Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Leite & Mercado > Giro Lácteo

Organizações de lácteos obtêm suporte internacional objetivando refutar o protecionismo canadense

postado em 16/09/2016

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Organizações de lácteos dos Estados Unidos, Austrália, União Europeia (UE), México e Nova Zelândia emitiram uma carta conjunta para seus respectivos oficiais de comércio e agricultura expressando “indignação” com relação às recentes ações do Canadá para aprofundar suas restrições ao comércio de lácteos.

leite - Canadá - protecionismo

Fora dos Estados Unidos, grupos de lácteos internacionais que se uniram incluem Australian Dairy Industry Council, European Dairy Association, European Whey Products Association, European Association of Dairy Trade, Mexico National Chamber of Industrial Milk e Dairy Companies Association of New Zealand. Cada uma dessas organizações pediu aos oficiais em seus respectivos países para iniciar um processo de resolução de disputa na Organização Mundial de Comércio (OMC) para desafiar o acordo - uma vez que os detalhes forem anunciados.

Em uma carta conjunta, os grupos disseram que as políticas cada vez mais protecionistas do Canadá violam “as obrigações comerciais internacionais, mantêm a perspectiva de desvio dos fluxos comerciais com impactos globais que podem reduzir os preços e, estão em conflito com os princípios do livre mercado e comércio justo e transparente”.

Os grupos dos Estados Unidos, incluindo a Federação Nacional de Produtores de Leite, Conselho de Exportações de Lácteos dos Estados Unidos e Associação Internacional de Alimentos Lácteos se opõem ao Acordo Canadense em Princípio - recentemente concluído entre os produtores e processadores de lácteos do Canadá.

O acordo, que está sob revisão no Canadá, forneceria um incentivo para substituir os ingredientes lácteos por ingredientes lácteos importados e subsidiaria exportações de produtos lácteos canadenses. Se ratificado, o acordo entraria em efeito dia 1 de novembro de 2016.

Em uma carta enviada conjuntamente ao Representante Comercial dos Estados Unidos, Michael Froman, e para outros oficiais do governo, organizações de lácteos disseram que o acordo canadense quebraria as obrigações comerciais do Canadá na OMC e o Acordo de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA). Eles disseram também que isso prejudicaria a intenção da Parceria Trans-Pacífico (TPP) que está pendente e o Acordo Econômico e Comercial entre UE e Canadá (CETA).

“Essas políticas protecionistas estão em conflito direto com os princípios de livres mercados e comércio justo que os acordos comerciais como a TPP visam promover”, disse a presidente e diretora executiva da IDFA, Connie Tipton. “A situação comercial no setor de lácteos com o Canadá tem ido de mal a pior nesse ano e agora o país está contemplando piorar esse terrível histórico”, disse o presidente e CEO da NMPF, Jim Mulhern.

As informações são do Dairy Reporter, traduzidas pela Equipe MilkPoint. 
 

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade