ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Piroplasmose

POR RENATA DE OLIVEIRA SOUZA DIAS

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 24/04/2008

2 MIN DE LEITURA

9
1

A babesiose e a anaplasmose constituem um dos principais problemas sanitários da atividade leiteira e ocasionam grandes prejuízos. A babesiose é causada por um protozoário (babesia) e a anaplasmose é causada por uma bactéria/riquetsia (anaplasma). Ambas são consideradas um só complexo de enfermidade, denominada Tristeza Parasitária ou Piroplasmose. Ambas podem ser transmitidas pelos carrapatos (Boophilus microplus).

No caso da anaplasmose, o carrapato é considerado o vetor biológico, uma vez que o Anaplasma marginale se multiplica no intestino do carrapato. Já as moscas hematófogas são consideradas vetores mecânicos do Anaplasma marginale, pois a transmissão ocorre no momento da picada, de forma mecânica (de animal para animal).

Nas áreas de estabilidade enzoótica, os animais são expostos aos agentes causadores da tristeza parasitária logo após o nascimento, possibilitando o desenvolvimento gradativo da imunidade. Porém, falhas de manejo no controle do carrapato, com o combate excessivo ao Boophilus microplus, podem ocasionar baixa exposição aos agentes, e conseqüente queda da imunidade. Desta forma, áreas de estabilidade enzoótica podem se tornar áreas de instabilidade enzoótica, e nestes casos, a enfermidade pode se manifestar de forma aguda. O mesmo ocorre quando animais provenientes de áreas de instabilidade são transferidos para regiões de estabilidade enzoótica (animais trazidos do Uruguai para o sudeste do Brasil, por exemplo).

Os sintomas da anaplasmose e da babesiose são semelhantes, ambas causam febre, falta de apetite, icterícia e anemia. Na babesiose, além dos sintomas citados, pode-se observar ainda hemoglobinúria (urina com coloração avermelhada de sangue), fezes com leves estrias de sangue e sintomatologia nervosa. Na prática, os funcionários devem ser treinados para identificar os primeiros sintomas de mudança no comportamento dos animais. Dentre eles: animais isolados do grupo, animais deitados próximos ao cocho d´água, animais com cabeça baixa (apatia) e animais evidenciando cansaço, com movimento respiratório evidente nos flancos (dispnéia e taquicardia).

O diagnostico laboratorial é indispensável para confirmar o diagnóstico clínico e identificar o agente responsável. O método mais prático e mais usado é o esfregaço sangüíneo, o sangue deve ser colhido na orelha ou na extremidade da cauda do animal (aconselha-se fazer no mínimo três laminas por animal). Dentre os testes sorológicos pode-se optar pela imunofluorescência direta (IFI) e o teste de conglutinação rápida (TCR).

No, entanto devido ao caráter agressivo da tristeza parasitária, não é possível aguardar o resultado laboratorial para iniciar o tratamento. O diagnostico laboratorial irá auxiliar o tratamento, mas antes de qualquer coisa, o animal deve ser medicado (salvo as propriedades que têm condições de realizar o exame na própria fazenda). Na realidade, o sucesso da terapia contra a piroplasmose depende do diagnóstico precoce e do pronto tratamento do animal afetado. O prognóstico dos quadros de tristeza parasitária está diretamente associado à fase de desenvolvimento da doença em que é realizado o tratamento.

Por fim, o controle da tristeza parasitária passa por diferentes etapas do manejo da propriedade. Iniciando com a qualidade do manejo do colostro para favorecer a proteção dos animais jovens, passando pela manutenção de uma adequada infestação de carrapatos e finalizando pela adequação do tipo instalação para favorecer um freqüente contato do rebanho com os carrapatos.

Fonte:

Kuttler, K.L. Chemotherapy of babesiosis: A review. In: Babesiosis. Ristic, M.; Kreier, J.P. New York: Academic Press, 1981.

Lourdes, A.Z.D., et al. Condição imunológica de bovinos das raças Holandesa e Nelore frente a Babesia bovis e B. bigemina em duas regiões do Estado de São Paulo. Pesq. Vet. Bras., v.26, abr/jun, 2006.

https://www.vet.uga.edu/VPP/gray_book02/fad/bab.php (consulta em 05/04/2008).

RENATA DE OLIVEIRA SOUZA DIAS

9

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

FRANCISCO DE PAULA CARVALHO JÚNIOR

PARANAPANEMA - SÃO PAULO - VAREJO

EM 02/09/2010

Dra Renata te conheço de longa data, acho que a triteza de nosso fucionario pulbric.sr. acacio furtado é grande ´parte do nosso pouvo.

um abraço, para voçe e o Dr. Fabiano.
ACACIO FURTADO COSTA

SOLÂNEA - PARAIBA

EM 07/12/2009

Prezada Dra. Renata
Boa Noite

Estou com uma vaca há vinte dias, e para ela se levantar precisa sempre de ajuda. Quando está de pé manca um pouco mais anda normalmente, alimenta-se bem.
Já inchou as patas da frente pela impossibilidade de andar.
Já apliquei Corticóid, amplificador orgânico, soros, ferro, vitamina B1, guenasegui e no momento estou aplicando valléefer e Diazen por indicação de um Veterinário de minha cidade.
Não sei mais o que fazer então queria saber se isto é um caso de Piroplasmose ou alguma lesão em alguma parte do corpo ?

Quero Parabeniza-lá pelas informações precisas sobre a doença.

Atenciosamente
Acácio Furtado, funcionário público
criador de animais.
SHELTON TEXERA BNEVIDES

JAGUARIBE - CEARÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 07/11/2008

Artigo de uma optica interessante pois trata de problemas sanitarios que acarretam prejuízo econômico a muitos agricultores familiares. A transmissão, a forma de contato em que o animal esta exposto (categoria), a resistência que o animal adquiri ao longo do processo, fazem com que o sistema imunologico produza caracteres intrinsecos relacionados a doença. O carrapato (vilão), vetor biologico, e a mosca, vetor mecânico, (de animal para animal) na hora da picada são responsáveis pela transmissão da doença, onde foram destacados os sintomas clinicos em que o animal fica bastante debilitado, podendo chegar a morte se não for realizado a tempo o dignostico para o devido tratamento.

Gostaria de parabenizá-la pelo artigo que traz informações detalhadas e preciosas sobre a doença.

Atenciosamente

Shelton T Benevids
Técnico Agrícola com Habilitação em Zootecnia
RENATA SOUZA DIAS

CAMPINAS - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 20/05/2008

Prezado Dr. Marcos Dalston,

A transmissão via moscas hematofogas é denominda mecânica, já que a mosca no momento da picada leva a hemácia parasitada de um animal acometido pelo anaplasma, para um animal não acometido.
Encaminho um artigo publicado na Pesq. Vet. Bras (Considerações sobre a transmissão de Anaplasma marginale) que aborda as principais formas de transmissão desta riquetsia.
Muito obrigada por sua participação no MilkPoint.

Com atencao,

Renata Souza Dias


* segue anexo para seu email>
Pesq. Vet. Bras. 21(4):177-179, out./dez. 2001
177

HUBERTO ITELVÃ ROCKENBACH

LAJEADO - RIO GRANDE DO SUL - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 09/05/2008

Qual seria a prática ideal para controle do carrapato, pois os banhos e as vacinas as vezes não são eficazes? Também o controle da mosca é complicado, pois quando se vê as danadas estão de volta.
PAULO BRAGA

BAURU - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 08/05/2008

Gostaria que a Dra. Renata responda a minha duvida:

A tristeza parasitária é causada em bezerras logo após o nascimento e isto pode afetar o rendimento leiteiro desse animal quando adulto na época de produzir leite, tem alguma prevenção para que isto não venha prejudicar no futuro?
CELSO JOSE DE ARAUJO CAMPOS

BARBACENA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 27/04/2008

Prezada Dra.Renata, gostaria de saber se exite alguma vacina eficaz no combate e prevenção da Anaplasmose e Bebiose. Qual o valor da auto hemotransfusão, caso tenha alguma experiencia desta técnica, como e quando você indicaria?

Atenciosamente, Celso Campos.
MARIALDA DE ALMEIDA SANTOS

UBERLÂNDIA - MINAS GERAIS

EM 25/04/2008

Boa noite, a sra. possui fotos da babesia e do anaplasma em lâmina de esfregaço saguineo do bovino? Não é facil fazer a pesquisa e achar o parasito, pois as hemácias do bovino são muito pequenas.
MARCOS OLIVIER DALSTON

GUARANI - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 24/04/2008

Prezada Dra. Renata

A Sra. poderia detalhar melhor a diferença na transmissão do <i>Anaplasma marginale</i> entre o carrapato e as moscas hematófagas? Como é que esses vetores passam o Anaplasma para o animal suscetível?

Desde já muito obrigado e parabéns pelo artigo.

Marcos Olivier Dalston
MilkPoint AgriPoint