FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Coração do Leite: além dos desafios do terreno íngreme e pedregoso, um surto de neospora no plantel

NOVIDADES DOS PARCEIROS

EM 14/07/2020

5 MIN DE LEITURA

4
10

Momentos difíceis: quem nunca passou por eles? Nas propriedades leiteiras, isso não é diferente. Às vezes o bolso aperta, o pasto não vai bem, alguma doença acomete o rebanho ou perdemos algum funcionário que sempre foi nosso braço direito. Em outras, o planejado não sai como o esperado e aquela velha frase 'épocas de vacas magras' passa a fazer um baita sentido.

Mas...de repente, depois da tempestade aparece um arco-íris e a 'roda volta a girar' com fluidez e eficiência. É assim que se desenrolam as histórias de superação, cujas cicatrizes ficam marcadas em nós e são revertidas em amadurecimento e resiliência.

Localizada em Picada Evaristo, interior de São Lourenço do Sul/RS, a propriedade familiar Peglow conta com uma extensão de terras de 39 hectares. Destes, apenas 16 são utilizados para a agropecuária já que os demais são destinados para área de preservação permanente devido às condições do terreno, que é muito íngreme e pedregoso. Na 2ª edição do Especial Coração do Leite, a Equipe MilkPoint conversou com Tobias Peglow, que nos contou com detalhes sobre uma das histórias de superação vivenciadas pela família.

Após o casamento, Ronei Peglow e Luciara Maria Heller Peglow, pais de Tobias, iniciaram no leite com duas vacas: uma comprada do vizinho e a outra, trazida da casa dos pais de Luciara. “Como todo início, as coisas não foram fáceis. Doenças, falta de conhecimento e de assistência técnica resultaram em um alto índice de mortalidade das vacas, porém, com insistência e sempre pensando na reposição dos animais do plantel, a produção foi crescendo e os desafios também”, disse Tobias. Segundo ele, com a utilização da inseminação artificial, foi possível aumentar o número de cabeças e a qualidade produtiva e genética.

Com a ordenha realizada manualmente por muitos anos em um antigo galpão adaptado para estábulo, os indicadores de qualidade não eram nada bons, chegando a CBT (Contagem Bacteriana Total) em até 2.000.000 UFC/ml e CCS (Contagem de Células Somáticas) em torno de 1.000.000 cél/ml. Na época, o leite precisava ser levado em tarros para a estrada pois o caminhão não o recolhia na propriedade.

Em 2009, as coisas começaram a melhorar na propriedade quando ela aderiu a linhas de créditos acessíveis que possibilitaram a compra de um trator maior, resfriador a granel e a construção de uma sala de ordenha com transferência de leite automática. Também, atenção especial foi dada ao canzil para a alimentação das vacas e com a maior facilidade da ordenha, inclusive em um local mais limpo e adequado, os indicadores de qualidade logo melhoraram, chegando a CCS em torno de 400.000 cél/ml e CBT em torno de 6.000 UFC/ml. Junto com essas facilidades, o tempo de ordenha foi reduzido pela metade, o rebanho cresceu mais ainda e a produção diária quadruplicou.

Mas vieram os ventos contrários...

Em 2016, tudo ia muito bem: a família estava construindo uma casa nova, a produção estava expandindo consideravelmente, assim como a quantidade de novilhas prenhas. Mas, para a infelicidade dos Peglow, um ‘vento soprou’ na direção contrária: diversas vacas abortaram, outras não emprenhavam – mesmo após 5 ou 6 tentativas – e parte delas, passaram a apresentar cios silenciosos.

“O espaço aberto no tanque começou a aumentar bruscamente e todas as expectativas até ali planejadas não se concretizaram. Em busca de respostas, algumas atitudes investigativas tiveram que ser tomadas, e foi então, que chegamos a uma conclusão preocupante: a presença de neospora no rebanho. O baque foi gigante e o desânimo tomou conta de todos os envolvidos, até porque, nunca ninguém havia escutado falar sobre essa doença”, contou Tobias.

Ele relatou que era como se os dias tivessem escurecido e o futuro passou a ser visto com outros olhos. “Pensamos até em trocar de profissão, mas aos poucos, como a força do nosso empenho, dedicação e assistência veterinária, as coisas foram mudando. Aprendemos a conviver com a enfermidade, passamos a tomar mais cuidado com a ração e a silagem e - passo a passo – fomos observando os resultados positivos da ‘camisa suada’. Nos últimos dois anos a produção voltou a crescer e a média por animal também. Os partos estão ocorrendo normalmente, abortos não são mais observados e a taxa de prenhez está em um bom patamar”.

