FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Covid-19 e pesquisas nutricionais: onde a indústria precisa focar seus esforços científicos?

POR JULIANA SANTIN

NOVIDADES E LANÇAMENTOS EM LÁCTEOS

EM 06/04/2020

5 MIN DE LEITURA

0
0

A pandemia do Covid-19 registrou um aumento na demanda por produtos que auxiliam a imunidade, mas existe escopo para pesquisas novas que examinem se os produtos têm de fato um papel no enfrentamento da crise?

Confira a conversa com três profissionais respeitados do setor: Dilip Ghosh, diretor da Nutriconnect, na Austrália, Sandeep Gupta, fundador-chefe e diretor do Conselho Consultivo de Nutracêuticos da Índia (ENAC) e Nutraworks; e Dr. Anish Desai, diretor da Intellimed Healthcare Solutions.

O CEO da Gencor Pacific, R.V Venkatesh, também deu ideias sobre como realizar um ensaio clínico em humanos para validar a eficácia da palmitoiletanolamida (PEA) no alívio sintomático dos sintomas da gripe.

Um ponto comum levantado pelos especialistas foi a necessidade de o governo e a indústria trabalharem juntos em novas pesquisas. “As iniciativas [para conduzir pesquisas] devem vir de empresas farmacêuticas e nutracêuticas, mas a implementação deve ser feita por meio de uma parceria governo-academia-indústria”, disse Ghosh, quando perguntado sobre quem deveria liderar a investigação dos potenciais benefícios dos nutracêuticos em relação à pandemia de Covid-19.

Ele deu o exemplo de como um Laboratório de Saúde Animal da Austrália estava colaborando com o Instituto Peter Doherty, de Infecção e Imunologia, na priorização da avaliação de compostos antivirais contra o Covid-19.

Ecoando suas opiniões, Gupta e o Dr. Desai formaram recentemente a Aliança Científica Inteligente Nutraworks (NISA) na Índia para trabalhar com as instituições, o governo e a indústria.

"O governo e a indústria também devem trabalhar em uma conscientização pública sobre como o consumo de certos suplementos pode impulsionar o sistema imunológico", disse Gupta, destacando que, no caso da Índia, a dieta tradicional pode não fornecer micronutrientes suficientes para aumentar a imunidade.

Venkatesh, por outro lado, enfatizou a necessidade de investigar os ingredientes que fortalecem o sistema imunológico, ao mesmo tempo em que é cauteloso e responsável ao fazer reivindicações de produtos ao mesmo tempo.

“No momento, muitas pessoas fazem muitas reivindicações sobre curas milagrosas para você e o coronavírus, e as autoridades reguladoras também não gostam disso, porque não há evidências de que algo esteja funcionando contra o coronavírus. "É por isso que queremos ter cuidado e não nos enganar", disse ele.

Regulamentos nacionais

Na frente regulatória, Gupta destacou como a dose dietética recomendada (RDA) de certos micronutrientes poderia ser aumentada para maximizar seus efeitos de fortalecimento imunológico.

Citando o exemplo da Índia, ele disse que o RDA da vitamina C era de 40mg, que ele havia descrito como uma "dose limitada".

Ele disse que, para aumentar a imunidade à luz da pandemia, a RDA da vitamina C deveria idealmente ser aumentada para entre 100 mg e 200 mg.

Ele acrescentou que o Conselho Indiano de Pesquisa Médica (ICMR) enviou uma proposta ao regulador da Índia FSSAI para aumentar a RDA da vitamina C para 50% do limite superior internacional tolerável (TUL)

O que é promissor?

Os especialistas também destacaram os remédios tradicionais à base de plantas e os micronutrientes como exemplos de ingredientes nutracêuticos promissores nos quais as empresas podem se concentrar à luz do surto.

Combinar medicamentos naturais baseados em evidências e intervenção farmacológica pode ser uma boa estratégia nesse estágio, disse Ghosh.

