ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Leucose bovina

POR RENATA DE OLIVEIRA SOUZA DIAS

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 11/04/2002

3 MIN DE LEITURA

1
0

Atualizado em 30/12/2020

A leucose enzoótica bovina é uma doença infecto-contagiosa bastante comum, que causa diminuição da produção de leite. As perdas econômicas envolvem o descarte precoce dos animais, redução na produção de leite em cerca de 11%, e uma maior suscetibilidade à ocorrência de outras enfermidades.

Bovinos de todas as idades podem ser infectados, entretanto, os animais adultos apresentam percentuais de infecção mais altos. O agente etiológico da leucose enzoótica é um retrovírus (parasita de Linfócitos B).

No Brasil, a doença foi descrita pela primeira vez em 1943, e pesquisas comprovam que desde a descrição do primeiro caso, há quase 60 anos, a propagação da leucose deu-se de forma intensa e incontrolável, atingindo grandes proporções. A enfermidade é hoje caracterizada como enzoótica em 11 estados brasileiros: São Paulo, Rondônia, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Pernambuco, Paraná, Minas Gerais, Goiás, Ceará, Bahia e Acre.

 

Quais os sintomas da leucose?

É caracterizada pelo aparecimento de tumorações com infiltração mononuclear em órgãos ricos em tecido linfoide – como os linfonodos, o abomaso, o coração, o útero, o baço e os rins – e por alterações hematológicas, baseadas na detecção de leucocitose por linfocitose com aumento das formas linfocitárias atípicas.

O quadro hematológico de bovinos infectados pelo vírus da leucose bovina foi estudado por pesquisadores brasileiros no intuito de avaliar a resposta imune humoral e celular. A resposta humoral foi avaliada através da imunização dos animais com vacina contra a febre aftosa e posteriores titulações semanais dos anticorpos séricos contra a aftosa. Já a resposta celular foi avaliada através da reação cutânea à tuberculina em bovinos naturalmente sensibilizados pelo Mycobacterium sp.

Esta pesquisa concluiu que a leucose não é responsável por variações imunológicas de natureza qualitativa ou funcional. Outro grupo de pesquisadores brasileiros, buscou avaliar a influência da doença sobre o proteinograma sérico e as quantidades de imunoglobulinas (IgG e IgM) nos bovinos, não sendo encontradas diferenças entre os animais sadios e os infectados com o vírus da leucose. Com base nestas informações, não foi possível associar a imunossupressão aos animais infectados com leucose.

 

Transmissão

A leucose pode ser transmitida por meio da ingestão de leite ou colostro contaminados, transfusões de sangue, premunições e fômites (agulhas, tatuadores, material cirúrgico, etc.).

 

Controle e prevenção da leucose

Dentre as alternativas de controle destacam-se três opções: eliminação dos animais soropositivos; segregação dos animais soropositivos; manejo misto, com adoção de medidas de controle para evitar a transmissão do vírus.

A alternativa da eliminação dos animais positivos é uma proposta economicamente inviável para a maioria das propriedades, podendo ser aplicada apenas nos rebanhos com baixos índices de leucose. A alternativa de segregação é pouco prática e se adequa a um número limitado de propriedades. As duas alternativas citadas acima são as que apresentam os melhores resultados.

A terceira alternativa, apesar de ser a mais indicada, também causa transtornos no manejo, pois engloba dentre as medidas de controle para evitar a transmissão do vírus:

  • introdução somente de animais sorologicamente negativos no rebanho
  • uso de agulhas individuais
  • desinfecção dos instrumentos utilizados para cirurgias
  • brincagem e descorna (com álcool iodado)
  • uso de luvas obstétricas individuais para palpação retal
  • uso de receptoras soronegativas para transferência de embriões
  • evitar que os bezerros tenham acesso ao colostro e ao leite advindo das vacas soropositivas

Contudo, deve-se destacar que o controle por segregação necessita de um período prolongado para a observação de resultados satisfatórios. 

Em última análise, a implantação de um programa para o controle da leucose enfrenta várias limitações, dentre elas: a falta de motivação de técnicos e produtores devido ao fato da infecção ser, na maioria das vezes, inaparente; dificuldade em quantificar os prejuízos e aumento dos esforços de manejo para realização do controle.

Fonte:

Birgel Junior, E. H., et al. Dinâmica das Proteínas Séricas de Fêmeas Bovinas da Raça Holandesa Naturalmente Infectadas pelo Vírus da Leucose dos Bovinos. Ciência Rural, v.31, n.4, p. 615-19, 2001.

Garcia, M. Avaliação da resposta imunitária em bovinos naturalmente infectados pelo vírus da leucose. São Paulo - SP, 1992. 60p. Tese (Doutoramento) - Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, 1992.

Braga, F. M., et al. Avaliação de Métodos de Controle da Infecção pelo Vírus da Leucose Enzoótica Bovina. Ciência Rural, v.27, n.4, p. 635-40, 1997.

RENATA DE OLIVEIRA SOUZA DIAS

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

GABRIEL SILVA ALVES

SÃO SEBASTIÃO DO PASSÉ - BAHIA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 09/10/2018

è uma pena não existir vacina contra esse virus, os mais prejudicados seria a agricultura familiar...devido a longevidade dos animais, pena que o grande laboratório #pfizer, @pfizer não têm interesse nisso....
MilkPoint AgriPoint