Atualmente a produção diária varia de 380 a 600 litros, dependendo da estação do ano, e a média diária geral por animal é 26 litros/leite/vaca em um sistema de produção a pasto complementado com ração e silagem de milho. O rebanho é composto por 42 cabeças, dessas, 4 Jersey e as demais, Holandesas.

“Já vencemos muitos desafios e compreendo que teremos outros pela frente. Olhando agora, parece que nem tivemos problemas grandes e que todos eles poderiam ter sido facilmente evitados, mas estamos falando de uma pequena propriedade rural sem incentivo governamental e sem condições de pagar assistência veterinária. No momento que mais precisamos, a empresa para o qual vendemos nossa produção iniciou um projeto de assistência veterinária gratuito e nossa propriedade foi escolhida, o que possibilitou vencer os obstáculos daquele momento. Hoje estamos recebendo visitas veterinárias pagas pela indústria e recentemente fomos convidados a participar de um grupo de produtores organizado pelo Sebrae chamado ‘Juntos para competir’ que visa qualificar produtores e propriedades. Além disso, estou fazendo um curso de inseminação artificial, algo fundamental para nós hoje”, comentou o produtor.

No momento atual, a propriedade enfrenta um desafio relacionado a disponibilidade de água para as vacas. Eles possuem fontes próprias do recurso mais a maior dele vem de um açude cedido pelo vizinho que fica a mais ou menos 1 km de distância.

E finalizando a história contada na entrevista, deixou a todos uma mensagem inspiradora:

“Para alguns, as pedras no caminho serão sempre pedras no caminho, para mim, elas podem ser a solução. As pedras que espalhadas me atrapalhavam e machucavam as vacas, recolhi com a força dos meus braços e fiz uma contenção para segurar a terra no seu devido lugar e garantir que aqui se possa produzir por muito tempo. Em um local íngreme, como o da propriedade Família Peglow, nasceu uma iniciativa exemplar”.

Também tem uma história de superação para contar para a gente? Clique aqui ou envie um e-mail para contato@milkpoint.com.br! Muito obrigada, Equipe MilkPoint

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

NELSON JESUS SABOIA RIBAS

GUARACI - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 15/07/2020

Ótima História de sucesso. Será muito importante complementar descrevendo como eles conseguiram controlar e conviver com a NEOSPORA. Essa doença esta já dissiminada e é responsável pela queda de produção em muitas propriedades, não tem vacina viável e nem cura. E também tem pouca pesquisa e orientação aos produtores.
AVELINO MANOEL FIGUEIREDO CORREA

CURITIBA - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 22/07/2020

Nelson, Bom dia.
Em nossa experiência no controle de Neospora, o primeiro passo para controlar a doença e levantar a quantidade de animais positivos, o diagnóstico e de suma importância. Para iniciar o diagnóstico comece testando vacas e novilhas com histórico de aborto e que não emprenham, com o resultado rastreiem suas filhas e netas . Para controlar temos que considerar as 2 vias de transmissão: Exógena (ingestão das fezes do cachorro) e endógena ( transplacentária 80 a 90% de chance de uma positiva parir uma bezerra positiva). Na via exógena se faz necessário o controle de cachorros (domestico e selvagem) e acesso aos alimentos, na via endógena o foco tem que ser no diagnóstico de famílias POSITIVAS.
Algumas ações se fazem necessárias para o controle:
- Vacas e novilhas positivas entram na linha de descarte, com o tempo o critério Neospora tem que ser instituído como um motivo de descarte.
- Vacas e novilhas positivas podem ser inseminadas com touro de corte.
- Controle do cachorro no acesso ao alimento (portões. cercas elétricas)
- Ao comprar um rebanho ou animais, realize o teste não corra o risco de trazer Neospora para sua propriedade.
- A relatos da transmissão via colostro, poucos trabalhos porém temos que levar em consideração.

Espero poder ter contribuído!

Grande abraço
EM RESPOSTA A AVELINO MANOEL FIGUEIREDO CORREA
NELSON JESUS SABOIA RIBAS

GUARACI - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 22/07/2020

Muito obrigado pela resposta, contribuiu muito sim! A tempos atras eu iniciei um programa junto a UEL-Londrina, para testar as minhas novilhas que abortavam, só uma deu positiva para NEOSPORA, mas confirmou que eu tenho o problema na propriedade. Na UEL eles suspenderam esses estudos, atualmente não fazem mais o exame, alegam falta do reagente, ou algo assim. Eu continuou tendo alguns abortos,preciso descobrir ond fazem o exame para diagnosticar, e aí adotar a prática do descarte. Muito obrigado.
SILAS A DA SILVA

ITAPURANGA - GOIÁS - ESTUDANTE

EM 14/07/2020

Parabéns!
MilkPoint AgriPoint