FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Relação entre Nutrição e Reprodução da vaca em lactação - Parte 2

POR RICARDA MARIA DOS SANTOS

E JOSÉ LUIZ MORAES VASCONCELOS

JOSÉ LUIZ M.VASCONCELOS E RICARDA MARIA DOS SANTOS

EM 08/06/2010

20 MIN DE LEITURA

3
0
Este texto é parte da palestra apresentada por José Eduardo Portela Santos, no XIV Curso Novos Enfoques na Produção e Reprodução de Bovinos, realizado em Uberlândia em março de 2010.

Para ler a primeira parte desse artigo, clique aqui.

Manipulação nutricional para aumentar o consumo de energia

Os esforços nutricionais para minimizar a extensão e a duração do balanço energético negativo (BEM) podem melhorar o desempenho reprodutivo. O primeiro e o mais importante dos fatores que afetam o consumo de energia em vacas leiteiras é a disponibilidade de ração (Grant e Albright, 1995). Por isto, as vacas leiteiras devem ter acesso contínuo a uma dieta palatável, de alta qualidade, para assegurar o máximo de ingestão de matéria seca (IMS). Contudo, a IMS é limitada durante a fase tardia da gestação e início da lactação, o que pode comprometer a ingestão total de energia e o desempenho reprodutivo. Diversas estratégias de manejo nutricional têm sido propostas para aumentar a ingestão de energia durante o início da lactação. O uso de forragens de alta qualidade, aumentando a relação concentrado:forragem ou a adição de gordura suplementar às dietas são algumas das maneiras mais comuns de melhorar o consumo energético das vacas.

Diversos estudos demonstraram a importância da insulina como um sinal mediando os efeitos das alterações agudas na ingestão de nutrientes sobre os parâmetros reprodutivos em bovinos leiteiros. No início do período pós-parto de vacas leiteiras em BEN, a redução da expressão do receptor hepático 1A do hormônio de crescimento (GHR-1A) parece ser responsável pelas concentrações plasmáticas mais baixas de IGF-I destas vacas (Radcliff et al., 2003). Como IGF-I é um importante sinal hormonal que influencia eventos reprodutivos, como o estímulo de mitogênese celular, produção hormonal e desenvolvimento embrionário, entre outras funções, as concentrações crescentes de IGF-I no início do pós-parto são importantes para a retomada precoce da ciclicidade e estabelecimento da prenhez.

É interessante notar que a insulina faz a mediação da expressão de GHR-1A em vacas leiteiras (Butler et al., 2003; Rhoads et al., 2004), que, por sua vez, resulta em concentrações plasmáticas mais elevadas de IGF-I. Como IGF-I e insulina são importantes para a reprodução em bovinos, o uso de dietas que promovem maiores concentrações de insulina deve beneficiar a fertilidade. Gong et al. (2002) arraçoaram vacas de baixo e alto mérito genético com dietas isocalóricas, que diferiam na capacidade de induzir concentrações plasmáticas de insulina altas ou baixas. As dietas que induziram altos níveis de insulina reduziram o intervalo até a primeira ovulação após o parto e aumentaram a proporção de vacas ovulando nos primeiros 50 dias após o parto.

Gordura, ácidos graxos e reprodução

Alimentar os bovinos de leite com gordura geralmente melhora a chance de prenhez, ainda que as respostas não tenham sido consistentes (Santos et al., 2009). Quando o uso de gordura melhorou a produção e aumentou a perda de peso corporal, as vacas primíparas tiveram uma redução da chance de prenhez à primeira inseminação artificial (IA) (Sklan et al., 1994), ainda que a prenhez com IA fosse extremamente elevada nas vacas não suplementadas. Ferguson et al. (1990), entretanto, observaram aumento de 2,2 vezes na chance de prenhez à primeira IA e em todas as IA em vacas em lactação que receberam 0,5 kg/dia de gordura, que tendeu (P = 0,08) a melhorar a proporção de vacas prenhes ao final do estudo (93 x 86,2%).

Para as vacas mantidas a pasto, a suplementação com 0,35kg de ácidos graxos (AG) melhorou a chance de prenhez depois da primeira IA após o parto, ainda que uma proporção similar de vacas estivesse prenhe ao final do estudo (McNamara et al., 2003). O uso de sais de cálcio de ácidos graxos de cadeia longa (Ca-AGCL) de óleo de palma melhorou a prenhez de vacas leiteiras (Schneider et al., 1988), ainda que os autores não relatassem significância estatística. Por outro lado, outros autores não observaram melhoras na fertilidade de vacas leiteiras suplementadas com Ca-AGCL (Scott et al., 1995; Sklan et al., 1991) ou com sementes oleaginosas (Schingoethe e Casper, 1991). Isto poderia ser atribuído ao aumento da produção de leite e das perdas de peso corporal (Sklan et al., 1991; Sklan et al., 1994).

Como os benefícios do uso de gordura na alimentação podem originar-se de AG específicos (Staples et al., 1998; Staples e Thatcher, 2005), outros pesquisadores avaliaram se a administração de AG diferentes quanto ao grau de saturação poderia influenciar a fertilidade das vacas. Os AG das famílias n-6 e n-3 estão muito menos disponíveis para os ruminantes do que para os não ruminantes, por causa da biohidrogenação do AG no rúmen (Juchem, 2007), sugerindo que sua suplementação poderia beneficiar a reprodução (Staples e Thatcher, 2005; Santos et al., 2009).

Três estudos recentes exploraram o papel da suplementação de AG n-6 e n-3 para vacas leiteiras em lactação sobre a chance de prenhez após a primeira IA no pós-parto (Ambrose et al., 2006; Fuentes et al., 2008; Petit e Twagiramungu, 2006). Quando as vacas foram alimentadas com 0,75kg de gordura de linhaça, uma fonte rica em n-3 C18:3, ou com semente de girassol, uma fonte rica em n-6 C18:2, a ocorrência de prenhez tendeu (P = 0,07) a ser maior para as vacas que receberam AG n-3. Uma resposta similar, entretanto, não foi observada por outros pesquisadores quando as vacas receberam linhaça como a fonte de AG n-3 (Fuentes et al., 2008; Petit e Twagiramungu, 2006). De forma similar, o uso de AG n-3 de óleo de peixe como Ca-AGCL não melhorou a chance de prenhez de vacas leiteiras de alta produção em lactação com uma fonte rica em AG saturado (Juchem, 2007) ou com Ca-AGCL de óleo de palma (Silvestre et al., 2008).

Juchem et al. (2009) avaliou o efeito de alimentar as vacas antes e depois do parto com Ca-AGCL de AG principalmente saturado e monoinsaturado, ou com uma mistura de C18:2 n-6 e AG trans-octadecenóico. Este autor observou que as vacas alimentadas com AG insaturado tinham chance de prenhez 1,5 vezes maior com 27 ou 41 dias depois da IA, quando comparadas com vacas que receberam principalmente AG saturado. As melhoras na chance de prenhez quando as vacas foram alimentadas com n-6 C18:2 e AG trans-octadecenóico são evidenciadas pela melhor fertilização e qualidade embrionária em vacas leiteiras em lactação não superovuladas (Cerri et al., 2004).

Como o AG n-3 pode suprimir a secreção uterina de PGF2α (Mattos et al., 2002, 2003, 2004), considera-se que tenham potencial para melhorar a sobrevivência embrionária em bovinos (Mattos et al., 2000). Em 3 de 5 testes realizados, usando AG n-3 sob forma de linhaça rica em n-3 C18:3 (Ambrose et al., 2003; Petit e Twagiramungu, 2006) ou óleo de peixe risco em ácido docosahexaenóico (DHA) (Silvestre et al., 2008), houve redução das perdas de prenhez nas vacas leiteiras em lactação à primeira IA no pós-parto. Por outro lado, quando AG n-6 foi usado sob forma de Ca-AGCL, as perdas de prenhez foram similares às observadas em vacas que receberam Ca-AGCL de óleo de palma (Juchem, 2007; Silvestre et al., 2008).

Considerados coletivamente, estes dados sugerem que o uso de gordura na alimentação de vacas leiteiras melhora a fertilidade, de forma geral, e as respostas são observadas quando a densidade energética da ração aumentou com o uso de gordura. E estes dados sugerem que as resposta de fertilidade frente ao uso de gordura é alterada de acordo com o tipo de AG suplementado na dieta. O uso de AG n-3 de sementes oleaginosas melhorou a chance de prenhez em alguns, mas não em todos os estudos. O uso de AG n-3 sob forma de Ca-AGCL em óleos de peixe não parece ter influenciado a chance de prenhez. Por outro lado, o uso de Ca-AGCL rico em n-6 e AG trans-octadecenóico melhorou a prenhez em vacas leiteiras em lactação. Ainda que o uso de AG n-3 não tenha melhorado a chance de prenhez de forma consistente, houve redução nas perdas de prenhez em vacas leiteiras.

Gossipol e reprodução

O gossipol foi inicialmente descoberto por cientistas chineses, depois de notar que durante mais de uma década não havia nascido nenhuma criança em um vilarejo onde as pessoas cozinhavam a comida com óleo de semente de algodão. Desde então, houve muitos relatos na literatura confirmando o efeito antifertilidade em mamíferos. O gossipol interfere com o metabolismo da membrana celular, afeta a glicólise, influencia o metabolismo mitocondrial e energético na célula, e aumenta a fragilidade das membranas celulares, como nas hemácias. Na verdade, a fragilidade dos eritrócitos tem sido um dos indicadores do potencial de toxicidade do gossipol.

Risco et al. (1992) foram os primeiros a mostrar que o gossipol pode ser tóxico e até matar bovinos em crescimento. Usaram rações com 200, 400 ou 800 mg/kg de gossipol livre (GL) para o arraçoamento de bezerros machos durante 120 dias. As dietas com 400 e 800 mg/kg de GL foram consideradas tóxicas e potencialmente podiam causar a morte de ruminantes em crescimento. Os bezerros mais jovens têm pouca capacidade de desintoxicar o gossipol, e por isto a toxicidade pode ser facilmente induzida pelo uso de produtos de algodão em sua alimentação.

Os efeitos negativos do gossipol sobre a fertilidade de ruminantes estão claros nos machos. Estudos realizados na Universidade da Flórida e na Universidade Estadual de Kansas mostraram que níveis tão baixos quanto 8 g/dia de GL administrados a touros jovens reduziram a qualidade do sêmen e a atividade sexual (Chenoweth et al., 2000; Velasquez-Pereira et al., 1998). A fêmea ruminante, entretanto, parece ser relativamente insensível ao efeito antifertilidade do gossipol por causa da desintoxicação que ocorre no rúmen, mas dados in vitro indicam que há alguma inibição do desenvolvimento embrionário e da esteroidogênese ovariana (Randel et al., 1992).

Mais recentemente, uma série de experimentos realizados demonstrou que o consumo de até 40 mg de GL/kg de peso corporal não influenciou o desenvolvimento folicular e luteal em novilhas leiteiras. Mas o uso de uma dieta com 40 mg of GL/kg de peso corporal reduziu a qualidade embrionária e o desenvolvimento in vivo e in vitro (Coscioni et al., 2003a,b; Villasenor et al., 2008). Estes efeitos provavelmente explicam a redução da chance de prenhez em vacas leiteiras com altas concentrações plasmáticas de gossipol (Santos et al., 2003), e o comprometimento da sobrevivência do embrião após a transferência (Galvão et al., 2006). Assim sendo, é prudente alimentar vacas leiteiras em lactação com teores de caroço de algodão que resultem em baixas concentrações plasmáticas de gossipol.

Implicações

A ingestão inadequada de nutrientes e reservas orgânicas inadequadas durante o início da lactação são os principais fatores que afetam o desempenho reprodutivo de vacas leiteiras. Melhorar o balanço energético pelo aumento do consumo de energia através de carboidratos não fibrosos adicionais ou gordura suplementar na dieta reduz os dias até a primeira ovulação e melhora a concepção após o parto. Há forte evidência sugerindo que o manejo das vacas durante o período anterior ao parto afeta a saúde uterina. A ingestão inadequada de nutrientes antes do parto e o comportamento de ingestão de ração aumentam o risco de metrite em vacas leiteiras.

Em geral, a suplementação com AG insaturado das famílias n-3 e n-6 melhora a fertilidade desde que não interfira com o metabolismo microbiano no rúmen. É crítica a necessidade de melhores métodos para proteger estes AG insaturados, para que cálculos precisos do suprimento de lipídios insaturados sejam utilizados na formulação de ração para o gado leiteiro com o objetivo de melhorar a fertilidade.

Finalmente, ainda que as vacas leiteiras em lactação possam consumir grandes quantidades de gossipol sem efeitos prejudiciais sobre a saúde e a lactação,quando as concentrações plasmáticas de gossipol ultrapassam 5 µg/ml, o desenvolvimento embrionário e o estabelecimento e manutenção da prenhez ficam comprometidos.

Referências Bibliográficas

Ambrose, D.K., J.P. Kastelic, R. Corbett, P.A. Pitney, H.V. Petit, J.A. Small, and P. Zalkovic. Lower pregnancy losses in lactating dairy cows fed a diet enriched in α-linolenic acid. J. Dairy Sci. 89:3066-3074.
Bonczeck, R.R., C.W. Young, J.E. Wheaton, and K.P. Miller. 1988. Responses of somatotropin, insulin, prolactin, and thyroxine to selection for milk yield in Holsteins. J. Dairy Sci. 71:2470-2478.
Butler, W.R. 2003 Energy balance relationships with follicular development, ovulation and fertility in postpartum dairy cows. Livest. Prod. Sci.83: 211-218.
Butler, S.T., A.L. Marr, S.H. Pelton, R.P. Radcliff, M.C. Butler, and W.R. Butler. 2003. Insulin restores GH responsiveness during lactation-induced negative energy balance in dairy cattle: effects on expression of IGF-I and GH receptor 1A. J. Endocrinol. 176:205-217.
Butler, W.R. 1998. Review: effect of protein nutrition on ovarian and uterine physiology in dairy cattle. J. Dairy Sci. 81:2533-2539.
Cerri, R.L.A., R.G.S. Bruno, R.C. Chebel, K.N. Galvão, H. Rutgliano, S.O. Juchem, W.W. Thatcher, D. Luchini, and J.E.P. Santos. 2004. Effect of fat sources differing in fatty acid profile on fertilization rate and embryo quality in lactating dairy cows. J. Dairy Sci. 87(Suppl. 1):297 (Abstr.).
Chenoweth, P.J., C.C. Chase, Jr., C.A. Risco, and R.E. Larsen. 2000. Characterization of gossypol-induced sperm abnormalities in bulls. Theriogenology. 53:1193-203.
Coscioni, A.C., M. Villaseňor, K.N. Galvão, J.E.P. Santos, B. Puschner, and L.M.C. Pegoraro. 2003a. Effect of gossypol intake and plasma gossypol concentrations on follicle development and luteal function in dairy heifers. J. Dairy Sci. 86(Suppl. 1):240 (Abstr.).
Coscioni, A.C., M. Villaseňor, K.N. Galvão, R. Chebel, J.E.P. Santos, J.H. Kirk, B. Puschner, and L.M.C. Pegoraro. 2003b. Effect of gossypol intake on plasma and uterine gossypol concentrations and on embryo quality and development in superovulated Holstein dairy heifers. J. Dairy Sci. 86(Suppl. 1):240 (Abstr.).
Curtis, C.R., H.N. Erb, C.J. Sniffen, R.D. Smith, P.A. Powers, M.C. Smith, M.W. White, R.B. Hillman, and E.J. Pearson. 1983. Association of parturient hypocalcemia with eight periparturient disorders in Holstein cows. J. Am. Vet. Med. Assoc. 183:559-561.
Ferguson, J.D., D. Sklan, W.V. Chalupa, and D.S. Kronfeld. 1990. Effects of hard fats on in vitro and in vivo rumen fermentation, milk production, and reproduction in dairy cows. J. Dairy Sci. 73:2864-2879.
Fuentes, M.C., S.S. Calsamiglia, C. Sánchez, A. González, J. Newbold, J E.P. Santos, L.M. Rodríguez-Alcalá, J. Fontecha. 2008. Effect of extruded linseed on productive and reproductive performance of lactating dairy cows. Livest. Sci. 113: 144-154.
Galvão, K.N., J.E.P. Santos, A.C. Coscioni, S.O. Juchem, R.C. Chebel, W.M. Sischo, and M. Viallaseñor. 2006. Embryo survival from gossypol-fed heifers after transfer to lactating cows treated with human chorionic gonadotropin. J. Dairy Sci. 89: 2056-2064.
Goff, J.P. 2006. Transition cow nutrition: effects on immune function and postpartum health. In Proc. 1st Annual Meeting and Conv., Dairy Cattle Reproduction Council, Denver, CO, pp. 1-8.
Gong, J.G., W.J. Lee, P.C. Garnsworthy, and R. Webb. 2002. Effect of dietary-induced increases in circulating insulin concentrations during the early postpartum period on reproductive function in dairy cows. Reproduction 123: 419-427.
Goshen, T. and N.Y. Shpigel. 2006. Evaluation of intrauterine antibiotic treatment of clinical metritis and retained fetal membranes in dairy cows. Theriogenology 66: 2210-2218.
Grant, R.J., and J.L. Albright. 1995. Feeding behavior and management factors during the transition period in dairy cattle. J. Anim. Sci. 73:2791-2803.
Hammon, D.S., I.M. Evjen, T.R. Dhiman, J.P. Goff, and J.L. Walters. 2006. Neutrophil function and energy status in Holstein cows with uterine health disorders. Vet. Immun. Immunop. 113: 21-29.
Hileman S.M., L.S. Lubbers, H.T. Jansen, and M.N. Lehman. 1999. Changes in hypothalamic estrogen receptor-containing cell numbers in response to feed restriction in the female lamb. Neuroendocrinology. 69:430-437.
Huzzey, J.M., D.M. Veira, D.M. Weary, and M.A. von Keyserlingk. 2007. Prepartum behavior and dry matter intake identify dairy cows at risk for metritis. J. Dairy Sci. 90: 3220-3233.
Jordan, E.R., and R.H. Fourdraine. 1993. Characterization of the management practices of the top milk producing herds in the country. J. Dairy Sci. 76:3247-3256.
Juchem, S.O., R.L.A. Cerri, M. Villaseñor, K.N. Galvão, R.G.S. Bruno, H.M. Rutigliano, E.J. DePeters, F.T. Silvestre, W.W. Thatcher, and J.E.P. Santos. 2009. Supplementation with calcium salts of linoleic and trans-octadecenoic acids improves fertility of lactating dairy cows. Reprod. Dom. Anim. In press. doi: 10.1111/j.1439-0531.2008.01237.x
Juchem, S.O. 2007. Lipid digestion and metabolism in dairy cows: effects on production, reproduction and health. PhD thesis, University of California Davis.
Kendrick, K.W., T.L. Bailey, A.S. Garst, A.W. Pryor, A. Ahmadzadeh, R.M. Akers, W.E. Eyestone, R.E. Pearson, and F.C. Gwazdauskas. 1999. Effects of energy balance on hormones, ovarian activity, and recovered oocytes in lactating Holstein cows using transvaginal follicular aspiration. J. Dairy Sci. 82:1731-1740.
Kimura, K, J.P. Goff, M.E. Kehrli, Jr., and T.A. Reinhardt. 2002. Decreased neutrophil function as a cause of retained placenta in dairy cattle. J. Dairy Sci. 85: 544-550.
Markusfeld, O. 1985. Relationship between overfeeding, metritis and ketosis in high yielding dairy cows. Vet Rec. 116:489-491.
Mattos, R., C.R. Staples, and W.W. Thatcher. 2000. Effects of dietary fatty acids on reproduction in ruminants. Rev. Reprod. 5:38-45.
Mattos, R., C.R. Staples, J. Williams, A. Amorocho, M.A. McGuire, and W.W. Thatcher. 2002. Uterine, ovarian, and production responses of lactating dairy cows to increasing dietary concentrations of menhaden fish meal. J. Dairy Sci. 85:755-764.
Mattos, R., A. Guzeloglu, L. Badinga, C.R. Staples, and W.W. Thatcher. 2003. Polyunsaturated fatty acids and bovine interferon- modify phorbol ester-induced secretion of prostaglandinF2α and expression of prostaglandin endoperoxide synthase-2 and phospholipase-A2 in bovine endometrial cells. Biol. Reprod. 69:780-787.
Mattos, R., C.R. Staples, A. Arteche, M.C. Wiltbank, F.J. Diaz, T.C. Jenkins, and W.W. Thatcher. 2004. The effects of feeding fish oil on uterine secretion of PGF2α, milk composition, and metabolic status of periparturient Holstein cows. J. Dairy Sci. 87:921-932.
McNamara, S., T. Butler, D.P. Ryan, J.F. Mee, P. Dillon, F.P. O'Mara, S.T. Butler, D. Anglese, M. Rath, J.J. Murphy. 2003. Effect of offering rumen-protected fat supplements on fertility and performance in spring-calving Holstein-Friesian cows. Anim. Reprod. Sci. 79:45-56.
Noftsger, S., and N.R. St-Pierre. 2003. Supplementation of methionine and selection of highly digestible rumen undegradable protein to improve nitrogen efficiency for milk production. J. Dairy Sci. 86:958-969.
Mattos, R., C.R. Staples, and W.W. Thatcher. 2000. Effects of dietary fatty acids on reproduction in ruminants. Rev. Reprod. 5:38-45.
Mattos, R., C.R. Staples, J. Williams, A. Amorocho, M.A. McGuire, and W.W. Thatcher. 2002. Uterine, ovarian, and production responses of lactating dairy cows to increasing dietary concentrations of menhaden fish meal. J. Dairy Sci. 85:755-764.
Mattos, R., A. Guzeloglu, L. Badinga, C.R. Staples, and W.W. Thatcher. 2003. Polyunsaturated fatty acids and bovine interferon- modify phorbol ester-induced secretion of prostaglandinF2α and expression of prostaglandin endoperoxide synthase-2 and phospholipase-A2 in bovine endometrial cells. Biol. Reprod. 69:780-787.
Mattos, R., C.R. Staples, A. Arteche, M.C. Wiltbank, F.J. Diaz, T.C. Jenkins, and W.W. Thatcher. 2004. The effects of feeding fish oil on uterine secretion of PGF2α, milk composition, and metabolic status of periparturient Holstein cows. J. Dairy Sci. 87:921-932.
McNamara, S., T. Butler, D.P. Ryan, J.F. Mee, P. Dillon, F.P. O'Mara, S.T. Butler, D. Anglese, M. Rath, J.J. Murphy. 2003. Effect of offering rumen-protected fat supplements on fertility and performance in spring-calving Holstein-Friesian cows. Anim. Reprod. Sci. 79:45-56.
NAHMS. 1996. Dairy 1996 Part III: reference of 1996 dairy health and health management. Online. Available: http://nahms.aphis.usda.gov/dairy/dairy96/DR96Pt3.pdf.
Nebel, R.L., and M.L. McGilliard. 1993. Interactions of high milk yield and reproductive performance in dairy cows. J. Dairy Sci. 76:3257-3268.
Noftsger, S., and N.R. St-Pierre. 2003. Supplementation of methionine and selection of highly digestible rumen undegradable protein to improve nitrogen efficiency for milk production. J. Dairy Sci. 86:958-969.
Ocon, O.M., and P.J. Hansen2003. Disruption of bovine oocytes and preimplantation embryos by urea and acidic pH. J. Dairy Sci. 86:1194-1200.
Petit, H.V., and H. Twagiramungu. 2006. Conception rate and reproductive function of dairy cows fed different fat sources. Theriogenology 66:1316-1324.
Radcliff, R.P., B.L. McCormack, B.A. Crooker, and M.C. Lucy. 2003. Plasma hormones and expression of growth hormone receptor and insulin-like growth factor-I mRNA in hepatic tissue of periparturient dairy cows. J. Dairy Sci. 86: 920-3926.
Randel R.D., C.C. Chase Jr., and S.J. Wyse. 1992. Effects of gossypol and cottonseed products on reproduction of mammals. J. Anim. Sci. 70:1628-1638.
Rhoads, M.L., R.P. Rhoads, R.O. Gilbert, R. Toole, and W.R. Butler. 2006. Detrimental effects of high plasma urea nitrogen levels on viability of embryos from lactating dairy cows. Anim Reprod Sci. 91: 1-10
Rhoads, R.P., J.W. Kim, B.J. Leury, L.H. Baumgard, N. Segoale, S.J. Frank, D.E. Bauman, and Y.R. Boisclair. 2004. Insulin increases the abundance of the growth hormone receptor in liver and adipose tissue of periparturient dairy cows. J. Nutr. 134:1020-1027.
Risco, C.A., C.A. Holmberg, and A. Kutches. 1992. Effect of graded concentrations of gossypol on calf performance: toxicological and pathological considerations. J. Dairy Sci. 75:2787-2798.
Rutigliano, H.M., F.S. Lima, R.L.A. Cerri, L.F. Greco, J.M. Villela, V. Magalhães, F.T. Silvestre, W.W. Thatcher, and J.E.P. Santos. 2008. Effects of method of presynchronization and source of selenium on uterine health and reproduction in dairy cows. J. Dairy Sci. 91:3323-3336.
Santos, J.E.P., T.R. Bilby, W.W. Thatcher, C.R. Staples, and F.T. Silvestre. 2008. Long chain fatty acids of diet as factors influencing reproduction in cattle. Reprod. Dom. Anim. 43 (Supp. 2):23-30.
Santos, J.E.P., H.M. Rutigliano, and M.F. Sá Filho. 2009. Risk factors for resumption of postpartum cyclicity and embryonic survival in lactating dairy cows. Anim. Reprod. Sci. 110:207-221.
Santos, J.E.P., S.O. Juchem, R.L.A. Cerri, K.N. Galvão, R.C. Chebel, W.W. Thatcher, C. Dei, and C. Bilby. 2004a. Effect of bST and reproductive management on reproductive and lactational performance of Holstein dairy cows. J. Dairy Sci. 87: 68-881.
Santos, J.E.P., W.W. Thatcher, R.C. Chebel, R.L.A. Cerri, and K.N. Galvão. 2004b. The effect of embryonic death rates in cattle on the efficacy of estrous synchronization programs. Anim. Reprod. Sci. 82-83C:513-535.
