FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

O Ciclo PDCA na prática

RICARDO FERREIRA GODINHO

EM 31/03/2016

7 MIN DE LEITURA

3
0
No artigo anterior, apresentei a teoria a respeito do Ciclo PDCA e uma sugestão de passos para sua adoção. Como sempre vem a discussão entre teoria e prática, e seria longo colocar um exemplo de aplicação no mesmo artigo, optei por deixar o artigo deste mês apenas com a apresentação de sua aplicação, com números e fatos reais.

Entre os diversos problemas de uma fazenda, é preciso primeiramente dados e fatos para identificá-los, assim como foco para agir de forma a priorizar os mais impactantes, pois não dá para atuar de forma eficaz em todos os problemas ao mesmo tempo, embora na prática, sabemos que isso acaba acontecendo, e então vem aquela sensação de que estamos como bombeiros, "apagando fogo".

A assistência técnica tem papel muito importante neste processo, assim como as pessoas diretamente envolvidas com o problema, os quais poderão subsidiar aspectos técnicos e práticos. O problema escolhido para exemplificar será a Morte de Bezerras/Novilhas acima do desejado.

1° Passo – Conhecimento da situação atual

Fundamentado em dados e fatos, identificado o problema que se deseja atuar, agora é reunir o máximo de informações sobre o mesmo. No ano de 2010, o problema maior de mortalidade era na fase do nascimento até 60 dias (Gráfico 1).


Gráfico 1 - Percentual de mortes por faixa de idade de bezerras em 2010. Fonte: Arquivo do autor.

Os dados evidenciam que no ano de 2010 a maior mortalidade ocorria em bezerras com até 60 dias de vida (68,3%), e avaliando o processo de cria identificou-se que este número elevado era decorrente de falhas na colostragem e vacinação das vacas no período pré-parto. Na ocasião, as causas do problema foram identificados e feito um PDCA, sendo que o resultado pode ser constatado nos anos seguintes (Gráfico 2), no qual observa-se que esta mesma faixa etária representou em torno de 30% das mortes, e em 2015 representou 29,4% das mortes. Porém, a fase acima de 180 dias que em 2010 era 14,64% das mortes, em 2015 representou 36,8% das mortes, ou seja, antes o problema estava na fase de aleitamento/casinhas, e agora o problema mudou. Fases de criação diferentes, provavelmente causas diferentes.


Gráfico 2 - Percentual de Mortes e idade de Bezerras em 2013. Fonte: Arquivo do autor.

Na Figura 1 observa-se que as principais causas de mortes, aplicando a Teoria de Pareto (tema abordado em artigo de julho - Controlar para decidir), cinco "causas" representam 79,4% das mortes e entre elas, a tristeza parasitária corresponde a 29,4%. Entretanto, em segundo lugar está a causa "desconhecida", indicando uma falha de diagnóstico da causa da morte (a maioria dos animais são necropsiados), falha no controle ou no lançamento dos dados. Em seguida com 11,8%, estão as mortes suspeitas de clostridiose.

Pelo Diagrama de Pareto, o segundo grupo com 4 causas das mortes, representam 11,8% e as demais 6 causas somam 8,8%. Ou seja, as causas a serem trabalhadas por prioridade são: Tristeza, Clostridiose, Diarreias, Pneumonias e as falhas que levaram ao alto número de causas desconhecidas, sendo que para este último, é necessário uma análise a parte, pois trata-se de um problema com causas distintas das ocorrências de doenças.

Figura 1 - Causas das mortes de animais jovens em 2015. Fonte: Arquivo do autor.

Analisando o controle sobre época, idade e data em que ocorreram estas mortes, observou-se que não houve uma estacionalidade nas ocorrências, e apenas a morte por tristeza parasitária chama atenção pelo maior número de ocorrências nos meses de setembro a dezembro. As mortes por diarreias ocorreram mais na fase até 60 dias de vida.

Os diagnósticos são realizados por meio de observação visual dos animais, medição da temperatura corporal e o uso do hematócrito, e eventualmente, análises laboratoriais. Soma-se a estes dados outras informações de manejo geral, nutrição e alimentação, tipos de protocolos de tratamentos realizados, como é realizado a desmama, como é feito a transição pós desmama, vacinações (tipos e época), controle do carrapato, resultados de análises laboratoriais (órgãos de alguns animais foram enviados para diagnóstico de agentes), tudo com o objetivo de conhecer o máximo sobre o problema que está sendo avaliado.

2° Passo – Identificação e avaliação das causas prováveis

Evite intervir nos processos de forma precipitada, com meras opiniões ou baseado apenas em experiência. Afinal, as decisões devem ser tomadas com base em fatos e dados confiáveis e atualizados. Dando continuidade ao exemplo, as possíveis causas foram:

• Falhas no controle de carrapatos;
• Dificuldade de diagnóstico das doenças;
• Contaminação das caixas d'água e cochos por fezes de garças;
• Resíduos de alimentos nos cochos dos animais;
• Demora para cura de umbigo de bezerras no pré parto;
• Falha da mão de obra ao executar os procedimentos de diagnóstico e tratamento;
• Falha nos controle dos tratamentos;
• Falhas na definição de dosagens e protocolos de tratamentos;
• Provável uso excessivo de medicamentos;
• Superlotação dos piquetes.

3° Passo – Geração e avaliação de alternativas de solução

Na avaliação de alternativas de solução, devem-se definir as soluções mais viáveis sob o ponto de vista técnico, econômico, levando em conta ainda a aplicabilidade de acordo com a realidade da fazenda, dos funcionários/produtor, e que estejam em sintonia com os objetivos da fazenda. Continuando com o exemplo:

1) Realizar treinamento de diagnóstico e tratamentos das doenças;
2) Adotar sistematicamente o uso de hematócrito para diagnóstico e monitoramento do tratamento da tristeza parasitária;
3) Realizar diagnóstico diferencial da babesiose e piroplasmose;
4) Eliminar a contaminação pelas garças;
5) Aumentar a frequência de limpeza das caixas d'água;
6) Limpar os cochos com mais frequência e eficiência;
7) Apertar calendário de vacinação contra clostridiose;
8) Melhorar /Agilizar a cura de umbigo;
9) Fazer treinamento sobre controle dos tratamentos.

Observe que as alternativas 3 e 4, estão em grifo porque apresentam obstáculos para sua implantação: a 3 pela inviabilidade atual de realizar o diagnóstico na fazenda, custo e distância de um laboratório, embora algumas amostras possam ser enviadas; e a 4, por ser animais silvestres, não há o que fazer com as garças, mas há como limpar e desinfetar melhor as caixas (alternativa 5), acrescentando a melhora na desinfecção das mesmas.

4° Passo – Planejamento das ações

Agora é preciso elaborar um plano de ação, isto é, o que deve ser feito, quem fará, como e onde fazê-lo, estabelecendo um cronograma das atividades e dimensionando quanto será necessário para que a ação seja efetivada, com o uso do 4Q1POC ou 5W2H. Voltando ao exemplo:

PLANO DE AÇÕES

Data elaboração: 26/01/16 Responsável Geral: Sandra
Objetivo: Reduzir a mortalidade de novilhas
Meta: Reduzir em 30% o número de animais mortos em 2016 em relação ao ano de 2015.

(clique para ampliar*)

Observe que cada item "O que fazer" da planilha 4Q1POC corresponde às ações identificadas e selecionadas no 3° Passo. Outra opção para este momento de planejamento é priorizar as ações mais impactantes e viáveis.

Etapa II do PDCA: D (Do = desenvolver, fazer, executar)

5° Passo - Implementação da Ação

Agora é mão na massa! Implantar as ações, fazer ajustes de datas e procedimentos se necessário. Planejar só no papel e deixar este planejamento na gaveta ou em um quadro a mostra não garante sua implantação. Agora é agir.

Etapa III do PDCA: C (Check = "checar", verificar)

6° Passo - Verificação

No exemplo em questão: o problema era a mortalidade de bezerras, principalmente pelas doenças selecionadas como as principais. Uma forma de verificar o resultado neste caso é verificar se as ações planejadas foram e estão sendo executadas a contento. Além disso, levantar os diagnósticos realizados, como as pessoas estão agindo, se as mudanças que foram realizadas no início, continuam sendo executadas, se foram incorporadas no dia a dia.

O monitoramento pode e deve ser feito durante todo o período e/ou processo. Estamos em março, e constata-se que em janeiro houve mortes de animais no período anterior a implantação do plano, mas em fevereiro após o treinamento sobre diagnóstico, nota-se uma pequena melhoria nos diagnósticos, as amostras estão sendo coletadas e enviadas ao laboratório, etc.

Etapa IV do PDCA: A (Action = agir)

No exemplo sobre a mortalidade de novilhas, no 6° Passo (verificação), constatou-se que nos meses de janeiro e fevereiro de 2016, ocorreram mortes de animais na faixa etária que se deseja atuar, as melhoras começam a ser percebidas, e ações como melhoria no diagnóstico e tratamentos já geraram resultados satisfatórios, o que evidencia que a avaliação das causas, busca e seleção de soluções e o plano de ação, foram feitos de forma satisfatória.

7° Passo - Padronização

No exemplo utilizado, se o processo como está sendo executado, está gerando resultados, ele pode ser padronizado, ou seja, as pessoas envolvidas devem continuar realizando as tarefas como foram planejadas. Assim, devem-se manter os protocolos de diagnóstico e de tratamentos das doenças, os cuidados de limpeza, enfim, todas as ações que foram planejadas.



RICARDO FERREIRA GODINHO

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARISTELA BUENO CORREIA

BELA VISTA DE GOIÁS - GOIÁS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 04/04/2016

Parabéns, ficou show de bola a aplicação do método adaptado a sua realidade.



Agora é Melhoria Contínua!



Abraços!
RITA DE CÁSSIA RIBEIRO CARVALHO

LAVRAS - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 01/04/2016

Prof. Ricardo, suas informações de forma simples e prática nos conduz a um entendimento, que realmente o planejamento criterioso é nossa saída em qualquer uma das atividades que atuamos. Um exemplo simples e bem aplicado sob ótica de um líder, empreendedor e conhecedor do que  faz.É um exemplo para todos nós profissionais. Parabéns mais uma vez. Que bom que temos a oportunidade de conhecer e aprender um pouco mais com você. Sucesso sempre!
AIRTON BATISTA DE ANDRADE

GOIÂNIA - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 01/04/2016

Excelente artigo. Parabéns ao autor!