ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Práticas de manejo para o capim Tanzânia

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 20/04/2000

2 MIN DE LEITURA

2
0
Marco Antônio Alvares Balsalobre e Patrícia Menezes Santos

O pastejo rotacionado é o mais indicado para o capim Tanzânia, pois se trata de uma planta cespitosa, de elevado ritmo de crescimento, principalmente quando se trabalha com adubação nitrogenada. Os sistemas de pastejo rotacionado permitem um controle mais rigoroso da forragem colhida e um melhor aproveitamento do pasto, evitando a desuniformidade de pastejo.

Tendo optado por sistemas rotacionados de pastejo, torna-se necessário estabelecer o ciclo de pastejo, ou seja, os períodos de ocupação e descanso a serem adotados.

O período de ocupação vai depender do ritmo de crescimento das plantas e da estrutura disponível na propriedade. Quanto menos tempo os animais permanecerem em cada piquete, maior vai ser o controle do homem sobre o pasto e maior será a necessidade de infra-estrutura (cercas, aguadas, cochos de sal, etc). Desta forma, em áreas mais intensificadas, onde o ritmo de crescimento das plantas for bastante elevado, o período de ocupação deve tender a um dia. Já nas áreas mais extensivas, onde não se utilize adubação nitrogenada este período pode ser estendido, não devendo, no entanto, ultrapassar uma semana.

Para se determinar o período de descanso deve-se levar em consideração informações de produção, perdas e valor nutritivo da planta forrageira. Dados obtidos no Departamento de Zootecnia da ESALQ - USP indicam que o Tanzânia deve ser pastejado com menos de 38 dias na primavera/verão e com menos de 28 dias no verão/outono (fase reprodutiva). No período de maio a setembro, ele pode ser pastejado com mais de 48 dias de descanso (Santos, 1997).

A recomendação de se utilizar períodos de descanso diferentes ao longo do ano se deve ao fato de que o ritmo e o tipo de crescimento da planta (perfilhos vegetativos ou reprodutivos) variam de acordo com as condições climáticas (luminosidade, temperatura e precipitação).

Alguns artifícios podem ser utilizados para se equacionar este problema. Um deles seria utilizar alguns piquetes para a confecção de silagem ou feno no período de fevereiro a maio. Neste caso, essas áreas não seriam utilizadas para o pastejo e os animais rodariam mais rápido nos demais piquetes. Outra alternativa seria diminuir o período de ocupação de cada piquete, mantendo o mesmo número de piquetes no sistema de rotação.

Um exemplo prático seria um sistema rotacionado com 13 piquetes, onde o período de ocupação e de descanso seriam de 3 e 36 dias na primavera/verão e de 2 e 24 dias no verão/outono, respectivamente.

fonte: Marco Antônio A. Balsalobre e Patrícia Menezes Santos (PG-ESALQ/USP)

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ADRIANO APOLINÁRIO

IGUATAMA - MINAS GERAIS

EM 26/11/2018

Gostaria de saber se é possível consorciar capim gordura com tanzânia. Obrigado.
EUGENIO ALVES DE MELO

ARACOIABA - CEARÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 01/02/2017

gostaria de receber mais informações com relação a preços de sementes e como fazer para receber.
MilkPoint AgriPoint