Santos, J.E.P., M. Villaseňor, E.J. DePeters, P.H. Robinson, and C.H. Holmberg. 2003. Type of cottonseed and gossypol in diets of lactating dairy cows: Plasma gossypol, reproduction, and health. J. Dairy Sci. 86:892-905.
Staples, C.R., J.M. Burke, and W.W. Thatcher. 1998. Influence of supplemental fats on reproductive tissues and performance of lactating cows. J. Dairy Sci. 81:856-871.
Schneider, P., D. Sklan, W. Chalupa, and D.S. Kronfeld. 1988. Feeding calcium salts of fatty acids to lactating cows. J. Dairy Sci. 71:2143-2150.
Schingoethe, D.J., and D.P. Casper. 1991. Total lactational response to added fat during early lactation. J. Dairy Sci. 74:2617-2622
Scott, T.A., R.D. Shaver, L. Zepeda, B. Yandell, and T.R. Smith. 1995. Effects of rumen-inert fat on lactation, reproduction, and health of high producing Holstein herds. J. Dairy Sci. 78:2435-2451.
Silvestre, F.T. 2008. Effect of differential fatty acid supplementation during the peripartum and breeding periods on postpartum health, reproduction, immunity and lactation in high producing dairy cows. Unpublished results
Silvestre, F.T., D.T. Silvestre, C. Crawford, J.E.P. Santos, C.R. Staples, and W.W. Thatcher. 2006a. Effect of selenium (Se) source on innate and adaptive immunity of periparturient dairy cows. Biol. Repro. 39th Annual Meeting. Special Issue. p 132.
Silvestre, F.T., D.T. Silvestre, J.E.P. Santos, C. Risco, C.R. Staples, and W.W. Thatcher, 2006b. Effects of selenium (Se) sources on dairy cows. J. Anim. Sci. 89 (Suppl. 1):52.
Sklan, D., U. Moallem, and Y. Folman. 1991. Effect of feeding calcium soaps of fatty acids on production and reproductive responses in high producing lactating cows. J. Dairy Sci. 74:510-517.
Sklan, D., M. Kaim, U. Moallem, and Y. Folman. 1994. Effect of dietary calcium soaps on milk yield, body weight, reproductive hormones, and fertility in first parity and older cows. J. Dairy Sci. 77:1652-1660.
Staples, C.R., J. M. Burke, and W.W. Thatcher. 1998. Influence of supplemental fats on reproductive tissues and performance of lactating cows. J. Dairy Sci. 81:856-871.
Staples, C.R., and W.W. Thatcher. 2005. Effects of fatty acids on reproduction of dairy cows. Pages 229-256 in Recent Advances in Animal Nutrition, ed. P.C. Garnsworthy and J. Wiseman, Nottingham University Press, England.
Urton, G., M.A. von Keyserlingk, and D.M. Weary. 2005. Feeding behavior identifies dairy cows at risk for metritis. J. Dairy Sci. 88: 2843-2849.
Vasconcelos, J.L.M., S. Sangsritavong, S.J. Tsai, and M.C. Wiltbank. 2003. Acute reduction in serum progesterone concentrations after feed intake in dairy cows. Theriogenology. 60:795-807.
Velasquez-Pereira, J., P.J. Chenoweth, L.R. McDowell, C.A. Risco, C.A. Staples, D. Prichard, F.G. Martin, M.C. Calhoun, S.N. Williams, and N.S. Wilkinson. 1998. Reproductive effects of feeding gossypol and vitamin E to bulls. J. Anim Sci. 76:2894-2904.
Villa-Godoy, A., T.L. Hughes, R.S. Emery, T.L. Chaplin, and R.L. Fogwell. 1988. Association between energy balance and luteal function in lactating dairy cows. J. Dairy Sci. 71:1063-1069.
Villaseñor, M. A.C. Coscioni, K.N. Galvão, R.C. Chebel, and J.E.P. Santos. 2008. Gossypol disrupts embryo development in heifers. J. Dairy Sci. 91: 3015-3024
Wade, G.N., and J.J. Jones. 2004. Neuroendocrinology of nutritional infertility. Am. J. Regul. Integr. Comp. Physiol. 287: 1277-1296.
Weiss, W. P., 2003: Selenium nutrition of dairy cows: comparing responses to organic and inorganic selenium forms. Pages 333-343 in Proc. Alltech's Nineteenth Annual Symposium, Nutritional Biotechnology in the Feed and Food Industries, Ed. T.P. Lyons and K.A. Jacques, Nottingham University Press, UK.
Whiteford, L.C., and I.M. Sheldon. 2005. Association between clinical hypocalcaemia and postpartum endometritis. Vet. Rec. 157:202-203.

RICARDA MARIA DOS SANTOS

Professora da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Uberlândia.
Médica veterinária formada pela FMVZ-UNESP de Botucatu em 1995, com doutorado em Medicina Veterinária pela FCAV-UNESP de Jaboticabal em 2005.

JOSÉ LUIZ MORAES VASCONCELOS

Médico Veterinário e professor da FMVZ/UNESP, campus de Botucatu

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOSÉ EDUARDO P. SANTOS

ESTUDANTE

EM 02/08/2010

Caro Adilson,

Como a Ricarda mesmo comentou, há dois pontos importantes.

- Um é a concentração total de gordura na dieta. Caroço de algodão tem entre 18 a 22% de extrato etéreo e para que a gordura na dieta total não ultrapasse 5,5 a 6%, a quantidade de caroço tem que ser limitada a não mais de 15% da matéria seca consumida pela vaca. Eu sempre limito a não mais de 10% da matéria seca consumida pela vaca (exemplo: vaca comendo 20 kg de matéria seca deve consumir até 2 kg de caroço de algodão com base na matéria seca). Obviamente, essa quantidade pode ser menor dependendo dos outros ingredientes da dieta.

- O segundo ponto é a concentração de gossipol no caraço. No caso da semente com fibras de algodão aderidas à casca (tipo Akala ou Upland), a concentração de gossipol gira entre 0,6 a 0,8% da matéria seca da semente e praticamente todo ele é na forma livre. É prudente limitar o consumo de gossipol livre dessas sementes até no máximo de 20 g/dia (equivalente a 2,5 kg de caroço/dia).

Já no caso da semente de caroço conhecido como Pima (as sementes ficam praticamente sem a fibra de algodão aderidas à casca após o processamento), a concentração de gossipol livre chega até 1,2% da matéria seca. Além disso, muitas vezes o caroço é quebrado na tentativa de melhorar sua a digestão e evitar a presença de sementes nas fezes. Com isso, a disponibilidade do gossipol aumenta e é prudente limitar seu consumo a não mais de 1 kg por dia (12 g de gossipol por dia).

Saudações,

José Eduardo
RICARDA MARIA DOS SANTOS

UBERLÂNDIA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 29/06/2010

Prezado Adilson Fernandes da Silva,

Desculpe me pela demora em responder, mas estava esperando a consultoria do meu amigo Alexandre Pedroso para não falar besteira.
Eles disse que trabalha com um máximo de 2,5 kg de caroço de algodão/vaca/dia. O que manda é o teor de gordura na dieta total, que não deve passar os 5-6% da MS. Dependendo da produção e do consumo dá pra chegar em 3 kg, mas tem que tomar cuidado.
Obrigada pela participação!
Ricarda.
ADILSON FERNANDES DA SILVA

CARATINGA - MINAS GERAIS

EM 13/06/2010

Qual deve ser o consumo de caroço de algodão, por dia para se atingif níveis sanguíneos de gossipol, que comprometeriam a reprodução?
MilkPoint AgriPoint