ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Intoxicação por samambaia do campo

POR RENATA DE OLIVEIRA SOUZA DIAS

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 26/04/2002

3 MIN DE LEITURA

1
0

Um episódio rotineiro nas fazendas produtoras de leite é a falta de atenção com o piquete para onde são enviadas as vacas no início do período da secagem. Não é difícil observar nesses piquetes acúmulo de barro, ocorrência de capoeiras, cupins, etc.. A falta de atenção com esses locais pode favorecer o desenvolvimento de plantas tóxicas, e como este assunto é raramente divulgado, poucas fazendas estão atentas para este sério problema. Na seqüência deste raciocínio, quando começam a aparecer os quadros de intoxicação, várias hipóteses complexas são pesquisadas em busca da causa dos quadros clínicos. Dentre as inúmeras plantas tóxicas encontradas no Brasil, a samambaia é uma das que mais causa controvérsia em seu diagnóstico, devido à semelhança com doenças tais como o carbúnculo hemático, a leptospirose, a tristeza parasitária e a pasteurelose.

A samambaia é uma planta encontrada em áreas com maior altitude, principalmente nas regiões Sul e Sudeste do Brasil. A ocorrência de solos pobres em fósforo e arenosos favorece seu desenvolvimento. Além disso, a prática das queimadas favorece a brotação e contribui para sua proliferação. Além de ingerida diretamente no pasto, a samambaia pode estar presente em fenos contaminados e na cama dos animais estabulados, sendo que a planta, mantém seus princípios tóxicos, verde ou seca.

A samambaia, também conhecida como samambaia-do-campo, tem poder cumulativo e seu princípio tóxico é uma tiaminase do tipo I, que nos bovinos é metabolizada em fatores determinantes da hematúria, da anemia aplástica e da neoplasia enzoótica.

Os sintomas clínicos da intoxicação podem ser agudos ou crônicos. A sintomatologia aguda é mais rara e pode ser dividida em dois tipos: Laríngeo e Entérico. No tipo laríngeo os animais apresentam redução de peso, pêlo arrepiado, hemorragias cutâneas e nas cavidades naturais (boca,etc..), edema de garganta e andar cambaleante. O curso da intoxicação é de aproximadamente três dias. No tipo entérico os animais apresentam anorexia, diarréia, fezes escuras e com coágulos de sangue, mucosas pálidas com petéquias, febre e dificuldade de coagulação sanguínea, sendo que as áreas picadas por parasitas apresentam hemorragia.

A sintomatologia crônica é também conhecida como a hematúria enzoótica dos bovinos. É importante diferenciar a hematúria (que pode ocorrer nos casos de intoxicação com samambaia) da hemoglobinúria (que pode ocorrer nos casos de tristeza parasitária). Em ambos os casos a urina apresenta-se com a coloração avermelhada, entretanto nos casos de hematúria há presença de hemácias na urina, e a hemoglobinúria está associada à hemólise ocorrida na babesiose.

Nos casos crônicos de intoxicação por samambaia, além da hematúria, também são encontrados carcinomas na região do esôfago, faringe e rúmen, que ocasionam tosse, dificuldade de deglutição dos alimentos, podendo ainda levar à ocorrência de Timpanismo (devido à dificuldade de eructação). Os animais acometidos apresentam-se anêmicos e podem também possuir ulcerações na cavidade oral.

Frente à grande variedade dos sintomas descritos acima, o diagnóstico deve associar, além da sintomatologia, a presença da planta na fazenda e os resultados do exame laboratorial. Dentre os achados laboratoriais dos animais intoxicados com a samambaia vale a pena ressaltar: baixa dosagem de plaquetas (trombocitopenia), tempo de coagulação aumentado, neutropenia, anemia e hematúria (urina).

Os casos suspeitos ou confirmados devem ser retirados da área com a presença da samambaia. Apesar de não existir tratamento eficaz, uma das alternativas é recorrer à transfusão de sangue, a outra, à antibioticoterapia, visando combater as infecções secundárias.
 

Figura 1- Folha da Samambaia

 


Fonte: Cad. Téc. Vet. Zootec., n. 32, p.20, 2000

Fonte: Melo, M.M. Plantas Tóxicas. Cadernos Técnicos de Veterinária e Zootecnia, n.32, p.20-25, 2000

RENATA DE OLIVEIRA SOUZA DIAS

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CARLOS CESAR MASSAMBANI

UMUARAMA - PARANÁ - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 23/07/2002

Colega Renata, Estive na Nova Zelândia e lá conheci um sistema de produção da seguinte forma:

A fazenda é arrendanda e como tem muita samambaia nas partes baixas, ele coloca as vacas secas numa determinada área (com cerca elétrica) com altíssima pressão de pastejo durante cinco dias. As vacas praticamente começam a passar fome, então ele as retira e leva ao melhor pasto da fazenda por 21 dias, em seguida leva-as a outra área demarcada (com samambaia) e repete assim sucessivamente.

A presença da samambaia nestes locais é cerca de 70% da área.

Perguntamos se havia algum problema de intoxicação e ele nos respondeu que nunca teve problemas.

Minha pergunta é se isso é possível, estaria o produtor dizendo a verdade?

Ele faz isso para reformar as pastagens ruins sem gastar dinheiro, uma vez que o contrato de arrendamento é somente para três anos.
MilkPoint AgriPoint