ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Mais carinho no manejo de bezerros leiteiros: uma experiência bem sucedida

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 25/01/2007

7 MIN DE LEITURA

4
0
Por Lívia Carolina Magalhães Silva, Adriana Postos Madureira e Mateus J. R. Paranhos da Costa1

A criação de bezerros leiteiros, principalmente do nascimento ao desaleitamento, exige boas práticas de manejo e muita atenção a detalhes. Estima-se que 75% das mortes de bezerros ocorrem até 28 dias de idade, sendo bem conhecido que a saúde e o crescimento de bezerros são dependentes de fatores que ocorrem antes, durante e logo após o parto.

Em muitas fazendas leiteiras, mesmo dentre aquelas que utilizam tecnologias inovadoras para alimentação e produção de leite, existem situações que colocam o bem-estar dos bezerros em risco, podendo resultar também em perdas econômicas. Por exemplo, falhas na ingestão de colostro podem resultar no aumento das taxas de morbidade e de mortalidade. Muitas vezes essas falhas (ou sucessos) dependem das ações das pessoas responsáveis pelo manejo, sendo evidente haver uma tendência para redução do tempo despendido em interações positivas entre as pessoas e os animais.

Há ainda predominância de interações aversivas, geralmente associadas a certos manejos (como por exemplo, transporte, medicação, vacinação, etc). Esta combinação, pouca interação positiva e muita interação negativa, geralmente levam os animais a desenvolverem estados emocionais negativos, como o de medo em relação ao homem, com conseqüências negativas sobre seu bem-estar e suas repostas produtivas (Lensink, 2002). Assim, o entendimento das relações entre nós (humanos) e os animais é muito importante para orientar as ações desenvolvidas no âmbito da produção animal, pois têm efeito direto na definição de estratégias de produção que irão influenciar tanto o bem-estar dos animais e a satisfação dos trabalhadores, quanto os resultados produtivos e econômicos da atividade.

O conceito de bem-estar é muitas vezes mal compreendido, em geral é assumido como o estado de perfeito equilíbrio físico e emocional de um dado animal com seu ambiente; esta concepção não leva em conta a condição de que há muitos estágios de se sentir bem, de fato em nossa opinião na prática é pouco provável encontrarmos um animal em estado de absoluto bem-estar.

Assim, assumimos ser melhor a definição apresentada por Broom e Johnson (1993) em que bem-estar é definido como estado de um organismo durante suas tentativas de se ajustar com o seu ambiente. De acordo com este conceito o bem-estar envolveria, em termos de qualidade de vida, todas as situações, desde aquelas que colocam a vida do animal em risco até outras em que ele estaria em plena harmonia com seu ambiente, não sendo, portanto sinônimo de estar-bem.

Um ponto importante no desenvolvimento de ações que promovam (melhorem) o bem-estar animal é buscar o conhecimento do comportamento do animal de interesse. No caso dos bovinos é importante saber que são altamente gregários, assim o alojamento de bezerros leiteiras em grupos, ao invés de individualmente, seria um passo importante em direção da melhoria de seu bem-estar (Bouissou et. al., 2001). Esta idéia encontra respaldo em outros autores, por exemplo, Nussio (2006), afirmou que muito embora a disseminação de doenças e o controle do consumo de ração sejam prejudicados, a criação de bezerros em grupos pode trazer algumas vantagens tanto para os animais como para produtores.

Uma destas vantagens seria a possibilidade de interação social mais cedo, muito importante para o desenvolvimento de comportamento social normal. Outra vantagem é maior espaço físico disponível para o animal, quando comparado a bezerros criados individualizados, o que também promoverá a expressão de comportamentos naturais com maior freqüência. A criação de bezerros em grupos também pode reduzir a necessidade de mão de obra relacionada ao tempo para a alimentação dos animais, assim como a limpeza de baias individuais ou transporte de casinhas. Porém, interação humano-bezerro pode diferenciar-se quando comparado com alojamento em grupo e alojamento individual.

Uma experiência interessante nesse sentido está sendo desenvolvida pelo nosso grupo (Grupo ETCO) na Fazenda Germânia, localizada em Taiaçu-SP, que tem um rebanho de 330 vacas em lactação e uma média de 20 nascimentos de bezerros/mês. Nesta fazenda a ocorrência de doenças (principalmente diarréia e pneumonia) e a taxa de mortalidade de bezerros eram muito altas; os bezerros eram mantidos em baias individuais e havia pouca interação positiva com os tratadores.

Este tipo de manejo, denominando manejo tradicional (MT) continuou sendo aplicado a um grupo de bezerros e um outro grupo recebeu o manejado racional que envolvia, dentre outras coisas, uma maior freqüência de interações positivas com as tratadoras e a criação em grupo (coletiva). Num curto espaço de tempo (menos de 30 dias) foram notadas mudanças expressivas, com decréscimo do uso de medicamento e na taxa de mortalidade. A partir dessa experiência os responsáveis pela fazenda resolveram adotar o manejo racional como rotina.

Com base no levantamento de dados da fazenda do período de setembro de 2004 a agosto de 2006 foi possível fazer uma comparação entre os dois tipos de manejo, caracterizando o período I (setembro de 2004 a agosto de 2005) como o de prevalência do manejo tradicional (MT) e o período II (de setembro de 2005 a agosto de 2006) como o de prevalência do manejo racional (MR).

No MT os bezerros eram alojados até 30 dias de idade em baias individuais (1,5 x 0,75m) instaladas dentro de um galpão (Figura 1), cujo piso era coberto com fina camada de maravalha; os bezerros recebiam em média 5 litros de leite por dia (em duas mamadas) em baldes individuais e havia oferta de ração concentrada e água a vontade. Posteriormente eram transferidas para casinhas tropicais (Figura 2), onde permaneciam até a desmama (por volta de 70 dias de idade). Nesta instalação a ração concentrada era oferecida duas vezes ao dia, com a inclusão de feno na dieta, sendo que a água era fornecida a vontade.

Figura 1. Bezerra alojada em baia individual.


Figura 2. Bezerra alojada em casinha tropical


MR os bezerros até 30 dias de idade eram mantidos no mesmo galpão, aumentando-se as dimensões das baias, que passaram a ser de 1,5 x 1,5m com o piso coberto por capim seco, com pelo menos 10 cm de cobertura (Figura 3); além disso, o leite passou a ser fornecido em baldes com bico (para o bezerro sugar) e enquanto mamavam eram escovados pelas tratadoras até terminarem de mamar.

Foram adotados os seguintes procedimentos de manejo: nos cinco primeiros dias de vida os bezerros recebiam colostro á vontade (da mesma forma que durante o MT, sendo no primeiro dia recebiam o colostro da própria mãe e nos quatro dias restantes era utilizado o banco de colostro da fazenda); do 5° ao 20° dia era fornecido 6 litros de leite/bezerro/dia, em duas mamadas por dia. Do 20° ao 30° dia a quantidade de leite diminuiu para 5 litros/dia; após a mamada da manhã os bezerros eram soltos em um piquete (Figura 4). Os bezerros entre 1 e 15 dias de idade permaneciam no piquete somente pela manhã, e retornavam para o galpão por volta de 11h, enquanto que os bezerros mais velhos permaneciam o dia todo no piquete, indo para o barracão somente por volta de 17h.

A ração concentrada e água estavam disponíveis à vontade no piquete e nas baias individuais.

Figura 3. Bezerro alojada em baia individual


Figura 4. Bezerros soltas no piquete após a amada


A partir do 30° dia os bezerros eram transferidos para um piquete, onde permaneciam até a desmama, por volta de 70 dias. Neste piquete havia uma pequena área coberta, onde ficava situado o cocho para oferta de alimentos, neste local recomendava-se a colocação de cama (capim seco) que deveria ser mantida sempre limpa e seca.

Entre 30 e 55 dias de idade os animais recebiam 4 litros de leite/dia, ainda em duas mamadas, com decréscimo progressivo até a desmama (com 3 litros entre 55 e 60 dias de idade já em apenas uma mamada, 2 litros de 60 a 65 dias e apenas 1 litro entre 65 e 70 dias de idade. O aleitamento nesta instalação também foi feito em balde com bico, e a escovação individual nos bezerros durante a mamada era mantida.

Ração concentrada e feno eram fornecidos duas vezes ao dia e os bezerros dispunham de água a vontade.

Com a adoção do manejo racional houve expressiva redução nas mortes de bezerros, de 6,67±3,85 para 2,25±2,21 mortes por mês para os manejos tradicional e racional, respectivamente (Teste t emparelhado: t=3,11; GL=11; P=0,01). Bem como foi menor a freqüência de uso de antibióticos, de 36,42±14,71 para 18,51±14,78 tratamentos por mês para os manejos tradicional e racional respectivamente (teste t emparelhado: t= 2,4; GL=11; P=0,035).

Além disso, ficou evidente que os bezerros submetidos ao manejo racional se mostravam mais ativos e vigorosos. Assim, além da melhoria dos índices de produtividade, o manejo mais íntimo e positivo com os bezerros possibilitou a obtenção de características comportamentais desejáveis.

Assim, concluímos que mudanças simples de instalações e de manejo podem melhorar as condições de vida de bezerros leiteiros, com reflexos positivos na sua saúde e taxa de sobrevivência. Para tanto devemos tratar cada bezerro como se fosse único, dedicando-lhe atenção e carinho.

Bibliografia consultada:

Broom, D.M., Johnson, K.G., 1993. Stress and animal welfare. Chapman & Hall, London, 211pp

Lensink, B. J., 2002. A relação homem-animal na produção animal. I Conferência Virtual Global sobre produção orgânica de Bovinos de Corte, 02 de setembro à 15 de outubro - Via Internet.

Nussio, C.M.B.; Comportamento ingestivo de bezerros leiteiros criados em grupos, disponível em www.milkpoint.com.br, com acesso no dia 06/07/2006.

___________________________________________________________________

1Grupo ETCO - Grupo de Estudos e Pesquisas em Etologia e Ecologia Animal, Departamento de Zootecnia, FCAV-UNESP, 14884-900, Jaboticabal-SP, Brasil.

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RISOLETO ALVES M NETO

ANÁPOLIS - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 10/02/2013

seu artigo demonstra mais uma vez a maxima da técna aliada `emoção onde não só devemos nos preocupar com a sanidade física mas também a emocional via manejo.           Risoleto - faz Ouro Verde. 62-85912220
MARCIO MARTINI

AMPÉRE - PARANÁ - ESTUDANTE

EM 30/12/2007

Estou começando agora a cuidar de bezerros, e por isso sou pouco experiente. Achei muito interessante o material de vocês, e gostaria de continuar a receber seus recados. Muito obrigado.
JOHN EMERSON FERREIRA REGIS

CAMPINA GRANDE - PARAIBA - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 05/02/2007

Parábens pelo excelente artigo, o modelo utilizado por vocês visa atender às condições de bem estar animal, propocionando melhores resultados no sistema de manejo.

Atenciosamente,

John Emerson Ferreira Regis
ANTERO MENDONÇA DA COSTA

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 28/01/2007

Achei bastante interessante o manejo de bezerros apresentado. O índice de mortalidade na minha fazenda é assustador, e infelizmente, meu maior problema é com o pessoal. Tentarei implantar o sistema sugerido por vocês.

Atenciosamente,

Antero M. Costa
MilkPoint AgriPoint