ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Indicadores de desempenho na atividade leiteira

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 24/06/2005

5 MIN DE LEITURA

1
0
Por Luiz Carlos Takao Yamaguchi1, Aryeverton Fortes de Oliveira1 e Paulo do Carmo Martins1

O pesquisador da Embrapa Gado de Leite, Dr. Paulo Martins, publicou recentemente artigo "Para analisar o negócio leite" no MilkPoint, clique aqui para ler, retratando o esforço para se estabelecer critérios de avaliação de desempenho de uma propriedade leiteira. Procurando operacionalizar esta metodologia, o presente artigo visa apresentar os resultados apurados em 162 unidades de produção. São unidades sediadas nos principais estados produtores de leite do país, cujo levantamento de dados contou com a colaboração das principais empresas e cooperativas compradoras de leite.

Os estados selecionados foram MG, SP, PR, RS e GO, que, no agregado respondem por cerca de 70% da produção leiteira nacional. As empresas parceiras foram Nestlé e Itambé (MG), Parmalat e Coonai (SP), Castrolanda e Frimesa (PR), Elege e Parmalat (RS) e Centroleite e Laticínios Morrinhos (GO).

Como critério de escolha da região de estudo, dentro de cada estado, estabeleceu-se que fossem aquelas que mostrassem maior produtividade por vaca ordenhada. Foram selecionadas propriedades que atendessem os seguintes critérios: a) Propriedades cuja renda proveniente da venda de leite fosse em torno de 70%; b) Propriedades que estivessem na atividade há algum tempo e que possuíssem sistemas de produção consolidados ou próximos, em termos de rebanho, infra-estrutura e outros.; c) Propriedades que fossem referências na produção de leite e que estivessem mantendo-se economicamente e com perspectivas de permanecerem na atividade pelo menos por mais cinco anos.

Quanto ao procedimento adotado para a apuração dos custos de produção, considerou-se a segmentação do sistema global de produção de leite em cinco setores, sendo três de produção (leite, fêmeas para reposição e alimentos volumosos) e dois de serviços (trator + implementos e reprodução). Os resultados, apresentados na Tabela 1, referem-se aos observados no setor de produção de leite. Neste setor, foi considerado como ativo imobilizado: as benfeitorias, máquinas, equipamentos de uso específico e aqueles de uso em comum com outros setores, rateado segundo tempo de utilização em cada setor, bem como os animais de produção (vacas em lactação e vacas secas). As pastagens foram computadas somente quando efetivamente utilizadas pelo setor de leite, considerando-se o seu custo total anual, portanto, incluso o custo de oportunidade da terra. Os alimentos volumosos também foram computados apenas aqueles realmente consumidos pelo setor de leite, valorizados aos seus custos de produção.

Na Tabela 1 são apresentados os resultados dos cinco indicadores de desempenho selecionados para aferir os desempenhos econômicos da atividade leiteira, nos cinco estados pesquisados, cujas identificações de cada indicador encontram-se no rodapé da tabela. As variáveis que constam da segunda coluna da tabela indicam: abaixo da média = média aritmética dos indicadores de desempenho das unidades de produção que apresentaram valores inferiores à média geral; n = número de unidades de produção nos grupos abaixo da média, média e acima da média; média geral = média aritmética considerando todas as unidades de produção; e acima da média = media aritmética dos indicadores de desempenho das unidades de produção que apresentaram valores superiores à média geral.

O dois primeiro indicadores mostram o desempenho técnico enquanto os três últimos o desempenho econômico.

A Taxa de Lotação das Pastagens indica o número médio anual de vacas em lactação por hectare.

A Produtividade das Pastagens mostra o volume médio anual de leite produzido por hectare.

A Taxa de Remuneração do Capital indica retorno médio anual do ativo imobilizado no Setor Leite.

O Ativo Imobilizado por Litro de Leite mede o nível de ociosidade do ativo imobilizado no Setor Leite.

Por fim, o Giro do Ativo Imobilizado indica a velocidade do giro do capital imobilizado. Assim, com exceção do indicador Ativo Imobilizado por Litro de Leite, que quanto menor for seu valor maior o desempenho do Setor Leite, os demais indicadores, ao contrário, quanto maiores seus valores maior o desempenho desse setor.

Analisando os dados apresentados na Tabela 1, observa-se que o indicador Taxa de Lotação das Pastagens, para o grupo média geral que incluiu a totalidade das unidades de produção em cada estado, foi de 3,31 cabeças/ha/ano no RS seguido do PR com 3,21 cabeças/ha/ano, com a menor taxa sendo registrada em MG de 1,00 cabeças/ha/ano. Seguindo o mesmo raciocínio, o maior valor encontrado para o indicador Produtividade das Pastagens foi de 23.066,13 litros/ha/ano no RS, seguido do PR com 22.159,67 litros/ha/ano e com o menor valor observado também em MG com 4.565,65 litros/ha/ano. Quanto ao indicador Taxa de Remuneração do Capital o maior valor encontrado foi de 16 % no RS seguido do PR com 14%, sendo o menor valor obtido de 2% em SP. Para o indicador Ativo Imobilizado por Litro de Leite o menor valor encontrado foi de R$ 0,71 no PR seguido de MG com R$ 1,02 e RS com R$ 1,09. Por último, o maior valor encontrado para o indicador Giro do Ativo Imobilizado foi de 0,66 vezes no RS, de 0,53 vezes no PR, sendo o menor valor observado de 0,29 vezes em SP.

Analisando agora os grupos abaixo da média e acima da média, conforme definidos acima, observa-se também que as unidades de produção dos estados do RS e PR apresentam melhores indicadores de desempenho quando comparados com as unidades dos estados de SP, GO e MG. Verifica-se ainda, que no estado de São Paulo, o grupo abaixo da média, obteve valor negativo para o indicador de desempenho Taxa de Remuneração do Capital, sinalizando que algumas unidades desse grupo estarão fora do mercado, no longo prazo, a persistirem tais resultados.

Do exposto pode-se inferir que o melhor desempenho, tomando no conjunto os cinco indicadores, coube ás unidades de produção do Rio Grande do Sul, seguidos das unidades do Paraná, Minas Gerais, Goiás e São Paulo. Cabe mencionar que no grupo abaixo da média o número de unidades de produção foi, para todos indicadores, maior ou igual ao do grupo acima da média. No Rio Grande do Sul, essa desigualdade mostrou-se bem mais acentuada, variando de 60% para o indicador Taxa de Remuneração do Capital a 86% para Ativo Imobilizado por Litro de Leite. Por fim, pode-se concluir que as unidades que compõem o grupo acima da média, são referências na produção leiteira dentro dos seus estados.

Tabela 1. Indicadores de desempenho selecionados para aferir a eficiência econômica da atividade leiteira


1Taxa de Lotação das Pastagens (Número de vacas em lactação/Área de pastagens).
2Produtividade das Pastagens (Produção anual de leite/Área de pastagens).
3Taxa de Remuneração do Capital (Margem líquida/Valor do ativo imobilizado).
4Ativo imobilizado por litro de leite (Valor do ativo imobilizado/Produção de leite).
5Giro do Ativo Imobilizado (Faturamento/Valor do ativo imobilizado).

_________________________________
1Luiz Carlos Takao Yamaguchi, Aryeverton Fortes de Oliveira e Paulo do Carmo Martins são pesquisadores da Embrapa Gado de Leite

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOSÉ EDUARDO PEREIRA MAMEDE

AGUAÍ - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 23/07/2005

Prezados Senhores,



Quero cumprimentar a equipe responsável por esta pesquisa e agradecer pelos dados que foram divulgados.



Este tipo de informação é muito importante para aqueles que estão querendo melhorar o seu desempenho no "negócio de produção de leite".



Resta agora a cada um de nós encontrarmos os nossos números ou conhecer o nosso desempenho em cada um desses indicadores.



Para cada indicador em que o nosso desempenho estiver ruim, precisaremos estabelecer um plano de ação para sua melhoria, tendo como meta inicial o alcance do valor médio obtido nesta pesquisa.



Vamos lá...mãos à obra!

MilkPoint AgriPoint