ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Surtos da Varíola Bovina

POR RENATA DE OLIVEIRA SOUZA DIAS

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 29/10/2004

5 MIN DE LEITURA

0
0

Neste mês de outubro, recebemos uma mensagem informando sobre um novo surto da varíola bovina e sugerindo também que o tema fosse abordado em um artigo para que os produtores da região fossem orientados sobre a doença.

Desde o final da década de 90, a varíola bovina vem causando surtos que se repetem anualmente em diferentes regiões do país (São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Bahia, Rio de Janeiro e Espírito Santo). Estes surtos causam muitos prejuízos ao produtor rural já que comprometem centenas de propriedades e milhares de cabeças de gado, bem como um grande número de ordenhadores, já que esta enfermidade é uma zoonose.

A varíola bovina é uma doença caracterizada pelo aparecimento de lesões cutâneas localizadas no úbere e tetas das vacas. A grande preocupação que paira sobre este doença é a semelhança com a Febre Aftosa, por isso é importante que quando os primeiros casos forem observados seja prontamente realizado o diagnóstico diferencial. Uma das principais diferenças entre as doenças é o fato da varíola bovina também afetar os ordenhadores.

Os diagnósticos laboratoriais realizados a partir do material coletado dos surtos ocorridos nos últimos anos no Brasil apontaram que a etiologia da doença está associada ao vírus vaccinia do gênero Orthopoxvírus. Para compreender melhor os diferentes tipos do poxvírus observe a tabela 1. A cowpox é muitas vezes confundida com a pseudovaríola (pseudocowpox), sendo este último o mesmo agente do ectima em caprinos e ovinos. Nos bovinos a pseudovaríola, a cowpox e a vaccinia são clinicamente parecidas, já no homem, pode-se fazer o diagnóstico diferencial pelo aspecto das lesões, sendo que a pseudovaríola se caracteriza por nódulos e a cowpox por pústulas e vesículas.

Tabela 1- Classificação dos diferentes poxvírus
 


Nos bovinos, as lesões causadas pelos Orthopoxvírus ficam geralmente confinadas aos tetos e úbere das vacas. Caraterizam-se inicialmente, por pequena pápula de 2 a 3 mm de diâmetro, seguida de formação de crostas e disseminação circular da lesão. Com cerca de 10 dias apresenta aspecto crostoso em forma de anel, dentro de 20 dias ocorre a cicatrização. Ocasionalmente, as lesões podem acometer a região medial da coxa e o escroto (no macho). Uma pessoa que tenha manipulado animais infectados com as vesículas pode também contrair a doença, geralmente os ordenhadores podem apresentar vesículas e lesões semelhantes às descritas para os bovinos, localizadas nas mãos e antebraço. Por isso, os surtos de Varíola Bovina tornam-se também um problema de Saúde Pública.

A Varíola bovina é uma doença que se caracteriza por surtos rápidos (cerca de três meses), o animal ou indivíduo acometido elimina o vírus somente nos primeiros dias, podendo, neste período, apresentar febre. O período de incubação da doença é curto, sendo de apenas três dias. A doença está intimamente associada com a imunidade, animais ou pessoas imuno-deprimidas apresentam um acometimento mais severo e vice-versa. As situações de estresse, altas temperaturas, desconforto e doenças em geral favorecem a disseminação da doença. A varíola é autolimitante (a própria doença já estimula a imunidade no animal) e, por isso, não existem vacinas.

A transmissão ocorre principalmente durante a ordenha, podendo ser veiculada tanto em ordenha manual como em ordenha mecânica. Para a instalação do vírus é necessário que a pele do animal esteja com pequenos cortes ou pequenas lesões que permitam a entrada do vírus. Por isso, é importante atenção com a integridade da pele dos tetos e do úbere, principalmente no período seco do ano, quando o teto geralmente fica ressecado e predisposto a injúrias. Os bezerros que mamam diretamente nas vacas acometidas com a lesão podem contrair a doença, apresentando lesões na região do focinho.

É importante destacar que as medidas de biosegurança devem ser implementadas para evitar que a doença seja transmitida entre as propriedades, já a entrada de bovinos acometidos ou ordenhadores que tiveram contando com animais acometidos podem introduzir a doença no rebanho.

Não existe um tratamento específico, sendo prescrito apenas a limpeza, higiene e desinfecção das regiões afetadas com iodo glicerinado. Os principais prejuízos ocasionados pela enfermidade estão associados com a queda na produção de leite e com as infecções secundárias, principalmente a mastite, que deve ser tratada com os procedimentos já utilizados para a mastite na propriedade. Deve-se destacar que a maior arma contra a varíola é o diagnóstico precoce. Somente com a maior divulgação sobre a doença o produtor, o veterinário e o ordenhador poderão ficar atentos aos primeiros sinais e implementar rapidamente as medidas de controle que impedirão a rápida disseminação da doença e o aumento das perdas econômicas.

 


Pesquisadores da UFMG (Escola de Veterinária e ICB) e do IMA relataram um caráter sazonal dos focos observados no estado, sendo que a maioria dos casos ocorreu de maio a setembro, no período mais seco do ano. Os pesquisadores destacam também que o aumento da incidência e a seriedade dos surtos exigem um maior investimento em pesquisa e estudos epidemiológicos pelos órgãos federais e estaduais de vigilância sanitária da saúde humana e animal.

Por fim, vale a pena enfatizar que todas as pessoas envolvidas com o manejo do rebanho devem ser alertadas sobre a importância do reconhecimento das lesões, sobre o caráter contagioso da varíola bovina e sobretudo que se trata de uma zoonose.

Fonte:

DAMASO, C.R.; ESPOSITO, J.J.; CONDIT, R.C.; MOUSSATCHE, N. An emergent poxvirus from humans and cattle in Rio de Janeiro State: Cantagalo virus may derive from Brazilian smallpox vaccine. Virology, v.25; n.277(2), p.439-49, 2000.

LOBATO, Z.I.; FROIS, M.C.M.; TRINDADE, G.S.; KROON, E.G. Varíola bovina - zoonose reemergente avança em Minas Gerais. V & Z em Minas, n.83, p.18-20, 2004.

PITUCO, M. Laboratório de Viroses - Instituto Biológico - São Paulo, 2004. (informação verbal)

SILVA, P.L. DA; COELHO, H.E.; VIANA, F.C.; LUCIO, W.F.; RIBEIRO, S.C. DE A.; OLIVEIRA, P.R. Surto de variola bovina no municipio de Prata, Minas Gerais. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinaria e Zootecnia (Brazil), v.38, n.3, p.323-330, 1986.

RENATA DE OLIVEIRA SOUZA DIAS

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint