ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Superlotação influenciando o conforto de vacas leiteiras

POR RAFAELA CARARETO POLYCARPO

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 26/11/2008

2 MIN DE LEITURA

8
0
O custo de implantação de um free-stall no Brasil pode chegar a US$ 1.200,00 por cabeça. Por isso, alocar até 20% a mais de vacas em relação ao número de baias disponíveis no free-stall tem sido prática adotada por diversos fazendeiros para melhorar o retorno sobre os investimentos. Entretanto, há evidências que a superlotação do free-stall reduz o tempo em que os animais permanecem deitados e aumentam as interações agressivas entre os animais, podendo ser prejudicial para o sistema de produção.

Vacas leiteiras estabuladas gastam cerca de 50 a 60% do seu tempo deitadas e são motivadas a manter-se desta maneira por 12 a 13 horas por dia. Além disso, a função fisiológica e a saúde são prejudicadas quando os animais estão privados da possibilidade de se deitar.

Animais com restrições de acesso a deitar-se têm aumentos nas concentrações de cortisol, reduzindo as respostas aos desafios de ACTH (hormônio adrenocorticotrófico) e reduzem as concentrações de hormônio de crescimento circulante quando comparados com vacas livres para deitar. A saúde dos cascos e a locomoção são igualmente comprometidas quando as vacas leiteiras gastam menos tempo deitadas.

Estudo muito interessante realizado por Fregonesi e colaboradores em 2007, mostrou a influência da superpopulação em free-stall no comportamento animal. Os autores avaliaram o comportamento de 48 vacas durante 3 meses sob free-stall com diferentes lotações.

As vacas foram divididas em 4 grupos de 12 animais cada, sendo que a lotação (vacas/baia) nos grupos foi de 100, 109, 120, 133 e 150%, ou seja, variou de uma vaca por baia (100%), até 1,5 vacas por baia (150%).

Com o aumento na lotação do free-stall, houve diminuição no tempo que as vacas permaneciam deitadas (Tabela 1 e Figura 1), aumentou o tempo que os animais permaneciam de pé fora da baia e o número de deslocamentos, o que pode resultar em aumento nos problemas de casco dos animais.

Tabela 1. Média do tempo gasto para a posição deitada, de pé com as pernas da frente na baia, em pé fora da baia, tempo que permanecem deitadas após a ordenha e o número de deslocamentos dentro do free-stall.

Clique na imagem para ampliá-la.

Figura 1. Variação diurna do tempo que o animal permanece deitado. As médias foram calculadas observando as 48 vacas a cada 10 minutos.



Além dos problemas que ocorrem quando o animal permanece muito tempo em pé, já citado no início do texto, há outra importante vantagem em o animal permanecer parte do dia deitado, que é o aumento do fluxo de sangue que se desloca para a glândula mamária.

Em uma vaca de pé circulam em torno de 2270 litros de sangue por hora para o úbere, já em uma vaca deitada circulam cerca de 3400 litros de sangue por hora para o úbere. Como conseqüência, há maior aporte de energia e nutrientes para produção de leite quando a vaca permanece deitada por algum período ao longo do dia.

Portanto, no momento de dimensionar um free-stall temos sim que maximizar o uso das instalações para se conseguir ter um sistema de produção eficiente, porém temos que garantir que haverá baias o suficiente para que todos os animais possam permanecer deitados tempo suficiente para maximizar a produção de leite e não vir a ter problemas de saúde devido ao excesso de tempo que permanece em pé por falta de baia.

Referências:

FREGONESI, J.A.; TUCKER, C.B.; WEARY, D.M. Overstocking Reduces Lying Time in Dairy Cows. Journal of Dairy Science, v.90, p.3349-3354, 2007.