“Para evitar ataques virais, precisamos interromper o ciclo de vida viral, como entrada, replicação, montagem e liberação viral. Estes são mediados através de muitos receptores e outro mecanismo de ligação; doravante, a abordagem multi-componente seria ideal.

"Os medicamentos tradicionais podem possuir algumas vantagens na prevenção ou tratamento de cepas resistentes a medicamentos contra um único alvo viral", disse ele, dando os seguintes exemplos.

1. Óleo de coco virgem

Ele deu os exemplos de óleo de coco virgem, citando uma pesquisa específica publicada por pesquisadores filipinos sobre como o ingrediente e seus derivados - ou seja, ácido láurico e monolaurina mostraram ser compostos antivirais seguros e eficazes.

2. Fucoidan

O fucoidan também mostrou o potencial de aumentar as respostas antivirais aos coronavírus, embora não especificamente no COVID-19, disse ele.

Ele acrescentou que uma extensa pesquisa foi realizada para descobrir as propriedades imunomoduladoras do fucoidan, como a redução das respostas alérgicas e a ativação de células natural killer e células T.

3. Extrato de casca de canela

Mais um exemplo é a canela, onde os compostos IND02 - isolados da casca - mostraram ação antiviral contra vírus como o H1N1 e o H3N2.

Atualmente, pesquisadores do departamento de medicina pulmonar do Hospital Zhongshan e da Universidade de Fudan estão investigando a cinética de ligação e a afinidade do IND02 no domínio de ligação ao receptor (RBD) da proteína espiga COVID-19 pelo ensaio de ligação à interferometria biolayer.

“Com base em muitos estudos mecanísticos e pré-clínicos, o IND02 deve exercer sua ação tanto na entrada viral quanto na modulação imunológica do hospedeiro, reduzindo o estresse oxidativo e as lesões no meio respiratório nos pacientes infectados”, Ghosh disse.

Embora os nutracêuticos ofereçam múltiplas possibilidades, ele disse que, com base na produção científica existente, não apoiava nenhuma reivindicação direta de um suplemento específico que pretenda prevenir ou tratar o COVID-19. 

4. Micronutrientes e fitoquímicos

Gupta e Anish, por outro lado, apontaram como as vitaminas A, B6, C, D, E, astaxantina, polifenóis do extrato de romã, glutationa, gengibre e alho podem ser nutrientes importantes para aumentar a imunidade.

Eles citaram uma pesquisa publicada recentemente em Progress in Cardiovascular Diseases sobre como certos nutracêuticos podem ajudar a fornecer alívio para pessoas infectadas com vírus de RNA encapsulados, como influenza e coronavírus.

Eles acrescentaram que luteolina, apigenina, quercetina e ácido clorogênico estavam "entre os principais fotoquímicos bioativos com potencial atividade antiviral contra coronavírus e influenza".

“Eles têm várias fontes e é importante identificar os nutracêuticos com a bioatividade mais potente.

"Em vista da ausência de terapia antiviral aprovada ou vacina preventiva para COVID-19 e opções limitadas de tratamento para influenza, nutracêuticos e fitoquímicos devem ser o foco da pesquisa antiviral", disseram eles.

5. Palmitoiletanolamida (PEA)

A Gencor Pacific realizará um ensaio clínico em humanos para validar os benefícios da PEA na Austrália durante o inverno.

O estudo também estudará o impacto da PEA no alívio sintomático dos sintomas da gripe. Segundo Venkatesh, a literatura existente mostra que a PEA possui propriedades anti-inflamatórias e analgésicas. Um dos principais mecanismos é a degranulação de mastócitos.

As informações são do NUTRAIngredients.com.

JULIANA SANTIN

Médica veterinária formada pela FMVZ/USP. Contribuo com a geração de conteúdo nos portais da AgriPoint nas áreas de mercado internacional, além de ser responsável pelo Blog Novidades e Lançamentos em Lácteos do MilkPoint Indústria.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint