 0,9992/litro, respectivamente – esta última média é a maior entre todos os estados da pesquisa. No Espírito Santo, o aumento foi de 2%, de modo que o litro foi para a média de R$ 0,8961. No Ceará, a seca tem prejudicado os rebanhos e acirrado a disputa pelo leite. Com isso, o preço bruto chegou a R$ 0,9800/litro.

A expectativa para o mês de abril, segundo 77,5% dos agentes de mercado consultados pelo Cepea (que representam 94,6% do volume amostrado), é que os preços continuem em alta. Os mesmos representantes esperam que a oferta de leite continue restrita e que o consumo permaneça constante. Do restante, 20% dos entrevistados (que representam 5% do volume de leite amostrado) esperam estabilidade nos preços e somente 2,5% (que representam 0,4% do volume de leite amostrado) acreditam e queda nos preços

Tabela 1. Preços pagos pelos laticínios (brutos) e recebidos pelos produtores (líquidos) em MARÇO referentes ao leite entregue em FEVEREIRO.

Fonte: Cepea-Esalq/USP

Tabela 2. Preços em estados que não estão incluídos na “média nacional” – RJ, MS, ES e CE

Fonte: Cepea-Esalq/USP

Gráfico 1: Série de preços médios pagos ao produtor - deflacionada pelo IPCA
(média de RS, SC, PR, SP, MG, GO e BA)

Fonte: Cepea-Esalq/USP
 
A matéria é do Cepea, resumida e adaptada pela Equipe MilkPoint.

6

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ESTÊVÃO DOMINGOS DE OLIVEIRA

QUIRINÓPOLIS - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 08/04/2013

Em Goiás, região de Quirinópolis, Rio Verde e Caçu, já existem produtores com oferta de leite acima de R$ 1,05. Com tendência de queda no custo do concentrado, há possibilidade de boas margens para o produtor nos próximos meses.
GERARDO MAGELA SOARES FROTA FILHO

FORTALEZA - CEARÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 01/04/2013

No Ceará , já temos varias industrias pagando e disputando o leite a R$ 1,20 ; É uma pena que este momento de preço bom, não vai beneficiar o produtor local , que esta tentando salvar parte do rebanho devido DEVASTADORA seca na região ( Poligono da seca) . Não se tem noticia de seca como esta nos ultimos 50 anos.

Mas, o que assuta mais ,é que as autoridades não tomaram nenhuma medida até este momento ; Só falam da copa do mundo em 2014 ( quem sobreviver , torcerá pela nossa seleção; tenho certeza ) . Temos varias cidades do interior do estado entrando em colapso no abastecimento de agua.
WILSON VELOSO

MANTENA - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 29/03/2013

Vamos ver quanto tempo o mercado consumidor vai aceitar pagar pela alta dos preços ou algum atacadista começar a importar leite e derivados, infelizmente é sempre assim. Nós produtores precisamos nos proficionalizar deixar de ser os "DA ROÇA" para termos condições de reivindicar melhores condições para nossa "EMPRESA RURAL".
GERALDO ALMEIDA

ALFENAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 29/03/2013

Muito  bom o material.  Dias  melhores  para a  atividade leiteira!!!  

Preço de leite com tendência  de aumento  e  custos  de insumos para arraçoamento dos animais em queda, excelente combinação.
ADRIANO ARAUJO DELGADO

ÁGUAS BELAS - PERNAMBUCO

EM 29/03/2013

em nossa regiao aguas belas e itaiba em pe o preço do leite resfriado ja esta em 1.20 por enquanto, a seca ta destuido tudo e ninguem faz nada!
LUIZ SHINICHI OYAMA

LINS - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 29/03/2013

Diante das condições climaticas das mais diversas regiões do país, ocasionando queda na produção leiteira, além das noticias divulgadas quanto a baixa produção na Nova Zelandia e o resultado do ultimo leilão de leite em pó que passou dos US$ 5.000,00 a tonelada. Acredito que a tendência é de aumento significativo aos produtores de leite e consequente repasse nos preços de venda, fazendo com que o patamar base de preços aumente em torno de 10% até 15% em relação ao ano de 2012 em todos os processos da cadeia produtiva até alcançar o consumidor final. E por fim as indústrias que não se ajustarem rapidamente em sua politica de preços de compra e venda, podem ver seu fluxo financeiro se corroer rapidamente.
MilkPoint AgriPoint