RAFAELA CARARETO POLYCARPO

Profa. Dra. Universidade de Brasília - UnB

8

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

FILIPE DE OLIVEIRA COTA

VIÇOSA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 10/05/2012

Prezada Rafaela, primeiramente parabens pelo artigo. Estava precisando de um material sobre dimensionamento de um free-stall, tem como você me enviar o material? Muito obrigado.
email: filipeocota@hotmail.com
BERNARD RUDIGER TREPP CARRASCO

SANTA CRUZ DE LA SIERRA - SANTA CRUZ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 06/05/2009

Rafaela:
Primeiramente, parabens pelos artigos publicados. Qual o tempo de adaptacao ou de treinamento necessario para os animais em sistema de baias (free stall)? Moro na Bolivia e tenho inagurado um pequeno modulo de 32 camas, e muitas deitam no corredor. As que deitam nas camas nao parecem ter problemas de dimensionamento, entram e deitam confortavelmente. As medidas 1,2 x 2,4, cama de areia, distancia ao "neck rail" de 1,85 e altura deste de 1,2 e com "brisket board" 10 cm á frente da linha do neck. A relacao de camas x vaca é hoje de 32/31.

Obrigado
JORGE ALBERTO FONSECA FIGUEIRA

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 29/12/2008

Prezada Rafaela Carareto.

Parabens pelo artigo. Enquanto mais estudamos, mais vemos que pouco sabemos.

Estou dimensionando um curral para ordenha de vacas e estou interessado no material que você se propos a enviar para Elídia Zotelli dos Santos.

Entrarei também em contato com o NUPEA, conforme sua indicação na resposta feita para Luiz José Pereira.

Atenciosamente

Jorge Alberto
RAFAELA CARARETO POLYCARPO

PLANALTINA - DISTRITO FEDERAL - PESQUISA/ENSINO

EM 19/12/2008

Prezada Elídia Zotelli Dos Santos,
para dimensionamento de um free-stall, diferentemente do que ocorre com um confinamento de gado de corte, não se utiliza uma medida de vacas por metro quadrado. O que se estabelece, são as medidas e quantidades das camas, tamanho de cochos e bebedouros e largura de corredores. Te encaminho por e mail um material de dimensionamento de free-satll que poderá te ajudar.
Obrigada
ELÍDIA ZOTELLI DOS SANTOS

SÃO PAULO - SÃO PAULO - ESTUDANTE

EM 17/12/2008

Olá parabéns pelo artigo,
Diantes destes pontos apresentados, qual o minimo de m2 por animal em condições favoráveis em free stall.

Att,
VALDIR CHIOGNA JUNIOR

RIO VERDE - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 15/12/2008

Parabéns pelo artigo Rafaela.
Como comentario, outro grande problema em alguns free-stall no Brasil, que inclusive aponto como principal, é a grande disparidade de tamanho das vacas no nosso rebanho, o que causa dificuldade de dimensionamento das baias, então os animais maiores deitam nos corredores ou não deitam porque a cama fica desconfortavel (quando o fazem ficam com parte do corpo sobre o concreto) e os animais menores acabam sujando a cama com fezes porque a baia é grande para eles, gerando outro problema no sistema, aumentando mão de obra e mastites. E os produtores acabam culpando o proprio sistema (confinamento) pelo resultados ruins, sem perceber que a estrutura do seu rebanho e a má adequação do free-stall são os gargalos do sistema.

Obrigado!
RAFAELA CARARETO POLYCARPO

PLANALTINA - DISTRITO FEDERAL - PESQUISA/ENSINO

EM 01/12/2008

Prezado Luis José Pereira,
Sugiro que o senhor entre em contato com a equipe do Nupea (núcleo de pesquisa em ambiência da ESALQ/USP). O site é: https://www.nupea.esalq.usp.br/
e o e-mail: nupea@esalq.usp.br
Obrigada.
LUIS JOSE PEREIRA

QUIXELÃ - CEARÁ - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 28/11/2008

Boa noite Rafaela. Você pode me ajudar numa construçao do sistema free-stall, com uma planta do galpão, com as medidas das baias, cochos, porteiras, bebedouros, altura da construção? Obrigado, luis.
MilkPoint AgriPoint