ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Herpesvírus bovino tipo - 1 (Parte 2)

POR RENATA DE OLIVEIRA SOUZA DIAS

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 10/01/2003

6 MIN DE LEITURA

0
0

Como já foi citado anteriormente, a BHV-1 se manifesta de forma sutil causando dúvidas e atraso na implementação das medidas de controle, confira agora os principais sinais clínicos desta virose.

BHV-1 e a Reprodução

Atualmente a BHV-1 é reconhecida em todo o mundo como uma importante doença da reprodução em bovinos. Sua transmissão pode ocasionar sérias perdas reprodutivas às vacas, tais como absorção embrionária, lesão nas tubas uterinas e aborto.

Os sinais clínicos que levam o produtor e o técnico a suspeitar da doença são infertilidade temporária, repetição de cios, morte embrionária, abortamentos e natimortalidade. As maiores perdas econômicas estão associadas aos abortos e repetições de cio.

Os abortos associados à BHV-1 ocorrem, geralmente, após o quarto mês de gestação. Raramente os fetos afetados chegam a termo, quando o fazem, são natimortos ou morrem na primeira semana de vida. A expulsão do feto pode demorar até 100 dias após a exposição ao vírus. Até 25% das fêmeas acometidas podem abortar durante um surto da doença.

A vulvovaginite é a forma genital da doença e é disseminada pelo coito. Apresenta um curto período de incubação (1 a 3 dias). A infecção se dissemina rapidamente pelo rebanho, afetando 60 a 90% dos animais. No início, a VPI (vulvovaginite) ocasiona corrimento vaginal mucopurulento, surgem pústulas que podem evoluir para úlceras, sendo facilmente observadas na vulva. O vírus também afeta a mucosa peniana do macho, ocasionando uma balanopostite.

BHV-1 e o Trato Respiratório

A forma respiratória se caracteriza por rinite e traqueíte. Os sintomas podem ser leves ou mais graves, neste caso, quando há presença de pneumonia bacteriana secundária, que é a responsável pelas maiores perdas econômicas. Os animais afetados apresentam anorexia, depressão, tosse, focinho avermelhado, corrimento nasal (inicialmente seroso, passando a mucopurulento) e queda na produção de leite. Os abortos podem acontecer concomitantemente à moléstia respiratória, ou 100 dias após a infecção. Entretanto, a presença dos sintomas respiratórios não é essencial para a ocorrência do aborto.

BHV-1 e a Conjuntiva Ocular

A conjuntivite é a manifestação ocular mais comum nos animais acometidos com o vírus. Para a realização do diagnóstico diferencial, deve-se estar atento para: lacrimejamento excessivo (inicialmente seroso, tornando-se mucopurulento), bilateral ou unilateral, desenvolvimento de placas brancas na superfície palpebral uma a duas semanas após o surgimento dos sintomas clínicos. Diferente da ceratoconjuntivite bovina infecciosa causada pela Moraxella bovis, não causa ulceração. A moléstia pode ocorrer isolada ou acompanhada dos demais sintomas, tais como problemas no trato respiratório e aborto. A recuperação é espontânea, dentro de 10 a 20 dias. Todavia, para que não ocorra uma infecção secundária, pode ser útil o tratamento paliativo. Este tratamento consiste na limpeza do corrimento ocular das pálpebras e aplicação de antibiótico tópico de amplo espectro.

- Diagnóstico

Os rebanhos sob suspeita da doença devem ser submetidos à diagnósticos laboratoriais, sendo esta a única maneira de obter um diagnóstico conclusivo. Confira abaixo algumas das doenças que podem apresentar sinais semelhantes e causar dúvida no diagnóstico clínico da BHV-1.

- Vulvoginite: apresenta sintomas que podem ser confundidos com as infecções ocasionadas pelo Micoplasma bovigenitalium e Ureaplasma diversum.

- Quadros clínicos no sistema respiratório causado pelo BHV-1: apresentam sintomas semelhantes aos ocasionados pelo BRSV, BVD, PI-3 e Pasteurella.

- Encefalites causadas pelo BHV-5: apresentam sintomas semelhantes à raiva, babesiose cerebral, enterotoxemia, toxinfecções, intoxicação por plantas tóxicas, uréia, chumbo, acidentes ofídicos e encefalopatia espongiforme bovina.

- Distúrbios reprodutivos ocasionados pelo BHV-1: os abortos causados pela infecção podem ser confundidos com a brucelose, leptospirose, campilobacteriose, neosporose, tricomonose, BVD, entre outras...

Para o diagnóstico laboratorial da doença as provas sorológicas como a soroneutralização (SN) e o ensaio imunoenzimático (ELISA) são utilizadas como rotina na identificação de anticorpos para o BHV-1. No entanto, a soroneutralização apresenta algumas limitações nos casos em que os animais apresentam baixos títulos de anticorpos para o BHV-1. Além disso, é importante destacar que ambas as técnicas são incapazes de diferenciar os títulos provenientes da exposição ao vírus vacinal daqueles oriundos da exposição natural ao vírus de campo. Nestes casos, o melhor recurso é optar pelo diagnóstico laboratorial etiológico, dentre eles:

-

  • Isolamento do BHV-1 em cultivo celular - apresenta custo elevado e necessita de material clínico bem conservado

    -
  • Imunoperoxidase e imunofluorescência: também necessita de material clínico bem conservado

    -
  • PCR (Reação da polimerase em cadeia): técnica que apresenta vantagens frente às demais, pois uma ampla variedade de amostras biológicas pode ser utilizada. Além disso, o impacto causado pelo atraso no trânsito das amostras e pela condição inapropriada de transporte até o laboratório é inferior quando comparado aos demais métodos de diagnóstico. A eficácia da técnica de PCR tem sido descrita por inúmeros trabalhos de pesquisa, sendo destacado como um método altamente sensível e específico.

    Como já foi dito, para o sucesso do diagnóstico laboratorial é importante atenção ao remeter o material ao laboratório. Para o isolamento viral e PCR podem ser enviados "swab" nasal, "swab" e raspado vaginal, sêmen fresco ou congelado, fragmentos de tecidos de fetos abortados, gânglios dos nervos ciático e trigêmio. Todo o material deve ser enviado sob refrigeração (não congelar), devidamente identificado e acompanhado de um breve histórico e das alterações encontradas. Para pesquisa de anticorpos por sorologia (soroneutralização e ELISA) enviar soro sanguíneo colhido de forma asséptica (se possível, sem coágulos). O soro deve ser enviado sob refrigeração, devidamente identificado e acompanhado de um breve histórico. Todo o material deve ser coletado e enviado o mais rápido possível. É também importante entrar em contato com o laboratório que irá realizar as análises para pedir maiores informações sobre a coleta e o envio das amostras.

    Os rebanhos com a confirmação laboratorial da doença e com perdas econômicas advindas da sintomatologia clínica da enfermidade devem ser submetidos às medidas de biosegurança que visam reduzir as chances de disseminação da doença, e, conjuntamente, deve-se estudar a possibilidade de um programa de vacinação. A vacinação contra o vírus da IBR não previne a infecção, mas visa proteger os animais contra os danos econômicos das formas clínicas causadas pelo vírus.

    Dentre as medidas de biosegurança que visam reduzir a disseminação da doença pode-se destacar:

    -
  • Prevenir a entrada de animais infectados

    -
  • Quarentena dos animais recém introduzidos no rebanho

    -
  • Checagem dos animais de reposição através de duas sorologias antes da entrada no estábulo de produção de leite

    -
  • Utilizar somente sêmen livre do vírus

    -
  • Higiene regular nas áreas de maternidade

    Fonte:

    Alfieri, A.A. Consequências da infecção pelo Herpesvirus Bovino Tipo 1 sobre o sistema reprodutivo de bovinos. Semina: Ci. Agr. Londrina, v.19, p. 86-93, 1998.

    Bradford, S.P. Tratado de Medicina Interna de Grandes Animais. 1ed. Saunders: Manole, 1993. 1661p.

    Takiuchi, E.; Alfieri, A.F.; Alfieri, A.A. Herpesvírus bovino tipo 1: Tópicos sobre a infecção e métodos de diagnóstico. Semina: Ci. Agr. Londrina, v.22, p. 203-209, 2001.

    Kahrs, R.F. Infectious bovine rhinotracheitis: a review and update, J. Am. Vet. Assoc., v.171, p.1055-1064, 1977.

    Roehe, P.M. et al. Diferenciação entre o vírus da Rinotraqueíte Infecciosa Bobina (BHV-1) e herpesvírus da encefalite bovina (BHV-5) com anticorpos monoclonais. Pesq. Vet. Bras., v.17, n.1, p.41-44, 1997.

    Sampaio, S. Rinotraqueíte infecciosa dos Bovinos. Biológico, São Paulo, 47:107-114, 1981.

    Weblein, R. Agentes virais presentes no Sêmen bovino. A hora veterinária, 9 (50):43-47, 1989.

RENATA DE OLIVEIRA SOUZA DIAS

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint