ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Cinco principais inovações tecnológicas na indústria de laticínios para 2020

POR JULIANA SANTIN

DAIRY VISION

EM 30/03/2020

4 MIN DE LEITURA

0
2

De tecnologias de transporte e agricultura a soluções de ingredientes e leite cultivado em laboratório, a indústria de laticínios está repleta de avanços tecnológicos. Confira:

Tecnologia de "Supercooling"

O transporte internacional de produtos frescos é um desafio para muitas empresas globais de laticínios. Em 2019, a grande cooperativa europeia de laticínios Arla começou a testar uma nova tecnologia natural e sem conservantes para permitir esse movimento internacional de mercadorias usando uma nova técnica.

A ferramenta 'supercooling' da Arla permite que produtos frescos viajem longas distâncias em navios. Lars Dalsgaard, vice-presidente sênior de produtos e inovação da Arla, disse: "Estamos vendo cada vez mais mercados solicitando produtos naturais refrigerados e frescos, em vez de produtos congelados e com conservantes. A relação entre tempo e resfriamento avançado é uma das chaves para diminuir as limitações do portfólio em mercados fora da Europa", explicou Dalsgaard. “O controle dessas variáveis nos permite colocar o produto no modo de hibernação”.

A primeira remessa de queijos Castello super-resfriados, que não podem ser congelados, chegou com sucesso da Austrália, saindo da Dinamarca, tendo sido armazenada em recipientes especiais sob condições super-resfriadas. Essa tecnologia de super-resfriamento será particularmente benéfica para empresas de laticínios e aquelas com o objetivo de criar oportunidades de crescimento global.

Tecnologia de detecção de mastite

A mastite tem impactos devastadores na indústria de laticínios em todo o mundo. De acordo com a Frontiers in Bioengineering and Biotechnology, estima-se que as perdas globais da indústria de laticínios atinjam impressionantes 30 bilhões de dólares por ano. Isto é devido à má qualidade do leite, perdas significativas de leite e abate de animais infectados cronicamente.

O diagnóstico precoce da mastite bovina é crucial para os produtores de leite e a nova tecnologia da EIO Diagnostics fez exatamente isso, gerando de imagens multi-espectrais. A start-up começou em 2017 e foi apoiada por incubadoras e aceleradoras de inovação em alimentos, incluindo Food-X e Yield Lab.

Os animais com mastite apresentam padrões específicos de inchaço e calor no úbere. A co-fundadora, Tamara Leigh disse: "Nossa tecnologia combina imagens avançadas de sensores para detectar os indícios precoces de infecção, antes que haja sinais físicos no úbere ou no leite".

A tecnologia da EIO Diagnostic está revolucionando a indústria de laticínios. Quanto mais cedo os animais infectados forem detectados, mais cedo poderão ser retirados da produção e tratados, economizando bilhões de dólares para a indústria de laticínios.

Tecnologia Blockchain

A transparência na cadeia de suprimento de alimentos da indústria de laticínios é essencial para conquistar a confiança do consumidor, revelando desde fontes sustentáveis a ingredientes e reivindicações de processamento. Em 2018, a Nielsen afirmou que a transparência estava impulsionando o crescimento de alimentos como bens de consumo em rápida evolução.

No início deste ano, a empresa de segurança alimentar Neogen firmou uma parceria com a Ripe Technology (mature.io) para levar a tecnologia de blockchain aos seus diagnósticos de segurança alimentar e genômica animal. O Ripe.io permite essencialmente que as empresas do setor de alimentos usem sua plataforma de tecnologia para garantir a transparência em sua cadeia de suprimento de alimentos.

Blockchain é uma plataforma digital que 'encadeia' informações 'em bloco', criando um registro permanente. Assim, cria uma história do produtos e dos animais relacionados com a indústria láctea durante todo o ciclo de produção.

O CEO da Neogen, John Adent, disse: “Existem inúmeros benefícios na adoção da tecnologia. Por exemplo, o perfil genômico de uma vaca leiteira pode estar conectado à ração que o animal come, seu histórico médico, ambiente da fazenda, quantidade e qualidade do leite que produz etc. A Blockchain pode servir para otimizar toda a cadeia de suprimentos de muitos mercados que a Neogen atende.”

Essa tecnologia, em última análise, adiciona um alto nível de transparência para a indústria de laticínios, desde o início da cadeia de suprimentos até os consumidores.

Avanços de sabor

A demanda do consumidor por rótulos e sabores "limpos" está em alta no mercado de laticínios. Houve vários desenvolvimentos tecnológicos no setor de ingredientes nos últimos anos, que se concentram em melhorar a experiência de textura e sabor de produtos lácteos.

Um exemplo é a solução saborosa da Synergy Flavors Inc, sediada nos EUA, 'Dairy by Nature', desenvolvida para atender às necessidades de produtos lácteos e vegetais. A solução pretende fornecer meios para recuperar de maneira "limpa" a cremosidade dos laticínios integrais e mascarar as indesejáveis notas de sabor em alternativas à base de plantas.

A Synergy afirma ter criado ingredientes para sabor e funcionalidade aprimorados, combinando ciência com experiência em fermentação de laticínios. Por exemplo, diferentemente dos sabores típicos que adicionam uma nota de topo singular, como manteiga caramelizada ou leite condensado, a Synergy desenvolveu soluções avançadas que aprimoram a qualidade, a sensação na boca e a retenção de sabor.

Suas aplicações variam de produtos lácteos frescos e cultivados a nutricionais, panificação, bebidas e confeitos, além de aplicações salgadas, como molhos ou queijos.

'Dairy by Nature' é um desenvolvimento tecnológico essencial para as indústrias lácteas e alternativas aos lácteos, pois oferece um aprimoramento simples do sabor natural da indulgência dos laticínios.

Laticínios sintéticos

O leite de vaca é extremamente versátil e usado em muitos produtos em todo o mundo. Por exemplo, somente no Canadá, 70% do leite vendido é usado em outros processamentos. No entanto, de acordo com uma pesquisa da IPSOS, 48% dos consumidores compram  lácteos e produtos à base de plantas.

A indústria viu seu quinhão de inovação nos produtos alternativos ao leite, feitos à base de plantas ao longo dos anos, como bebidas de soja, ervilha, aveia, amêndoa e arroz assumindo o primeiro plano. Mas e se os cientistas pudessem cultivar uma versão vegana do leite de vaca, sem lactose, e sem utilizar vacas?

Uma das principais inovações tecnológicas mencionadas em nosso artigo sobre tendências de laticínios para 2020 foi o leite criado em laboratório. A startup californiana Perfect Day Inc. desenvolveu uma microflora geneticamente modificada que produz soro e caseína — as proteínas encontradas no leite de vaca. A empresa afirma que este leite produzido em laboratório fornece a mesma nutrição de alta qualidade que a proteína láctea convencional.

Essa inovação pode ter um impacto significativo na indústria de laticínios, pois muitos consumidores podem querer reduzir a ingestão de laticínios, mas apreciam o sabor do leite de vaca.

As informações são do FoodBev.com, traduzidas pela equipe MilkPoint.

JULIANA SANTIN

Médica veterinária formada pela FMVZ/USP. Contribuo com a geração de conteúdo nos portais da AgriPoint nas áreas de mercado internacional, além de ser responsável pelo Blog Novidades e Lançamentos em Lácteos do MilkPoint Indústria.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint