FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

"Agropecuária é o setor mais disruptivo da economia brasileira", diz presidente da Embrapa

Em entrevista ao programa Conexão Ciência no dia 04/02/2020, o presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Celso Moretti, afirmou que o setor agropecuário é o que mais trouxe inovação à economia brasileira. Por trás do sucesso desse segmento, responsável por aproximadamente 23% do PIB brasileiro, está a pesquisa científica desenvolvida por instituições públicas e privadas do País. “É a agricultura movida a ciência”, como costuma dizer Moretti. O Conexão Ciência é produzido em parceria entre a Embrapa e a Empresa Brasil de Comunicação (EBC) e fica disponível nas páginas das duas instituições na internet e no YouTube.

Esse arranjo de inovação, formado pela Embrapa, universidades, organizações estaduais de pesquisa agropecuária, empresas de assistência técnica e extensão rural e setor privado, fez com que o Brasil saísse de importador de alimentos na década de 1970 para um dos maiores players do agronegócio mundial. “Graças à pesquisa agropecuária, o País comemora hoje avanços impressionantes, como por exemplo, quintuplicar a produção de grãos, com um aumento de apenas duas vezes da área cultivada, e aumentar em cerca de 60 vezes a produção de carne de frango, saindo de 200 mil para 12 milhões de toneladas”, destaca o presidente.

Segundo Moretti, cinco áreas são hoje prioritárias para a atuação da Embrapa: agricultura digital, sistemas integrados de produção, bioeconomia, nanotecnologia e alimentos de base vegetal.

Campo mais “sexy”

A agricultura digital, que envolve uso de drones, sensores, internet das coisas e inteligência artificial, mudou completamente o panorama das áreas rurais no Brasil. “Hoje, uma colhedeira de grãos tem mais tecnologia do que a Apolo 11, que levou o homem à lua em 1969”, ressalta o presidente. A conectividade tem tornado o campo mais “sexy” e atraente para os jovens, o que pode contribuir para a fixação do homem no campo.

De acordo com Moretti, o Brasil tem um desafio enorme de avançar a passos largos nessa área. A evolução das ferramentas digitais no campo, como aplicativos e softwares, entre outras, tem aumentado a demanda de capacitação de produtores e outras pessoas envolvidas com o agro. “Antigamente, quem não estudava ficava na roça. Hoje, para ficar na roça, você tem que estudar”, comentou, lembrando que esse é um sinal claro da modernização do agro brasileiro.

Sistemas integrados: sucesso sustentável

Outra prioridade da Embrapa é continuar investindo na formação de sistemas integrados de produção, que começaram há cerca de 30 anos no Brasil e hoje ocupam mais de 11 milhões de hectares. “São iniciativas que deram muito certo no Brasil e se baseiam na manutenção de lavoura, pecuária e floresta na mesma área”, explica o presidente.

Os sistemas chamados de ILPF (Integração Lavoura-Pecuária-Floresta) ou ILP (Integração Lavoura-Pecuária) resultaram na criação do novo conceito de carne carbono neutro, que tem impressionado especialistas no Brasil e no exterior, e têm enorme potencial de contribuir para o aumento da sustentabilidade na agricultura do Brasil e de outras partes do mundo.

Brasil: modelo de agricultura sustentável

Aliás, como afirma Moretti, “O Brasil é um modelo de agricultura sustentável. Nós alimentamos hoje sete vezes a população do País, o que significa 1,4 bilhão de pessoas, preservando 66,3% do nosso território”. Fora isso, a agricultura nacional conta com um conjunto robusto de práticas sustentáveis, como plantio direto e controle biológico de pragas, entre outras, aliado a um arcabouço legal – Código Florestal, Plano ABC (Agricultura de Baixo Carbono), entre outros instrumentos – que garantem o selo de sustentabilidade para a agricultura brasileira.

Bioeconomia e os ovos de Colombo

A bioeconomia, ou economia de base biológica, é outra das áreas de destaque no radar de atuação da Embrapa, como explicou o presidente. Segundo ele, o fato de possuir uma das maiores biodiversidades do mundo oferece ao Brasil oportunidades fantásticas nesse campo. “Até o momento, só somos capazes de enxergar uma pontinha do iceberg do que é a potencialidade da bioeconomia”, explicou o presidente.

Um dos avanços significativos nessa área, que ele define como o primeiro ovo de Colombo, é a fixação biológica de nitrogênio, por exemplo, que permite hoje ao País cultivar 35 milhões de hectares de soja sem aplicar um único grama de nitrogênio sintético.

O segundo ovo de Colombo é a adaptação desse mesmo sistema, baseado no uso de bactérias, para resgatar fósforo retido no solo. Em 2019, a Embrapa lançou, em parceria com o setor privado, o BiomaPhos, um inoculante brasileiro capaz de reduzir em até 50% a aplicação de adubos fosfatados. “Hoje o Brasil importa 5,5 milhões de toneladas desses produtos. O domínio da tecnologia de fixação biológica de fósforo do solo pode livrar o País dessa dependência.

Tesouras genéticas

Moretti enfatizou também a área de edição genômica, que grosso modo, pode ser entendida como um “corta” e “cola” de pedaços do genoma de plantas, animais e microrganismos para desenvolver variedades com características de interesse para a agropecuária. As prioridades da Embrapa nessa área estão mais voltadas para o desenvolvimento de cultivares de soja com tolerância à seca e resistência a nematoides e feijão com resistência ao escurecimento precoce.

A utilização dessas “tesouras genéticas” podem ajudar o Brasil na conquista de mercados que não aceitam produtos transgênicos, como o europeu e o japonês. Mas, Moretti, não vê as ferramentas de edição genômica como substitutas da modificação genética de organismos e sim como aliadas.

Nanotecnologia: a ciência do futuro no presente

Em relação à nanotecnologia, o presidente declarou que a Empresa já mantém há mais de 10 anos em São Carlos, SP, um laboratório voltado exclusivamente a estudos nessa área. Ele destacou o recobrimento nanoestruturado, desenvolvido recentemente para frutas, que permite aumentar a qualidade e o tempo de conservação pós-colheita, e os adubos com partículas nanoestruturadas, que possibilitam a liberação gradativa de nutrientes na agricultura. “São apenas dois exemplos de uma enorme programação de pesquisa que a Embrapa mantém nessa área, em parceria com instituições públicas e privadas de pesquisa e ensino”, constatou Moretti.

Alimentos de base vegetal

Os alimentos à base de plantas têm se tornado uma tendência mundial e movimentam hoje um montante de cerca de US$ 5 bilhões, com previsões de alcançar em 2030 cifras da ordem de US$ 100 bilhões. “Como uma instituição de geração de conhecimento em ciência e tecnologia, a Embrapa não poderia ficar de fora das pesquisas nessa área”, afirmou o presidente, lembrando que duas unidades de pesquisa – Agroindústria de Alimentos (RJ) e Agroindústria Tropical (CE) – já iniciaram estudos para utilizar a fibra de caju como substituto da carne na produção de hambúrgueres, nuggets, entre outros produtos.

Além do mercado em ascensão, os estudos agregam valor a essa fibra, cuja quantidade chega a 60 mil toneladas por ano no País, como resíduo da produção de castanha e de suco de caju.

A entrevista na íntegra está disponível nos canais da Embrapa e da TV Brasil Gov no YouTube.

As informações são da Embrapa.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.