FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Coração do Leite, 'a tuberculose assolou nosso rebanho e nos restaram apenas 4 bezerros'

NOVIDADES DOS PARCEIROS

EM 25/08/2020

4 MIN DE LEITURA

0
10

A Granja Leiteira Ferster, localizada em Quatro Pontes, oeste do Paraná, iniciou as atividades em 1996. Atualmente produz 1000 litros de leite por dia, com o rebanho composto por animais da raça Holandesa, com média de 33,3 litros por vaca.

Quem vê a propriedade de Adelar e Cleia, referência na região, não imagina as dificuldades que enfrentaram, chegando a perder todo o rebanho e tendo que recomeçar comercializando 20 litros por dia. Mas antes de contar esse acontecimento trágico e a reviravolta, vamos falar um pouco do início...


Clei e Adelar Ferster

Em 1996, Adelar e Cleia se casaram e decidiram morar na propriedade de Seu Osvaldo, pai de Adelar. “Escolhemos ficar na agricultura para trabalharmos juntos no dia a dia e, futuramente, quando tivéssemos filhos, podermos estar sempre juntos deles. Já havia algumas vacas, com uma produção de 30 litros/dia, a ordenha era mecânica e o leite era colocado em baldes e guardado no congelador”, contou Adelar. Foi o primeiro contato de Cleia com as vacas, já que nasceu e foi criada na cidade.

Os recém-casados ganharam uma vaca e começaram a trabalhar em parceria com seu Osvaldo, sempre pensando em aumentar a produção. Investiram em genética, inseminação artificial e, com os bezerrinhos que iam nascendo, foram montando seu próprio plantel.

Em 1998, tiveram a primeira filha, que, segundo eles, foi criada “no meio das vacas”. Em 2005, veio a segunda menina e foi quando decidiram adquirir todo o rebanho de seu Osvaldo. “Compramos 33 animais e, nesta época, já tínhamos um botijão de sêmen e fazíamos as inseminações. Em 2008, com uma grande quantidade de animais, investimos em uma sala de ordenha, ordenhadeira e resfriador novos, pois nossa estrutura já não comportava mais a produção, precisávamos de melhorias. Também já tínhamos um colaborador que nos ajudava nas atividades”.

Mas 2010 foi um ano de surpresas e dificuldades para a família. Um dos animais da propriedade, enviado para o abate, teve diagnóstico positivo para tuberculose. O exame no plantel era realizado anualmente e já há 8 anos não compravam animais de fora, mas, ainda assim, 88 animais foram abatidos, restando apenas 4 bezerros recém-nascidos. O vazio sanitário teve que ser realizado e durou um ano. “Para nós, restaram apenas os financiamentos das vacas e das estruturas para serem pagos, sem a produção de leite. Naquele momento nada mais fazia sentido, o desespero tomou conta de nós e pensávamos: o que vamos fazer agora? Foi o fim de um sonho, nada mais fazia sentido. Nos restou apenas uma pergunta: por que conosco? E uma afirmação: nunca mais! Naquele momento, tínhamos duas opções: vender a propriedade e quitar as dívidas ou ficar e achar meios de pagá-las”, lembrou Adelar.

Para se reerguer, o casal tentou várias atividades, mas a única que deu certo foi a produção de feno. As novilhas que restaram foram criadas separadamente, sendo testadas para tuberculose a cada 60 dias. Em 2012, a primeira delas pariu e representou o recomeço da Família Ferster no leite, comercializando 20 litros por dia. Fizeram novos financiamentos para adquirir mais animais, todos de alta genética e registrados na Associação Paranaense de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa (APCBRH). Além disso, conseguiram o certificado de livre de brucelose e tuberculose, uma meta que traçaram para a propriedade.

Assim, a Granja Leiteira Ferster conseguiu se reerguer, sempre buscando aprimoramento. Em 2019, decidiram investir em um compost barn, visando o bem-estar dos animais e dos trabalhadores. “Fomos em busca de mais conforto para os animais, que sofriam em dias de chuva e de muito calor com casos de mastite e problemas de casco, pois eram muitos os desafios. Visávamos também o nosso conforto, facilitar o nosso trabalho”, explicou.

Em 2020, realizaram um curso de coach e levaram a metodologia para dentro da propriedade. “Nos desenvolvemos muito, com a expansão de consciência, criando hábitos novos e tendo uma nova visão de vida. Com o desenvolvimento veio o questionamento de qual seria o nosso propósito de vida, até que entendemos que ele está ligado ao que gostamos de fazer. O setor do leite sempre foi desvalorizado, com altos e baixos no preço. Contudo, o preço é a única coisa que o produtor não interfere. Precisamos encontrar meios de aumentar a produção e baixar custos da porteira para dentro. Sempre em busca de eficiência e melhorarias na qualidade do leite, adquirindo novos conhecimentos e excelência que possam melhorar ainda mais os resultados e repassando para os outros produtores nossas experiências”.


Família Ferster

Atualmente a família mostra a propriedade por meio do perfil no Instagram da Granja Leiteria Ferster, criado pelas filhas do casal. “Assumimos o propósito de gerar conteúdo e mostrar nosso dia a dia, buscando a valorização do produtor de leite, mostrando as alegrias, as conquistas, dificuldades e desafios. Se você que ter sucesso em qualquer atividade, invista primeiro em você! O grande sentido da vida é a troca de conhecimento”, finalizou o proprietário.

Também tem uma história de superação para contar para a gente? Clique aqui ou envie um e-mail para contato@milkpoint.com.br! Muito obrigada, Equipe MilkPoint

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint